Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

Grau 13 – Cavaleiro do Real Arco (REAA)

Publicado em FREEMASON.PT

Por Rizzardo da Camino

Avental do Grau 13 - Cavaleiro do Real Arco (REAA)
Avental do Grau 13 – Cavaleiro do Real Arco (REAA)

A Loja funciona em Templo e toma o nome de Capítulo ou Loja Real.

Cinco são os Oficiais; o Presidente simboliza o rei Salomão e é denominado de Três Vezes Poderoso Mestre; tem assento ao Oriente sob um sofá ricamente ornamentado; na cabeça, uma coroa real e empunha um Ceptro.

O 1o Vigilante é chamado de Grande Vigilante e representa Hiram, rei de Tiro. Tem assento à esquerda de Salomão, ao Oriente; possui coroa que não coloca na cabeça; nas mãos, segura o Ceptro.

O 2o Vigilante chama-se Grande Inspector; tem assento no Ocidente e representa Adonhiram. Usa chapéu e uma Espada desembainhada na mão direita.

O Grande Tesoureiro representa Joabem; coloca-se ao Norte e está coberto por um chapéu.

O Grande Secretário coloca-se ao Sul e representa Stolkin; também está coberto.

O Capítulo representa um subterrâneo, sem portas nem janelas e comunica-se com o exterior por uma abertura quadrangular, feita na Abóboda que se atinge por meio de uma escada; a abertura é fechada por uma escotilha formada por uma pesada pedra- mármore; no centro da tampa, uma grande argola de ferro.

Os muros internos estão pintados de branco; o Pavimento, de quadrado brancos e negros.

No centro da Loja eleva-se, sobre um pedestal quadrangular, uma Pirâmide transparente, de três faces; em cada face, em caracteres hebraicos, está inserido o nome do Grande Arquitecto do Universo, em Tetragrama.

A Pirâmide é iluminada no seu interior por um Candelabro de três braços.

A Abóboda está sustentada por nove Arcos; em cada Arco vem escrito o nome de um Arquitecto, que representa nove denominações de Deus: Jod, Jhao, Ehleah, Eliah, Jareb, Adonai, El-Hanan, Jhao, e Jobel.

A Loja é iluminada por nove luzes afora o Candelabro na parte interior da Pirâmide; oito luzes formam um octógono ao redor do recinto e a nona no Altar, do Presidente.

O Painel é em formato de escudo, com bordos azul-escuro; na parte superior, abrangendo a maior parte do Painel, uma Abóboda subterrânea, dividida em sete partes, com as cores do arco-íris na parte superior, um cabeçote exterior.

O Grau 13 pode ser dado por comunicação, mas recomenda-se que a Cerimónia de Iniciação seja realizada.

O Cavaleiro do Real Arco recebe ensinamentos oriundos dos Graus precedentes e visa propagar o ideal da Liberdade de Religião, com o aperfeiçoamento da instrução a todos os povos, com base na Justiça e no Progresso, destacando que a Maçonaria Harmoniza a Honra com o Dever.

O traje é negro com luvas negras.

A idade é de 63 anos, ou seja, sete vezes o quadrado de três.

A Bateria é de cinco golpes.

O início dos trabalhos, ao nascer do Sol; encerramento, no ocaso.

O Avental é todo vermelho; na parte central um Triângulo irradiado, com as bordas douradas e no centro letras em caracteres desconhecidos que conteriam o nome de Deus.

A Faixa é azul-noite e a joia, um Triângulo vazado, em ouro.

A lenda de Enoque

As Sagradas Escrituras referem-se assim a respeito de Enoque:

E coabitou Caim com a sua mulher, ela concebeu e deu à luz a Enoque. Caim edificou uma cidade e lhe chamou Enoque, o nome de seu filho “

(Génesis 4:17)

Jarede viveu 162 anos e gerou a Enoque“.

(Génesis 5- 17)

Andou Enoque com Deus, e já não era, porque Deus o tomou para si

(Génesis 5:24)

Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte: não foi achado porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de ter agradado a Deus”.

(Hebreus, 11:5)

A nossa personagem teria sido filho de Jarede e não de Caim; segundo a tradição, viveu no ano 3740 antes da Era Vulgar, e cujo nome significa, em hebraico: “O que muito viu, o que muito sabe”, também é conhecido dos muçulmanos com o nome de Adris que significa “sábio”.

As profecias e maravilhosos relatos de Enoque em que o povo acreditava cegamente, assim, como os seus devaneios e venturosos sonhos estão registrados nas Sagradas Escrituras antigas, vez que nas da actualidade omitem o livro que leva o seu nome.

Durante um desses sonhos, conheceu o verdadeiro nome de Deus, que lhe foi proibido de pronunciar, e noutro sonho, foi-lhe mostrado o cataclisma que em breve assolaria a Humanidade, com o nome de Dilúvio.

Enoque, então, decidiu preservar de catástrofe o verdadeiro Nome de Deus, fazendo-o gravar numa pedra triangular de ágata, em certos caracteres místicos.

Nada se conhecia a respeito da pronúncia daquele Nome, a não ser ele Enoque, por tê-lo ouvido do próprio Deus, que o traçou em hieróglifos misteriosos.

Fez Enoque gravar em duas Colunas, sendo uma de mármore e outra de bronze, os princípios em que se baseavam as ciências e artes da época a fim de que, também, passassem para a posteridade.

Após, fez Enoque construir um templo debaixo da terra, consistindo em nove abóbodas, sustentadas por nove arcos, depositando na mais profunda, o Delta de ágata e na entrada da primeira, duas Colunas, fechando a entrada com uma grande pedra quadrangular, provida de possante argola de metal no seu ceptro para que pudesse ser removida.

Advindo o Dilúvio, todos os habitantes da Terra sucumbiram, excepto Noé e a sua família que passaram a constituir a única espécie humana.

Das Colunas gravadas por Enoque, apenas a de bronze chegou à posteridade, pois a de mármore foi destruída pelas águas.

Nenhum ser humano podia pronunciar o Nome verdadeiro de Deus, antes que fosse revelado a Moisés, no Monte Sinai.

O legislador do povo hebreu mandou fazer uma grande medalha de ouro, gravada com o Nome Inefável, colocando-a na Arca da Aliança, tendo, antes, o cuidado de revelar o seu significado ao seu irmão Arão.

Numa batalha contra o rei da Síria, em que caíram feridos os que a guardavam, perdeu-se a Arca, ficando abandonada na mata.

No entanto, ninguém podia aproximar-se dela sem que um leão que guardava a sua chave, o atacasse e o destroçasse.

Mas numa oportunidade em que o Grande Sacerdote dos Levitas, acompanhado do seu povo, dirigiu-se ao local onde estava a Arca, com o propósito de reavê-la, notaram que a fera vinha ao seu encontro, mansamente entregando-lhe a chave que trazia na sua boca, permitindo que a Arca fosse dali removida.

Este leão significa para nós o emblema do pensamento que se rebela contra a força, porém permite a entrada da Verdade.

A divisa do Grau 13: In Ore Leonis Verbum Inveni quer dizer: “Achei a palavra na boca do leão”, o que indica que devemos proclamar a Verdade e mantê-la como principal qualidade de um povo civilizado.

Na época de Samuel apoderaram-se da Arca os filisteus, fundiram a medalha de ouro, construindo com ela um ídolo Para adoração dos pagãos.

Ficou, novamente, perdido o nome de Deus, para todos, excepto para os reis de Israel, que tradicionalmente, o pronunciavam e sabiam o depósito sagrado feito por Enoque, ainda que desconhecessem o lugar onde o Delta estava oculto.

Transcorreram os anos. David, rei de Israel, concebeu o projecto da construção do Templo de Jerusalém e o seu filho Salomão o executou.

Antes, porém, de consagrar o Templo à Glória do Grande Arquitecto do Universo, quis fazer um esforço supremo para localizar o Triângulo escondido por Enoque.

Com tal objectivo, escolheu três Mestres da sua maior confiança cujo valor e perseverança haviam demonstrado em muitas outras ocasiões, incumbindo-os de pesquisarem a respeito.

Chamavam-se esses três Mestres Eleitos: Adonhiram, Stolkin e Joabem, os quais, após penosas viagens e grandes estudos, lograram descobrir a Abóboda em que o Sagrado Delta estava guardado,

Desde então a representação gráfica inscrita, representando o Nome verdadeiro do Grande Arquitecto do Universo.

Porém, não sabemos pronunciá-lo, porque as águas do Dilúvio destruíram a Coluna de Mármore em que Enoque gravara o Código para decifração daquele Nome Inefável e como devia ser pronunciado por lábios humanos.

Os trabalhos do Grau 13 findam com uma prece:

Poderoso Soberano Grande Arquitecto do Universo.
.
Vos que penetrais no mais recôndito dos nossos corações, acercai-vos de nós para que melhor possamos adorar-vos, cheios de vosso santo Amor. Guiando-nos pelo caminho de Virtude e afastando-nos da senda do vício e da impiedade.
Possa o selo misterioso imprimir nas nossas inteligências e nos nossos corações o verdadeiro conhecimento de vossa essência e Poder Inefável, e assim como temos conservada a recordação de vosso Santo Nome conservai, também, em nós o fogo sagrado de vosso Santo Temor, princípio de toda Sabedoria e grande profundidade do nosso Ser.
Permiti que todos os nossos pensamentos se consagrem à grande obra da nossa perfeição, como recompensa merecida dos nossos trabalhos e que a União e a Caridade estejam, sempre, presentes nas nossas Assembleias, para podermos oferecer uma perfeita semelhança com a morada de vossos escolhidos que gozam de vosso Reino para sempre. Fortalecei-nos com vossa luz, para que nos possamos separar do mal e caminhar para o bem.
Que todos os nossos passos sejam para Glória e proveito da nossa aspiração, e que um grato perfume se desprenda do Altar dos nossos corações e suba até vós.
O Jeová, nosso Deus! Bendito sejais, Senhor. Fazei com que prospere a obra feita pelas nossas mãos, e que sendo vossa Justiça o nosso guia, possamos encontrá-la ao término da nossa vida.
Amém“.

Fonte

  • Extraído do livro “Rito Escocês Antigo E Aceito (Graus 1ª Ao 33º)”, Madras

Um comentário em “Grau 13 – Cavaleiro do Real Arco (REAA)

  1. Muitos IIr.: Não conhecem sequer o histórico do grau conquistado. De olhos vendados passam pela história sem participar.
    Ser ou estar Ir.’.?
    Excelente prancha.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: