Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

Espiões, Leitores da Mente e Sociedades Secretas: Alguns Escoceses no Exterior no Século XVIII

Tradução J. Filardo

Por Marsha Schuchard

Recentemente, apresentei um artigo na Sociedade Britânica de Estudos do Século XVIII, reunido na Universidade de Oxford, para uma sessão chamada “Jacobitas em lugares incomuns”. Meu assunto era “Jacobitas e Maçons na Suécia: Inteligência Esotérica e Política Exotérica”. Antes mesmo de apresentar o trabalho, um conferencista cético e bastante rude me disse que o próprio título ia contra a visão aceita dos historiadores (ou seja, Conservadores anglo-centrados) de que real A Maçonaria começou em Londres em 1717, quando quatro pequenas lojas se juntaram para formar a Grande Loja da Inglaterra, dedicada à ciência newtoniana, ao racionalismo iluminista e à sucessão hanoveriana. Reforçando sua posição está a posição oficial e publicada da atual Grande Loja Unida da Inglaterra, que afirma com segurança que os maçons do século XVIII não estavam envolvidos na política e que não havia rivalidades de jacobitas versus hanoverianas dentro da fraternidade. Para citar John Hamill, porta-voz oficial da Grande Loja, a noção de qualquer conspiração jacobita-maçônica é uma “invenção romântica”, “um disparate” e “apenas coisas ao vento”.

Esta visão estereotipada e desatualizada da história maçônica convenientemente ignora a longa e documentada história da Maçonaria na Escócia, com registros que datam da década de 1590 – uma história que foi brilhantemente recontada por seu próprio professor St. Andrews, David Stevenson. Ela também ignora a forte tradição europeia oral e escrita do século XVIII de que os partidários dos Stuarts levaram a Maçonaria de estilo escocês para o exterior durante o Interregno da década de 1650 e após a revolução Williamita de 1688, chamada de Revolução Gloriosa. Quando mencionei ao meu crítico que documentos nos arquivos suecos revelam uma conexão maçônica escocesa-sueca que desempenhou um papel importante na inteligência esotérica e na política exotérica, fui acusada de inventar um “Código Da Vinci Nórdico”. Felizmente, a pesquisa subsequente de uma nova geração de historiadores na Escócia, Suécia, França, Rússia, Polônia e outros lugares de refúgio jacobita continua a revelar um contexto muito real para as alegadas “invenções românticas” da política jacobita-maçônica espionagem e conspiração.

Eu tropecei pela primeira vez neste mundo tenebroso enquanto trabalhava em um estudo de Emanuel Swedenborg, o cientista e místico sueco do século XVIII, e sua influência sobre William Blake e outros poetas românticos britânicos. Eu logo percebi que pesquisar sua vida era como entrar em uma série de caixas chinesas, pois assim que eu me sentia confiante de que havia compreendido um nível de sua atividade – como seu estudo do Cabalismo Judaico – o fundo caia, e eu estava em outra caixa – como seu envolvimento jacobita – e então, opa, em outra caixa – lidando com suas associações maçônicas. Estranhamente, a perspectiva sueca lança muita luz sobre os assuntos escoceses e jacobitas, pois surgiu um material que não estava disponível nas fontes britânicas e que revelou um mundo estranho e sombrio de meditação mística, transes proféticos, codificação cabalística, alquimia hermética e outras coisas definitivamente não-racionais – crenças e práticas não iluministas. Além disso, essas ciências esotéricas eram frequentemente empregadas para apoiar um programa político progressista, no qual a liberdade de consciência – a total tolerância religiosa – seria alcançada como parte de uma agenda diplomática e militar jacobita multinacional. Tenho que admitir que tudo isso cheira mesmo aos vapores de um Código Da Vinci Nórdico.

Para começar a rastrear esta tradição escocesa-sueca, vamos voltar à década de 1630, quando Henry Adamson publicou The Muses Threnody, para dar as boas-vindas a Charles I a Perth e instar o rei a apoiar uma reconstrução arquitetônica muito necessária. Uma passagem desse poema teve ramificações especiais na Suécia do século XVIII:

Pois nós somos irmãos da Rosie Crosse,

Nós temos o Palavra de maçom e segunda visão,

Podemos prever as coisas que estão por vir.

E vamos mostrar que mistério queremos dizer,

Em acrósticos belos Carolus Rex é visto…

A Palavra de Maçom inspirava-se nas tradições hebraicas e cabalísticas de Jachin e Boaz, as colunas independentes no Templo de Salomão, e funcionava como um sinal de identificação entre os maçons iniciados, tanto operativos quanto especulativos. Conforme já discuti em meu livro, Restaurando o Templo da Visão: Maçonaria Cabalística e Cultura Stuart (2002), nobres escoceses com interesses arquitetônicos e / ou maçônicos, foram os primeiros nas Ilhas Britânicas a coletar literatura Rosa-cruz no início do século XVII, e seu interesse pela alquimia espiritual e prática supostamente teve uma influência no desenvolvimento da Maçonaria escocesa. Mas e a alegação dos maçons de Perth de possuir a “segunda visão” e como isso se tornou parte não apenas da tradição maçônica escocesa, mas também da sueca? Além disso, como isso se tornou parte do equipamento de espionagem de políticos e militares obstinados e cabeçudos no século XVIII?

Muitos desses temas e paradoxos foram incorporados em Sir Robert Moray, o maçom escocês, que primeiro serviu aos Covenanters nacionalistas e depois aos monarquistas de Charles II como estrategista militar, conselheiro político e virtuoso científico – e cuja correspondência foi publicada recentemente por David Stevenson. Membro fundador da Royal Society of Sciences em Londres (e considerado seu “coração e alma”), Moray era um cientista experimental de mentalidade progressista que também acreditava na segunda visão, meditação cabalística, alquimia hermética e outras ciências “ocultas”. É importante reconhecer que a sabedoria convencional – promulgada por nossos mesmos historiadores conservadores (Whigs) – aquela alquimia e o esoterismo morreram na esteira de cientistas “modernos” como Robert Boyle e Isaac Newton – fora desacreditada por estudiosos que examinaram o corpus completo de suas obras, que incluíam suas pesquisas em várias ciências “ocultistas”. O fato de que muitos escoceses e suecos continuassem a acreditar nessas ciências e na segunda visão não significa que eles fossem retrógrados ou crédulos. Recentemente, em fevereiro de 2007, importantes cientistas britânicos relataram sobre “a varredura do cérebro que pode ler as intenções das pessoas”, por meio de novas técnicas de imagem por computador que “podem sondar a mente das pessoas e espionar seus pensamentos”, identificando padrões no cérebro que revelam “o que um pessoa planeja fazer em um futuro próximo.”

Na década de 1690, a possibilidade de segunda visão ou clarividência tanto intrigou John Locke – um modelo de iluminista racional – que ele buscou informações junto ao seu amigo escocês, o nacionalista republicano Andrew Fletcher de Saltoun, que recomendou o episcopalista jacobita Dr. James Garden como uma boa fonte. Garden já havia se correspondido com John Aubrey sobre o fenômeno, e em 1694 Aubrey permitiu que Locke copiasse o relato de Garden sobre o dom de segunda visão dos Highlanders. Garden pediu a Aubrey, em troca, que lhe enviasse um relato de fenômenos rosacruzes semelhantes na Inglaterra. Na transcrição manuscrita de Locke da carta de Garden preservada na biblioteca Bodleiana, ele escreveu que relatos de segunda visão se referem apenas a coisas que acontecerão em breve (dentro de seis anos), e que os adeptos veem tudo visivelmente diante de seus olhos. Os videntes não sabem de onde vem o dom, mas alguns se ofereceram para ensiná-lo sob certas condições. Esta oferta talvez explique a alegação dos maçons escoceses de possuir (ou adquirir através de instrução) o dom da segunda visão.

Além disso, como um estudante da Cabala judaica – com suas técnicas de meditação e visualização mística – Locke pode ter reconhecido as semelhanças entre a segunda visão adquirida na Escócia e o transe profético adquirido dos judeus. Como médico treinado, que antes estudara com um alquimista rosa-cruz, Locke há muito ficava intrigado com a dissecação do cardeal Richelieu, que revelou que seus incríveis poderes de visão e audição foram possibilitados por um número extraordinário de nervos ópticos e auditivos. Ele também estava ciente da explicação da segunda visão feita pelo antiquário escocês Robert Kirk, que afirmou sua realidade, mas sugeriu que poderia ser “uma forma estendida de visão natural”, como a de gatos e linces à noite ou visão de humanos auxiliados por telescópio.

Fletcher recomendou ainda a Locke o trabalho do escocês jacobita Martin, que estava preparando um livro sobre os habitantes das ilhas ocidentais, entre os quais a segunda visão, “ou faculdade de prever coisas que estão por vir, por meio da visão”, era comum entre eles. Fletcher encorajou Martin a enviar seus relatórios preliminares à Royal Society em Londres, e garantiu a Locke que ficaria muito satisfeito com o que deveria ser mais apropriadamente chamado de “primeira visão ou visão Profética”. Martin deu uma descrição naturalística da segunda visão, observando que “à vista de uma visão, as pálpebras da pessoa são erguidas e os olhos continuam fixos até que o objeto desapareça”. Quando um homem tem uma visão, “a parte interna de suas pálpebras ficam tão para cima” que depois “ele precisa puxá-las para baixo com os dedos e às vezes recorre a outras pessoas para puxá-las”. Embora Martin não pudesse aprender como o dom era transmitido, ele notou que os novatos se tornam videntes habilidosos por meio de algum tipo de disciplina ou treinamento. Curiosamente, todos esses estudantes desse dom psíquico ou técnica de visualização estavam atualmente associados ou interessados em Maçonaria; além disso, a controversa tradição do século XVIII de que Locke buscou a iniciação na Maçonaria em 1696 pode ter alguma base em fatos.

Mas, como isso se relaciona com os desenvolvimentos suecos na Maçonaria Jacobita? Ao longo do século XVII, muitos escoceses serviram nos exércitos suecos, e alguns historiadores argumentam que os escoceses infundiram noções de maçonaria militar – como era praticada por Sir Robert Moray – em seus regimentos suecos. Durante a década de 1650, Moray manteve contato com os agentes escoceses que visitaram a Suécia, em busca de apoio para a restauração de Charles II. Diversos maçons alemães do século XVIII, membros do Rito Sueco, afirmam que uma loja maçônica foi estabelecida em Gotemburgo na década de 1650, numa época em que os residentes escoceses do porto estratégico, tais como os Macleans, estavam secretamente fornecendo navios e armas a Charles II. Sabemos que pelo menos um arquiteto militar sueco, Edouart Tessin, foi iniciado em uma loja maçônica em Edimburgo em 1652, quando servia sob o comando do General Monk durante a ocupação cromwelliana da Escócia. Além disso, quando Monk mudou de lado em 1659 e marchou para o sul para apoiar a restauração de Charles II, Tessin foi com ele e posteriormente entrou para o serviço do rei. Tessin e seu filho ajudaram a construir o grande molhe marítimo na nova colônia Stuart de Tânger, considerada uma das maiores conquistas arquitetônicas do século.

Em 1678, o parente de Edouart e colega arquiteto sueco, Nikodemus Tessin, visitou Londres, onde mostrou seus desenhos a Charles II e Christopher Wren, que ficaram tão impressionados que lhe ofereceram um emprego real. Nikodemus pode ter sido iniciado em Londres, pois seu filho Carl Gustaf Tessin, disse que seu pai sempre teve orgulho de se intitular “Mestre Maçom”. Nikodemus mudou-se para Roma e Paris e, quando voltou à Suécia, os Stuarts tinham sido expulsos pela invasão de William de Orange. Ele e seu filho tornaram-se fortes defensores dos jacobitas e repositórios de tradições escocesas-jacobitas da Maçonaria – tradições que adquiriram novo significado político em 1741, quando Carl Gustaf serviu como embaixador sueco em Paris.

O Embaixador Tessin tornou-se amigo íntimo do Cavaleiro Andrew Michael Ramsay, um escocês expatriado e defensor da cavalheiristica e mística Maçonaria Escocesa – um sistema de altos graus desenvolvido por exilados jacobitas no exterior. Foi na residência de Tessin que Ramsay informou a ele e a seus visitantes alemães que o plano secreto para restaurar Charles II “foi primeiro discutido e decidido em uma assembleia de maçons, porque o general Monk havia sido um membro e fora capaz de concretizá-lo sem incorrer a menor suspeita.” Em Restaurando o Templo da Visão, eu examinei em detalhes o contexto de Monk e seus associados maçônicos e descobri que o relato pouco conhecido de Ramsay tem plausibilidade histórica. Certamente, Carl Gustaf Tessin e seus colaboradores sueco-jacobitas acreditavam que o estilo de Stuart ou Maçonaria Escocesa deveria ser explorado para promover suas agendas políticas domésticas e diplomáticas internacionais. Além disso, Tessin e Ramsay acreditavam que essas redes haviam sido desenvolvidas décadas antes, durante a trama sueco-jacobita ou Görtz-Gyllenborg de 1715-18.

Durante os turbulentos primeiros anos da sucessão Hanoveriana, John Erskine, 6º Conde de Mar, trabalhou para construir uma coalizão multinacional – incluindo Suécia, Rússia, Espanha e França para derrubar George I, ou o Eleitor de Hanover, como o os jacobitas continuavam a chamá-lo com desdém. Arquiteto brilhante e inovador, Mar há muito era associado a maçons operativos e agora utilizava seus laços maçônicos com seu primo, Dr. Robert Erskine, médico e confidente do czar Pedro I da Rússia. Na correspondência de Mar com Erskine e outros jacobitas na corte russa, foram mencionados os vínculos estabelecidos pela “palavra de maçom” entre o czar e seus “irmãos mecânicos” escoceses. Mar também trabalhou em estreita colaboração com o conde Carl Gyllenborg, embaixador sueco em Londres, e o barão von Görtz, diplomata Hostein e conselheiro do rei Carl XII, para convencer o rei sueco e o czar russo a apoiar um levante jacobita na Grã-Bretanha. De acordo com Claude Nordmann, o historiador preeminente do planejamento internacional extremamente complicado, vários dos principais organizadores da trama utilizaram redes maçônicas de estilo escocês para comunicação secreta, vínculo fraternal e construção do moral místico. Seu argumento é reforçado pelas memórias do século XVIII de Elis Schröderheim, um importante maçom Ècossais e secretário de estado de Gustaf III, um “Rei Maçom” e forte defensor dos Stuarts. Schröderheim registrou que Görtz, perturbado pela interceptação britânica da correspondência dos conspiradores, voltou-se para a Maçonaria para realizar seus planos ambiciosos.

Enquanto isso, na Escócia, enquanto Mar recrutava tropas para o levante de 1715, vários voluntários – tais como James Cunningham – buscavam a confirmação visionária de sua participação por meio da meditação mística e da segunda visão. Quando o co-conspirador de Mar embaixador Gyllenborg escolheu um voluntário sueco para enviar de Londres a Paris para reunir informações, ele escolheu o jovem cientista Emanuel Swedenborg, que fora supostamente iniciado na Maçonaria enquanto vivia e estudava com cientistas e artesãos em Londres. A família de Swedenborg apoiava fortemente os Stuarts, e seus estudos em transposições de letras e números em hebraico, alegorias rosacruzes, telepatia mental e fisionomia, não só lhe deram habilidades na criação de códigos, mas em decifrar os pensamentos íntimos de agentes e espiões hanoverianos na corte francesa.

Curiosamente, a principal fonte de Swedenborg para essas técnicas veio das descobertas de um escocês anterior, John Marr, um matemático brilhante nas cortes de James VI, I e Charles I. Durante a leitura de obras de Robert Hooke, Swedenborg soube que Marr ficou intrigado com as conversas angelicais registradas por John Dee, o chefe de informações da Rainha Elizabeth e um renomado Rosacruz. Quando Dee morreu em 1509, Marr correu para sua casa e investigou seus papéis, que Hooke mais tarde examinou e apresentou suas descobertas em uma palestra `dada na Royal Society. Elogiando Marr como “um excelente matemático e geômetra” e servo leal dos reis Stuart, Hooke revelou a decifração de Marr das conversas angélicas de Dee, que ocultavam figuras e tramas políticas reais. Embora fosse “primariamente um sistema mágico”, seu código cabalístico permitia que uma pessoa “inserisse uma mensagem secreta no que pretendia ser um confronto entre ela e criaturas espirituais”.

Enquanto Swedenborg agia publicamente como um estudante de ciências naturais, ele agia clandestinamente como um estudante da trama política e diplomática envolvida no complô sueco-jacobita. Em seu Camena Borea (1715), um poema alegórico que começou a escrever em Paris, ele citou um lema de Monas Hieroglyphica de John Dee, que foi repetido em várias edições dos Manifestos Rosacruzes. Isso evidentemente funcionou como um sinal para os leitores iniciados de que a alegoria mitológica a seguir tratava de figuras políticas e militares reais. Embora sugerisse que escolheu essa forma para que “as mensagens ocultas fossem difíceis de decifrar”, ele se tornou quase explícito demais em uma fábula, na qual se comparava a um vidente que se converteu em um cachorrinho, que morde de brincadeira aos pés das damas da corte, que “não sabiam que ele poderia relatar suas falas e suas ações secretas ao seu Mestre” e até mesmo beliscar aos “pés de Heróis e comandantes militares”, para que ele pudesse “pegar o mais próximo possível o que eles conversavam entre eles.” No poema, ele insinuava ainda mais sua prática da fisionomia, que chamava de “a representação da mente no rosto”; ao mesmo tempo, ele incluiu em seus escritos científicos “um método de conjeturar as vontades e afeições das mentes dos homens por análise.”

Após o esmagamento da rebelião jacobita em 1716 e a exposição da trama sueco-jacobita em 1717, os agentes escoceses na Suécia ainda acreditavam que Carl XII teria sucesso em restaurar James III. Assim, eles ficaram devastados quando o grande rei guerreiro foi morto (“por uma mão duvidosa”) em 1718 na Noruega, de onde ele planejava lançar sua invasão da Escócia. As circunstâncias de sua morte provocaram uma série de teorias de conspiração, especialmente quando vazaram relatos de que o general Carl Cronstedt a previra por meio de uma combinação de geomancia e segunda visão. A prisão e execução de Görtz e a subsequente perseguição dos partidários leais ao rei, logo conhecidos como Carolinianos, supostamente levaram à supressão das lojas militares maçônicas dentro do exército sueco.

Embora não haja evidências de Maçonaria na Suécia na década de 1720, na década de 1730 os jacobitas puderam iniciar suecos simpatizantes em suas Lojas Eccosais na França. Sob os sucessivos Grão-Mestrados de Sir Hector Maclean e Charles Radcliffe (mais tarde 5º Conde de Derwentwater, que iniciou o diplomata sueco Carl Scheffer), os jacobitas ajudaram Tessin, Gyllenborg e seus partidários a estabelecer na Suécia lojas politicamente ativas que eram infundidas com os temas místicos e cavalheirescos do Cavaleiro Ramsay. Além disso, o relatório de Ramsay de que o General Monk utilizou a Maçonaria Escocesa para efetuar a primeira Restauração encorajou os suecos a acreditar que eles poderiam utilizar a Maçonaria Écossais para derrubar o regime pró-Hanoveriano na Suécia e ajudar os Jacobitas a alcançar uma segunda Restauração.

Mais uma vez, os jacobitas suecos empregaram Swedenborg para realizar seu estilo peculiar de coleta de inteligência esotérica. Nos últimos anos, Swedenborg havia investigado a estrutura e a química do cérebro e concluiu que ele produzia auras ou ondas de magnetismo que carregavam ritmos de pensamento, que podiam ser decifrados por alguém com auras cerebrais mais poderosas. Em seu tratado “Sobre a Tremulação”, ele escreveu que uma pessoa pode cair no pensamento de outra pessoa e perceber o que outra está fazendo e pensando – “isto é, que sua membrana treme por causa das membranas cerebrais da outra pessoa. ” Décadas mais tarde, os admiradores de Swedenborg diriam que ele descobriu assim os princípios do mesmerismo ou magnetismo animal. Swedenborg também era fascinado com a capacidade de um amigo descendente de escoceses, Adam Leijel, de alcançar estados clarividentes. Trabalhando juntos como engenheiros e metalúrgicos no Conselho Sueco de Minas, os dois aparentemente experimentaram a indução ao transe. Swedenborg escreveu que Leijel “era capaz, na vida do corpo, de se lançar em uma espécie de estado de êxtase”, no qual via o céu e obtinha visões de eventos futuros. Sua conclusão científica de que diferentes capacidades cognitivas e de visualização estavam localizadas em locais específicos do cérebro, que poderiam ser deliberadamente ativados, ainda é considerada um grande avanço científico pelos neurologistas de hoje.

Em 1744, à medida que a trama sueco-jacobita se acelerava, Swedenborg experimentou técnicas de meditação cabalística, nas quais regulava sua respiração e batimento cardíaco até atingir um estado de transe visionário. No processo, ele fez uma descoberta psíquica na qual acreditava ter se comunicado com espíritos e anjos, que lhe revelaram os verdadeiros motivos e falsos enganos de muitas figuras políticas envolvidas nas intrigas atuais. Ele manteve um estranho diário de seus sonhos, no qual registrou em um código espiritual – muito parecido com o de John Dee – seus medos e esperanças para o próximo projeto de invasão. Em maio de 1744, enquanto residia na Holanda, ele foi iniciado por agentes jacobitas e escoceses nos altos graus maçônicos, que ele chamava de “uma série mística” e que eram reservados para participantes nos projetos mais secretos. Ele registrou a misteriosa cerimônia, na qual foi vendado, envolto em uma mortalha, mergulhado na escuridão e depois na luz, finalmente recebido com um abraço e declarado ser um “jacobita honesto”. Ele também registrou seu perigoso trabalho para construir uma espécie de cavalo de Troia, que poderia trazer soldados e armas para capturar a cidade. Nessa época, Tessin, Scheffer e os maçons suecos estavam de fato organizando o envio de soldados e canhões suecos da Holanda para a Escócia.

Swedenborg então mudou-se para Londres, onde viveu em incógnito virtual e continuou a registrar suas experiências em seu código de sonho. Ele temia que seus papéis tivessem sido mexidos e que ele estivesse vulnerável à prisão. Mas, qualquer pessoa que leia seu diário pensaria que ele é um entusiasta inofensivo (como John Dee) ou um “louco” insano. Em junho de 1745, enquanto os suecos se preparavam para apoiar o projeto de invasão da Escócia do príncipe Charles Edward Stuart, Swedenborg escreveu um tratado emocionante e messiânico, no qual ecoava os temas maçônicos milenaristas de Ramsay e empregava o tipo de citações bíblicas usadas nos códigos jacobitas então correntes. Assim, “Jeová me chamou … um servo, para trazer-lhe os jacobitas”; “ele resgatara o jacobita, e o livrará da prisão … Eu te recolherei do ocidente e do oriente. Eu ordenaria ao norte que desista. ” Neste momento, os suecos estavam muito preocupados com a prisão de Sir Hector Maclean, o antigo  Grão-Mestre Écossais, que estava a par de seus planos de invasão e que fora transferido de Edimburgo para a Torre de Londres. Swedenborg então fez referências provocativas à chegada do príncipe e à reconstrução do Templo de Jerusalém. O esplendor de Jeová “entrou no Templo por meio do portão voltado para o oriente – ele mostrou o lugar do trono … o príncipe que ele estabelecerá no santuário. – O portão do norte “; e depois,” voltando dos lugares de exílio, eles edificarão Jerusalém gloriosamente; e nele será construído um templo, uma estrutura esplêndida que perdurará por eras eternas.” Em julho de 1745, Swedenborg sentiu que estava “sobre gelo fino” em Londres e repentinamente partiu para a Suécia, poucas semanas antes de o príncipe Stuart chegar à Escócia em agosto.

Como os rebeldes jacobitas surpreendentemente derrotaram as forças do governo, propagandistas de ambos os lados publicavam profecias feitas por escoceses videntes. A mais popular era A Crônica de Charles, o Jovem (1745), atribuída ao conde de Kilmarnock, ex-grão-mestre jacobita, que afirmava que as profecias de João, o Escriba, estavam sendo cumpridas por Charles Edward. Os hanoverianos contra-atacaram com O Destino do Jovem Pretendente Revelado (1745), apresentando as visões de John Ferguson, um vidente das Terras Altas, que previu a decapitação do príncipe derrotado e as execuções de seus seguidores. O governo acreditava que esta publicação “desanimava” muitos dos “Vulgares” e “os impedia de se juntar àquela empresa maluca”. Em setembro, quando Charles Edward e seus Highlanders entraram triunfantemente em Edimburgo, uma das visões de Swedenborg adquiriu uma ressonância peculiar e lançou uma nova luz sobre uma tradição controversa, em que os maçons suecos acreditavam durante muito tempo. As fontes da tradição eram soldados suecos, que marcharam com o príncipe Charles até a terrível derrota em Culloden em abril de 1746, e soldados escoceses que posteriormente fugiram para a Suécia.

Em uma carta enviada de Edimburgo em 30 de setembro de 1745, o Duque de Perth escreveu a Lord Ogilvie sobre uma cerimônia secreta no Palácio de Holyrood:

É realmente um orgulho ver nosso Príncipe novamente no Palácio de seus Pais, com todo o melhor sangue da Escócia ao seu redor. Ele é muito amado por todas as almas, e não podemos deixar de fazer a pestilenta Inglaterra fumegar por isso … na terça-feira, com hora marcada, houve um Capítulo solene da antiga cavalaria do Templo de Jerusalém, realizado na sala de audiência – não mais que dez cavaleiros estiveram presentes, pois desde que meu Lord of Mar demitiu-se do cargo de Grão-Mestre, nenhuma assembleia geral foi convocada, exceto em seu Convento do Norte. Nosso nobre Príncipe parecia mais galantemente com o manto branco da Ordem e assumiu a profissão como um cavaleiro digno; e … jurou que restauraria o Templo mais alto do que nos dias de William, o Leão. Então meu Lord Athol se demitiu como Regente, e sua Alteza Real foi eleita G. Mestre. Eu escrevi isso sabendo o quanto você ama a Ordem …

Em 1722, Lord Mar havia de fato estabelecido na Escócia “uma nova ordem militar de cavalaria”, que foi chamada de “ordem da restauração”. Com a aprovação de James VIII e III, a Ordem pretendia devolver à Escócia “seu antigo espírito militar” e recompensar “os chefes dos clãs” que “agem de coração em nosso serviço”. Como amigo próximo e colaborador do Cavaleiro Ramsay, Mar pode ter infundido elementos maçônicos nesta ordem. Depois da morte de Mar em 1732, os grão-mestres Maclean e Derwentwater tentaram transformar suas lojas maçônicas em uma ordem de cavalaria. Em 1738, histórias hostis apareceram na imprensa popular acusando esses “novos cavaleiros” de tentar reviver os Cavaleiros Templários e de empregar ritos mágicos e heréticos para aumentar seus poderes.

Embora a autenticidade da carta de Perth a Ogilvie tenha sido contestada por escritores maçônicos anti-jacobitas, a história foi evidentemente levada para a Suécia por Magnus Wilhelm Armfelt, um veterano de Culloden, que retornou ao seu regimento sueco, e por Lord Ogilvie, que fugiu para Gotemburgo, onde foi recebido pelos maçons suecos que também tentaram enviar uma missão de resgate do “Bonnie Prince Charlie”. Quando ele chegou à França, o novo regimento de Ogilvie, composto de exilados escoceses e suecos visitantes, praticava ritos maçônicos Stuart especiais, que também foram levados para a Suécia. Que Charles Edward realmente serviu como chefe titular da Ordem Real da Maçonaria Écossais, em colaboração com o Duque de Clermont, Grão-Mestre da França, está documentada em correspondência francesa e inglesa nas décadas de 1760 e 70. Mas em nenhum lugar a crença em seu grão-mestrado era mais forte do que na Suécia.

Na década de 1770, o rei Gustaf III e seus irmãos, os duques de Soudermania e de Ostrogothia, que foram moldados como maçons monarquistas por Carl Gustaf Tessin e o grão-mestre Carl Scheffer, corresponderam-se com Charles Edward e afirmaram seu papel como Chefe da a Ordem dos Templários. Em 1776, Ostrogothia visitou o príncipe na Itália e recebeu dele uma patente nomeando o duque sueco “seu vigário em todas as lojas do norte”. Quando os rebeldes americanos declararam independência da Grã-Bretanha, Gustaf III e Charles Edward os admiraram muito, e o governo inglês entrou em pânico com os relatos de que o príncipe Stuart planejava viajar para a América para apoiá-los. Há evidências de que ele recebeu cartas de patriotas americanos pedindo-lhe para se tornar o chefe titular do novo país enquanto eles elaboravam uma nova constituição. Muitos maçons jacobitas acreditavam que esta era uma chance para uma repetição da rebelião de 1745, e Charles Edward estudou as profecias do século XVI de Nostradamus que pareciam relevantes para seu papel, junto com o rei sueco, na derrubada do governo Hanoveriano na Grã-Bretanha e suas colônias.

Impressionado com a vitória americana sobre o rei britânico George III, Gustaf III viajou para Florença em 1783, acompanhado por Gustaf Mauritz Armfelt, filho do soldado sueco que marchou com o príncipe em 1745-46. Armfelt registrou sua admiração pelo príncipe idoso, que relembrou o heroísmo e a lealdade de seus soldados das Terras Altas, que Gustaf III esperava infundir em seu próprio exército. Durante as longas horas que passaram com Charles Edward, os suecos evidentemente discutiram o papel do príncipe na cerimônia maçônica realizada (supostamente) no santuário do Palácio de Holyrood. De acordo com o secretário de Gustaf, Schröderheim, o principal objetivo do rei sueco era “o restabelecimento do santuário” e “ele trabalhou nos mistérios com o Pretendente para erguer o Templo de Jerusalém”. O príncipe Charles ficou lisonjeado com a reverente atitude de Gustaf em relação a ele, e ele deu ao rei sueco um certificado nomeando-o atual coadjutor e então sucessor do Grão Mestre da Ordem Maçônica do Templo em caso de sua morte. O documento foi assinado com o sigilo maçônico do príncipe e uma cruz templária.

Horace Mann, o embaixador britânico de longa data em Florença, zombou em particular do “duque da Vandalmania” (Ostrogothia) e de seu irmão mais velho, Gustaf III, e ficou intrigado com suas transações maçônicas. Ele soube deles por meio de suborno de um francês participante da comitiva sueca e os descreveu em uma carta a seu colega John Udny, cônsul em Livorno:

Sua Majestade sueca… tomou outras medidas, que embora possam parecer ridículas, não são menos certas. Supõe-se que quando a Ordem dos Templários foi suprimida e os Indivíduos perseguidos, alguns deles se esconderam nas Terras Altas da Escócia e que deles, ou surgiram, ou se uniram à Sociedade dos Maçons, da qual os reis da Escócia deveriam ser Grandes Mestres Hereditários. Deste Princípio o atual Pretendente deixou-se persuadir de que o Grão-Mestrado lhe foi devolvido, qualidade em que, no ano de 1776, concedeu uma patente ao duque de Osgtrogothica (que então estava aqui) pela qual o nomeou seu vigário de todas as Lojas no Norte … o Rei da Suécia durante sua estada obteve uma Patente do Pretendente na devida forma pela qual ele nomeou sua Majestade Sueca seu Coadjutor e Sucessor no Grande Mestrado das Lojas no Norte, ao obter o que (…) O rei expressou sua maior alegria.

Mann continuou descrevendo o plano de Gustaf III de solicitar fundos das lojas dos maçons templários para apoiar seu Grão-Mestre Stuart, e ele observou os esforços contínuos do duque de Brunswick e dos maçons alemães rivais em obter informações e legitimação do príncipe. No entanto, para um diplomata residente por 43 anos em Florença, um ex-membro da Loja Inglesa-Conservadora na cidade e empregador de muitos espiões anti-jacobitas, Mann revelou uma espantosa ignorância sobre os acontecimentos na Maçonaria Ḗcossais. Ao concluir seu relatório a Udny, ele escreveu:

Devo admitir que nunca pensei que a Sociedade dos Maçons fosse considerada na Alemanha como de tal importância, a ponto de excitar a ambição de dois desses Príncipes de estar à frente dela, e mais especialmente em virtude de uma Substituição sem o mínimo poder na pessoa que o concede, nem eu deveria ter dado crédito a ela se não tivesse a melhor fonte para todas as circunstâncias do que está relatado aqui.

Parece que o intenso sigilo, a rede de comunicação oral e os códigos quase indecifráveis mantidos pelos jacobitas e seus sucessores suecos foram tão bem-sucedidos que esse mestre da informação para sucessivos secretários de Estado britânicos teve puxados a lã (e avental) maçônicos sobre os olhos.

Quando o não mais “bonnie” Príncipe Charlie faleceu em 1788, Mann já estava morto havia dois anos, então ele não podia mais relatar sobre a “ridícula” consumação do sonho maçônico de longa data dos jacobitas suecos. Gustaf enviou um mensageiro real a Florença para coletar a patente do Grão-Mestre da filha natural de Charles Edward, Charlotte. Ele também esperava arranjar um casamento entre ela e o duque de Ostrogothia, mas a morte dela alguns meses depois frustrou sua tentativa de preservar a linhagem real Stuart. Apesar da zombaria de diplomatas ingleses e posteriores historiadores conservadores, o rei sueco acreditava que, ao assumir o Grão Mestrado da Ordem Maçônica do Templo, ele estava cumprindo uma “antiga” tradição escocesa-sueca. E, à medida que novos documentos emergem de arquivos diplomáticos, reais e maçônicos internacionais, enfrentamos uma possibilidade surpreendente – ele pode estar certo.

Gustaf III e seu irmão, o duque Carl de Soudermania, utilizaram a Maçonaria Ḗcossais como um instrumento de estratégia diplomática e de estado, enquanto eles difundiam o Rito Sueco nos territórios inimigos da Rússia, Prússia e até mesmo nas Ilhas Britânicas. Os dois homens estudaram e praticaram os temas esotéricos e rituais da Maçonaria de estilo Stuart, que eles acreditavam que aumentava seu poder político e militar. Os profetas que afirmavam possuir uma segunda visão e comunicação com o espírito frequentemente compareciam às sessões na corte e no senado. Um santuário maçônico secreto (como o de Holyrood?) foi estabelecido no palácio real, e Soudermania (como Grão-Mestre em exercício) usava uma túnica de cetim elaboradamente bordada com a Árvore Sefirótica da Cabala. Um iniciado registrou: “Em um pequeno círculo de irmãos que se reuniu em torno do rei e do duque, ocorreram objetos mais nobres de nossas obras. Eles abraçaram a religião, a comunhão com o submundo, com espíritos, política, moral e alquimia”. Um crítico hostil reclamou que “a Maçonaria se tornou o caminho mais seguro para boa sorte e sucesso. Era mais sagrada do que a religião; eles agora discutiam as visões de Swedenborg; nas lojas maçônicas havia um Sumo Sacerdote e cerimônias no Altar. ”

À medida que a realeza sueca fortaleceu o papel da Maçonaria Ḗcossais em casa e no exterior, vários cortesãos importantes viajaram de Estocolmo a Avignon, onde se submeteram aos extenuantes rituais de iniciação do Illuminés, um grupo eclético de exilados escoceses, nacionalistas poloneses, teósofos russos e Swedenborgianos ingleses que se juntaram a franceses milenaristas em um esforço coletivo pela revolução espiritual mundial. Os iniciados receberam as profecias de um oráculo cabalístico, expressas em combinações de letras e números hebraicos, que revelaram mudanças radicais na ordem mundial. Nas décadas seguintes, muitos desses ex-devotos da Maçonaria Jacobita tornaram-se radicais jacobinos, à medida que irmandades revolucionárias de escoceses unidos, irlandeses unidos, ingleses unidos e universalistas Swedenborgianos utilizaram “antigas” técnicas e redes escocesas-maçônicas em suas tentativas de derrubar regimes repressivos e reconstruir o Templo Salomônico em uma Nova Jerusalém igualitária.


Palestra proferida pela Dra. Marsha Keith Schuchard no Scottish Studies Center, St. Andrews University, Escócia (fevereiro de 2007).

marsha schuchard

A AUTORA:

Antiga escritora de literatura médica e atualmente historiadora literária pesquisando assuntos como “história suprimida do século XVIII, tais como a Maçonaria Jacobita, Cabalismo Satatiano, atividades de espionagem celestial e terrestre de Swedenborg, arte visionária de Blake e espiritualidade erotizada Moraviana

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: