REVISTA BIBLIOT3CA

Leituras Selecionadas do Editor-Chefe J.Filardo

Leprecum

Tradução José Filardo

Leprecum, leprecaun, lepracaun, leipreachán 

[Cf. MidIr. luchorpán, Corpo pequeno; irlandês moderno leipreachán, luprachán ];

Formas paralelas regionais e arcaicas: lochramán, loimreachán, loragádán,  lubrican , luchragán, luchramán,  luprecan , lúracán, lurgadán, lurikeen. Entidade masculina, guardião de tesouros escondidos, da tradição literária oral  Irlandesa  cuja identidade original é agora irremediavelmente obscurecida por dois séculos de  transmogrificação  comercial e artística, longe das raízes da cultura  Gaélica . Ao contrário da percepção popular, o leprecum de forma nenhum representa todo o reino das fadas irlandesas nem ele é seu exemplo mais impressionante na tradição irlandesa. Também obscurecidas são as variações regionais agora arcaicas, a maior parte delas anteriores a meados do século 19. O dominação do leprecum, segundo a percepção de fora da tradição irlandesa deriva da grande recepção popular das obras de T. Crofton Croker, especialmente Lendas e Tradições de fadas do Sul da Irlanda (1825), e adaptações literárias de prestígio, nomeadamente o poema ‘Leprecaum’ de  William Allingham  ( c. 1870), Lendas antigas… da Irlanda de Lady Wilde (1887), Crock of Gold de James Stephens (1912), e o musical americano parcialmente baseado em O Arco-íris do Finian de Stephens (1947).

A primeira antecipação do leprecum vem na representação dos elfos da água, luchoirp ou luchorpán, descritos no texto do oitavo século Echtra Fergusa Maic Leti [A Aventura de Fergus, filho de Lete]. Na narrativa, Fergus está dormindo em sua carruagem à beira-mar quando os elfos o levantam, separado de sua espada, e o carregam sobre a água. Quando ele prende três deles, eles prometem compartilhar suas habilidades na natação, como condição de sua libertação. Este retrato, juntamente com glossários anteriores salientando as grafias do norte  Leinster , sugere que, inicialmente, o leprecum era uma criatura aquática ou, pelo menos, anfíbia. Mas, vários termos comparáveis de diferentes partes da  Irlanda  sugerem outras associações. De outro lugar em Leinster: loimreachán, lúracán. De  Connacht : lúracán. De  Munster : luchragán, lurgadán. De  Úlster : luchramán. Talvez contribuindo para essas concepções são os monstruosos lupracánaig da pseudo-história  Lebor Gabála  [Livro das Invasões],  gerado  pelo Cam bíblico como resultado da maldição colocada sobre ele por seu pai  Noé .

Desde o tempo das Lendas de Fadas de Crofton Croker (1825) o leprecum tem sido frequentemente confundida com outras duas fadas solitárias conhecidas por nomes  Hiberno-Ingleses , o  cluricaune , que bebe, fuma e adegas, e assombra os travessos  far darrig . Abundante evidência existe agora para demonstrar que o leprecum floresceu na tradição oral antes do século 19. Existem alusões à figura na toponímia Knocknalooricaun [morro dos duendes] perto de  Lismore , Condado de Waterford, e Poulaluppercadaun [piscina do leprecum] perto de  Killorglin , Condado de  Kerry . A anglicização lubrican apareceu em 1604. Ao leprecum recuperado da tradição irlandesa falta o humor e despreocupação de seu simulacro literário e comercial. Em vez disso, ele (não existem fêmeas) é muitas vezes melancólico e, até mesmo  triste . Feio e atrofiado com uma cara de maçã seca, o leprecum pode ser ranzinza,  ébrio  e boca suja. Em sua única e  mais conhecida  história, conhecida em muitas variações, o leprecum enquanto ocupado fazendo sapatos é capturado por um mortal comum, que exige saber onde o pote de ouro é mantido. Se o mortal puder manter os olhos sobre o leprecum, sem se distrair, o ouro será dele. O astuto leprechaun, no entanto, pode sempre distrair o mortal, muitas vezes apelando para sua  cupidez  ou credulidade, para que o perdedor se culpe. Outros motivos, como o leprecum sentado em um cogumelo, barba vermelha no estilo  Galway , chapéu verde, etc, são claramente invenções, mas alguns são empréstimos do folclore europeu, especialmente do espírito familiar alemã, o  kobold. Alguns retratos das aventuras do leprecum no domicílio podem ter entrado no folclore do Ulster vindo da  fadinha  dos colonos  Escoceses. Ver também  GANCONER.

Bibliografia

  • D. A. Binchy, ‘The Saga of Fergus, Son of Léti’Ériu, 16 (1952), 33–48
  • ‘Echtra Fergusa maic Léti’, in Irish Sagas, ed. Myles Dillon (Cork, 1968), 40–52
  • James Carney, Studies in Irish Literature and History (Dublin, 1955), 103–10
  • Diarmaid Ó Giollán, ‘An Leipreachán San Ainmníocht’, Béaloideas, 50 (1982), 126–50
  • ‘The Leipreachán and Fairies, Dwarfs and the Household Familiar: A Comparative Study’, Béaloideas, 52 (1984), 75–150

 

(A Dictionary of Celtic Mythology, by James MacKillop, Oxford University Press)


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Literary Yard

The best words are those unread...

O Ponto Dentro do Círculo

Post Tenebras Lux - Os iniciados “viram a Luz”, e cabe agora a eles iluminar o caminho da humanidade.

Meditations on the Tarot

Plunging in the currents of the Hermetic Tradition

Blog da Dad

Xô, dúvida! Dicas de português pra dar vender e emprestar.

%d blogueiros gostam disto: