REVISTA BIBLIOT3CA

Leituras Selecionadas do Editor-Chefe J.Filardo

Giuseppe Garibaldi – O herói de dois mundos

Tradução J. Filardo

– por Ernesto Liberi

Amante da liberdade, Garibaldi, na segunda metade do século XIX, é uma figura central na história italiana, que lutará pela unificação de seu país.  Condenado à morte, ele se exilou na América do Sul, onde se destacou em façanhas militares e lutou pela independência do Brasil.  Nós o encontramos em Nova York, Paris, Moscou, no coração dos maiores desafios políticos de seu tempo. Personagem fascinante, a história fez dele uma lenda.

Filho de um pescador e de uma mãe devota, Giuseppe Garibaldi nasceu em Nice em 4 de julho de 1807.

A república tendo anexado o condado de Nice em 1792, Garibaldi é francës, até 1814, quando ele se torna piemontês.  Rosa, sua mãe, sonha em ver seu filho abraçar o sacerdócio.  Mas Garibaldi, de alma cosmopolita, sensível às diferentes culturas, e que além disso um homem bonito, não pretende se fechar em um convento. Espírito livre, seu caminho é traçado, ele será um marinheiro.

Viajante e idealista

Foi em 1830 que ele testemunhou o nascimento da Grécia, arrancada do Império Otomano. Em toda a Europa, movimentos de reivindicação de minorias estão se organizando. Garibaldi não é indiferente a isso.  Ele começa a sonhar com a independência da Itália, que nada mais é do que um mosaico de reinos sob várias influências e meticulosamente observado pela Áustria, que se comporta um pouco como uma potência colonial.  Agora um capitão da marinha mercante, em 1832, ele se tornou inflamado pela unidade italiana, uma ideia defendida pela “Jovem Itália”. Ele conhece Emile Barrault, Saint-Simoniano, e adere entusiasticamente à sua definição do novo homem que é “cosmopolita e cuja pátria é a toda a humanidade, que oferece sua espada e seu sangue a todos os povos em luta contra a tirania”. Ninguém melhor que Garibaldi encarnará esse ideal.

Em Marselha, ele se reúne no final de 1833 com o fundador da “Jovem Itália” Giuseppe Mazzini e profere ao deixar esta entrevista memorável: “Eu me comprometo a servir a Causa, atraindo sobre minha cabeça a ira de Deus, a abominação dos homens e a infâmia de perjúrio se eu vier a trair todo ou parte do meu sermão”. Para deleite desse novo recruta, Mazzini o inscreve em um projeto enfadonho e calamitoso de insurreição anti-austríaca em Gênova, que se transforma em um fiasco antes mesmo de ter começado. Assim, em setembro de 1835, ele deve fugir e embarcar no bergantim “Nautonier”, que navega para o Rio de Janeiro.

Assim que chegou ao Brasil, foi recebido na importante comunidade italiana inspirada pelas ideias do movimento “Jovem Itália” e animada pela personalidade e aura adquirida por Garibaldi ao ser condenado à morte. Ali ele se juntou aos rebeldes ao imperialismo brasileiro e se colocou a serviço da república como corsário. Ele começa então um período de aventuras misturadas com lutas no mar e cativeiro. Foi durante esses confrontos que ele conheceu Anita Maria de Jesus.  Ela o seguirá por toda parte, até que a morte os separa.  Mas os acontecimentos mais uma vez o obrigarão a fugir.  O Uruguai será sua nova terra de asilo.

O engajamento maçônico

Ele foi iniciado em Montevidéu na Loja Asilo da Virtude em 1844, uma emanação da maçonaria brasileira, mas não reconhecida pela Grande Loja da Inglaterra. Além disso, alguns meses depois, para entrar em uma loja regular, ele integrou a loja Les Amis de Ia Patrie criada por iniciativa do Grande Oriente da França.  Garibaldi, como tudo o que ele empreende, se envolve sinceramente na Maçonaria, na qual ele encontrará conforto e que forjará sua maturidade política.

No momento a aventura o alcança. O Uruguai está em conflito com a Argentina e o general uruguaio Ribera, nomeia Garibaldi Coronel e lhe dá o comando de três navios. Garibaldi também forma uma legião italiana, composta de exilados políticos, o núcleo do camisas vermelhas.

Sua popularidade está no auge.  Quando ele sai para tentar atacar o inimigo, os habitantes saem para aclamá-lo. Ele recusa todo o dinheiro para si mesmo, o que enfurece Anita, e não aceita qualquer concessão de terras para si ou para seus homens.

A Batalha de San Antonio Del Salto em fevereiro de 1846 vencida por 200 Garibaldinos contra 1500 argentinos faz Garibaldi se tornar uma lenda. A exploração relatada pela imprensa na Itália desencadeia um entusiasmo popular sem precedentes, sabendo que o herói está ali condenado à morte.

Itália reencontrada: nascimento da república

Mas Garibaldi não esquece seu antigo sonho de unidade italiana.  Em 22 de junho de 1848, ele desembarcou em Nice.  Ele faz ali um discurso histórico: “Todos os que me conhecem sabem que nunca fui favorável à causa dos reis.  Mas é que agora esses príncipes fazem o mal da Itália. Hoje, por outro lado, sou realista, venho me apresentar diante do rei da Sardenha, que se tornou o instrumento da regeneração de nossa península.  Por ele eu estou pronto a derramar até a minha última gota de sangue. Tenho certeza que todos os italianos pensam como eu.  Viva a Itália!  Viva o rei!  Viva Nice! ”

Em novembro, um motim expulsou o papa de Roma.  Uma Assembleia Constituinte se reúne, Garibaldi se apresenta e é eleito.  Em 9 de fevereiro de 1849, a república é proclamada.

O rei Charles Albert da Sardenha rompe o armistício com a Áustria.  Estamos em março de 1849. A República Francesa, preocupada em não deixar a Áustria sozinha defender o Papa, envia uma força expedicionária de 10 mil soldados que atacam os exércitos republicanos, mas são derrotados. A partir de junho chegam reforços franceses. Garibaldi, sentindo que tudo isso está indo mal, proclama a suas tropas: “Soldados!  Aqui está o que eu ofereço àqueles que querem me seguir: fome, frio, sol. Nenhuma palha, nenhum quartel, nenhuma munição, mas vigílias contínuas, batalhas, marchas forçadas e ataques à baioneta. Que aquele que ama a pátria me siga. ”

Anita, embora grávida, junta-se ao seu Giuseppe. É a derrota.  Os franceses entram em Roma e recolocam o papa em seu trono. A fuga, de novo e sempre. Em 4 de agosto de 1849, Anita morre nos braços de seu marido. Caçado, ele só pode enterrá-la em fuga em um campo onde cachorros vadios a desenterrarão. Garibaldi está desesperado.  Ele vai para Liverpool e depois Nova York. Incensado pela mídia, assim como por muitos admiradores, ele é sempre ajudado de forma discreta pelos maçons.  Ele não obtém a cidadania americana, mas um passaporte especial que lhe permite viajar.

2ª proclamação da República

Em março de 1859, Garibaldi encontra Victorio Emmanuel, os dois homens se admiram.  O rei cria o regimento de caçadores dos Alpes e o confia ao comando de Giuseppe. 27 de abril marca o início da segunda guerra da independência.

A paz de Villafranca, em 7 de julho, quebra seu ímpeto. Ele está furioso, ele que já pensava em invadir os Estados Papais e o Reino de Nápoles. Na esteira, ele retornou a Caprera, furioso ao saber que Cavour devolveu à França a sua bela cidade de Nice. Ele se torna violentamente anti-francês.  Mas a insurreição siciliana surgiu e cresceu e, em 11 de maio de 1860, ele desembarca em Marsala, na Sicília, à frente dos “Mil”. A partir do dia 12, ele proclama a ditadura em nome de Victorio Emmanuel. No final de maio, Palermo cai e o colapso dos napolitanos é completo. Garibaldi então abre a estrada de Messina e do continente. Sua marcha pela Calábria é triunfal, nas aldeias vemos as velas acesas diante de seus retratos.  Nada pode lhe resistir. Salerno, Capua e Caserta caem.  Em 15 de outubro é assinada a anexação do reino de Nápoles pela coroa da Itália. Ao retornar a Caprera, ele faz uma proclamação inequívoca às suas tropas: “Aos meus companheiros de armas. Na penúltima etapa de nossa ressurreição, nosso dever […] é nos preparar para terminar esplendidamente o admirável trabalho empreendido […].  Nós nos encontraremos novamente em breve para caminhar juntos para a libertação de nossos irmãos ainda escravos; nós nos encontraremos novamente em breve para marchar juntos para novos triunfos.” Após a proclamação do Reino da Itália em 14 de março de 1861, ele foi eleito por Nápoles para o Parlamento de Turim, onde ele se confrontou violentamente com Cavour, que morreu em 6 de junho seguinte.

Anticlerical e secular

Em 1864 ele se juntou à primeira internacional socialista e participou em 1866 da terceira guerra da independência contra a Áustria. Sucessos, retrocessos, mas no final, quando da paz de Viena, a Itália finalmente recebe Veneto e Garibaldi é nomeado Grão Mestre Honorário vitalício do Grande Oriente da Itália. O caminho agora em diante para Roma é aberto, mas seus comentários julgados escandalosos contra o papado levam à sua prisão e sua prisão domiciliar pouco vigiada em Caprera de onde ele foge.

Seu retorno a Caprera foi a hora da aposentadoria e é sem ele que em 20 de setembro de 1870, as tropas italianas finalmente entram em Roma, completando assim a unidade italiana. Mas este diabo de homem nunca entrega as armas.  Aqui está ele, depois de se ter congratulado “pela queda do tirano mais execrável” (Napoleão III), ele imediatamente escreve a Gambetta para colocar sua espada a serviço da França. Embaraço de todos para responder a esse velho, certamente famoso, mas um pouco fora de moda.  Garibaldi é finalmente recebido em Tours friamente e depois de muita procrastinação; ele assume o comando em chefe de todos os voluntários franco atiradores da área de Vosges até Estrasburgo.

É um exército fantasma que não existe, mas por força de vontade, são seis mil homens que estão sob suas ordens.  Como de costume, Giuseppe está à sua frente.  A ação de suas tropas é objeto das críticas mais severas e justificadas do exército regular.  Ele é forçado a aceitar a responsabilidade pelo fracasso diante da ofensiva prussiana de Von Werder.

O fim do mercenário

O armistício é finalmente assinado, os garibaldinos deixam Dijon em direção a Chalon-sur-Saone e em 8 de fevereiro, o velho general, que nasceu francês, é eleito deputado da Côte d’Or, mas também, para fazer boa medida, de Sena, dos baixos Alpes e de Argel.

Garibaldi não concorda em se acomodar. Ele estava lá para lutar e defender a liberdade, não para fazer política. Aqui está ele agora aposentado em Caprera. Em 1881, um ano antes de sua morte, ele realizou sua última obra maçônica, a reunificação dos dois ramos da maçonaria chamada egípcia sob um novo nome: Rito de Memphis-Misraim, do qual ele se torna o primeiro grande hierofante.

Garibaldi, o primeiro maçom da Itália 

Garibaldi recebe do presidente Lincoln uma oferta de comando no exército do norte, mas ele se recusa.  Ele está de fato ocupado com os assuntos maçônicos da península. Se a unidade italiana está em marcha, ao mesmo tempo, a reorganização das lojas e dos orientes se impõe em um país que se estrutura. Um Grande Oriente da Itália é criado e elege Constantino Nigra, um próximo de Cavour, como grão-mestre e concede a Garibaldi o título de “primeiro maçom da Itália”, gratificando-o de passagem com uma medalha comemorativa em ouro maciço.

Isto parece satisfazer a todos porque prestava-se homenagem às duas “colunas” do risorgimento: uma representando a base dinástica e cavouriana, a outra a base democrática e popular.  Mas, na realidade, há uma feroz guerra de influência na família maçônica italiana, opondo os moderados aos democratas representados, é claro, por Garibaldi.  E quando da demissão de Nigra, como grão-mestre, é eleito Filippo Cordova ministro de Cavour.  Isso não se sustenta. Em 1 de março de 1862 em Palermo, após a reunião do Conselho Supremo de Rito Escocês de Palermo, local de reunião dos maçons republicanos italianos, Garibaldi é elevado ao grau 33 do Rito Escocês Antigo e Aceito e recebe o título de Grão-Mestre.

Completar a unidade nacional e unificar as lojas italianas pertenciam a um mesmo combate. Para Garibaldi, a Maçonaria era a única instituição que funcionava em bases nacionais e era o único lugar capaz de agregar todas as forças do progresso com este objetivo essencial para a unidade nacional: lutar pela libertação de Roma ainda nas mãos do Papa.

Giuseppe Mazzini (1805-1872)

O homem que passará a maior parte de sua vida no exílio terá um papel determinante na unificação italiana.  Vindo de uma família abastada e culta, Mazzini, depois de estudar filosofia e direito, tornou-se advogado. Em 1827, ele se integra à Carbonária, uma sociedade secreta que lutava contra regimes absolutistas. Preso pela polícia da Sardenha em 1830, ele passou muitos meses na prisão.  É aqui que ele desenvolve suas ideias. Suas teorias, chamadas mazzinianas farão emergir um movimento europeu moderno, afirmando a importância da democracia incorporada através da forma republicana do Estado. Libertado em 1831, ele logo fundou a sociedade secreta “Jovem Itália”, que gradualmente suplantou a Carbonária. Foi em 1833 que Garibaldi conheceu Giuseppe Mazzini.  O pensador, condenado ao exílio, não deixará de se envolver em novos levantes.  Essas ideias passarão à posteridade, influenciando Thomas Mann, Alexis Tolstoi, Romain Rolland e até Gandhi.

 

Publicado na Revista FM – FrancMaçonnerie

 

 

 

Loja Virtual de Estudos "Amigos do GOdF"

Discussão de temas diversos.

Literary Yard

The best words are those unread

O Ponto Dentro do Círculo

Post Tenebras Lux - Os iniciados “viram a Luz”, e cabe agora a eles iluminar o caminho da humanidade.

Meditations on the Tarot

Plunging in the currents of the Hermetic Tradition

%d blogueiros gostam disto: