REVISTA BIBLIOT3CA

Leituras Selecionadas do Editor-Chefe J.Filardo

Ser Maçom em Cuba – Como se pensar livre em um país que não é.


Tradução J.Filardo

por Jean-Moïse Braitberg

Imagem Shutterstock

A maçonaria nunca foi proibida pela ditadura comunista cubana.  Sua rica e longa história, ligada pelo poder à luta emancipadora da ilha, é mais complexa do que parece. E a tolerância que o regime mostra em relação a ela é mais uma tática política do que uma convergência real de ideais.

“Em 2006, enquanto morava no Equador, irmãos de uma das principais lojas de Quito me propuseram acompanhá-los em uma delegação a Cuba, dizendo: “Venha conosco, nós te apresentaremos ao irmão Fidel”. Eu nunca tinha ouvido falar que Castro era maçom e quando pedi esclarecimento me responderam muito seguros de si mesmos: “Ele foi iniciado com Che Guevara quando eles estavam no México antes da Revolução” sem me contar mais.  Eu não tinha motivos para colocar em dúvida as palavras desses irmãos e já me imaginei, posando de avental ao lado do “Líder Máximo”.  Infelizmente, quando chegamos a Havana, soubemos que Fidel adoecera seriamente e não o encontramos.” 
Esta anedota, relatada por Jacques Lafouge, que foi Grão-Mestre do Grande Oriente da França em 1996-1997, confirma uma lenda tenaz que continuam a vender os irmãos que, na América Latina, veem na Maçonaria a mãe de todo o progressismo, inclusive entendido em sua suposta conivência com o marxismo autoritário da versão cubana.
Isso ocorre porque Fidel era maçom, eles tentam explicar, que Cuba seja o único país comunista que não apenas tolerou a Maçonaria, mas também a protegeu e até mesmo exaltou. 
O fato é que a situação não é trivial e questiona.  Já em 1920, Lenin fizera da não-associação à Maçonaria uma condição obrigatória para ingressar na Terceira Internacional e, subsequentemente, todos os países colocados na órbita soviética baniram todas as práticas da Arte Real, Cuba foi a única ditadura comunista que ofereceu uma relativa paz aos maçons, mas mesmo assim, uma paz.
Muitas respostas são possíveis. A primeira, a mais óbvia, é como sempre aquela que nos recusamos a ver. Assim como os sacerdotes depositários de confissões secretas de seu rebanho eram, ao longo dos séculos os melhores agentes de inteligência da Igreja Católica e os poderes que estavam ligados a ela, também havia confidências entre irmãos feitos sob o selo do segredo maçônico podem informar utilmente vários poderes. Nesse sentido, Castro provavelmente foi sem dúvida mais esperto, ou mais maquiavélico do que seus colegas comunistas europeus …

Medo e instrumentalização

Além disso, os maçons da Grande Ilha não são idiotas. “Não fale principalmente de política, senão amanhã de manhã estaremos todos na cadeia”, disse o venerável da loja de Havana que me convidou, continua Jacques Lafouge        .
É, portanto, uma questão entendida. Se os cerca de 20 mil irmãos cubanos repartidos entre as trezentas e dezoito lojas cubanas não mencionam nenhuma questão social, política ou religiosa, não é só porque se dedicam exclusivamente ao simbolismo e querem preservar a serenidade dos seus trabalhos. É também porque eles têm medo.
Isso posto, se a maçonaria cubana é indubitavelmente tão controlada quanto instrumentalizada pelo poder castrista, ainda não é Fidel Castro que a inventou com o único propósito de usá-la.  É uma instituição antiga na ilha, com mais de 200 anos de história, se ela não se confunde totalmente a história da emancipação anticolonial recuperada pelo castrismo, ela contribuiu largamente para ela. Como ela fez tão bem na França, pretendendo ser o cadinho dos ideais de 1789, a maçonaria cubana identificou-se com aqueles de seus irmãos que lutaram por sua independência e sua emancipação social. Começando com seu Libertador, o poeta José Martí que, como Simon Bolívar, eram maçons.

Um maçom “apóstolo”

José Martí (1853-1895) é considerado “a alma” de Cuba, onde ele é comumente chamado de “o apóstolo”.  Nascido em uma família modesta, ele manifestou seu ideal de independência em tenra idade. O que lhe valeu na idade de 16 anos, ser preso e depois exilado na Espanha, onde reforçou suas convicções liberais e sociais em contato com movimentos antimonarquistas. É em Madri que ele será iniciado em 1871 na loja Caballeros Cruzados Nº 62, filiada ao Grande Oriente Lusitano Unido, do qual foi o orador.
O Grande Oriente Lusitano Unido, cuja sede era em Portugal, era resolutamente favorável à independência dos povos e tudo mostra que as ideias, como o engajamento político de José Martí, estavam diretamente relacionadas à sua filiação maçônica. Fermín Valdés Domínguez, amigo íntimo do “apóstolo”, foi o primeiro a mencionar sua ligação com a Maçonaria dez anos após sua morte no jornal madrileno El Triunfo:  “Eu dedicava minhas noites ao teatro […] ou à loja maçônica em que Martí era o orador; um lugar onde se reuniam semanalmente todos os jovens cubanos que se encontravam em Madri […] “.
A vida de José Martí foi a de um exilado. Depois da Espanha, ele ficou em Paris, onde conheceu Victor Hugo, depois na Guatemala, México, Venezuela, antes de passar muitos anos em Nova York. Não sabemos nada sobre sua pertença à Maçonaria durante todos esses anos, mas há provas de que ele continuou a manter relações fraternas com a maçonaria cubana.  Em um livro publicado em Cuba em 2007 sob o título Martí ciñó el mandil – (Martí cingiu o avental) – o pesquisador Samuel Sánchez Gálvez reproduziu vários documentos encontrados nos arquivos da loja Ferdinanda de Jugua em Cienfuegos, uma cidade no centro de Cuba. Duas cartas trocadas com o irmão Amelio de Luis Vela de los Reyes, também membro do Grande Oriente Lusitano, mostram que Marti, de seu exílio, continuou fiel aos seus ideais maçônicos. Além do interesse histórico desta descoberta, o fato de que este livro não somente foi publicado em Cuba, mas também ter sido objeto de vários artigos de imprensa, mostra o interesse dos cubanos pela maçonaria e o lugar que autoridades atribuem a ele no romance nacional.
Martí não é o único herói nacional cuja qualidade maçônica é destacada na ilha.  Em Santiago de Cuba, a estátua representando José Martí, cujo pedestal é decorado com esquadro e compasso, é erguida na praça Céspedes dedicada a Carlos Manuel de Céspedes (1819-1874) herói da “guerra de dez anos” entre os independentistas cubanos e os espanhóis de 1868 a 1878 que fez quase trezentas mil vítimas do lado cubano.
Céspedes era membro da Loja Estrella Tropical 19 fundada em 28 de março de 1868 em Havana sob os auspícios do Grande Oriente de Cuba e das Antilhas, uma obediência ligada ao Grande Oriente da França, cuja maioria dos membros era resolutamente republicanos e independentistas. Céspedes, em seguida, tornou-se venerável da loja Buena Fe localizada em Manzanillo, não muito longe de Bayamo. Paradoxalmente, havia em suas colunas vários representantes das autoridades espanholas, incluindo o chefe de polícia do setor. Pode ser que essa frequência não tenha sido a gosto de Céspedes. Em 1870, ele se encontra no comando da Independência, uma loja de combate itinerante nas florestas da Sierra de Najasa, província de Camagüey. Nessa época, Céspedes estava à frente de um exército de cerca de mil homens em grande parte formados por ex-escravos de sua propriedade que ele havia libertado dois anos antes.  A escravidão não cessou oficialmente em Cuba até 1886 e Céspedes fez de sua abolição uma condição consubstancial para a luta pela independência:  “Uma Cuba livre é incompatível com uma Cuba escravagista, a abolição das instituições espanholas deve incluir a abolição da escravatura por razões de alta justiça, porque ela condiciona todas as outras liberdades”. Por esta declaração, Céspedes juntou-se às preocupações do irmão José Martí:  “Não há ódio racial porque não há raças.   Os pensadores fracos, os pensadores de gabinete descobrem e requentam raças livrescas. […] Aquele que fomenta e propaga a oposição e o ódio das raças, peca contra a humanidade.”  

Maçons escravagistas

A lembrança frequente dessas tomadas de posição pelas autoridades cubanas inscreve hoje a maçonaria em uma visão “progressista” que se encaixa com a orientação política da ilha. No entanto, o ideal de Liberdade, Igualdade e Fraternidade, proclamado durante cada participação nas lojas cubanas de hoje, nem sempre foi a diretriz dos maçons cubanos, incluindo aqueles que assumiram a causa da independência, a exemplo de Narciso López (1797-1851), cujo nome permanece ligado à primeira aparição da bandeira cubana.

Originalmente de Caracas, na Venezuela, esse filho de mercadores bascos se alistou muito jovem no exército de libertação de Simón Bolívar antes de ir para o lado espanhol, onde fez carreira militar.  Enviado a Cuba, onde se casou com uma aristocrata espanhola, ele tomou partido em favor dos separatistas e foi forçado a partir para os Estados Unidos. Membro da Loja de Savannah, na Geórgia, ele se comprometeu a reunir os círculos escravagistas do sul à causa separatista. Ele os fez refletir o interesse de uma Cuba livre, onde a escravidão ainda estava em vigor, o que no futuro poderia se tornar um estado americano escravagista como tinha se tornado pouco tempo depois o Texas, arrancado da dominação mexicana. Para realizar seu projeto, Narciso López recrutou um exército particular de várias centenas de homens com financiamento de plantadores sulistas. Após uma primeira tentativa fracassada em 1850, ele conseguiu desembarcar no ano seguinte e tomar a cidade cubana de Cardenas.  Mas esta expedição, que prenunciou o desastroso desembarque da Bais dos Porcos tentado por Kennedy contra o regime de Castro pouco mais de cem anos depois, chegou ao fim. O esperado apoio da população cubana não veio.  Ela significou fato e causa para os espanhóis que fizeram prisioneiros Lopez e seus companheiros antes de passa-los pelas armas.       

Este episódio turbulento mostra que, embora os maçons emancipadores tenham acompanhado Cuba no seu caminho rumo à independência política e social, a instituição maçônica desempenhou um papel, no mínimo contraditório.  
E, afinal, proprietários franceses de escravos nas Antilhas quem primeiro introduziram a Maçonaria em Cuba. Um deles, Joseph Cerneau, personalidade polêmica por trás de um rito derivado do Rito Escocês Antigo e Aceito ainda praticado hoje, fundou a primeira loja em Havana em 1804 em nome da Grande Loja da Pensilvânia, sob o título distintivo de Templo das Virtudes Teológicas. Mas como demonstrou a historiadora Agnès Renault, desde 1801, lojas foram instaladas em Santiago de Cuba por franceses que fugiam da “rebelião dos negros” no Haiti.

Influência francesa, vitória americana  

Esses maçons muito ativos para alguns membros da Reunião dos Corações da França e da América, presentes na ilha de Santo Domingo, foram em sua maioria expulsos em 1809, principalmente durante as guerras franco-espanholas. Muitos deles então foram para a Louisiana, onde lançaram as fundações de uma maçonaria inspirada no rito de Cerneau. Isso explica em parte os antigos laços que não cessaram de crescer depois, entre a maçonaria americana e a cubana. No entanto, após 1820, vários maçons franceses retornaram a Cuba na região de Santiago, onde criaram as lojas La Constante Sophie e Humanité, sob a égide do Grande Oriente de França e trabalhando no rito francês. Um dos eminentes membros da Humanité, Charles Préval, que veio com sua família de Santo Domingo, enriqueceu graças ao tráfico de escravos, tendo sua própria plantação próxima a Santiago cerca de quarenta. No plano político, não se distingue uma tendência clara nos maçons dessa época, sejam eles franceses ou hispânico-cubanos: “Havia muita diferença nos ideais dos maçons hispano-cubanos entre os tradicionalistas […] e os mais liberais […] A tendência liberal ainda não parece ter-se afirmado. Esta união representava mais um grupo de interesses, com vontade de controlar os negócios e manter a tranquilidade, evitando mudanças muito marcadas “, escreve Agnès Renault.     
Em termos de orientação maçônica geral, apesar dos esforços feitos nessa direção pelos membros da Loja L’Humanité, o rito francês e a influência do Grande Oriente da França na maçonaria cubana foram diminuindo em favor das obediências espanholas. e aquelas do sul dos Estados Unidos. O movimento acompanhou o desaparecimento do rito francês em favor dos ritos York e escocês (REAA).      
A história da Maçonaria cubana ao longo do século XIX, casou-se com a história particularmente atormentada da ilha.  Aos episódios de repressão antimaçônica iniciada pela Espanha – 18 irmãos, entre os quais o Grão-Mestre da Grande Loja de Colon foram fuzilados sem julgamento em 1868 – se somam as inúmeras disputas e divisões que se opunham tanto as obediências entre si quanto aquelas nas jurisdições de altos graus..
José Marti morreu aos 42 anos lutando contra os espanhóis durante a Batalha de Dos Rios em janeiro de 1895.  Pouco antes de morrer, ele escrevia a um amigo: “Estou agora todos os dias em risco de dar minha vida por meu país e por meu dever […] de evitar, com o tempo, pela independência de Cuba, que os Estados Unidos se estendam nas Antilhas e não caiam, com essas forças poderosas, sobre nossas terras da América. Tudo o que fiz até agora e tudo o que farei é por isso.”        
Esta visão profética se realizará palavra por palavra. Ganha graças à ajuda dos Estados Unidos após a Guerra Hispano-Americana de 1898, a independência cubana teve como consequência tornar a ilha um domínio americano, comandado por diferentes ditadores a soldo dos empresários e mafiosos americanos. Foi nesse contexto de dominação que a maçonaria cubana se desenvolveu até a revolução castrista de 1959.

Uma maçonaria sob controle 

Naquela época, a principal e quase exclusiva obediência cubana, a Grande Loja de Antigos Livres e de Maçons Aceitos de Cuba tinha cerca de 34.000 afiliados trabalhando no rito Escocês – REAA – ou no rito de York. De acordo com o site da Grande Loja, ela atualmente tem 318 lojas, das quais 111 na cidade de Havana, espalhadas por 220 templos. O efetivo seria da ordem de 20.000 membros. A obediência tem um grande número de irmãos de origem afro-cubana, a exemplo de seu grão-mestre Ernesto Zamora. Existe também um “para-maçonaria” feminina e uma maçonaria de perfeição “escocesa” muito ativa.        
Encontramos também em Havana uma Academia Cubana de Altos Estudos Maçônicos, uma biblioteca e um Museu Maçônico instalados na sede da Grande Loja, que ocupa parte do imponente edifício art déco de propriedade da obediência antes de 1961, nacionalizado e parcialmente restituído à ordem na década de 1990. A Grande Loja também se ocupa de várias instituições filantrópicas, incluindo um lar de apoio para irmãos idosos em necessidade.       
Embora nunca tenha sido proibida, a Maçonaria cubana experimentou um período de adormecimento parcial entre 1961, quando seus bens foram nacionalizados e 1982. Naquela época, seus números haviam caído abaixo de 20.000 membros.  Há também uma confraria de origem africana, a Abakua, que se chama de “Maçonaria dos negros”.
Paradoxalmente, as relações entre a Maçonaria e as autoridades cubanas só melhoraram realmente depois da visita do Papa João Paulo II em 1998. As relações com a Maçonaria são de fato administradas pela mesma administração que a dos cultos.  A Maçonaria esteve, portanto, associada ao relaxamento geral que se seguiu à visita do papa. A flexibilização das relações com os Estados Unidos sob o governo Obama acabou levando a uma aproximação entre a Grande Loja de Cuba e a Grande Loja de Cuba no exílio, que reunia os maçons que fugiram da ditadura de Castro. Em dezembro de 2016, o encontro entre o Grão-Mestre da Grande Loja Cubana Lazaro F. Cuesta Valdez e o Grão-Mestre da Grande Loja da Flórida resultou na criação de uma Grande Loja de Cuba no exterior, uma extensão daquela do interior. No nível doméstico, a Grande Loja de Cuba multiplicou os encontros com as obediências estrangeiras “regulares”.  Uma delegação cubana participou assim das celebrações do 300º aniversário da Maçonaria, celebrada em Londres pela Grande Loja Unida da Inglaterra. A Grande Loja Nacional Francesa (GLNF) mantém relações cordiais com a Grande Loja de Cuba e envia regularmente doações destinadas às suas obras. Uma situação, no mínimo, paradoxal se levarmos em conta o conservadorismo e o apego às liberdades que tradicionalmente prevalecem na Maçonaria “Regular” 
Segundo o El Nuevo Herald, um jornal diário de língua espanhola no sul da Flórida, enquanto a Maçonaria é legal em Cuba, ela é “monitorada de perto pelo Escritório de Assuntos Religiosos do Partido Comunista de Cuba”. O governo obriga as lojas a prestar contas detalhadas de suas atividades, pedir permissão antes de empreender atividades incomuns e cancelar a adesão dos maçons que emigraram. Segundo o mesmo jornal, em março de 2003, durante a onda de repressão chamada “Primavera negra”, treze maçons estavam entre os setenta e cinco dissidentes presos.        
Também não há dúvida de que muitos agentes de segurança interna há muito se infiltraram na maçonaria cubana, inclusive no mais alto nível, como evidencia o caso de José Manuel Collera, um agente da polícia política que tinha ingressado na loja Solano Ramos e havia subido os escalões até se tornar Grão-Mestre da obediência. Sua loja votou sua exclusão em 2011 por “crimes maçônicos” – apropriação indébita e viagens ao exterior injustificadas – mas o governo fez pressão pela sua reintegração. 
De fato, seria preciso ser muito ingênuo para acreditar que os maçons cubanos são maçons livres em lojas livres. O regime de Castro, que há sessenta anos administra Cuba com mão de ferro para o melhor, e muitas vezes para o pior, não pode tolerar nenhuma estrutura social independente. Se a maçonaria é tolerada, e até mesmo encorajada hoje, é menos pela concordância do ideal do que pela disposição de usá-la como ferramenta de propaganda, ou seja como instrumento diplomático, sugerindo que uma ditadura que tolera a Maçonaria não pode ser tão ruim quanto parece. A mesma coisa está acontecendo com a China …    
Isso não diminui a sinceridade da imensa maioria dos maçons cubanos, felizes demais para se dar a ilusão de serem livres em um país que não o é.

Uma bandeira muito maçônica     

A bandeira cubana foi desenhada em junho de 1849 pelo poeta Miguel Teurbe Tolon a pedido de Narciso Lopez.  Ela será içada pela primeira vez em Cardenas em 19 de maio de 1850, durante a primeira expedição de Lopez para libertar a ilha dos espanhóis … e anexá-la aos Estados Unidos da América.      
No início da guerra da independência, esta bandeira foi adotada como emblema nacional pela Assembleia Constituinte da República de Cuba em 11 de abril de 1869. A Guerra dos Dez Anos foi desencadeada por Carlos Manuel de Céspedes, maçom, proprietário açucareiro que libertou seus escravos. Céspedes usava outra bandeira (com as mesmas cores), dita La Demajagua, a partir do nome da plantação onde foi içada. Segundo o site cubano http://www.nacion.cult.cu/fr/bandera.htm “o triângulo equilátero – que se destaca do conjunto – é a figura geométrica perfeita por seus 3 lados e seus 3 ângulos iguais, que significam a igualdade entre os homens. As três cores (branca, azul e vermelha) são aquelas da revolução e na conotação latina, associadas ao tríptico revolucionário francês da liberdade, igualdade, fraternidade. Eles unem, além disso, os ideais de justiça expressos na pureza da cor branca, o altruísmo e a grandeza de seus ideais no azul, com o vermelho, reflexo do sangue derramado pela liberdade. Elas também encarnam as novas idéias republicanas e democráticas que se sintetizam no cidadão da república, livre e igual, assumindo plenamente seus direitos e deveres […]. E finalmente, a estrela de cinco pontas – uma das quais é orientada para o Norte, indicando estabilidade – expressa o equilíbrio entre as qualidades morais e sociais que devem definir o estado e também significa a estrela brilhante de seu próprio brilho, isto é, um estado independente.”          
Todos os maçons do mundo podem se reconhecer nela.

As Filhas da Acácia

 As Filhas da Acácia, uma instituição criada na década de 1930, reúne cerca de 15.000 mulheres no modelo de lojas de adoção. Eles são atualmente cerca de vinte lojas colocadas sob a proteção de uma loja masculina. As “irmãs” são iniciadas de acordo com um ritual adaptado e são totalmente vestidas de branco.        
Em um país que quer ser o defensor da igualdade, é surpreendente que as condições exigidas para se tornar uma Filha da Acácia não sejam progressistas. Seus regulamentos internos, conforme descrito no site da Grande Loja Cubana, indicam que não podem ser iniciadas as mulheres que não são “boas mães, nem boas esposas, boas filhas ou boas irmãs”, pois não podem transmitir o ideal de ser uma irmã se não vê na família a base fundamental da vida dos povos. ” Não se exige tanto dos irmãos.

A Abakua, uma “maçonaria negra”          

Aparecida em Cuba em 1836, a Abakua é definida como uma maçonaria negra que, se agora aceita brancos e mestiços, se situa muito precisamente na tradição iniciática dos povos do sul da atual Nigéria e de Camarões. Como a Santeria, uma religião sincrética que combina cristianismo e vodu africano, a Abakua se refere aos espíritos e, mais particularmente, aos espíritos da floresta. O Leopardo ocupa ali um lugar importante. Organizada em lojas como a Maçonaria, a Abakua tem pouca relação com ela. Alguns afirmam, no entanto, que entre os escravos libertados por Céspedes alguns pertenciam à Abakua e teriam lutado pela independência de Cuba ao lado dos maçons independentistas. Os membros da Abakua são chamados Ñañigos, ou “diablitos”, reconhecíveis por seus trajes coloridos adornados com um avental xadrez durante o carnaval. Afirmando ser detentores de fórmulas mágicas e uma linguagem conhecida apenas por eles, atribuem uma particular importância ao segredo, e é por isso que alguns cubanos os equiparam a uma espécie de seita mafiosa.

Publicado pela REVISTA FM-FRANC-MAÇONNERIE

%d blogueiros gostam disto: