REVISTA BIBLIOT3CA

Leituras Selecionadas do Editor-Chefe J.Filardo

Memória na Loja. Um recurso Mnemônico da  Maçonaria no final do Século XVIII

Tradução J. Filardo

Por

RAFAŁ T. PRINKE

 

As ferramentas e implementos da arquitetura, símbolos os mais expressivos!
Imprimir verdades sábias e sérias na memória, e transmiti-las inalteradas,
através de uma sucessão de eras, os excelentes princípios desta instituição.

William Preston,
Ilustrações de Maçonaria (Londres, 1772), 14

A tradição da memória artificial na Idade Média e da Renascença, muitas vezes tratada como mera curiosidade pelos historiadores anteriores, tornou-se agora um dos temas-chave em muitas areas da história intelectual amplamente definida.[i] Embora a aplicação dessa arte à retórica tenha sido comparativamente bem entendida, muito menos se sabe sobre o papel das mnemotécnicas e de seus tipos, conforme utilizados entre os grupos sociais que não deixaram fontes escritas. Estes são primariamente artesãos e oficiais de ofício que tiveram que memorizar frequentemente processos tecnológicos complexos sem os escrever, pois eles geralmente eram analfabetos e, ainda mais importante, tinham que proteger os segredos de sua arte de cair nas mãos de terceiros. Foi somente na Renascença que manuais detalhados expondo todos os segredos comerciais começaram a ser publicados e, assim, o papel das corporações começou a mudar de repositórios de memória artesanal para organizações de educação profissional e controle de qualidade. Mas muitas guildas continuaram a promulgar os rituais de aceitação de novos membros, muitas vezes acompanhados de palestras sobre as origens míticas de seu ofício e a importância simbólica de suas ferramentas de ofício.

Um dos ofícios medievais mais avançados tecnologicamente era o dos pedreiros, construtores de castelos e catedrais góticas. E um dos desenvolvimentos socioculturais mais misteriosos no início da Europa moderna foi a transformação, durante os séculos XVI e XVII, das guildas de pedreiros medievais em um movimento intelectual conhecido como maçonaria. Não há praticamente nenhuma fonte documentando a passagem de “lojas operativas”, cujos membros eram genuínos artesãos, para “lojas especulativas” onde as tradições da arte da construção permaneciam apenas nos aspectos ritual e simbólico, enquanto os membros eram recrutados principalmente entre cavalheiros e cidadãos ricos. As poucas fontes que sobrevivem são enigmáticas o suficiente para tornar a reconstrução do processo impossível além de hipóteses mais ou menos plausíveis.

As teorias das origens da maçonaria podem ser divididas em três grupos, cada um dos quais enfatiza o papel da memória, mas em seus diferentes aspectos:

  1. O mito tradicional das origens dentro da maçonaria regular que remonta suas raízes aos tempos bíblicos e à construção do templo do rei Salomão. Essa lenda, envolvendo o arquiteto Hiram Abiff e outro Hirão, rei de Tiro, é repetida em toda iniciação maçônica e interpretada em termos alegóricos. Ao mesmo tempo, Euclides e Pitágoras são lembrados como inventores da geometria e da matemática, bem como outros sábios antigos que contribuíram para a arte da construção. Diz-se que os segredos da arte, símbolos e rituais foram passados de uma geração de maçons para a seguinte, junto com os ensinamentos éticos sobre fraternidade e ajuda mútua dentro das guildas.
  2. A opinião acadêmica atual tende a ver o desenvolvimento da maçonaria como um processo lento resultante da falta de demanda por trabalho de pedreiro na Escócia do século XVI, quando igrejas góticas e castelos não eram mais construídos e as guildas de pedreiros tinham que procurar nobres patronos ricos para sobreviver. Assim, eles aceitavam os não-pedreiros em suas lojas, oferecendo um lugar onde as discussões sem censura poderiam ser realizadas com segurança em tempos politicamente perigosos, por um lado, e divulgando segredos importantes dos quais eles eram custodiantes de outro.[ii] Embora essa teoria seja amplamente aceita por estudiosos não-maçons, há muitos problemas com ela. Alguns historiadores acreditam que aceitar estranhos em lojas maçônicas por razões puramente sociais se espalhou na Escócia (e isso também era conhecido em outros países, incluindo a Polônia).[iii] suas estruturas organizacionais e formais, bem como a atitude religiosamente neutra só foram introduzidas quando a prática chegou à Inglaterra.[iv] Isto é adicionalmente substanciado pelo fato de que os dois primeiros membros conhecidos de lojas maçônicas na Inglaterra, Sir Robert Moray (1609-1673, iniciado em 1641) e Elias Ashmole (1617-1692, iniciado em 1646), também foram os membros fundadores da Royal Society em 1661, e o primeiro foi seu primeiro presidente. Ao mesmo tempo, ambos eram, assim como alguns outros membros iniciais, muito interessados em alquimia, astrologia e hermetismo renascentista.
  3. Um grupo inteiro de teorias traça os primórdios da maçonaria até o Egito, Mistérios Antigos de Elêusis, a Ordem dos Cavaleiros Templários, Rosacruzes ou vários outros grupos, reais ou imaginários. Todas elas foram “inventados” no século XVIII em que a maçonaria, depois de se espalhar pelo continente, se ramificou em muitos ritos irregulares e absorveu grande parte dos ensinamentos de várias correntes esotéricas de séculos anteriores. Ela tornou-se assim o guardiã do conhecimento arcano de uma ampla gama de fontes, transmitindo-o como segredos comunicados aos membros durante as iniciações em um número crescente de graus.

 

Figura 1. Página de título do “livro de cifras” (lado verso está em branco)

Figura 2. Início do texto propriamente dito – primeira Cláusula da primeira Seção

Figura 3. Outro exemplo de página com o início da terceira Cláusula

Figura 4 O primeiro dos três parágrafos de texto simples sobre os princípios da maçonaria

Pode-se dizer que a lenda tradicional representa a memória mítica (religiosa), a hipótese acadêmica é uma tentativa de redescobrir a memória material real (científica), que é estranhamente entrelaçada com as origens da própria ciência ocidental, enquanto o grupo final de teorias frequentemente improváveis mostram a atitude simbólica (mágica) que permite qualquer coisa que pareça intuitivamente correta.

Considerando o atual interesse acadêmico na arte da memória e o fato de que ela se baseava na imaginação arquitetônica, exigindo que o praticante criasse uma imagem interna de um edifício, é surpreendente que muito poucos historiadores tentassem vincular as duas áreas de pesquisa. A principal razão para tal negligência foi certamente o fato de que praticamente não existem fontes sobre os modos como a memória artificial foi aplicada por maçons operativos ou maçons especulativos. Trabalhos de referência maçônicos padrão não mencionam nenhum ensinamento ou técnica relacionada à memória, apenas dizendo que rituais e ensinamentos precisam ser memorizados, de modo que os historiadores maçônicos também não estavam interessados.[v]

As primeiras tentativas de ligar a franco-maçonaria e a arte da memória foram, sem surpresa, as de Frances A. Yates.[vi] Já em seu livro sobre Giordano Bruno, ela sugeriu uma possível influência da tradição hermética na mitologia maçônica.[vii] O contexto já era o da arte da memória, pois ela via Bruno como a principal fonte de influência intelectual sobre Robert Moray e Elias Ashmole. Ela desenvolveu o tema em seu livro agora clássico sobre a arte mnemônica, onde apresenta uma hipótese de que o segredo da maçonaria estava usando não a arquitetura material de pedreiros operativos, mas o que ela chama de “arquitetura imaginativa ou especulativa” da arte da memória para transmitir seus ensinamentos hermeticamente inspirados.[viii] Em seu livro posterior, ela elaborou sobre a possível relação entre os Rosacruzes do início do século XVII e a maçonaria posterior, subscrevendo assim ao terceiro grupo de hipóteses listadas acima, mas desta vez sem recorrer à arte da memória.[ix]

As pistas fornecidas por Yates foram retomadas por David Stevenson, cujo livro sobre o início da história da franco-maçonaria na Escócia é baseado em uma pesquisa meticulosa de todas as fontes existentes sobre pedreiros escoceses.[x] Mais importante para o nosso tópico, ele propôs uma reinterpretação de um fragmento do conhecido Segundo Estatuto de Schaw. William Schaw (ca. 1550-1602) foi o Mestre de Obras na corte de Jaime VI, nomeado para o cargo em 1583 e, portanto, responsável por todos os projetos de construção reais. Parece que ele tentou uma reorganização das guildas maçônicas na Escócia, emitindo dois conjuntos de estatutos em 1598 e 1599, que regulamentavam não apenas as obrigações e deveres formais dos pedreiros, mas também questões de segurança e educação. Todo aprendiz tinha que escolher um tutor que lhe ensinasse os segredos do ofício que tinham que ser memorizados e “nunca devem ser escritos”. E o vigilante da loja deveria “julgar a arte da memória e da ciência dela de todos os companheiros e de todos os aprendizes”. Historiadores maçônicos inicialmente trataram essa frase como se referindo simplesmente à necessidade de lembrar as lições aprendidas, mas Stevenson apontou que ela claramente significava a arte da memória como uma habilidade mnemotécnica. Como ele colocou, “essa única frase curta fornece uma chave para entender os principais aspectos das origens da maçonaria, ligando o ofício de maçom operativo aos poderosos esforços do mago Hermético”.

O mago mencionado por Stevenson é o próprio Giordano Bruno. Embora nunca tenha visitado a Escócia, seu amigo e discípulo Alexander Dickson (1558-1604), um cortesão de James VI, publicou um tratado sobre a arte hermética da memória em 1584 e também deu lições particulares sobre sua versão clássica para necessidades puramente práticas. Havia também William Fowler, poeta e secretário da rainha da Escócia, que escreveu um tratado sobre a arte da memória e também a ensinou a James VI. Ambos deviam ter conhecido William Schaw muito bem, especialmente porque ele também era o camareiro da rainha. É, portanto, bastante provável que a arte da memória, tanto em suas versões hermética quanto pragmática, estivesse em moda na corte de Edimburgo, e o interesse do Rei por ela certamente influenciou outros. Quando William Schaw tentou uma reorganização das guildas de pedreiros, ele pode ter reforçado o treinamento naquela arte para o aperfeiçoamento do ofício. A influência de Dickson e o interesse geral em ideias ocultistas e herméticas na corte escocesa provavelmente motivaram Schaw a infundir a nova estrutura de lojas maçônicas com elementos da arte hermética de Bruno e assim iniciar a corrente especulativa da maçonaria. Versões da arte clássica e medieval da memória podem muito bem ter sido usadas pelos pedreiros, bem como outros ofícios, muito antes, embora não haja praticamente nenhuma evidência documentada disso.

As hipóteses de Stevenson foram desenvolvidas por outros, principalmente por Vaughan Hart e Marsha Keith Schuchard, que acrescentaram mais detalhes e mais argumentos.[xi] Especialmente a contribuição do último autor expandiu a visão da maçonaria antiga para incluir técnicas de visualização arquitetônica cabalística, máscaras herméticas e as conexões dos Cavaleiros Templários. Enquanto muitas das declarações ousadas de Schuchard foram subsequentemente criticadas[xii] (assim como tinham sido as de Frances Yates), ela pintou uma imagem muito detalhada e internamente consistente. Ela aponta para a possibilidade de os maçons escoceses terem utilizado a versão de Ramon Lull da arte da memória trabalhando na famosa Capela Rosslyn.[xiii] Ela encontra o elo perdido entre Lull e Bruno na formação da antiga mnemotécnica maçônica oculta em Girolamo Cardano (1501-1576), o grande matemático e astrólogo, mas também um proeminente expoente da arte da memória, que ele via como uma maneira importante de melhorar o mau estado das artes e ofícios. Ele visitou a Escócia em 1552, a pedido de John Hamilton, o arcebispo de St. Andrews, um importante patrono dos pedreiros.[xiv]

Figura 5 Iniciação à maçonaria com a prancha de traçar como auxílio mnemônico para a palestra de Mestre (gravura francesa de 1745)

 

Resumindo, a imagem desse movimento crucial da maçonaria operativa para a especulativa que emerge da “escola” de Yates, Stevenson, Hart e Schuchard é bastante fascinante. Pedreiros foram introduzidos à arte da memória como uma ajuda para melhorar seu ofício e encontraram o uso de estrutura arquitetônica atraente para memorizar segredos de ofício. Como seus professores estavam muito preocupados com a versão hermética da arte, os pedreiros também a aplicaram à busca por mais sabedoria oculta e usaram técnicas cabalísticas de visualização arquitetônica. A loja maçônica escocesa primitiva pode, assim, ter sido um virtual Templo da Memória, um Templo de Salomão imaginário com lugares de memória fixos e um reservatório de imagens simbólicas a serem colocadas naqueles loci. O ritual de iniciação teria envolvido a construção de tal templo dentro da imaginação coletiva dos artesãos, incorporando grande parte das tradições herméticas e cabalísticas da mágica da visualização.

Embora essa teoria, com sua escassa base de fontes, exija que alguma imaginação se torne aceitável, ela parece, no entanto, explicar muito dos desenvolvimentos posteriores, bem documentados, dos rituais maçônicos e seu uso de símbolos. As ferramentas dos pedreiros se tornaram idealizadas e seus significados foram explicados de maneira verdadeiramente neoplatônica, muito parecida com a arte hermética da memória. As palestras dadas aos candidatos nas cerimônias de iniciação do século XVIII seguiam uma sequência de símbolos exibidos em um tapete pintado ou prancha de traçar. Curiosamente, o termo latino tractare, da qual deriva a palavra inglesa “traçar”, era usado no escolástico medieval ars memoriae para denotar “coleta” de objetos de memória em locais de memória.[xv] Também se pode dizer que a arquitetura e mobiliário de uma Loja Maçônica Moderna servem como um edifício de memória ou teatro de memória, onde objetos são trazidos em pranchas de traçar para facilitar a visualização dos iniciados e explorar o mundo ideal por trás dos símbolos.

Tal abordagem do significado e ritual de maçonaria, com suas raízes na magia hermética neoplatônica e técnicas de visualização cabalística, ainda pode ter sido praticada no século XVII na Inglaterra, quando o auge da Revolução Científica era paralelo a um novo surto de interesse pela alquimia e pelo ocultismo. Muitas vezes, os líderes de ambos os movimentos intelectuais também eram maçons, como mais bem exemplificado por Sir Robert Moray e Elias Ashmole mencionados anteriormente. Mas durante o Século XVIII algo aconteceu e o mundo imaginal (para usar o termo de Henri Corbin) dos templos da memória deu lugar à aprendizagem mecânica. Não se esperava mais que os candidatos criassem construções simbólicas para lembrar os ensinamentos e segredos do ofício, mas apenas recitá-los. Essa mudança da memória imaginária baseada em símbolos para a memória literal baseada em texto é mais bem exemplificada pelo surgimento de um novo tipo de auxílio mnemotécnico na virada do século XVIII e XIX que, até onde sei, nunca foram estudados.

Eu tenho um pequeno livro que comprei há 25 anos em uma livraria de segunda mão como uma curiosidade. O tipo de letra, papel e encadernação de couro macio parecem do final do século XVIII ou início do XIX, mas nenhum impressor ou editor é exibido. O texto consiste no que parece um código – sequências de letras que não fazem sentido algum. Existem dois parágrafos desse texto no que parece ser a página de título, seu verso está em branco e, então, seguem 39 páginas paginadas, com duas folhas em branco de um tipo diferente de papel encadernado entre cada duas páginas. As páginas 37-39 contêm três parágrafos de texto simples em inglês sobre os três grandes princípios da maçonaria: amor fraternal, ajuda e verdade. O texto é dividido em capítulos com títulos de “1º C. – 1º. S.” a “6º C. – 2º S.”, o que torna fácil decodificar como a estrutura tradicional das cerimônias de iniciação para cada um dos três graus tradicionais. A estrutura dividida em Seções e Cláusulas foi projetada (ou pelo menos publicada pela primeira vez) por William Preston em 1772 e foi a base para todas as variantes posteriores.[xvi] A variante notável foi publicada por Thomas Smith Webb em 1797 e tornou-se a versão padrão dos rituais nos Estados Unidos.[xvii] Como o número de seções diferia e meu livro que contendo apenas duas seções se ajusta ao número daqueles no segundo grau (o de companheiro) na versão de Webb, é possível que o livro seja de proveniência americana e não britânica.

Minha cópia tem um selo de propriedade de uma loja maçônica alemã “Bibl[iothek] der [dois cruzamentos rombs = Loge] z. R. ” e um número de telefone da biblioteca“ Nr. 983. ” Na página em branco voltada para a página 5 (início da Cláusula 2 na Seção 1), há uma nota manuscrita de cinco linhas em que cada palavra começa com letras sucessivas do texto impresso. Ele faz parte do ritual em perguntas e respostas:

[em branco para duas palavras combinando “Ps”, possivelmente “por favor, diga”] você é um maçom?

Eu sou assim considerado e aceito entre Irmãos e Companheiros.

Como você dá a conhecer que é um maçom?

Pela regularidade em minha iniciação _ por repetidas provas e aprovações _ e por minha disposição de passar por um exame quando [palavras faltantes para “dcu ftp”]

Isso geralmente é parte do ritual de iniciação do aprendiz, de modo que o livro não parece corresponder ao número de seções de Preston nem de Webb.

Mostrou-se bastante difícil descobrir algo sobre o uso de tais livros na maçonaria. Os trabalhos padrão de referência maçônica não ajudaram muito, mas as publicações de exposição antimaçônicas encontradas na Internet forneceram uma pista.[xviii] Como  pode ter sido esperado, é uma ferramenta mnemotécnica para aprender o ritual e é informalmente chamado de “livro de cifras”. Aparentemente, esses livros são usados apenas na franco-maçonaria americana. Minhas pesquisas junto à Quatuor Coronati Lodge (conhecido por sua pesquisa sobre a história da maçonaria) e a Biblioteca e Museu da Maçonaria em Londres foram de pouca ajuda – tais auxílios aparentemente eram desconhecidos lá.[xix]

A explicação final do que parece ser um segredo bem guardado da franco-maçonaria americana foi finalmente encontrada em um artigo de Henry Carr, ex-editor do Transações de Ars Quatuor Coronatorum, a revista da loja de pesquisa mencionada acima.[xx] Depois de sua visita aos EUA, ele observou que a prática de memorizar o ritual é bem diferente daquela na Inglaterra ou na Europa. Em alguns estados (Pensilvânia e Califórnia) nenhum ritual escrito ou impresso é permitido e os rituais são ensinados “de boca a orelha” apenas, em classes especiais para candidatos. Onde livros de rituais são permitidos, eles “devem ser bastante difíceis de obter” e são impressos em cifra:

Parece haver quatro cifras diferentes que são usadas principalmente. Uma das mais populares é um tipo de código “geométrico”, composto de linhas retas, curvas, ângulos e símbolos, que parecem muito difíceis, mas são, de fato, bastante fáceis de interpretar. Em muitas jurisdições, um código de duas letras é usado; geralmente as primeiras e últimas letras de cada palavra, mas ocasionalmente as duas primeiras letras de cada palavra. Esses dois códigos são bastante difíceis de ler até que se comece a ter um conhecimento justo da “palavra esperada”; mas assim que as frases se tornam familiares, os códigos de duas letras são muito fáceis de ler. O mais difícil de tudo é o código de uma letra, no qual apenas a primeira letra de cada palavra é usada, e isso é absolutamente aterrorizante, quase impossível de ler até que se tenha adquirido um conhecimento real do ritual.

Comparando com a situação na Inglaterra, onde o candidato tem que responder apenas “oito ou nove perguntas, geralmente impressas em cartões em linguagem direta, com talvez uma ou duas palavras omitidas”, Carr fica bastante chocada com a prática americana onde, por exemplo, o candidato para passar ao segundo grau “tem que responder cerca de setenta e sete perguntas, e recitar a obrigação de cor”, e os exames de rituais para outros graus sempre têm mais de quarenta perguntas.

Tudo isso seria difícil o suficiente se o P. & R. foram impressos em linguagem direta, mas eles não são. Naquelas jurisdições em que não são permitidos rituais impressos, os candidatos devem frequentar “Classes de instrução”, geralmente sob os cuidados do S.’.Vig.’. ou do P.’.Vig.’., até que tenham aprendido seu trabalho “de boca a orelha”. Em outros lugares, eles aprendem seu trabalho nos livros cifrados. Eu tenho um conjunto de “Testes de Proficiência” conforme usado em Rhode Island, em seu código de uma letra e eles são simplesmente aterrorizantes. Eu tenho sido Preceptor por muitos anos, e mesmo eu acho difícil [1]ler. […] Eu acredito que é justo dizer que os Maçons Americanos, no curso de passar seus “Testes de Proficiência” em todos os três graus, adquirem um conhecimento muito mais amplo das cerimônias e especialmente do seu significado simbólico, do que nossos candidatos conseguem na Inglaterra.

Portanto, é possível que meu livro, que está em código de uma letra, venha originalmente de Rhode Island ou de outro estado em que essa cifra é ou era usada. O fato de Henry Carr ter ficado surpreso ao descobrir tais práticas nos Estados Unidos (chamando-as de “aterrorizantes” várias vezes) explica por que foi tão difícil descobrir que tipo de livro era perguntando às instituições maçônicas de Londres.

Há, no entanto, um ponto mais importante que já expus acima. O uso dessas ajudas mnemotécnicas na Maçonaria Americana marcou a mudança da arte de memória tradicional e hermeticamente tingida, com sua base arquitetônica e imagens simbólicas de objetos de memória significando as verdades ideais, para a aprendizagem repetitiva de cadeias de caracteres prescritas que podem ser desprovidas de qualquer significado espiritual. Mas, em vista da opinião de Carr, a situação na maçonaria europeia, no que diz respeito à sua atitude em relação à memória nas lojas, é ainda pior. Eles não precisam memorizar nem mesmo os textos de seus rituais. Eles se afastaram das próprias raízes do movimento maçônico – se aceitarmos a teoria de Yates-Stevenson-Hart-Schuchard sobre o papel que a arte da memória desempenhou nas origens da franco-maçonaria.

Seria difícil traçar o momento preciso em que o cordão umbilical foi cortado. Os autores maçons do século XVIII usavam frequentemente expressões que se referiam claramente à arte tradicional da memória. Por exemplo, nas Constituições de James Anderson, o documento base da moderna maçonaria, encontramos uma música sobre a história da maçonaria que começa:

Adam, o primeiro da humanidade,

Criado com Geometria

Impressa em sua Mente Real,

Logo Instruiu sua Descendência.[xxi]

O motivo “impressa na memória” também pode ser encontrado nos manuais de Preston e Webb. O primeiro explica que as verdades e princípios ensinados na fraternidade são “impressos na memória por imagens vivas e sensíveis”. E então continua:

Tudo o que chama a atenção aos olhos mais imediatamente atrai a atenção e imprime na memória verdades sérias e solenes. Os maçons, portanto, adotaram universalmente o plano de inculcar os princípios de sua ordem por meio de figuras típicas e emblemas alegóricos, para evitar que seus mistérios descessem ao alcance familiar de noviços desatentos e despreparados, de quem eles talvez não recebam a devida veneração.[xxii]

Imprimir a verdade solene na memória usando emblemas alegóricos é o que a maçonaria era originalmente. Mas na virada dos séculos XVIII e XIX a fraternidade parece ter perdido estas “chaves de Hiram para o Templo de Salomão” e reverteram ao aprendizado mecânico daquilo que se tornou palavras vazias, desprovidas do poder com que Girolamo Cardano e Giordano Bruno pretendiam carregá-las.

 

NOTAS:

[i] Para uma visão geral útil, consulte: John Michael Krois, “Ars Memoriae, Filosofia e Cultura: Frances Yates e depois ”, em Filosofia e Cultura. Ensaios em honra a Donald Phillip Verene ed. Glenn Alexander Magee (Charlottesville, Virgínia: Philosophy Documentation Center, 2002), 149-162; Rafał Wójcik, “Wstęp”, em idem, Opusculum de arte memorativa Jana Szklarka. Bernardyński traktat mnemotechniczny z 1504 roku (Poznań: Biblioteka Uniwersytecka, Wydawnictwo Poznańskie Studia Polonistyczne, 2006), 9-16.

[ii] David Stevenson, As origens da maçonaria: Século da Escócia, 1590-1710 (Cambridge: Cambridge University Press, 1990).

[iii] Jerzy Wisłocki, Organizacja prawna poznańskiego rzemiosła w XVI i XVII wieku, Prace Wydziału Prawa 9 (Poznań: UAM, 1963), 64.

[iv] Margaret C. Jacob, Vivendo o Iluminismo: Maçonaria e política na Europa do século XVIII (Oxford: Oxford University Press, 1991); eadem, As origens da maçonaria: Fatos e Ficções (Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 2007).

[v] Albert G. Mackey, Enciclopédia Revisada da Maçonaria de Mackey (Richmond, VA: Macoy Publishing & Suprimento Maçônico, 1966); Henry W. Coil, Enciclopédia Maçônica da Coil (Richmond, VA: Macoy Publishing & Masonic Supply, 1996).

[vi] Outros trabalhos padronizados sobre a arte da memória não mencionam nada de maçonaria. Ver: Paolo Rossi, Lógica e a Arte da Memória. A busca por uma linguagem universal, trans. Stephen Clucas (Londres: The Athlone Press, 2000); Mary Carruthers, O livro da memória: Um estudo da memória na cultura medieval, Cambridge Studies in Medieval Literature 10 (Cambridge: Cambridge University Press, 1992); eadem, O Ofício do Pensamento: Meditação, Retórica e Criação de Imagens, 400-1200, Cambridge Studies in Medieval Literature 34 (Cambridge: University Press, 1998).

[vii] Frances A. Yates Giordano Bruno e a tradição hermética (Londres: Routledge & Kegan Paul, 1964, nova ed. 2002), 450-451.

[viii] Frances A. Yates A arte da memória (Chicago: University of Chicago Press, 1966), 303-305. Edição polaca: Sztuka pamięcitrans. Witold Radwański (Warszawa: Państwowy Instytut Wydawniczy, 1977), 303-305.

[ix] Frances A. Yates A Iluminação Rosacruz (Londres: Routledge & Kegan Paul, 1972, nova ed. 2003), 262-277.

[x] David Stevenson, As origens da maçonaria, 87-95

[xi] Vaughan Hart, Arte e Magia no Pátio dos Stuarts (London: Routledge, 1994), 79-83; Marsha Keith Schuchard, Restaurando o Templo da Visão: Cabalístico. Maçonaria e Cultura Stuart Estudos da História Intelectual 110 (Leiden: EJ Brill, 2002).

[xii] Veja especialmente o artigo de revisão: Andrew Prescott, “Maçonaria Stuart: Restaurando o Templo da Visão? ” Áries 4 (2004): 171-183, e a resposta do autor: “Resposta à revisão de Prescott”, ibid., 184-202.

[xiii] Schuchard, Restaurando o Templo da Visão118.

[xiv] Ibid., 157-161.

[xv] Carruthers, A Arte do Pensamento 16.

[xvi] William Preston, Ilustrações de Maçonaria (Londres, 1772). Houve 12 edições até 1812.

[xvii] Thomas Smith Webb, O monitor do maçom ou, ilustrações de maçonaria (Nova York, 1797).

[xviii] Efésios 5:11, Inc., “Rituais Maçônicos para a Loja Azul”, disponível em http://www.ephesians5-11.org/masonicritual.

[xix] Meus agradecimentos são especialmente devidos a Martin Cherry e Emily Greenstreet, da Biblioteca e Museu da Maçonaria de Londres. Essa última encaminhou minha consulta ao seu antigo bibliotecário, Terry Haunch, cujos comentários recebi depois que este artigo fora enviado aos editores. A conclusão deles confirma que o texto por trás do código pode ser uma versão inicial pirateada da “Palestra sobre o Primeiro Grau de Maçonaria” de Preston. Uma tentativa de restaurar o desenho da versão original de todo o material existente foi publicada por P.R. James em Transações de Ars Quatuor Coronatorum 82 (1969): 104-155, e em muitas secções é idêntica ou similar à versão codificada.

[xx] Harry Carr, “Maçonaria nos EUA”, em Mundo da Maçonaria de Harry Carr: Os Documentos Coletados e Palestras de Harry Carr (London: Lewis Masonic, 1983), 145-162.

[xxi] James Anderson, As Constituições dos Maçons Livres ed. Benjamin Franklin (Philadelphia, 1734), 81. William Preston, Ilustrações de Maçonaria (Londres, 1772). (Londres, 1775), 57, 68-69.

 

Publicado em Culture of Memory in East Central Europe in the Late Middle Ages and the Early Modern Period  –  Rafał Wójcik (ed.)

Conference proceedings Ciążeń, March 12-14, 2008

 

LEIA TAMBÉM SOBRE O MESMO TEMA:

https://bibliot3ca.com/a-arte-da-memoria-e-maconaria/

%d blogueiros gostam disto: