Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

1717 e Tudo Aquilo…

Tradução J. Filardo

por Andrew Prescott e Susan Mitchell Sommers

Assembleia GLUI

I

Em 1964, a Professora Regius de História Moderna, Vivian Galbraith, publicou Uma introdução ao o estudo da história.[1]Um capítulo era intitulado ‘Pesquisa Histórica em Ação’ econsistia em um estudo de caso. O exemplo que Galbraith escolheu foi o reinado do rei Alfredo, o Grande e, em particular, a biografia de Alfredo por um monge chamado Asser, do qual depende muito de nosso conhecimento sobre o rei. Galbraith revisou a história do texto de Asser e argumentou que era uma falsificação, compilada em Exeter no século XI. As críticas da professora Galbraith causaram uma tempestade no mundo dos estudos anglo-saxões. Outro distinto historiador, desta vez em Cambridge, rebateu com evidências de que a biografia de Alfred era genuína.[2] O consenso agora é que o Asser é genuíno, mas as reverberações da intervenção de Galbraith ainda são evidentes – em 1995, outro grande estudo apareceu que novamente argumentou que Asser era uma falsificação.[3]

É assim que a pesquisa histórica progride – não pelo simples acúmulo de materiais, mas sim pelo questionamento cruzado e reavaliação de nossas fontes, e continuamente olhando para elas de diferentes ângulos. As fontes históricas são objetos complexos e não revelam todos os seus segredos à primeira leitura. Quando olhamos para elas de maneiras diferentes, eles contam histórias diferentes e podemos ver nuances que perdemos antes.[4] À medida que novas fontes são encontradas, nossas fontes existentes começam a se encaixar em padrões diferentes.

Os historiadores revisam e reconsideram constantemente suas fontes, e é isso que faremos hoje neste simpósio. Muito do que discutiremos não gira em torno de novas descobertas factuais, mas sim do reexame de fontes que eram familiares há muito tempo. É por isso que nossas discussões hoje não resultarão em nossa confirmação se a Grande Loja foi fundada em 1717 ou 1721. Quaisquer que sejam nossas conclusões hoje, novos materiais surgirão no futuro, mostrando nossas fontes existentes sob uma luz diferente. Ficaríamos muito desapontados se voltássemos para o quatrocentésimo aniversário da Grande Loja e descobríssemos que a pesquisa que empreendemos recentemente ainda era atual. Dentro de cem anos, esperamos ter chegado a conclusões completamente diferentes sobre o início da história da Grande Loja. A história só tem valor se continuar a questionar e sugerir novas perspectivas e novos ângulos.   

Por essas razões, esperamos que você saia deste artigo não com a visão de que uma opção ou outra foi confirmada, mas sim vá embora com perguntas sobre nosso entendimento da Grande Loja inicial que você então tentará e investigará nas fontes primárias e explorará sozinho(a).

Poucas coisas que vamos apresentar são novas. Henry Sadler já em 1887 nos lembrava que “não devemos considerar infalíveis os historiadores oficiais, mesmo quando encontramos o prefixo distintivo Reverendo, junto aos seus nomes”.[5] Sadler declarou que algo mais confiável do que a declaração simples de Anderson era necessário para convencê-lo de que as quatro lojas que se diz terem formado a Grande Loja eram as únicas lojas em Londres naquela época.[6] Mais de cem anos atrás, tanto Gould quanto Robbins apontavam como partes da história de Anderson dos primeiros anos da Grande Loja são contraditadas por relatos de jornais contemporâneos.[7] Em 1909, Begemann disse que a história de 1717 ‘dá muito claramente a impressão de imaginação luxuosa de Anderson’ e declarou que ‘pessoalmente não consegui evitar a conclusão de que toda a história da eleição do primeiro Grão-Mestre é um mito  inventado por Anderson ‘,[8] propondo que a história de Anderson da formação da Grande Loja deveria ser desconsiderada. É lamentável que a relutância da Loja Quatuor Coronati em promover o trabalho de um estudioso alemão durante a Primeira Guerra Mundial tenha feito com que as críticas de Begemann a Anderson não fossem mais amplamente conhecidas.

As implicações das descobertas desses eruditos maçônicos pioneiros geralmente não foram acompanhadas e merecem mais discussão. A maior parte das novas informações que apresentaremos, que não estavam disponíveis para esses estudiosos anteriores, estão relacionadas à vida de James Anderson. Essas informações extras sobre as circunstâncias pessoais de Anderson nos fornecem novas perspectivas sobre as fontes da primeira Grande Loja e nos mostra como as novas descobertas e a reavaliação das fontes existentes estão profundamente interligadas.

II.

Não vamos recapitular em detalhes a história de 1717 e tudo aquilo. Todos vocês já ouviram muitas vezes no ano passado como quatro lojas de Londres se reuniram na Apple Tree Tavern em Covent Garden em 1716 e reviveram as comunicações trimestrais dos oficiais da loja e a assembleia e festa anual. Em 24 de junho de 1717, somos informados, a Assembleia e Festa dos Maçons Livres e Aceitos foi realizada na cervejaria Goose and Gridiron perto da Catedral de São Paulo, quando Antony Sayer foi escolhido como Grão-Mestre e Joseph Elliot e Jacob Lamball como Grandes Vigilantes.

Esta história não é mencionada na primeira edição do Livro das Constituições compilado por James Anderson, um ministro presbiteriano escocês em Londres, publicado em 1723.[9]   

Ela aparece pela primeira vez na nova edição do Livro das Constituições concluído por Anderson em 1738, quase 21 anos após os eventos que pretende descrever.[10] Mesmo assim, é claro, Anderson não afirmou que a Grande Loja foi fundada em 1717. Anderson alegava que a maçonaria remontava a Adão. Ele declara que os primeiros quatro Grandes Oficiais foram Noé e seus três filhos. O primeiro Grão-Mestre que ele nomeia é Joshuah, o filho de Abraão. De acordo com Anderson, o Grão-Mestre Moses tinha Joshuah como seu Adjunto e Aholiah e Bezaleel como seus Grandes Vigilantes.[11] De acordo com a lista dos Grão-Mestres da Maçonaria da Inglaterra inserida por Anderson nas Constituições de 1738 seguindo as instruções da Grande Loja, o primeiro Grande Mestre dos Maçons na Inglaterra foi Santo Agostinho de Canterbury.[12] Para Anderson, 1717 não foi a fundação da Grande Loja, e a nomeação de Antony Sayer como Grão-Mestre foi meramente um meio de reviver a Grande Loja depois que ela caiu no marasmo no final da vida de Sir Christopher Wren.

A Maçonaria foi um tema quente para jornalistas e escritores desde o momento em que o Duque de Montagu se tornou Grão-Mestre em junho de 1721. É muito surpreendente que em todas as reportagens e panfletos sobre a Maçonaria publicados na Inglaterra entre 1721 e 1738 não haja menção à história de 1717 ou da Ganso e Gridiron. É só com Anderson, escrevendo 21 anos depois sobre eventos em que ele não esteve presente, que temos o primeiro relato de 1717 e tudo aquilo.

A única evidência que aparentemente apoia a história de Anderson também data da década de 1730, muito depois do evento. Há uma lista de Grandes Oficiais anexada ao primeiro livro de atas da Grande Loja, que começa com Sayer como Grande Mestre e Lamball e Elliot como Vigilantes e dá a mesma sucessão de Grandes Oficiais que Anderson.[13] Na verdade, como veremos, essa lista pode ter sido uma das fontes usadas por Anderson. A lista foi compilada por William Reid, que foi nomeado Grande Secretário em 1727.[14] A caligrafia e a cor da tinta mostram que a lista foi inserida por Reid no livro de atas em algum momento depois de 1731 e possivelmente em 1734. Outras referências a Sayer e outros primeiros Grandes Mestres são posteriores. Por exemplo, uma carta nos arquivos da Royal Society mandada pelo duque de Richmond a Martin Folkes sobre a gravura de retratos de grão-mestres referindo-se a Sayer, Payne e Desaguliers como grão-mestres não tem data. A data de quaisquer gravuras não pode ser estabelecida com firmeza, mas parece ser provavelmente da década de 1730.[15] As primeiras referências nas atas da Grande Loja a Desaguliers e George Payne como Grão-mestres são em novembro de 1728, enquanto a primeira menção de Sayer como Grão-Mestre é em 1730.[16] E assim por diante – os elementos da história de 1717 só aparecem surpreendentemente atrasados.

No entanto, não precisamos acreditar na palavra de Anderson. Temos duas evidências que apresentam um quadro muito diferente de Anderson. Essas fontes são contemporâneas aos eventos que descrevem, não escritas muitos anos depois por um homem que nem estava lá. Esses documentos não são novas descobertas; ambos foram publicados no século XIX. Achamos que eles merecem mais crédito do que receberam então.

Em primeiro lugar, estão os papéis do médico, antiquário e filósofo natural William Stukeley. Stukeley foi um dos fundadores da Sociedade de Antiquários e é famoso por suas investigações arqueológicas de Avebury e Stonehenge. Ele registra em seu diário que, em 6 de janeiro de 1721, foi iniciado maçom na Taberna Salutation em Covent Garden.[17] Stukeley afirma que foi a primeira pessoa a se tornar maçom em Londres por muitos anos e que foi difícil encontrar membros suficientes para realizar a cerimônia.[18] A afirmação de Stukeley de que era difícil encontrar maçons suficientes para realizar uma iniciação no início de 1721 é impossível de conciliar com a narrativa de Anderson, que afirma que nessa época ‘nobres também foram feitos irmãos, e mais novas Lojas foram constituídas’.[19] A Salutation estava a apenas algumas centenas de metros da Apple Tree e é surpreendente que houvesse dificuldade em encontrar maçons se uma Loja realmente estivesse se reunindo lá.

A precisão de muitos dos relatos de Stukeley é aparente em outros lugares em seus papéis, onde ele dá um relato da instalação do duque de Montagu que é mais circunstancial e detalhada do que o de Anderson e é apoiada por outras fontes. A descrição de Stukeley de sua iniciação é conhecida há muitos anos, e o contraste entre Stukeley e Anderson sempre foi um quebra-cabeça. No entanto, uma segunda fonte apoia o relato de Stukeley e sugere uma solução para o quebra-cabeça, ou seja, que a Grande Loja foi estabelecida não em 1717, mas na instalação do Duque de Montagu como Grão-Mestre no Stationers’ Hall em 24 de junho de 1721.

Esta fonte é um livro de rascunho nos arquivos da Loja de Antiguidade nº 2. Somos muito gratos ao Venerável Mestre e irmãos da Loja de Antiguidade pela permissão para consultar este volume. Muitos dos registros desta loja foram destruídos ou danificados em 1778 durante a disputa com a Grande Loja, quando partidários de William Preston confiscaram a propriedade da loja. O Livro E é um livro de rascunho que contém a carta comercial de Charles Stokes, um papeleiro que era membro da Loja, mostrando que o livro foi doado à Loja por volta de 1720. O livro permaneceu praticamente sem uso até a década de 1750, quando foi usado para redigir contas e atas da loja.

No entanto, no início do livro há uma ata que descreve a instalação do Duque de Montagu como Grão-Mestre e uma lista dos membros da loja datada de 18 de setembro de 1721 com acréscimos até 1726. Reg Hewitt e outros presumiram que a ata e a lista foram copiados para o livro na década de 1760,[20] e, portanto, não eram confiáveis, mas isso está errado. A comparação da ata no Livro E com outros manuscritos mostra que a escrita data da década de 1720.

Isso é confirmado pela lista de membros, que começa na mesma letra da ata, mas é então continuada pelas assinaturas de novos membros da loja, mostrando que é contemporânea. Esta ata foi escrita em 1721, ou não muito depois, e é o relato contemporâneo mais antigo de uma reunião associada à Grande Loja.

A ata no Livro E descreve a reunião no Stationers’ Hall em 24 de junho de 1721 como uma assembleia geral de um grande número de maçons e afirma que o duque de Montagu foi instalado como Grão-Mestre dos Maçons e jurou sobre a Bíblia proteger as franquias e liberdades dos maçons da Inglaterra e todos os registros antigos sob a custódia da velha loja em St Paul London. Ele também jurou nunca ser conivente com qualquer desrespeito aos landmarks das antigas lojas na Inglaterra ou permitir que o mesmo fosse feito por seus sucessores, que deveriam fazer um juramento semelhante.

Em troca, os maçons de Londres em nome deles próprios e do resto de seus irmãos na Inglaterra investiram seus direitos e poderes de congregação nas antigas lojas de Londres em confiança. Isso foi publicamente reconhecido pelos irmãos reunidos na Grande Loja. Os Mestres das antigas lojas aceitaram a confiança de suas lojas e foram jurados de acordo. Assim, o Livro E descreve um processo pelo qual as lojas cederam o poder de governar a maçonaria ao Grande Mestre e aos mestres das lojas reunidas em Grande Loja, em outras palavras, a criação de uma Grande Loja. Isso sugere que a Grande Loja foi fundada não no Goose and Gridiron em 24 de junho de 1717, mas quatro anos depois, quando uma transferência formal de autoridade foi feita para o novo corpo em 24 de junho de 1721 no Stationers’ Hall.

III

Uma data de fundação de 1721 para a Grande Loja se encaixa em nossa evidência geral muito melhor do que 1717. Não há referências contemporâneas à Grande Loja entre 1717 e 1721: sem relatos da imprensa, sem panfletos antimaçônicos, sem entradas de diário, sem burlescos teatrais de cerimônias maçônicas. Na Inglaterra, a maçonaria irrompeu repentinamente em cena em 1721. A primeira referência à Grande Loja na imprensa é uma reportagem no Post Boy de 24-27 de junho de 1721 da instalação do Duque de Montagu como Grão-Mestre. Quase imediatamente, a Maçonaria se tornou um assunto de constante fascínio para os jornais.

Foi sugerido que não devemos nos surpreender com a falta de referências à Grande Loja antes de 1721, pois ela era pouco mais do que uma obscura sociedade de tabernas. No entanto, outros clubes, que não eram mais do que alguns amigos reunidos em um pub, mesmo assim deixaram vestígios documentais. A Sociedade de Antiquários em 1707-8 consistia em um pequeno grupo que se reunia nas noites de sexta-feira nas tabernas Bear e Young Devil em Strand, mas alguns rascunhos de atas e referências a reuniões em cartas ainda assim sobreviveram. A subsequente refundação da Sociedade em ‘the Mitre Tavern, Fleet Street, na sala acima, dois lances de escadas’ em julho de 1717 foi solenemente registrada no livro de atas da Sociedade pelo próprio Stukeley.[21]

Em contraste, para a história da Grande Loja entre 1716 e o início do primeiro livro de atas da Grande Loja em junho de 1723, somos totalmente dependentes do relato de Anderson. Supõe-se que, como disse Wallace McLeod, a história de Anderson não pode ser confirmada ou refutada. Sob tais circunstâncias, a posição padrão tem sido confiar em Anderson. No entanto, além do fato de que o relato de Anderson é muito posterior e em desacordo com mais dois registros contemporâneos na forma do artigo de Stukeley e do Livro E da Loja da Antiguidade, há muitas razões para duvidar do relato de Anderson. Ele está crivado de inconsistências. Muitas das referências de Anderson a pessoas e lugares são imprecisas e divergem dos relatos da imprensa contemporânea. Anderson não esteve presente nos eventos que descreve e suas fontes de informação sobre eles são suspeitas.

As inconsistências na narrativa de Anderson são evidentes desde o início de seu relato de 1717. Ele explica que a Grande Loja consistia em reuniões trimestrais dos oficiais da loja e afirma que a primeira ação de Sayer foi reativar as comunicações trimestrais. Mas ele então se refere apenas às festas anuais. De acordo com Anderson, nenhuma comunicação trimestral foi realizada até 25 de março de 1721, quando Anderson afirma que uma reunião foi realizada para nomear Montagu como Grão-Mestre.[22] É improvável que essa reunião fosse realizada no Lady Day, que era o equivalente ao Dia de Ano Novo na época, e parece provável que sua reunião tenha sido inventada por Anderson para explicar como Montagu foi escolhido. Existem mais quebra-cabeças. A identificação de Anderson das quatro lojas imemoriais não se enquadra no livro de atas da Grande Loja ou na lista gravada de 1723, que mostra a loja no Cheshire Cheese em Arundel Lodge como sênior da Horn Lodge, uma das lojas imemoriais da época.[23]

Anderson inventa informações para complementar sua narrativa. A progressão aritmética do número de lojas durante 1721-2 relatada por Anderson em Constituições de 1738 é suspeitamente regular e parece ter sido fabricada: 12 em 24 de junho de 1721; 16 em 29 de setembro; 20 em 27 de dezembro; 24 em 25 de março de 1722.[24] Esses números estão em conflito com o total de vinte lojas dado em Constituições de 1723 e com a própria lista de lojas de Anderson em Constituições de 1738 que identifica apenas seis lojas como constituídas antes de março de 1722, com apenasuma constituída antes de junho de 1721, que dificilmente se encaixa na imagem de uma grande Grande Loja em expansão. Embora Anderson afirme que os nobres se tornaram irmãos em 1719, nenhum deles foi identificado. Anderson alega que o duque de Montagu já era Mestre em uma loja quando se tornou Grão-Mestre, mas nenhuma das listas de membros o mostram como pertencente a qualquer loja.

As informações de Anderson sobre pessoas e lugares costumam ser imprecisas, em parte devido ao seu hábito pouco útil de atualizar informações. Por exemplo, Anderson afirma que John Cordwell, nomeado Vigilante em 1718, era ‘Carpinteiro da Cidade’. Cordwell era de fato o Carpinteiro Comum da Cidade em 1738, quando foi acusado de inflar os preços dos contratos de madeira para a nova Prefeitura, mas só foi nomeado para esse cargo em 1722.[25] Da mesma forma, Anderson afirma que Richard Ware, dito ter sido Vigilante em 1720, era um matemático. Ware não tinha registro de realizações matemáticas, mas era mais conhecido como um livreiro de sucesso.[26] A Apple Tree Tavern em Covent Garden não parece ter tido esse nome em 1717, mas só ficou conhecida por esse nome em 1729.

Anderson não foi uma testemunha ocular dos eventos que descreve. A data mais próxima possível em que ele poderia ter comparecido à Grande Loja foi setembro de 1721, embora, como veremos, haja dúvidas sobre isso. Anderson reuniu seu conto de eventos entre 1716 e 1721 a partir de outras pessoas. No final das Constituições de 1738, Anderson agradece aos irmãos e lojas que o encorajaram durante a produção de seu livro.[27] Estes, sem dúvida, representam as principais fontes de informação de Anderson, mas eles só se envolveram com a Maçonaria no final dos anos 1720 e 1730.

Dos ajudantes listados por Anderson nas Constituições de 1738, apenas um afirmou ter participado dos eventos de 1716-17. Este era Jacob Lamball, um carpinteiro que teria sido nomeado o primeiro Grande Vigilante Sênior no Goose and Gridiron em 1717. Lamball era aparentemente o principal informante de Anderson sobre os supostos eventos daquela época. No entanto, existem enormes dúvidas sobre a credibilidade de Jacob Lamball como testemunha. Em 1717, Lamball ainda era apenas um aprendiz de carpinteiro, tendo feito contratos em março de 1714. Ele não se tornou um homem livre da Companhia dos Carpinteiros até 6 de junho de 1721.[28] A afirmação de Lamball de ter sido o primeiro Grande Guardião não é convincente. Como aprendiz, o trabalho e o tempo de lazer de Lamball eram estritamente controlados por seu mestre, e ele teria poucas oportunidades de se envolver na maçonaria. Embora Lamball afirmasse ter sido nomeado Vigilante em 1717, não há mais evidências de seu envolvimento com a Maçonaria até março de 1735, quando (talvez apresentado à Grande Loja por Anderson) ele aparece como Grande Vigilante em exercício.[29] Não sabemos como sua alegação de ter sido Grande Vigilante foi testada em 1735.

O próprio Anderson ficou confuso com esses eventos. Ele afirma que Joseph Elliot foi o Primeiro Grande Vigilante em 1717 e Lamball o Segundo. Mas em suas corrigendas ele inverte a ordem, tornando Lamball o Primeiro, como de fato ele aparece na lista de oficiais do manuscrito no Livro de Atas da Grande Loja. Anderson estava no fim de sua vida quando estava trabalhando nas Constituições de 1738 e isso pode explicar parte da confusão em sua narrativa. Pouco antes de sua morte, ele enviou um resumo das Constituições a Ephraim Chambers para sua revista História das obras dos eruditos. No entanto, Anderson enviou a Chambers um rascunho incorreto e Chambers teve de revisá-lo substancialmente.[30] John Entick muito tempo depois observou que “de qualquer Causa que pudesse surgir, seja de sua falta de saúde, ou confiar na Administração de Estranhos”, as Constituições de 1738 ‘apareceram em uma condição muito mutilada’.[31]

Mas, será objetado, e quanto a George Payne, que se diz ter sido Grão-Mestre em 1718 e 1720, e Desaguliers, que se diz ter sido Grão-Mestre em 1719? Ambos são reconhecidos por Anderson e certamente teriam garantido que sua história inicial da Grande Loja fosse precisa. Além disso, a Grande Loja nomeou um comitê de Grandes Oficiais anteriores e atuais para verificar a precisão do novo Livro das Constituições. Parece provável que este comitê estaria mais preocupado com a exatidão dos regulamentos do que com a seção histórica, mas, no entanto, é surpreendente que a Grande Loja possa ter aprovado um falso relato de sua história recente. Para responder completamente a esta objeção, é necessário revisar o envolvimento de Anderson com a Grande Loja. Isso revela um padrão repetido de mentiras e duplicidade. Em particular, é evidente que o relato de Anderson da história da Grande Loja em 1722-3 é substancialmente falsificado. Grande parte dessa fabricação foi realizada com a conivência de Desaguliers, e provavelmente a seu pedido explícito. Também explica por que Desaguliers e a Grande Loja conspiraram na falsificação de Anderson de sua história inicial.

Stukeley afirma que na reunião no Stationers’ Hall quando Montagu foi instalado Grão-Mestre em 24 de junho de 1721, George Payne produziu o manuscrito Cooke que parecia ser a cópia mais antiga das Antigas Obrigações já encontrada.[32] Foi essa descoberta que impulsionou Anderson a ser contratado para resumir e atualizar a velha história lendária, provavelmente em setembro de 1721. Neste ponto, não está claro se Anderson era mesmo um maçom. Ele aparece na lista de membros de 1723 como membro do Horn Lodge em Westminster.[33] A lista de lojas que subscrevem a aprovação das Constituições de 1723 sugerem que Anderson era o Mestre da Loja no. 17[34] Como Songhurst aponta, é impossível identificar a loja 17 com qualquer uma das lojas nas listas gravadas ou listas de membros.[35] Os vigilantes são mostrados como Gwinn Vaughan e Walter Greenwood, dois juízes de paz de Middlesex.[36] Nem Vaughan ou Greenwood são mostrados como maçons em listas de membros de 1723 ou de 1725, e é tentador imaginar se Anderson inventou esta loja para garantir seu acesso à Grande Loja.

Anderson posteriormente afirmou que foi nomeado Grande Vigilante em algum momento no final de 1721 no lugar de William Hawkins porque Hawkins estava frequentemente fora da cidade.[37]O testemunho de Anderson é profundamente suspeito. Na lista de oficiais anexada ao livro de atas da Grande Loja, o próprio Anderson alterou a lista de oficiais, acrescentando uma declaração de que ele substituiu Hawkins como Grande Vigilante. Na ata da reunião da Grande Loja em 24 de junho de 1723, onde Anderson atuou como Grande Vigilante, as palavras “que oficiou por William Hawkins” foram apagadas por raspagem, presumivelmente pelo próprio Anderson, a fim de dar a impressão de que ele atuou como Grande Vigilante em seu próprio direito.[38] Um homem que falsifica os registros da Grande Loja deve ter sérias dúvidas contra ele como historiador.

As datas das aprovações para as Constituições de 1723 demonstram que, mesmo que Anderson fosse regularmente nomeado Grande Vigilante, o que parece improvável, ele só poderia ter atuado como Grande Vigilante em uma ou duas ocasiões. As Constituições de 1723 tiveram uma passagem tempestuosa na Grande Loja. Muitos maçons mais velhos se opuseram ao fato de que a compilação de Anderson alterasse muito as Antigas Obrigações e havia a preocupação de que o Livro de Constituições ameaçasse os antigos landmarks. A culpa por isso era dirigida tanto a Anderson, como o homem que ‘resumiu’ as Obrigações, quanto a Desaguliers, como o defensor mais destacado das mudanças.

Existem duas aprovações anexadas às Constituições 1723. A primeira aprovação é no nome do Duque de Wharton como Grão-Mestre, com Desaguliers como Adjunto e Joshua Timson e William Hawkins como Grandes Vigilantes, e os mestres e vigilantes de vinte lojas.[39] A linguagem grandiloquente da primeira aprovação é, sem dúvida, obra do próprio Anderson. Ele afirma que o duque de Montagu, tendo o manuscrito lido e corrigido por vários irmãos, ordenou que fosse impresso, mas que não estava totalmente pronto para a impressão quando Montagu deixou o cargo de grão-mestre. Isso indica que Anderson ainda estava revisando a obra em junho de 1722, o que é corroborado pela inclusão no livro de um formulário para constituição de novas lojas aprovado pelo Duque de Wharton depois que ele se tornou Grão-Mestre em 24 de junho.

A Grande Loja teve dificuldade em aprovar o trabalho de Anderson, fato que depois ele fez questão de ocultar. O Livro das Constituições ainda estava passando por impressão em janeiro de 1723,[40] e foi necessário emitir uma segunda aprovação muito mais curta e comercial nos nomes do Grão-Mestre Wharton e seu Adjunto Desaguliers, declarando que o livro havia sido publicado na comunicação trimestral em 17 de janeiro de 1723 e foi ordenado que fosse publicado e recomendado para o uso de lojas.[41]

Poucos dias depois, em 23 de janeiro de 1723, o seguinte anúncio apareceu no Dayily Journal:[42]

Para o benefício da antiga Sociedade dos Maçons

Onde agora está pronto para publicação, um novo Conjunto de Constituições e Ordens, muito diferente do Antigo, pelo qual a referida Sociedade foi feliz e silenciosamente regulamentada por muitas eras passadas. Serve o presente para informar a todos os Amantes da Maçonaria pura, abstraídos das Inovações e do Auto interesse, que eles serão rapidamente preparados e entregues a eles, sem custo, As Constituições Antigas e Ordens tiradas das melhores Cópias; em que tais Erros na História e na Cronologia, que, pelo Descuido dos vários Transcritores, se insinuaram nelas, serão totalmente retificadas. A extensão extravagante das ditas novas Constituições e Ordens, excedendo a de quatro Sermões ordinários, torna mais evidente que elas são calculadas por Conta e Custo da Sociedade, apenas para servir aos interesses um único Membro, o Autor, cuja garantia era tal, que ele as imprimiu antes de apresentá-los à Censura Geral da Fraternidade. Por quais Razões, esperamos, a Irmandade não se precipitará agora em encorajar o referido Inovador; Para mostrar que ele lida com honra e justiça com seus queridos Irmãos Maçons, todo o seu Livro de Dois e Seis Pence será publicado rapidamente, em um Papel tão bom quanto o seu, ao Preço de Seis Pence; do qual Aviso oportuno será dado neste Documento.

Este é um ataque notável a Anderson, que mostra que o processo de análise das Constituições foi contencioso e provavelmente malconduzido. O anúncio foi colocado pelo livreiro James Roberts, que já havia tentado interromper a compilação das novas Constituições publicando em setembro de 1722 uma versão das Antigas Obrigações que se dizia terem sido tiradas de um manuscrito com mais de 500 anos e contendo os “novos artigos” que se dizia terem sido promulgados em dezembro de 1663.[43] Isso levou ao aparecimento de mais anúncios em jornais

… Para avisar o Público, que o mesmo é falso e espúrio, nem o referido Livro contém nada como as verdadeiras Constituições da Sociedade, mas é calculado para enganar o Público. Desejamos que a Fraternidade tome conhecimento disso.[44]

Em 11 de fevereiro de 1723, Roberts anunciou devidamente sua edição de As Antigas Constituições ao preço prometido de seis pence.[45] Na semana seguinte, apareceu um novo ataque ofensivo na forma de um poema burlesco obsceno Os maçons que parodiava a história tradicional dos maçons. O Poema Hudibrástico, publicado sob uma impressão falsa, executou três edições em pouco mais de uma semana.[46] A popularidade do Poema Hudibrástico deve ter sido angustiante para Anderson, pois ele havia sido alvo de dois panfletos obscenos semelhantes em 1720. Embora Anderson não seja diretamente citado em O Poema Hudibrástico, a dedicatória é dirigida a ‘um dos Vigilantes da Sociedade dos Maçons’ que aparentemente é descrito como um ‘escrevinhador mercenário’.

Foi nestas circunstâncias que a publicação do Livro de Constituições foi anunciado por John Senex e John Hooke em 23 de fevereiro de 1723.[47] Mas a controvérsia não diminuiu. O London Journal relatou em 6 de abril de 1723 que:

A Sociedade dos Maçons está determinada (ouvimos dizer) a usar todos os métodos ao seu alcance para aumentar sua reputação entre o Povo, e, dizem, eles deram ordens há poucos dias de processar um Cavalheiro, com a maior severidade, que refletiram sobre sua gestão em suas reuniões privadas.

No mês seguinte, Henry Pritchard foi julgado por agressão depois de quebrar a cabeça de um certo Abraham Barret por ‘abusar da antiga Sociedade de Maçons de uma maneira muito escandalosa e com expressões muito indecentes, particularmente relacionadas a algumas pessoas nobres daquela Fraternidade mencionadas por Nome ‘.[48] O júri decidiu contra Pritchard, mas, devido à grande provocação, atribuiu apenas 20 xelins de indenização. Posteriormente, a Grande Loja fez uma coleta de £ 28 17s 6d para que Pritchard não tivesse prejuízo em sua defesa da Maçonaria.[49]

Parece que foram esses confrontos que levaram a Grande Loja a nomear um Secretário e começar a manter atas de suas reuniões em junho de 1723. Nesta reunião, a primeira votação colocou em questão a validade da aprovação das Constituições de 1723 – a ata refere-se ao despacho “alegando que elas foram aprovadas”.[50] Quando a reunião foi solicitada a confirmar os regulamentos gerais impressos no livro, na medida em que eram consistentes com as antigas regras de maçonaria, foi decidido que a questão não deveria ser colocada. Em vez disso, foi aprovada uma resolução pontual ‘Que não está no poder de qualquer pessoa, ou corpo de homens, fazer qualquer alteração ou inovação no corpo de Maçonaria sem o consentimento obtido primeiro da Grande Loja Anual’, a implicação disso sendo que as Constituições efetuaram tais mudanças sem o devido consentimento. Os ânimos permaneceram em frangalhos, e muito do opróbrio foi dirigido a Desaguliers. Em novembro, William Huddlestone, o Mestre da Loja King’s Head em Ivy Lane, foi expulso da Grande Loja e removido de seu cargo de Mestre por lançar calúnias contra Desaguliers.[51]

Nada dessa história contenciosa é sugerido na história da Grande Loja de Anderson entre 1721 e 1723. No entanto, as decepções e meias-verdades na narrativa de Anderson da publicação das Constituições 1723 são triviais em comparação com suas mentiras flagrantes em seu relato do Grão Mestrado do Duque de Wharton em 1722-3. Gould apontou já em 1895 como a descrição de Anderson da época de Wharton como grão-mestre é refutada diretamente por reportagens da imprensa e contém contradições insolúveis.[52] À luz das distorções e fabricações demonstráveis de Anderson neste ponto, é razoável ver o resto de sua narrativa de 1717 a 1723 como suspeito. Além disso, Anderson criou essas notícias falsas com a conivência e provavelmente a pedido de Desaguliers, explicando por que Desaguliers e seu associado Payne tinham interesse em divulgar um relato falso sobre o renascimento da Grande Loja.

O duque de Wharton foi uma das figuras mais carismáticas e polêmicas da época. O Livro E da Loja de Antiguidade afirma que ele estava presente em Stationers’ Hall quando Montagu foi instalado como Grão-Mestre e ele o sucedeu. Wharton conquistara grande popularidade com seus discursos na Câmara dos Lordes e, quando George I o criou duque em 1719, ele foi o mais jovem a receber tal honra fora da família real imediata desde a Idade Média. No entanto, ele também aceitou um ducado do Velho Pretendente. Ele liderou um pequeno mas eficaz grupo de whigs (progressistas) que se opunha a Walpole, mas seu comportamento temerário o levou a uma série de crises pessoais e financeiras e ele acumulou dívidas paralisantes. Ele foi o fundador e presidente do notório Hellfire Club de 1719-23. Em maio de 1723, ele se tornou o principal defensor público do bispo jacobita de Rochester Francis Atterbury e fez um discurso apaixonado em sua defesa. Em 1725, em parte para escapar de seus credores, ele aceitou uma nomeação como diplomata jacobita em Viena e foi para o exílio. Ele se tornou católico romano em 1726.

Nas Constituições de 1738, Anderson descreve a eleição de Wharton como Grão-Mestre em 1722 como completamente irregular.[53] Ele afirma que Montagu considerara permanecer como Grão-Mestre e que “os melhores” tentaram adiar a festa anual. Mas Wharton, que Anderson diz ter ‘sido recentemente feito maçom, embora não o Mestre de uma Loja’, fez com que vários outros se reunissem com ele em Stationers’ Hall. Anderson afirma que nenhum Grande Oficial esteve presente nesta reunião, então a reunião foi presidida pelo mestre maçom mais antigo, que proclamou Wharton Grão-Mestre, “sem os cerimoniais usuais”. Anderson prossegue afirmando que nenhum Deputado foi nomeado e que a Grande Loja não foi aberta e fechada na devida forma. De acordo com Anderson, os irmãos dignos que não aceitaram irregularidades se recusaram a reconhecer a autoridade de Wharton. Eventualmente, afirma Anderson, Montagu curou a violação convocando uma Grande Loja em 17 de janeiro de 1723, na qual o ex-adjunto de Montagu, Beal, proclamou Grande Mestre Wharton, que nomeou Desaguliers como Grão Mestre Adjunto e Anderson como um dos Grandes Vigilantes.

Isso é do começo ao fim um monte de mentiras, com o objetivo de distanciar a Grande Loja, e Desaguliers em particular, da mancha de associação com Wharton, que na época de sua morte em 1731 era um pária que havia ofendido até mesmo os jacobitas. Wharton não fora nomeado maçom recentemente; relatos da imprensa afirmam que ele foi feito maçom na taverna King’s Arms (perto da Goose and Gridiron) no final de julho de 1721.[54] Relata-se Wharton como Mestre desta loja em 1725,[55] e parece provável que ele tenha sido Mestre por algum tempo anteriormente. A festa anual de 25 de junho de 1722 não foi convocada de forma irregular. Temos cópias dos bilhetes gravados para a festa emitidos em nome de Montagu,[56] e ‘a Grande Assembleia da mais nobre e antiga fraternidade dos Maçons Livres’ fora amplamente anunciado na imprensa.[57] Isso mostra que, caracteristicamente, Anderson errou a data da reunião.

Os relatos da imprensa sobre a assembleia não sugerem que tenha havido polêmica sobre a instalação de Wharton. Eles afirmam que cerca de 500 irmãos compareceram à festa e que Wharton foi eleito para suceder Montagu por unanimidade.[58] Acima de tudo, duas reportagens da imprensa declaram que Desaguliers foi nomeado grão-mestre adjunto na festa.[59] Isso contradiz a afirmação de Anderson de que nenhum Grão-Mestre Adjunto foi nomeado e que Desaguliers só foi nomeado alguns meses depois. Não há nenhuma sugestão nestas reportagens de imprensa de qualquer irregularidade. Posteriormente, Robert Samber descreveu este Grande Banquete em sua tradução de uma obra ‘O Louvor à Embriaguez’.[60] Sua descrição de montanhas de pastéis de veado, presuntos da Westfália, galinhas, salmão e pudim de ameixa, com copiosas libações de vinho, iluminando os rostos dos maçons com um brilho avermelhado enquanto Wharton brindava ao rei e à família real, à igreja estabelecida, à prosperidade da Inglaterra, e o amor, a liberdade e a ciência foram recebidos com altos huzzas, está muito longe da descrição de Anderson de uma reunião ilícita convocada às pressas. Samber observa como uma pessoa de grande Gravidade e Ciência (presumivelmente Desaguliers) repreendeu a orquestra por tocar a canção jacobita “Let the King Enjoy His Own Again”, mas para Samber isso simplesmente ilustrou como a reunião evitou falar de política e religião.

Pouco antes de sua assembleia final da Grande Loja em junho de 1723, Wharton emergiu como o principal defensor do conspirador jacobita Francis Atterbury, se despedindo do desgraçado bispo ao partir para o exílio, presenteando-lhe com uma espada e nomeando Atterbury capelão de sua casa.[61] Wharton também havia lançado no início de junho um jornal chamado O Verdadeiro Bretão,[62] e apoiou ativamente dois candidatos jacobitas para o cargo de xerife de Londres. Anderson sugere que a reunião no Merchant Taylor’s Hall em 24 de junho de 1723 transcorreu sem incidentes, mas a ata conta uma história diferente. Não somente a aprovação das Constituições de 1723 foi colocada em dúvida, mas Wharton, como Grão-Mestre de saída, fez uma tentativa de impedir a nomeação de Desaguliers como Grão-Mestre Adjunto para o ano seguinte.[63] Conforme Anderson relatou em uma carta a Montagu, ‘o D de W se esforçou para nos dividir contra o Dr. Desaguliers (a quem o conde [de Dalkeith] nomeou como adjunto antes de sua senhoria deixar Londres), de acordo com um concerto do dito D[u]que e alguns ele persuadiu a se juntar a ele’.[64] Mais uma vez, é impressionante como Anderson denigre Wharton – a votação para aprovar a nomeação de Desaguliers foi 43 a favor e 42 contra, sugerindo que as opiniões sobre Desaguliers eram igualmente divididas. Enfurecido com a reeleição de Desaguliers, Wharton deixou o salão bufando, sem as cerimônias habituais.

O principal beneficiário do relato inventado de Anderson sobre o grão-mestrado de Wharton foi Desaguliers. Como refugiado huguenote e calvinista convicto, Desaguliers ficaria horrorizado se seu nome fosse vinculado a Wharton, e estava ciente de que as ações de Wharton colocavam em questão sua renomeação como Grão-Mestre Adjunto em 1723. A falsa narrativa de Anderson retratava Desaguliers como um protegido do duque de Montagu, resistindo às ações irregulares de Wharton. No entanto, isso criou um problema, pois sugeria que a própria nomeação de Desaguliers como Grande Mestre Adjunto era duvidosa. Uma maneira fácil de resolver esse problema era alegar que Desaguliers havia sido Grão-Mestre por seus próprios méritos em 1719. A ideia para isso provavelmente veio do próprio Desaguliers. As atas começam a se referir a ele como antigo Grão-Mestre em novembro de 1728, a primeira vez que ele aparece na Grande Loja após completar seu terceiro mandato como Grão-Mestre Adjunto, e provavelmente pareceu-lhe uma maneira adequada de reconhecer sua antiguidade no ofício.

Anderson ficou tão magoado com as controvérsias em torno das Constituições de 1723 e com a última resistência de Wharton na Grande Loja que não compareceu à Grande Loja por mais sete anos. No entanto, ele tomou o cuidado de garantir que seu trabalho nas Constituições fosse lembrado, presenteando uma cópia à Biblioteca Bodleian em Oxford em 1 de julho de 1723 com uma inscrição em latim abundante afirmando que este humilde livro foi doado à renomada Biblioteca Bodleian, por seu autor James Anderson, do London Master of Arts da University of Aberdeen.[65]

Anderson reapareceu na Grande Loja em agosto de 1730, possivelmente motivado pelo escândalo causado pela publicação de Maçonaria Dissecada que Desaguliers denunciou nesta reunião.[66] Anderson também teria ouvido durante esta reunião uma petição reclamando da iniciação irregular de maçons por um certo Antony Sayer, apesar do fato de ter ele recebido assistência de caridade generosa da Grande Loja por causa de sua alegação de ter sido Grão-Mestre.[67] Anderson continuou a frequentar a Grande Loja apenas ocasionalmente.

Em 1735, os assuntos pessoais de Anderson chegaram a uma crise.[68] Ele e sua esposa haviam investido pesadamente em um projeto para fabricar tapeçarias coloridas que fracassou, envolvendo-os em processos judiciais. Sua congregação presbiteriana na Swallow Street perto de Piccadilly o dispensou em janeiro de 1735 e nomeou um novo ministro de Aberdeen. Um relato de roubo da casa de Anderson em novembro cheira suspeito como uma tentativa de arrecadar algum dinheiro, uma vez que o empregado acusado de roubar e penhorar uma lista substancial de itens não foi processado. Poucas semanas após o roubo, Anderson se viu confinado às “Regras” relativamente tolerantes, mas humilhantes, da Prisão Fleet. Os registros mostram que ele nunca foi absolvido.[69]

Para aumentar as desgraças de Anderson, em janeiro de 1735 uma lista de livros publicados recentemente incluía ‘A Pocket Companion for Free-Masons’, ao preço de 2s 6d.[70] Este fora compilado por um maçom chamado William Smith e publicado por Ebenezer Ryder, um livreiro irlandês baseado em Covent Garden. Smith não pode ser identificado com certeza, mas talvez fosse um membro da loja Swalwell, no nordeste da Inglaterra.[71] Muito do material da Smith’s Pocket Companion foi retirado das Constituições de 1723. O Constituições de 1723 eram difíceis de obter nessa época, pois o estoque de livros avulsos fora vendido em maio de 1731 após a morte de John Hooke.[72]

Em 24 de fevereiro de 1735, Anderson apareceu na Grande Loja e reclamou que Smith ‘tinha, sem sua privacidade ou consentimento, pirateado uma parte considerável das referidas Constituições da Maçonaria em prejuízo do referido Ir.’. Anderson sendo sua propriedade exclusiva’.[73] A Grande Loja exortou cada Mestre e Vigilante ‘a fazer tudo ao seu alcance para interromper uma Prática tão injusta e impedir que os referidos Livros de Smith sejam comprados por quaisquer Membros de suas respectivas Lojas’.[74] A depreciação do volume pela Grande Loja teve pouco efeito. Em junho, Ryder, o editor do volume, mudou-se para Dublin, onde começou a publicar um jornal e lançou uma edição irlandesa do Pocket Companion.[75] Em novembro de 1738, os jornais de Londres publicaram um anúncio para outra edição do Pocket Companion por outro editor com fortes conexões irlandesas, John Torbuck, que tinhaassumiu as instalações de Rider em Covent Garden.[76] Anúncios subsequentes descreveram o livro como “universalmente recebido pelas Lojas Regulares da Cidade e do País”.[77]

A alegação de Anderson de que os direitos autorais do Livro das Constituições lhe pertencia, era falsa. O formato da página de título de Constituições de 1723 deixa claro que, de acordo com a prática do início do século XVIII, os direitos autorais pertenciam aos editores John Senex e John Hooke. Isso é confirmado pela subsequente sucessão e venda por vários editores dos direitos ao Livro das Constituições.[78] Após a morte de John Hooke, os direitos no volume foram herdados por seu sucessor Richard Chandler. A Grande Loja não opinou sobre o assunto; seu único envolvimento foi dar sua aprovação que impulsionaria as vendas. A falsa alegação de Anderson de que o Livro das Constituições era sua única propriedade reflete tanto suas circunstâncias pessoais desesperadoras quanto a pobre memória coletiva da Grande Loja de sua história inicial.

Anderson, mesmo assim, fez uma proposta à Grande Loja de que uma segunda edição do Livro das Constituições devia ser preparada. Ele tinha algumas ideias sobre alterações e acréscimos à nova edição que ele ficaria feliz em compartilhar com a Grande Loja. A Grande Loja, consequentemente concordou que um comitê deveria ser estabelecido consistindo em Grandes Oficiais atuais e antigos, que convocariam outros mestres maçons conforme apropriado, para examinar e aprovar o novo Livro de Constituições antes que a Grande Loja colocasse seu selo de aprovação para a nova publicação.

Muito poderia ser dito sobre o trabalho de Anderson na compilação do novo Livro de Constituições. Um ponto chave é que a página de título deixa claro que os direitos autorais donovo volume também pertencia aos editores, a ambiciosa parceria de Caesar Ward e Richard Chandler.[79] Chandler herdara o negócio de John Hooke, um dos editores de Constituições de 1723. Caesar Ward esteve fortemente envolvido na expansão dos negócios da parceria em York, onde assumiu a publicação do York Courant. Provavelmente foram os compromissos de Ward e Chandler em York que explicaram o atraso na publicação de Constituições de 1738 que só foi anunciado um ano depois que Anderson dissera à Grand Lodge que estava pronto para a impressão.

Anderson foi pago em ‘pagamento por cópia’ pela folha por seu trabalho em Constituições de 1738, como havia sido em 1723. Era de seu interesse e de seus editores produzir um volume substancial que vendesse bem, e isso o encorajou a expandir a seção histórica. Ele também esperava, sem dúvida, que sua história da maçonaria nos tempos antigos consolidaria sua reputação como historiador. Ele também teve que acomodar as demandas da Grande Loja. Ansioso por demonstrar sua antiguidade diante da concorrência de outros grupos de maçons em York, Irlanda e Escócia, a Grande Loja instruiu Anderson a inserir em seu livro os nomes de todos os Grão-Mestres que pudessem ser coletados desde o início dos tempos. Ele também foi instruído a nomear todos aqueles que serviram como Grandes Oficiais e Mordomos, para que no futuro apenas esses irmãos mais respeitáveis pudessem ser selecionados como Grandes Oficiais.

Houve pressões políticas sobre Anderson. Desaguliers e outros maçons seniores estavam cultivando assiduamente o patrocínio de Frederick Lewis, Príncipe de Gales, numa época em que o Príncipe de Gales emergia como uma figura de proa da oposição a Robert Walpole. As Constituições de 1738 com sua dedicatória proeminente ao Príncipe de Gales apareceu logo depois que Frederick Lewis foi excluído da corte, impedindo qualquer pessoa que ocupasse um cargo do rei de estar na presença de Frederick Lewis. A apresentação do Livro de Constituições pela Grande Loja a Frederick Lewis em novembro de 1739 ocorreu enquanto opríncipe estava trabalhando assiduamente para construir seu apoio político e parlamentar. Anderson na compilação de Constituições de 1738 teria estado muito consciente da necessidade de endossar as agendas da oposição política tateando em torno do Príncipe de Gales.

As características do programa patriota cultivado por Frederick Lewis incluíam uma ênfase sobre as origens anglo-saxãs, com Frederick retratado como um rei Alfred dos dias modernos. Um trabalho influente foi Ideia de um Rei Patriota de Bolingbroke que sublinhava a importância da continuidade e raízes antigas. Anderson estava muito disposto a repetir isso, realçando sua história de como a sucessão de Grandes Oficiais se estendia desde os anglo-saxões até Moisés, especialmente porque lhe dava a oportunidade de mostrar as pesquisas históricas que ele havia empreendido para seu vasto projeto sobre genealogias reais. O Anderson teria querido minimizar qualquer sugestão de que a criação da Grande Loja pode ter sido devido a uma iniciativa associada à corte de George I. A história do avivamento de 1717 foi uma maneira conveniente de demonstrar continuidade e enfatizar que a maçonaria estava enraizada em antigas tradições de ofício. Reunindo sua história a partir de vários documentos e histórias atuais na Grande Loja em meados da década de 1730, e ciente de muitas pressões políticas diferentes, que vão desde a necessidade de desacreditar Wharton e agradar a Grande Loja com o Príncipe de Gales, Anderson inventou a história de 1717 e tudo o mais.

Anderson deu-se muito trabalho para incorporar firmemente a história de 1717 em seu texto. Ele inclui em Constituições de 1738 ‘como um espécime para evitar a repetição’ uma descrição da procissão quando o duque de Norfolk foi instalado Grão-Mestre em janeiro de 1730.[80] O livro de atas mostra que Anderson altera substancialmente a ordem da procissão. O livro de atas agrupa Grão-Mestre, Grão-mestres Adjuntos e Grandes Vigilantes, e registros de que eles caminharam em ordem de antiguidade.[81] Anderson separa os Past Grão-mestres e adiciona os nomes de Desaguliers, Payne e Sayer como Past Grão-mestres. Além disso, Anderson inverte a ordem da procissão para dar a impressão de que Payne e Desaguliers eram superiores aos Grão-Mestres. Sayer não é mencionado em nenhum lugar no livro de atas como se juntando a esta procissão e parece improvável que ele tivesse feito parte da ‘Grande Aparição de Nobreza e Pessoas de Distinção’[82] nesta ocasião, vez que três meses depois, ele fez uma petição à Grande Loja para auxílio devido à sua grande pobreza.[83]

Pode parecer surpreendente que ninguém comentou sobre a história de 1717 na época, mas parece que poucas pessoas envolvidas com a Maçonaria em 1738 tinham muito conhecimento dos primeiros anos. Não podemos ter certeza de que Ephraim Chambers era um maçom, mas ele tinha conhecimento sobre maçonaria, presumivelmente devido à sua associação com John Senex, um dos editores das Constituições de 1723.[84] Quando Chambers produziu um resumo das Constituições de 1738 para sua revista História das obras dos eruditos, ele deixa claro que nunca tinha ouvido a história de como a Maçonaria esteve quase às portas da morte quando George I sucedeu ao trono e como ela foi revivida.[85] Além disso, para a maioria dos leitores, a notícia não era que a Grande Loja havia sido fundada em 1717, mas que seus antecedentes remontavam a Santo Agostinho e a Noé. Esta era a mensagem chave de ambos os Livros de Constituições e alguns leitores afirmaram que isso foi uma invenção ou que houve erros graves no início da história de Anderson. Uma exposição publicada em 1724 criticou severamente o aprendizado bíblico e histórico de Anderson, declarando que ele era ‘um verdadeiro Autor de Incertezas’.[86] Outros sugeriram que as origens da  sociedade na verdade só remonta ao século XIV.[87] No contexto desse debate sobre o quão antiga a sociedade realmente era, a questão do que aconteceu em 1717 parecia fora de questão.

Existem fortes paralelos entre a criação da Grande Loja dos Maçons Livres em junho de 1721 e a criação da Ordem de Bath quatro anos depois, em 1725, recentemente discutida por Andrew Hanham.[88] No caso da Ordem de Bath, o arauto John Anstis desempenhou o papel de desenvolver uma história lendária. Indo além das primeiras referências documentadas aos Cavaleiros de Bath no século XIV, Anstis traçou os precedentes da ordem até os tempos anglo-saxões. Na verdade, sua afirmação de que o primeiro desses cavaleiros foi o rei anglo-saxão Athelstan,[89] quem também tem um papel de destaque na lendária história da maçonaria, provavelmente não foi coincidência. Os Cavaleiros de Bath demonstram o entusiasmo da sociedade do início do século XVIII pela criação de ordens de prestígio com ordens lendárias recentemente descobertas. No caso dos maçons e dos Cavaleiros de Bath, a força motriz era o duque de Montagu, que estava muito ansioso para aumentar o esplendor e a autoridade da corte de George I por meio de ordens destinadas a promover a lealdade e a harmonia. Os paralelos entre a criação da Grande Loja em 1721 e o lançamento da Ordem de Bath quatro anos depois são notáveis, e Montagu parece ter sido a força motriz por trás de ambos os eventos.

Em contraste com a história de Anderson em Constituições de 1738, as descrições da instalação do Duque de Montagu como Grão-Mestre em 1721 e a inauguração da Grande Loja por Stukeley e o Livro E da Loja de Antiguidade são internamente consistentes e podem ser verificadas em pontos chave a partir de outras fontes. A exatidão da lista de membros da Loja no Livro E é, por exemplo, confirmada pelo aparecimento na lista do nome de Thomas Coke, posteriormente Conde de Leicester e Grão-Mestre de 1731-2. As contas familiares de Coke incluem um pagamento por Coke a Richard Trueby, o licenciado da Taverna King’s Arms e um membro da loja, de £ 52 10s em 31 de maio de 1722 para ‘entretenimento por conta de maçons’.[90] O nome de Coke aparece na lista de membros da Loja no Livro E exatamente no lugar que esperaríamos se ele fosse iniciado nesta época.

IV.

Sentimos que já dissemos o suficiente para substanciar a visão de que a história de Anderson é fabricada e que as descrições dos eventos por Stukeley e no Livro E são mais prováveis de serem confiáveis. No entanto, durante discussões recentes, várias outras objeções e questões surgiram e gostaríamos de concluir examinando-as brevemente.

Em um discurso à Grande Loja em 14 de junho de 2017,[91] John Hamill sugeriu que o pós-escrito nas Constituições de 1723 com uma ordem de constituição de uma nova loja reimpresso nas Constituições de 1738 foi introduzido por George Payne e mostra a Grande Loja agindo como umórgão regulador em 1720. Isso está errado. As Constituições de 1723 descrevem este documento como ‘A Maneira de Constituir uma Nova Loja, conforme praticado por Sua Graça o Duque de Wharton, o atual Venerável Grão-Mestre, de acordo com os antigos usos dos maçons’.[92] Isso o data claramente como 1722-3. Nas Constituições de 1738 isso é descrito como ‘A Antiga Maneira de Constituir uma Loja’.[93] Não há nada em qualquer lugar que sugira que este documento date de 1720.

No mesmo discurso, John Hamill afirma que O Livro M ou Maçonaria Triunfante publicado por Leonard Umfreville em Newcastle em 1736 inclui um relatório de uma assembleia da Grande Loja em 1720 na qual um conjunto de regras elaborado por George Payne foi aprovado.[94] John afirma que estes formavam a base das regras impressas pela primeira vez nas Constituições de 1723. Novamente, isso está errado. O Livro M tem um prefácio assinado por W. Smith, aparentemente o autor do Pocket Companion 1735, o livro sobre o qual Anderson reclamou à Grande Loja. Waples afirma queSmith foi iniciado no Harodim na Swalwell Lodge em 1733.[95] O Livro M compartilha uma grande quantidade de material dentro do Pocket Companion. Nenhum dos livros contém qualquer relato de uma assembleia da Grande Loja em 1720. As regras reproduzidas em ambos os volumes são descritas como ‘Regulamentos Gerais para o Uso de Lojas em e cerca de Londres e Westminster, sendo primeiro aprovado pela Grande Loja, no dia 24º de junho de 1721, no Stationers’ Hall, Londres, quando o nobilíssimo Príncipe John, duque de Montagu foi eleito Grão-Mestre por unanimidade’. Afirma-se que esses regulamentos foram ‘propostos pela Grande Loja, a cerca de 150 irmãos, no dia de São João Batista, 1721’. Na verdade, essas regras são, palavra por palavra, os regulamentos impressos nas Constituições de 1723. O Livro M é uma pista falsa.

Foi precisamente a adoção desses regulamentos em resposta à renúncia a privilégios pelas lojas de Londres em 24 de junho de 1721 que criou a Grande Loja. John Hamill expressou dúvidas de que a Grande Loja pudesse ter sido criada repentinamente desta forma, “como Atenas saltando totalmente armada da cabeça de Zeus”, mas os clubes e sociedades do século XVIII eram notáveis por sua prolífica geração de regras e regulamentos, e por um funcionário público como George Payne, a redação dos regulamentos para a nova Grande Loja em junho de 1721 teria sido sopa no mel.

É impressionante que o Pocket Companion e Livro M não mencionem George Payne em relação a esses regulamentos. Anderson afirma nas Constituições de 1723 que esses regulamentos foram ‘Compilados primeiro pelo Sr. George Payne, Anno 1720, quando era Grão-Mestre ‘.[96] Seria tentador rejeitar isso como outro erro de Anderson, exceto que Stukeley também se refere a Payne como Grão-Mestre em seu relatório da reunião de 1721. Isso sugere que Payne adotou o posto de Grão-Mestre ao organizar e presidir a reunião de 1721, mas não mostra que existia uma Grande Loja antes de junho de 1721 ou que ela exercia qualquer autoridade reguladora.

Outra objeção, levantada por David Harrison, é que os rivais da Grande Loja de Londres em York certamente teriam dito algo se informações falsas estivessem circulando sobre a fundação da Grande Loja. Novamente, o ponto vital é que Sir Francis Drake e a Grande Loja de toda a Inglaterra não estavam interessados em assuntos da história recente. Eles estavam ansiosos para mostrar nas palavras de Sir Francis Drake que ‘a primeira Grande Loja, jamais mantida na Inglaterra, foi realizado nesta cidade [de York]; Onde Edwin, o primeiro rei cristão da Nortumbria, cerca do ano 600 após Cristo … sentou-se como Grão-Mestre ‘.[97] Anderson se opôs a isso ao reivindicar que Santo Agostinho de Cantuária foi o primeiro Grão Mestre da Inglaterra, mas a Grande Loja de York rebateu reivindicando o direito de ser a Grande Loja de toda a Inglaterra, ecoando as palavras tradicionalmente usadas pelo Arcebispo de Canterbury para reivindicar primazia sobre York.

Provavelmente havia razões mais imediatas pelas quais Drake e seus irmãos em York não teriam se preocupado com a história de 1717. Os editores das Constituições de 1738, Richard Chandler e Caesar Ward, estavam tentando se estabelecer em York. Ward tinha se mudado para York em 1736 e se tornado um homem livre da cidade em 1736.[98] Ward e Chandler assumiram a falida York Courant de Alexander Staples em 1739 enquanto lançavam o Livro das Constituições no mercado. Ward tornou-se amigo íntimo de Sir Francis Drake, que depois trabalhou com Ward no vasto História Parlamentar ou Constitucional de Inglaterra. Ward envolveu-se fortemente na política local e foi eleito um vereador comum do distrito de Bootham em 1740. Não se sabe se ele era membro de uma loja em York, mas isso parece possível. Esses vários links teriam desencorajado Sir Francis Drake de criticar a nova publicação de seu amigo.

Se aceitarmos que a Grande Loja foi criada em junho de 1721, então a visita de Desaguliers a Edimburgo em agosto de 1721 assume um novo significado. O pretexto do convite de Desaguliers à cidade foi usar sua expertise em hidráulica para assessorar no abastecimento de água.[99] No entanto, isso também deu a Desaguliers a oportunidade de realizar algumas averiguações maçônicas para a nova Grande Loja. Ele visitou a Loja St Mary’s Chapel em Edimburgo em 24 de agosto de 1721, onde foi descrito nas atas como ‘Doutor John Theophilus Desaguliers, membro da Royall Societie e Capelão em Ordinário de Sua Graça James Duque de Chandois, falecido Mestre Geral das Lojas Maçônicas na Inglaterra ‘.[100] Esta frase ambígua ‘Mestre Geral’ poderia ser interpretada como uma indicação de que Desaguliers tinha sido o Grão-Mestre, mas se sim, por que esse termo não é usado? Parece mais provável que Desaguliers indicou de alguma maneira geral que ele tinha algum tipo de autoridade mais ampla entre as lojas inglesas. A Loja de Edimburgo o considerou “devidamente qualificado em todos os pontos da Maçonaria”, mas eles só poderiam testar seus conhecimentos nos primeiros dois graus. Eles não tinham como estabelecer se alguém tinha sido Grão-Mestre ou não.

Talvez a maior surpresa na ata no Livro E seja a declaração de que o Duque de Wharton estava presente no Stationers’ Hall para a instalação de Montagu em junho de 1721. Isso sugere que a criação da Grande Loja pode ter sido algo como um empreendimento conjunto entre Montagu e Wharton. Entre as outras pessoas distintas listadas no Livro E como presentes no Stationers’ Hall estava Lord Hillsborough, um amigo próximo do Duque de Wharton, e os parlamentares Whig Lord Hinchingbrooke, Sir George Oxenden e Sir Robert Rich. A objeção mais substancial à exatidão das atas do Livro E é que sabemos que Wharton não era maçom em 24 de junho de 1721. Uma reportagem de jornal de 5 de agosto de 1721 descreveu como ‘Na semana passada, Sua Graça, o Duque de Wharton, foi admitido na Sociedade dos Maçons; as cerimônias sendo realizadas na taverna King’s-Arms em St. Paul’s Church-Yard, e sua Graça voltou para sua casa em Pall-Mall em um avental de couro branco.[101] Então, como Wharton pôde estar presente na instalação da Montagu um mês antes?

A resposta parece ser que o evento no Stationers’ Hall não se restringiu a maçons. Uma outra reportagem de jornal em 12 de agosto de 1721 dizia que na semana anterior Hinchingbrooke, Oxenden e Rich também se tornaram maçons na taverna King’s Arms.[102] A iniciação de Hinchingbrooke também é confirmada por Stukeley, que se refere à sua visita à sua loja na taverna Fountain. Isso pode explicar por que não há mais nenhum registro da adesão maçônica de outras pessoas registradas como estando presentes neste evento, tais como Lord Pembroke e Sir Andrew Fountaine. O fato de que havia vários não-maçons proeminentes presentes no Stationers Hall em 1721 levanta mais dúvidas sobre a história de Anderson. Como Anderson afirmou que a Grande Loja já existia, ele afirma que os irmãos foram instruídos a excluir estranhos da assembleia. No entanto, sabemos que havia não-maçons lá. Isso mina ainda mais a credibilidade da descrição de Anderson da instalação de Montagu em 1721. Anderson retrata o evento como um em que apenas maçons estiveram presentes. Como resultado, ele teve que inserir uma lengalenga elaborada e não convincente afirmando que Chesterfield foi iniciado na taverna King’s Arms antes da festa no Stationers’ Hall e que houve então uma procissão da taverna até o jantar.

No final do dia, isso importa? Afinal, estamos discutindo apenas cerca de quatro anos. Que diferença faz se dissermos 1717 ou 1721? Em si, não é grande coisa, mas o ponto importante é que ao investigar essas questões estamos melhorando nosso entendimento do contexto social, político e cultural da maçonaria no início do século XVIII. Se acreditarmos que a Maçonaria desempenhou um papel significativo na sociedade e que um período em que a Maçonaria fez uma contribuição particularmente importante para o desenvolvimento humano que foi o Iluminismo, então a exploração da forma como a Maçonaria emergiu de uma forma moderna nas tabernas e cafés de Londres é um assunto importante e urgente.


[1] V.H. Galbraith, Uma introdução ao estudo da história (Londres: CA Watts, 1964).

[2] Dorothy Whitelock, The Genuine Asser, The Stenton Lecture, 1967 (Reading: University of Reading, 1968).

[3] Alfred P. Smyth, Alfred o Grande (Oxford: Oxford University Press, 1995); A vida medieval do Rei Alfredo, o Grande: uma tradução e comentário sobre o texto atribuído a Asser (Basingstoke: Palgrave, 2002).

[4] Para uma discussão dessas questões, um bom ponto de partida é John Arnold, História: Uma Introdução Muito Curta (Oxford: Oxford University Press, 2000).

  • [5] H. Sadler, Fatos e ficções maçônicas (Wellingborough: Aquarian Press, 1985), p. 15.

[6] Ibid

[7] RF Gould, ‘The Duke of Wharton’, AQC 8 (1895), pp. 114-55; AF Robbins, ‘The Earliest Years of English Organized Freemasonry’, AQC 22 (1909), pp. 67-89

[8] W. Begemann trad. L. Vibert, História Antiga e Início da Maçonaria na Inglaterra, manuscrito datilografado em Library and Museum of Freemasonry, pp. 570, 577.

[9] Constituições de 1723, pp. 44-8

[10] 1738 Constitutions, pp. 109-10

[11] 1738 Constitutions, pp. 7-8

[12] 1738 Constitutions, p. 140

[13] QCA 10, pp. 196-200

[14] QCA 10, p. xxv

[15] Royal Society, MS/865/4. A única gravura conhecida de Sayer é de Faber a partir de um retrato feito por Highmore, mas não tem data e talvez date do fim da vida de Sayer. As únicas gravuras de retratos de Montagu e Richmond por Faber foram feitas em 1731 e 1733 como parte da série Kit Kat

[16] QCA 10, pp. 88, 123. Antes de novembro de 1728, Payne foi descrito como Grande Vigilante, seu papel em 1724-5, e Desaguliers como Grão-Mestre Adjunto, seu papel de 1722-4

[17] Biblioteca Bodleian, MS Eng. misc. c.533: f. 34v; WC Lukis, ed., As memórias de família do Rev. William Stukeley, MD, vol. i, Surtees Society 73 (1880), 62; David Boyd Haycock, William Stukeley: Ciência, religião e arqueologia na Inglaterra do século XVIII (Woodbridge: Boydell Press, 2002), 175. Uma inspeção cuidadosa do manuscrito sugere que esses memorandos foram compilados por Stukeley na época dos eventos observados

[18] Biblioteca Bodleian, MS Eng. misc. e.260: f. 88; Memórias de família, vol. i, 122; Haycock, 175

[19] 1738 Constitutions, p. 110

[20] AQC 77 (1964), p. 209

[21] Joan Evans, Uma História da Sociedade de Antiquários (Oxford: Society of Antiquaries, 1956), pp. 25-9, 50-2

[22] 1738 Constitutions, p.  111

[23] Sadler, Fatos e ficções maçônicas, pp. 14-15

[24] Begemann, História antiga, 610

[25] Revista Gentleman 9 (1739), 214, 361-2; S. Perks, A História da Mansão (Cambridge: University Press, 1922), 178-87; Sally Jeffery, The Mansion House (Chichester: Phillimore, 1993), 78; Evening Post, 16 de dezembro de 1721; Post Boy, 2 de janeiro de 1722

[26] ‘Na noite de sábado passado [14 de agosto] morreu em Harefield, em Middlesex, o Sr. Richard Ware, livreiro e papeleiro em Ludgate-hill, que adquiriu uma bela fortuna com integridade e reputação: ele deixou para trás uma viúva desconsolada, quatro filhos e três filhas: Daily Advertiser, 16 Agosto 1756

[27] 1738 Constitutions, p. 229

[28] Para obter informações sobre a Lamball dos registros da Companhia dos Carpinteiros, consulte http://www.londonlives.org.

[29] QCA 10, pág. 247.

[30] Efraim Chambers, Uma história das obras dos eruditos, Vol. 2 (Londres: Jacob  Robinson, 1739), p. 317. Os comentários de Chambers sobre o relato de Anderson sobre os eventos de 1717-23 é interessante: ibid., Pp. 343-7

[31] O Companheiro de Bolso e a História dos Maçons … (Londres: J. Scott, 1754), p.v

[32] O desenho de Stukeley do manuscrito Cooke é Oxford, Bodleian Library, Top Gen b. 53 f. 89, ao qual Stukekley adicionou a seguinte legenda: A primeira e a última páginas de um MS de velino sendo Constituições dos Maçons. Exibido na reunião anual da mesma, no Stationers’ Hall no dia de São João de 1721. Pelo Sr. Payn, então Grão-Mestre, 24 de junho

[33] QCA 10, pág.  23.

[34] 1723 Constitutions, p. 74

[35] QCA 10, pp. Vii, xxiii.

[36] http://www.londonlives.org.

[37] 1738 Constitutions, p. 115

[38] QCA 10, p. xxiii

[39] 1723 Constitutions, pp. 73-4

[40] Matthew Birkhead, o autor do Música dos Enter’d Prentices morreu em 30 de dezembro de 1722 (Weekly Journal ou British Gazeteer, 5 de janeiro de 1723). Ele é nomeado como mestre da Loja No. na pág. 74 das Constituições 1723 mas anotado como tendo morrido na p. 84

[41] 1723 Constitutions, p.  91

[42] Foi reimpresso no Daily Journal em 25 de janeiro de 1723

[43] D. Knoop, G. Jones e D. Hamer, Panfletos Maçônicos Antigos, pp. 71-83. Uma reimpressão anterior desta versão das Old Charges, presumivelmente por Roberts tinha aparecido em The Post Man e o relato histórico, em julho e agosto de 1722

[44] Daily Journal, 7 de setembro de 1722 e 10 de setembro de 1722

[45] Daily Journal, 11 de fevereiro de 1723

[46] Daily Post, 15 de fevereiro de 1723; British Journal, 16 de fevereiro de 1723; British Journal, 23Fevereiro de 1723. Na impressão do Poema Hudibrástico, veja agora A. Bricker, ‘Quem foi “A. Moore”? A atribuição de publicações do século XVIII com impressões falsas e enganosas ‘, Artigos da Sociedade Bibliográfica da América 110 (2016), pp. 181-213

[47] Evening Post 23 de fevereiro de 1723; Post Boy 26 de fevereiro de 1723

[48] Daily Post, 18 de maio de 1723

[49] QCA 10, pp. 54-5

[50] QCA 10, pág.  50

[51] QCA 10, pág.   54

[52] RF Gould, ‘The Duke of Wharton’, AQC 8 (1895), pp. 114-55

[53] Constitutions 1738, pp. 114-5.

[54] Diário Semanal Original do Applebee, 5 de agosto de 1721, reimpresso em Robert Peter, Maçonaria Britânica, 1717-1813 (Londres: Routledge, 2016), vol. 5

[55] QCA 10, pág.   31

[56] Por exemplo, Oxford, Bodleian Library, MS. Rawlinson C. 136, f. 5. À luz da sobrevivência dessa gravura, parece estranho que Anderson destaque a compra, sob a direção de Wharton, em 1723, de uma nova placa para a produção de ingressos gravados para a festa anual: 1738 Constitutions, p. 115

  • [57] Daily Post 20 de junho e 21 de junho de 1722; Daily Journal 20 e 21 de junho de 1722. Oanúncio no Daily Journal de 20 de junho de 1722 afirma que ‘todos aqueles nobres e Cavalheiros que compraram ingressos e não comparecerem ao Hall serão considerados como falsos irmãos‘. Isso levou a um pedido de desculpas no Daily Post no dia seguinte, esperando que ‘nenhum tipo detal Insinuação astuta terá qualquer influência sobre a Fraternidade ‘. Isso implica uma tentativa de aumentar o comparecimento, mas não sugere que a reunião fosse irregular da maneira descrita por Anderson.

[58] Por exemplo, London Journal, 30 de junho de 1722; Weekly Journal, 30 de junho de 1722

[59] St James’s Journal 28 de junho de 1722; Freeholders Journal, 4 de julho de 1722

[60] Albert-Henri Sallengre trans Robert Samber, Ebrietatis Encomium; ou, o Elogio da Embriaguez (Reimpressão de 1910 da edição de 1723: Impresso em particular para Lewis M. Thompson, NovoYork), pp. 81-3.

[61] Evening Post 18-20 de junho de 1723; British Journal 22 de junho de 1722; Jornal Semanal 22 de junho de 1723.  A espada trazia os lemas ‘Não me atraia sem Razão’ e ‘Não me levante sem Honra’.

[62] The True Briton foi publicada por Thomas Payne, que em 1724 publicou a primeira edição daexposição O Grande Mistério dos Maçons Descoberto. Uma segunda edição desta exposição produzida sob a impressão falsa ‘A. Moore’ anunciada em outubro de 1724 (Daily Post 22 de outubro de 1724) incluía um ‘Relato da mais antiga Sociedade de Gormogons’,aparentemente confirmando a sugestão de que Wharton pode ter sido o responsável pelos Gormogons.

[63] QCA 10, pp. 52-3.

[64]AQC 12 (1899), p. 106.

[65] Pierre Mereaux, Les Constitutions d’Anderson: Vérité ou Imposture? (Paris: Editions du Rocher, 1995), p. 288

[66] QCA 10, pág.   125

[67] QCA 10, pág.   131

[68] Para obter mais detalhes, consulte nosso artigo ‘Nova luz sobre James Anderson’ em Reflexões sobre Trezentos Anos de Maçonaria: Artigos da Conferência do Tricentenário da QC.

[69] London Gazette, 26 de julho de 1737. O nome de Anderson não consta no registro daquelesque foram realmente soltos: Os Arquivos Nacionais, PRIS 10, Miscelânea. Registros das prisões King’s Bench, Fleet e Marshalsea, (acessado em ancestry.com, 18 de fevereiro de 2016)

[70] Weekly Miscellany, 18 January 1732

[71] W. Waples, ‘An Introduction to the Harodim’, AQC, 60 (1947), pp. 118–98, na p. 139.

[72] Um catálogo de livros encadernados e em cadernos, cópias e partes de cópias. Sendo parte do estoque do falecido Sr. John Hooke, que será vendido em leilão apenas aos livreiros de Londres e Westminster; na Queen’s Head Tavern em Pater-noster Row, na segunda-feira, dia 31 de maio de 1731, lote 260

[73] QCA 10, pág.   244.

[74] QCA 10, pp. 244-5.

[75] Sobre Rider, consulte M. Pollard, Um Dicionário dos Membros do Comércio de Livros de Dublin (Londres: Sociedade Bibliográfica, 2000)

[76] Daily Gazetteer, 18 de novembro de 1735. Sobre Torbuck, veja Pollard, Dicionário dos Membros do Comércio de Livros de Dublin. Ele se mudou para Dublin depois de ter sido preso pela reimpressão de debates parlamentares. A publicação de debates parlamentares por Torbuck estava em concorrência com um grande projeto de Richard Chandler, um dos editores de Constituições de 1738 para a publicação dos debates da Câmara dos Lordes, e levou a uma disputa vitriólica entre eles: J. B.Shipley, ‘Fielding’s Champion e uma Disputa de Editores, Observações e consultas 200 (janeiro de 1955), pp. 25-8.

[77] London Evening Post, 10-13 de abril de 1736; Daily Post 17 de maio de 1736.

[78] Após o suicídio de Chandler em 1744 e a falência de Ward em 1746, o estoque restante de Constituições de 1738 foi vendido a um editor chamado Robinson, aparentemente uma não maçom, que relançou o volume com uma nova página de título sob sua marca, sem referência à Grande Loja: QCA 12 (1960), pp. 80-1. A venda do estoque remanescente e dos direitos autorais das Constituições de 1738 a Robinson por £ 5 15s está registrada em Um catálogo do estoque encadernado restante, os livros em fascículos e cópias do Sr. Caesar Ward, de York, livreiro, que serão vendidos em leilão, a um seleto número de livreiros de Londres e Westminster, na Rose Tavern, fora de Temple-Bar, na quinta-feira, 27 de fevereiro de 1745-6, p. 3, na Coleção John Johnson na Biblioteca Bodleian.

[79] CY Ferdinand, ‘The Economics of the 18th-Century Provincial Book Trade: O Caso de Ward e Chandler ‘em M. Bell, S. Chew, S. Eliot, L. Hunter e J. West, Reconstruindo o livro: Textos Literários em Transmissão (Aldershot: Ashgate, 2001), pp. 42-56.

[80] 1738 Constitutions, pp. 124-7.

[81] QCA 10, pp. 117-19.

[82] Daily Post, 30 de janeiro de 1730.

[83] QCA 10, pág.   123.

[84] C Revauger, ‘Chambers, Ephraim (1680-1740)’ em C. Porset e C. Revauger (eds.) Le Monde Maçonnique des Lumières (Europe-Amériques et Colonies) (Paris: Honorė Champion, 2013), Vol. 1, pp. 728-30.

[85] Efraim Chambers, Uma história das obras dos eruditos, Vol. 2 (Londres: Jacob Robinson, 1739), pp. 343-7.

[86] D. Knoop, G. Jones e D. Hamer, Panfletos Maçônicos Antigos, pp. 120-4.

[87] Knoop, Jones and Hamer, Early Masonic Pamphlets, pp. 233-6.

[88] A. Hanham, ‘The Politics of Chivalry: Sir Robert Walpole, the Duke of Montagu and the Order of the Bath’, Parliamentary History 35 (2016), pp. 262–297.

[89] John Anstis, Observations Introductory to an Historical Essay upon the Knighthood of the Bath (London: James Woodman, 1725), pp. 10-11.

[90] D. Mortlock, Aristocratic Splendour: Mony and the World of Thomas Coke, Earl of Leicester (Stroud: Alan Sutton, 2007).

[91] ‘1717 – Formation and Foundation: John Hamill on 300 Years of Freemasonry’, Freemasonry Today, 14 June 2017: http://www.freemasonrytoday.com/ugle-sgc/ugle/speeches/1717-formation-and-foundation-john-hamill-on-300-years-of-freemasonry

[92] 1723 Constitutions, p. 71.

[93] 1738 Constitutions, p. 149.

[94] John Hamill afirma que o Livro M é muito raro e, de fato, a única cópia listada no ESTC está na Biblioteca Central de Newcastle. Existem cópias na Biblioteca e Museu da Maçonaria (BE 98 SMI) e na Biblioteca J. Willard Marriot da Universidade de Utah. A cópia de Utah está disponível online (https://collections.lib.utah.edu/details?id=239506) e trechos da cópia na Biblioteca e Museu da Maçonaria são editados com uma introdução detalhada por J.A.M. Snoek em R. Peter, Maçonaria Britânica 1700-1813 (Routledge, 2016).

[95] W. Waples, ‘An Introduction to the Harodim’, AQC, 60 (1947), pp. 118–98, on p. 139.

[96] 1723 Constitutions, p. 58.

[97] Knoop, Jones and Hamer, Early Masonic Pamphlets, p. 205.

[98] Ferdinand, ‘Economics of the Eighteenth-Century Provincial Book Trade’, pp. 44-6.

[99] Carpenter, John Theophilus Desaguliers, pp. 140-1.

[100] Carpenter, John Theophilus Desaguliers, pp. 100-1.

[101] Applebee’s Original Weekly Journal, 5 August 1721, printed in Robert Peter, British Freemasonry, 1717-1813.

[102] Weekly Journal or Saturday’s Post, 12 August 1721, printed in Peter, British Freemasonry, 1717-1813.

%d blogueiros gostam disto: