Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

Maçonaria e Humor

Por giorgionicoletti

Maçonaria e literatura humorística

Uma parte importante da literatura do entretenimento é, sem dúvida, representada pelo gênero cômico e humorístico. Seu objetivo é nos fazer rir. No entanto, é desejável distinguir textos que visam despertar no leitor uma simples risada que termina na piada, daqueles que, em vez disso, visam, através da piada, desencadear uma reflexão mais profunda no leitor.

Acredito que esta é a literatura humorística que deve prevalecer na Maçonaria. Em linguagem comum, o termo “humor” muitas vezes é mal utilizado como sinônimo de comédia e jovialidade: diz-se que aqueles que “têm senso de humor” são espirituosos e brincalhões, fazem as pessoas rir e aceitar piadas. Aqueles que não têm isso são sérios e muitas vezes sensíveis e incapazes de compreender situações engraçadas e cômicas. No entanto, deve-se ressaltar que nem tudo o que é engraçado ou que desperta nosso riso é bem-humorado. É necessário distinguir uma comédia pelo próprio bem de um humor espirituoso. A comédia tem como objetivo provocar uma risada por pura diversão, a sagacidade está em um nível mais alto porque visa um prazer intelectual. Da mesma forma, humor e sátira são ferramentas que servem para abrir nossos olhos e refletir sobre certos aspectos da realidade que muitas vezes são injustamente esquecidos. Um mestre da literatura italiana que se distinguiu pelo uso calibrado deste auxílio é Luigi Pirandello que, além de estudar os mecanismos do riso, usou humor e inteligência para descrever o que está por trás das aparências do comportamento humano. Nesse sentido, o humor, além da aparência da diversão, sugere uma dimensão às vezes triste e amarga. Essa maneira desconfortável de comunicar verdades se espalha na segunda metade do século XIX, especialmente na burguesia que favorece uma atitude moderadamente crítica e que representa uma das marcas da classe média. Na verdade, alguns dos mais importantes autores do romance burguês também foram humoristas sutis. Pense, por exemplo, em Charles Dickens, Italo Svevo e James Joyce.

A comédia tem como objetivo provocar uma risada por pura diversão, a sagacidade está em um nível mais alto porque visa um prazer intelectual.

As formas de texto cômico

Os contornos multifacetados do texto cômico e humorístico são variados e difíceis de catalogar, uma vez que muitas vezes os muitos tipos confundem-se umas com as outras, parcialmente sobrepostas. No entanto, uma classificação útil, embora não impecável, poderia ser a seguinte: está-se na presença de uma sátira quando uma pessoa ou costume social é zoado ou ridicularizado. Por outro lado, em outros casos, nos deparamos com uma paródia quando se imita alguém ridicularizando-o; é uma espécie de desintegração do que o sujeito representa; é particularmente difundido no carnaval. Quando a imitação atinge o paroxismo, a caricatura é alcançada, ou seja, uma técnica que visa principalmente personagens conhecidos como poderosos, políticos ou personagens do mundo do entretenimento. A comédia torna-se ironia ou mesmo sarcasmo quando são emitidas opiniões que se opõem àquelas que são claramente defendidas pelo autor. Neste caso, as palavras se tornam objetos reais e contundentes que intencionalmente pretendem ferir a vítima.

O Mecanismo do Riso

O que em uma situação em particular desencadeia o mecanismo do riso? É difícil responder a essa pergunta. Filósofos, psicólogos e críticos literários tentaram realizar uma anatomia do riso para entender esse elemento necessário e suficiente para desencadear o riso. Mas a operação acabou sendo complexa, já que o objeto de riso tem contornos e nuances, é evasivo e mutável. Depende do momento, das circunstâncias, do nosso ambiente. Em vez disso, estudos têm destacado técnicas que podem provocar o riso. Vejamos a mais conhecida: uma fonte inesgotável da comédia é a peça de mal-entendidos, confusões, trocadilhos, expressões ambíguas, sentidos duplos. O desajeitamento dos indivíduos também é frequentemente objeto de riso. Constrangimento, erros, a confusão de pessoas, principalmente, dão origem a situações hilárias. Mesmo o exagero, tudo o que é acentuado, acima do máximo tem uma reação hilária. Parecem engraçados, malucos mesmo, aqueles que estão fora do lugar, no lugar errado e na hora errada. Outras técnicas usadas para despertar o riso são o caso incomum ou casos estranhos, bizarros e extravagantes. Em princípio, pode-se dizer que a lei do riso é baseada na queda. Isso nos faz rir de qualquer coisa que seja contrária ao que normalmente vemos ou experimentamos. Pirandello falou de uma mensagem contrária como a capacidade de compreender dimensões do real que não coincidem com o que normalmente acontece. Pirandello escreve: “Vejo uma senhora, com o cabelo pintado… e, em seguida, toda desajeitadamente maquiada e desfilando com roupas juvenis. Eu vou rir. A mensagem é que essa senhora é o oposto do que uma senhora respeitável deve ser.” A mensagem também pode ser seguida pelo sentimento do oposto, que vem quando refletimos sobre a cena cômica e nos tornamos conscientes de suas tristes e dolorosas implicações. Por trás da máscara de descrente da senhora idosa vemos o sofrimento daqueles que vêem a juventude escapar e com ela o amor pela pessoa desejada. O sentimento do oposto é, portanto, a autoconsciência da amarga essência de um fato e, em última análise, da própria vida.

O que nos faz rir é qualquer coisa que seja contrária ao que normalmente vemos ou experimentamos.

O Humor entre Irmãos

Acredito que o humor é uma ferramenta privilegiada para desarmar tensões desnecessárias e perigosas entre irmãos.

Gosto de pensar que humor e bom humor podem ser características do Maçom. Em uma associação como a nossa, onde as pessoas se encontram com frequência, é fácil que surjam mal-entendidos, desentendimentos e até conflitos. Bem, eu acredito que o humor é uma ferramenta privilegiada para desarmar tensões desnecessárias e perigosas entre irmãos. Muitas vezes o humor aproxima as pessoas e consegue amenizar situações difíceis. No Lema do Espírito e sua relação com o inconsciente Freud considerava o humor como um mecanismo comunicativo que permite ao sujeito expressar o conteúdo do inconsciente, geralmente reprimido, de forma não traumática ou agressiva para o interlocutor. A piada representa um canal de saída: libera a energia com que nos comprometemos a controlar impulsos agressivos do nosso inconsciente. A liberação da tensão e o relaxamento que isso traz são, portanto, benéficos. Lembremos também que, como disse Aristóteles, “só o homem, entre todos os animais, ri”. Riso é de fato uma propriedade específica da humanidade. Pode ser inferido pelo fato de que rir é uma ação imanente ao homem, e pode ser inferido pelo fato de que nenhuma civilização ou etnia foi encontrada até agora desprovida da capacidade de rir. Deste ponto de vista, pode-se, portanto, dizer que rir é um sinal de humanidade. Uma pessoa que nunca ri revela algo sinistro, pouco recomendável e, em última análise, desumano. Só o homem ri e só o homem fala, mas também riso e humor são uma forma de linguagem, um código universal que nos permite transmitir e compartilhar emoções e humores, desde que tenhamos um mínimo de inteligência para agarrar suas inúmeras facetas. D.B.

Publicado em:

http://www.loggiagaribaldi1436.it/2020/02/09/massoneria-e-letteratura-umoristica/

2 comentários em “Maçonaria e Humor

  1. Muito bom artigo; Aí uma das razões pelas quais gosto muito do mestre Castellani.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: