REVISTA BIBLIOT3CA

Leituras Selecionadas do Editor-Chefe J.Filardo

Crise da masculinidade: esse novo fenômeno que atravessa o Ocidente

Tradução J. Filardo

 

Por Eugénie Bastié

PESQUISA – Atraso na escola, cultura de imaturidade, miséria sexual: a revolução feminista e o advento de uma sociedade igualitária criaram uma crise sem precedentes de masculinidade. Um fenômeno que está apenas começando a ser estudado.

“O Ocidente perdeu a fé na masculinidade” é o título de uma conferência do acadêmico canadense Jordan Peterson, desconhecido há dois anos, tornando-se, de acordo com o New York Times “o intelectual mais venerado e mais xingado” na Internet. Esse professor de psicologia deve seu sucesso aos seus embates de televisão com ativistas feministas em que ele desmonta com argumentação implacável, particularmente sobre as desigualdades salariais. O sucesso global de Peterson (milhões de visualizações no YouTube) revela um fenômeno que passa ao segundo plano, de tanta atenção que atrai a revolução “#MeToo”: aquela de uma preocupação cada vez mais compartilhada em torno da masculinidade dos homens ocidentais. Por trás da onda de indignação contra uma dominação masculina que ainda seria visível através do assédio sexual, esconde-se outra verdade: a de um rebaixamento geral do macho.

Reações machistas

O tema é popular no país dos estudos de gênero. Em 2006, o professor americano de Tocqueville e Maquiavel, Harvey Mansfield, publicou um ensaio, Virilidade, em que ele tentou definir os contornos e positividade da virilidade em uma sociedade ocidental cada vez mais neutra. O livro consternou a intelligentsia de Nova York, mas fez emuladores. Especialmente o site “A arte da Virilidade”, criado em 2008, que fornece conselhos práticos e teóricos (de “como consertar limpadores de para-brisa” até “como saber se uma mulher te ama”) para “ser um homem” a milhões de visitantes.

O sucesso desse site americano inspirou Julien Rochedy, ex-presidente da seção de jovens da Frente Nacional, que acaba de criar “Major”, uma plataforma dirigida ao público francês. Barba impecavelmente cortada, cabelos penteados, camiseta preta transparente, no fundo a biblioteca, esse trintão explica diante de uma câmera, com uma voz colocada, os “dez pensamentos que os homens devem conhecer”. “Durante séculos e séculos, os homens procuraram se tornar homens, bem, isso parou há pouco tempo, mas durante séculos foi assim.” Para interromper essa “decadência”, o jovem acaba de lançar esta plataforma. Há posts de blog – “por que os homens devem diminuir o álcool”, “quando bater em caso de agressão” – mas também uma oferta paga, a sessão “alfa”, composta de vídeos e cartões filosóficos fortemente impregnado de nietzscheismo.

“Trolls” vs. “cucks”

Mansfied, Peterson e, em menor medida, Rochedy são a versão chique e estruturada de uma reação masculinista que às vezes adquire uma roupagem mais primitiva: ela pode ser encontrada nos quadrinhos do autor de best-sellers Marsault, que defende uma virilidade desinibida. e violenta – tatuagens, cabeças raspadas e cartucheiras – no blogueiro “Papacito”, criador do “filho da puta da moda”, ou outros seguidores mais ou menos rebeldes do polemista antissemita Alain Soral, o primeiro a ter conspirado em seus vídeos a “feminização” do mundo e a “miséria do desejo”. Esse imaginário culmina na cultura “alt-right”, que se expressa muito na Internet, onde “trolls” atacam os “cucks”, aqueles “homens que estão constantemente buscando a aprovação das mulheres”. Essa cultura pode, às vezes, tomar um rumo trágico e criminoso. Em 23 de abril de 2018, em Toronto, Alek Minassian, 25, assassinou ao volante de seu Chevrolet branco dez pessoas, entre elas oito mulheres. Membro dos Incels, (solteiros involuntários) ele postou no Facebook seu desejo de matar o máximo de “Chads e de Stacys”, nomes que esses jovens homens frustrados dão aos garotos bonitos de ambos os sexos.

Mudança antropológica sem precedentes

Essas reações marginais masculinas formam um sistema com um discurso feminista militante sobre uma masculinidade “tóxica” que deveria ser purificada, às vezes duplicada com um tom francamente revanchista (“É hora de os homens passarem pelas experiências das minorias”). por exemplo, afirmou recentemente a ex-ministra da Justiça, Christiane Taubira). Mas não devemos reduzir o debate a essa dialética escandalosa. O sentimento mais geral é de desconforto difuso: a crescente dificuldade dos homens ocidentais em encontrar seu lugar em uma sociedade cada vez mais igualitária. Esse mal-estar inspira muitas publicações e controvérsias, tanto nos Estados Unidos quanto na França. Em 21 de maio, no Théâtre de l’Œuvre, em Paris, a ensaísta Natacha Polony organizou uma mesa redonda com o título evocativo: “O macho, uma espécie ameaçada?”, na presença da pesquisadora Olivia Gazalé, autora de Mito da Virilidade, da ensaísta Peggy Sastre e do psiquiatra Jean-François Bezot.

“Tenho pena dos homens obrigados a fazer as pazes, de se desculpar por serem homens, de se proclamar feministas”

Natacha Polony

“Este assunto me foi inspirado por tudo o que tenho visto ultimamente, isto é, todos esses homens transparentes durante os debates em torno do caso Weinstein. Tive uma espécie de pena dos homens obrigados a fazer as pazes, de se desculpar por serem homens, de se proclamarem feministas”, explica Natacha Polony.

“Não podemos ser indiferentes à mudança antropológica que está ocorrendo diante de nossos olhos: o novo lugar dos homens, em um mundo onde a separação em dois sexos perdeu seu caráter de evidência”, analisa Marcel Gauchet, que dedicou a dossiê da 200ª edição da revista Debate a esta questão candente do “masculino em revolução”. “A atenção pública é normalmente focada no aumento de poder das mulheres em todos os níveis, ou nas persistentes desigualdades que elas sofrem. Mas como essa “revolução feminina” não poderia afetar o outro sexo? A mutação não é menor daquele lado. A masculinidade passou de um sistema de evidências a um questionamento sistemático “.

“O fenômeno mais massivo e difundido é o da educação com o colapso escolar de meninos e o total desinvestimento dos estudos”, sublinha o sociólogo. Um ponto de vista que compartilha a ensaísta Laetitia Strauch-Bonart que, em um livro contundente – Os homens são obsoletos?– diagnostica o desmantelamento masculino com a ajuda de numerosos estudos numéricos. Ela conta a história de “um sexo que, perdendo seus privilégios, pode ter perdido sua razão de ser”.

A desindustrialização e o advento da economia do conhecimento beneficiam as mulheres

De fato, os homens perderam o controle da procriação, estão atrasados ​​nas salas de aula, e a força física que era sua prerrogativa não tem mais utilidade social. Na França, o atraso de garotos de 15 anos é em média três quartos do ano escolar em “compreensão de leitura” média. Na OCDE, essa lacuna chega a três anos entre um menino originários das classes mais baixas e uma menina de classe social mais alta. Esse atraso na escola continua no mundo do trabalho: se, por enquanto, as lacunas continuam em desvantagem das mulheres, a tendência pesada é de desclassificação dos homens. A desindustrialização e o advento da economia do conhecimento beneficiam as mulheres. Na França, a taxa de emprego dos homens caiu de 82,3% para 76,3% entre 1997 e 2016, enquanto a das mulheres passou de 66,6% para 69,2%. Elas são 49% a se formar no ensino superior contra 39% dos meninos.

Esse aumento no poder das mulheres representa um problema para alguns homens. Este é o tema do romance de Patrice Jean, O Homem Supranumerário (Rue Fromentin). Seu herói, Serge Le Chenadec, é um quadrado comum que mede sua inutilidade junto a sua esposa e filhos. O mundo não precisa mais dele: sua calvície, seu trabalho como agente imobiliário, seus ingressos para uma noite em família no circo. Esses excluídos da extensão do domínio da luta povoam os romances de Michel Houellebecq, descrevendo a miséria sexual do homem branco abandonado. “Como o liberalismo econômico desenfreado e por razões semelhantes, o liberalismo sexual produz fenômenos de pauperização absoluta”, diz um de seus personagens. “O desconforto masculino é meu cotidiano”, confirma a Terapeuta Sexual Thérèse Hargot, que recebe em seu consultório muitos homens confusos. “As relações de poder não podem mais ser exercidas na esfera pública, então elas se repetem na esfera íntima e sexual. Para muitos homens, esta se torna um lugar de vingança, diz ela. O consumo de pornografia é o sinal mais chocante. Eu também constato isso na infidelidade das mulheres. Muitos não querem mais seus homens porque eles estão “desvirilizados”.

Os homens se veem confrontados com injunções paradoxais: uma virilidade caricatural, reduzida à sua única dimensão sexual é exacerbada, especialmente na pornografia e no mundo ultra competitivo da empresa, enquanto o discurso feminista domina todos os outros lugares. É o que a romancista Nancy Huston chama de “virilidade distorcida”. “Eu acho que estamos pedindo o impossível aos homens”, ela confidenciou ao Figaro. Pede-se a eles que sejam fortes e fracos, duros e atenciosos, poderosos e impiedosos no mundo do trabalho, e doces como cordeiros em casa”.

Nova cultura masculina de imaturidade

Diante desse aumento de exigências e da ausência de ritos de passagem para o mundo adulto (que constituíam uma escola vertical, a igreja ou o serviço militar), muitos homens retardam sua entrada na paternidade, ou até mesmo a recusam. Isso leva ao que o professor Martin Dekeyser chama, em um artigo de Debate “a nova cultura masculina da imaturidade”. “A entrada na vida adulta tornou-se significativamente mais difícil para homens jovens do que para mulheres jovens”, diz ele. Eles se refugiam em uma cultura jovem composta de escárnio sistemático, que é expressa principalmente na Internet ou em videogames. Eles tendem a fugir, deixando a responsabilidade do mundo para as mulheres, especialmente para a mães.

Devemos nos preocupar? A crise da masculinidade ocidental é apenas uma réplica sísmica da revolução sexual, fadada a morrer por si mesma, ou deve ela temer uma reação que se expressaria em exaltação de uma masculinidade primitiva? Já nos Estados Unidos, a eleição de Donald Trump, o “homem branco irado”, pode ser lida como uma forma de Nêmesis do politicamente correto dos campi americanos. Ela não resolveu nada deste confronto, mas sim fortaleceu-se em uma triste guerra a competição feminista e a virilidade caricatural.

 

Publicada no jornal LE FIGARO ONLINE

 

 

Meditations on the Tarot

Plunging in the currents of the Hermetic Tradition

Blog da Dad

Xô, dúvida! Dicas de português pra dar vender e emprestar.

Ritos e Rituais

Tudo sobre a Maçonaria

Rassembler ce qui est épars

Le bloc-notes de Pierre Mollier

%d blogueiros gostam disto: