Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

Antiguidade dos Maçons e da Maçonaria

J.Filardo M.M.

 

Muito se discute sobre a origem da Maçonaria. Há até mesmo aqueles que alegam ter sido Adão o primeiro maçom.

Naturalmente, depois se veem em palpos de aranha, porque só haveria Eva para fazer parte da maçonaria e nessa caso, ela teria sido mista em primeiro lugar, torpedeando a característica só-masculina da maçonaria atual.

Depois vêm os transicionistas que entendem que a maçonaria especulativa foi uma evolução gradual da maçonaria operativa, onde homens que não eram pedreiros eram aceitos em lojas operativas e teriam, pouco a pouco substituído todos os pedreiros por especuladores estudiosos de diferentes disciplinas.

Finalmente temos aqueles que conseguem enquadrar a invenção da Maçonaria Especulativa em um quadro político de uma época turbulenta de conflitos políticos e religiosos.

Não era fácil, mas em um determinado momento, foi fundada a Loja de Pesquisas Quatuor Coronatti em Londres, que preconizava a necessidade de que a história da Maçonaria devia ser baseada em documentos, não suposições.

Mas, os documentos teimam em nos fazer mudar de ideia, muitas vezes quando outros documentos nos levaram em um determinado caminho.

Pois bem, com base em obras do calibre de Historia Concisa da Maçonaria de Robert Freke Gould (fundador da Loja de Pesquisas Quatuor Coronatti) os maçons seriam herdeiros dos Collegia Romanos (corporações de construtores) que teriam se transformado em monges, sendo o melhor exemplo os monges da região de Como, os famosos Magister Comacines que teriam ensinado a arte da construção aos maçons europeus que, por sua vez, formaram corporações unidas em torno dos segredos da técnica de construir. Daí as corporações teriam se propagado por toda a Europa e, ao que tudo indica, também para a Hybernia, junto com St. Patrick.

De repente, topamos com informações como esta que noticiamos abaixo, onde uma pintura datada do século VII, mostra alguém que pela iconografia é, sem dúvida, um maçom manejando um compasso e segurando um esquadro, sobre um campo redondo onde aparecem mais um esquadro e um triângulo, e que representaria um Brehon  ─ advogados errantes que conheciam as leis tradicionais e que deviam distribuir a justiça na Irlanda primitiva ┴ registrando e talvez aplicando a lei antiga irlandesa que é surpreendentemente avançada, vez que incluía, por exemplo, direitos iguais para o homem e a mulher, obrigação de cuidar dos idosos, indenização por erro médico e outros institutos legais “modernos”.

No centro da figura aparece um homem, claramente um monge ou membro da igreja, visto que a Irlanda fora cristianizada por St. Patrick no século V, mais ou menos.

Aparece assim, uma nova ideia sobre quem eram os maçons irlandeses no início dos tempos modernos.  Aparentemente, além de construtores, eles tinham autoridade para legislar, o que é inusitado considerando a tradição da maçonaria operativa de que seus membros eram analfabetos, mas que não seria totalmente estranho se fossem monges, vez que membros da Igreja estavam entre as poucas pessoas alfabetizadas. Mas, não deixa de ser surpreendente a presença de esquadros e compassos em um contexto tão primitivo.

Esse corpus legislativo primitivo, em que pese a crueza da legislação, já vigorava em uma Irlanda cristã, já que no último item da lei, um monge é mencionado.

 

A matéria foi publicada no site Irishcentral.com, primeiramente em 2013 e agora republicada:

 

Pintura de um dos Brehons registrando a antiga lei irlandesa (WIKICOMMONS)

 

A Lei Brehon é o corpo da antiga lei nativa irlandesa que geralmente funcionava nas áreas gaélicas até a conclusão da conquista inglesa da Irlanda no início do século XVII.

As Leis Brehon da Irlanda estavam muito à frente de seu tempo. Elas foram colocadas em pergaminho pela primeira vez no século 7 e receberam o nome daqueles advogados errantes, os Brehons.

Na época de Elizabeth I, as leis Brehon foram consideradas velhas, obscenas e irracionais. Elas foram banidas e a lei consuetudinária inglesa foi introduzida. No entanto, felizmente, alguns dos Brehons pensaram em esconder os preciosos manuscritos e um bom número deles sobreviveu.

Em 1852, dois estudiosos irlandeses, Eugene O’Curry e John O’Donovan, começaram a traduzir as leis. Nas palavras de outro estudioso irlandês, D.A. Binchy, o que eles descobriram foram “segredos” sobre o passado da Irlanda.

As leis eram “detalhes”, disse Binchy, “detalhes que descrevem a vida antiga nos dias em que os irlandeses ainda viviam em cabanas de barro e pequenos assentamentos cercados e pagavam suas contas com vacas e bacon”.

Aqui estão apenas algumas das leis antigas mais estranhas da Irlanda:

Músicos / Artistas

  • O harpista é o único músico quem é de posição nobre. Flautistas, trompetistas e timpanistas, bem como malabaristas, mágicos e acrobatas montados a cavalos em feiras, não têm status próprio na comunidade, apenas o do nobre chefe a quem estão ligados.
  • O poeta que cobra caro demais por um poema será destituído de metade de sua posição na sociedade.

Propriedade / terras

  • O credor que retém seu broche, seu colar de seus brincos como garantia contra seu empréstimo deve devolvê-los para que você possa usá-los na grande assembleia. Ou ele será multado por sua humilhação.
  • Para as melhores terras aráveis, o preço é de 24 vacas. O preço da terra seca e grosseria é de 12 vacas secas.

Relacionamentos

  • Primeiro de fevereiro é o dia em que marido e mulher podem decidir abandonar o casamento.
  • Se um homem levar uma mulher a cavalo, para a floresta ou para um navio, e se membros da tribo da mulher estiverem presentes, eles devem objetar dentro de 24 horas ou não podem exigir o pagamento da multa.
  • O futuro marido deverá pagar o preço da noiva em terras, gado, cavalos, ouro ou prata ao pai da noiva. O marido e a mulher retêm direitos individuais a todas as terras, rebanhos e bens domésticos que cada um traz para o casamento.
  • O marido que, por apatia, não vai para a cama da esposa, deve pagar uma multa.
  • Se uma mulher grávida anseia por um bocado de comida e seu marido não oferece, por avareza ou negligência, ele deve pagar uma multa.
  • Se uma mulher marcar um encontro com um homem para ir até ela em uma cama ou atrás de um arbusto, o homem não é considerado culpado, mesmo que ela grite. Se ela não concordou com um encontro, no entanto, ele é culpado assim que ela gritar.
  • Quando você envelhece, sua família deve fornecer-lhe um bolo de aveia por dia e um recipiente com leite azedo. Eles devem lhe dar banho a cada 20 noites e lavar sua cabeça todos os sábados. Dezessete bastões de lenha é o suficiente para mantê-lo aquecido.

Saúde

  • Não são permitidas discussões de tolos, bêbados ou mulheres na casa do médico quando um paciente está se curando lá. Nenhuma má notícia deve ser trazida e nenhuma conversa ao redor do leito. Nenhum grunhido de porcos ou latidos de cachorros lá fora.
  • Se o médico cura sua ferida, mas ele ressurge por causa do descuido dele, negligência ou falta de habilidade grosseira, ele deve devolver o montante que você pagou. Ele também lhe deve pagar uma indenização como se ele próprio o tivesse ferido.

Diversos

  • Quem quer que bata à sua porta, você deve alimentá-lo e cuidar dele sem fazer perguntas.
  • É ilegal dar a alguém comida que foi encontrada com um rato ou doninha morto.
  • Um leigo pode beber seis canecas de cerveja com seu jantar, mas um monge pode beber apenas três canecas. Isso é para que ele não fique embriagado quando chegar a hora da prece.

 

 

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: