REVISTA BIBLIOT3CA

Leituras Selecionadas do Editor-Chefe J.Filardo

O DNA da Maçonaria – Os Clubes Hell-Fire (fogo do inferno)

Duque de Wharton – o Primeiro Grão Mestre da Grande Loja de Londres de 1717

Philip, o duque de Wharton parece ter criado o primeiro Hell-Fire Club no início do século 18, quando ele não tinha mais que 23 anos de idade. Dizia-se que a selvageria do Duque “não conhecia limites.” Havia, aparentemente, três clubes Hell-Fire em Londres compostos por um total de 40 membros tanto homens quanto mulheres. Os clubes eram chamadas “Sociedades de blasfemos” cujos membros se dedicavam à profanação, imoralidade e libertinagem.
Parece que uma atividade favorita dos membros do Hell Fire era chegar a uma reunião vestidos como personagens bíblicos ou da Igreja e, em seguida, ridícularizar o cristianismo e as suas diversas doutrinas, em especial a da Trindade, já um tema controvertido na Igreja da Inglaterra. Como a maioria dos membros do Hell Fire eram destacados ingleses, está claro por que eles aviltavam o cristianismo somente em particular.
Outra atividade de alguns membros parece ter sido embebedar-se e depois passear pela cidade tarde da noite perturbando as pessoas em seu sono. É possível que os membros também se envolvessem em atividades sexuais, orgias, se não totalmente, porém, não há nenhuma documentação para comprovar essa afirmação.
Diz-se que o clube de Wharton, foi criado principalmente para chocar a sociedade londrina. Perturbar o status quo é algo que muitos de vinte e poucos anos, em qualquer época gostam de fazer. O presidente do Clube Hell-Fire de Wharton era apelidado como o próprio Satã, mas os membros do Hell Fire alegavam que era apenas uma piada e que eles não tinham intenções de atacar a religião organizada [Cristianismo].
Em 1721, após as “horríveis blasfêmias do Hell-Fire Club terem se tornado tão escandalosas, o rei George I falou contra os clubes. Ele disse que qualquer pessoa envolvida em clubes receberia suas “marcas de desagrado.”
Era um “segredo aberto” entre os membros do Parlamento que o decreto do rei era dirigido ao Duque de Wharton. Na verdade, o duque defendeu seu estilo de vida no Parlamento e até mesmo usou a Bíblia em defesa de sua própria “liberdade religiosa”. No entanto, a proclamação do rei pôs fim aos clubes de Wharton. O próprio Wharton foi expulso do Parlamento e se tornou maçom. Em meados do século, seu Hell-Fire Club foi ressuscitado.

Sir Francis Dashwood

A aristocracia inglesa durante o século 18 era conhecida por seus excessos e irreverência. Por volta de 1750, outro inglês proeminente chamado Sir Francis Dashwood reviveu o Hell-Fire Club em sua casa em Wycombe. Era chamado de “Irmandade de São Francisco de Wycombe.” “São Francisco” refere-se a Dashwood ao bom monge. Como veremos, Dashwood estava muito longe do que foi o venerável São Francisco.

Em Roma

Dashwood foi considerado por muitos de seus contemporâneos um homem de “mente depravada”. Ele desdenhava a Igreja, devido, como ele acreditava, às suas muitas hipocrisias. Em uma visita a Roma, Dashwood entrou na Capela Sistina, durante um culto na Sexta-Feira Santa. Em memória dos sofrimentos de Cristo, cada fiel trazia consigo um pequeno “flagelo” (chicote).
Quando as luzes foram diminuídas, os participantes desnudariam seus ombros e começariam a fingir se chicotear. Dashwood, no entanto, consciente da tradição, tinha trazido com ele um chicote de cocheiro. Quando o cerimonial do chicoteamento começou, Dashwood passou a chicotear os presentes. Dashwood fugiu junto com a multidão de autoridades papais em seu encalço. Ele teve de deixar Roma imediatamente.
Para sua “religião de blasfêmia” Dashwood escolheu a dedo doze colaboradores mais próximos de igual pensamento como seu círculo íntimo. Diz-se que Dashwood escolheu 12 homens para imolar Cristo e seus 12 discípulos. Os 13 formaram o primeiro clube,, mas a sua adesão aumentou significativamente além dos treze originais.
Monges de Medmenham
Em pouco tempo a “Irmandade” de Dashwood reuniu-se em uma antiga abadia, às margens do rio Tâmisa, em Buckinghamshire. Porque a abadia em si era chamada Medmenham eles se chamavam de “Os Monges de Medmenham”. Dashwood mandou decorar o interior da abadia com diversos símbolos pagãos de natureza sexual.
Uma adega na propriedade foi ampliada por escavação de uma série de túneis até a adega original. As cavernas também foram decoradas com símbolos fálicos e outros símbolos sexuais. Diz-se que sobre a entrada no “clube” havia uma placa com a inscrição Fays Ce Que Voudras (Faça o que tiver vontade).

Clube Hell-Fire

Qual era a finalidade do Hell-Fire Club? O objetivo era se envolver em atos Hedonisticos, tais como embriaguez, orgias sexuais, e, dizia-se, rituais satânicos, tais como a Missa Negra que eles realizavam sobre os corpos nus dos suas associadas do sexo feminino. Os membros masculinos vestiam-se em trajes de monge. As reuniões eram realizadas duas vezes por mês, com uma delas, dizia-se que teria uma semana inteira.

Dois membros estimados do círculo íntimo de Dashwood era John Wilkes, um membro radical do Parlamento e John Montagu, 4 º Conde de Sandwich, o “inventor” do sanduíche. Enquanto assistia a uma missa em Medmenham com Montagu e possivelmente Dashwood, Wilkes soltou um pequeno macaco. Escusado será dizer que o primata interrompeu o serviço e fez com que muitos membros da Igreja fugissem espavoridos. Diz-e que Montagu não sabia sobre o plano de Wilkes e que ficou tão assustado que, no início, ele acreditou que o próprio Diabo tinha aparecido. Rumores neste sentido espalharam-se pela cidade.
O Hell-Fire Club de Dashwood chegou ao fim por volta de 1765. Acredita-se que Benjamin Franklin compareceu a pelo menos uma das sessões do clube antes de seu falecimento. Dashwood morreu em 1781 aos 73 anos de idade. As adegas de Medmenham são, hoje, atrações turísticas.

Notas:
1. A natureza exata das atividades do clube não é conhecida. Os escritores contemporâneos não divulgaram detalhes.
2. Narrativas do episódio do macaco variam

Fontes:

David Weeks, Jamie James, Eccentrics: A Study of Sanity and Strangeness
George Lillie Craik, Charles MacFarlane, Charles Knight, Harriet Martineau The pictorial history of England Volume 4
Lewis Saul Benjamin, The life and writings of Philip, duke of Wharton
William Fraser Rae, Wilkes, Sheridan, Fox: the opposition under George the Third
Architectural and Archaeological Society for the County of Buckingham, Records of Buckinghamshire
Horace Walpole, Peter Cunningham, The letters of Horace Walpole: fourth earl of Oxford, Volume 1

6 comentários em “O DNA da Maçonaria – Os Clubes Hell-Fire (fogo do inferno)

    1. As informações são disponibilizadas no site. Basta seguir o blogue via email e receberá informações toda vez que for atualizado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

O Ponto Dentro do Círculo

Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo apareceria para o homem tal como é: infinito. William Blake

Meditations on the Tarot

Plunging in the currents of the Hermetic Tradition

Blog da Dad

Xô, dúvida! Dicas de português pra dar vender e emprestar.

Ritos e Rituais

Tudo sobre a Maçonaria

Rassembler ce qui est épars

Le bloc-notes de Pierre Mollier

%d blogueiros gostam disto: