Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

O Rito de Heredom ou Perfeição, berço do R.E.A.A.

Por Francisco Feitosa

heredom, perfeição

Antes de tentarmos entender o Rito Escocês Antigo e Aceite, faz-se necessário abordarmos aquele que lhe serviu de berço – O Rito de Heredom ou Rito de Perfeição.

Através de estudos, foi-nos possível compilar as suas peculiaridades, porém estamos certos que, ainda, encontramo-nos muito longe de esgotar toda a sua história. Este trabalho é, apenas, um atractivo, para que o leitor se encaminhe na sua pesquisa e, consequentemente, entenda a origem dos Altos Graus maçónicos.

Entre as lendas do início das origens dos Altos Graus, aparece o Cavaleiro de Ramsay (André-Michel Ramsay – 1686-1743), homem erudito, nascido na Escócia, partidário dos Stuarts, protegido do Bispo de Fenelon, com ligações em todas as cortes da Europa, ao qual se atribui ter sido o inspirador da criação dos Graus Superiores e ter ajudado a elaboração dos Graus Simbólicos.

O seu famoso discurso, escrito em 1737, mas que, talvez, nunca tenha sido lido em qualquer Loja, ou apresentado em qualquer assembleia de Maçons, podendo, até, ser apócrifo, segundo (Publicado em freemason.pt) alguns autores, pois acredita-se que haja, pelo menos, quatro versões do mesmo, foi distribuído, fartamente, em todas as Lojas da França e países vizinhos.

Neste documento, Ramsay faz a apologia de que a Maçonaria seria originária dos Templários, o que não é verdade; tece comentários, pela primeira vez, enfatizando hierarquia na Ordem; proclama o ideal maçónico na Fraternidade e num mundo sem fronteiras, tentando impingir uma falsa antiguidade e nobreza à Maçonaria.

Fez uma proposta às Lojas inglesas, para acrescentarem mais três Graus aos já existentes (Mestre Escocês, Noviço e Cavaleiro do Templo). A Maçonaria inglesa rejeitou. Estes três Graus teriam sido, segundo Ragon, criados por Ramsay.

Fez uma proposta às Lojas francesas, para que se acrescentassem mais sete Graus Suplementares. Também, não foi aceite. Mas, de qualquer forma, a partir daí, começaram as introduções templárias e rosacrucianas, e os Altos Graus começaram a aparecer. Muitos autores não aceitam este facto, rejeitam a participação de Ramsay. Entretanto, outros, como Ragon, apoiam-a.

Segundo Paul Naudon, o facto mais importante, acontecido após o polémico discurso de Ramsay, foi a criação do Capítulo de Clermont pelo Cavaleiro de Bonneville, em 1754. Os Irmãos, que criaram este Corpo, pretendiam continuar os mesmos princípios da Loja de Saint-Germian-en-Laye, fundada muito tempo antes, ou seja, praticar os Altos Graus, criando sete Graus e opondo-se à política da Grande Loja da França, a qual seria, posteriormente, dissolvida em 24 de Dezembro de 1772.

O Capítulo de Clermont teve uma duração efémera, mas valeu pelas consequências, pois uma das suas ramificações, através de Pirlet, em Paris, em 1758, criou o Conselho dos Imperadores do Oriente e do Ocidente da Grande e Soberana Loja Escocesa de São João de Jerusalém, a qual foi a mais importante das potências escocesas, no século XVIII, organizando um Rito chamado Rito de Perfeição ou de Heredom.

Em 1761, o Conselho de Imperadores teria fornecido, através do Irmão Chaillon de Joinville, substituto Geral da Ordem, e mais oito Irmãos da alta hierarquia, que, também, teriam assinado o documento, uma patente constitucional de Grande Inspector do Rito de Perfeição ao Irmão Etienne ou Stephen Morin, autorizando-o a estabelecer e perpetuar a Sublime Maçonaria em todas as partes do mundo e investindo-o de poderes de sagrar novos Inspectores.

Foi criado um sistema de Altos Graus, impondo-lhe o limite de 25, resolução, que seria, oficialmente, inscrita nos seus estatutos, segundo Mellor, em 1762. Neste ano, sob os auspícios desse Conselho, foram publicados os Regulamentos e Constituição da Maçonaria de Perfeição, elaborados por nove comissários (Constituição de Bordeaux, em 21 de Setembro de 1762).

Os seus membros, conhecedores de várias tradições místicas e gnósticas antigas, trouxeram para este Corpo Maçónico as influências templárias, rosacrucianas e egípcias, além de se dizerem herdeiros dos Ritos de Clermont e das correntes escocesas de Kilwinning e Heredom. Estava, assim, decretada a influência esotérica na Ordem.

Chegado à Colónia francesa de São Domingos (hoje, Haiti), no mesmo ano, pôs-se a trabalhar. Há fortes suspeitas de que esse documento seja fraudulento. Também, segundo muitos autores, Etienne teria comercializado esses Altos Graus. Na realidade, o Rito de Perfeição ficou muito mal trabalhado durante mais ou menos trinta anos. Foi esquecido o seu conteúdo esotérico e a sua ritualística muito mal usada. Mas, de (Publicado em freemason.pt) qualquer forma, os americanos aceitaram muito bem o Rito e, ainda, acharam que os vinte e cinco Graus eram insuficientes, para abranger toda a iniciática maçónica.

Morin teria entregado certificados ou carta patente a outros Irmãos, e um deles foi um Irmão de nome Henry A. Francken, também, de origem judaica, que teria estabelecido o Rito em Nova York. Outro grupo introduziu o Rito em Charleston, em 1783.

Na mesma Colónia francesa de São Domingos (Haiti), alguns anos mais tarde, apareceram os Maçons, o Conde Alexandre François Auguste de Grasse Tilly e o seu sogro Jean Baptiste Delahogue, os quais, posteriormente, em 1793, mudaram-se para Charleston. Grasse Tilly já tinha pensado em fundar um Supremo Conselho nessa cidade. Lá encontraram mais dois Maçons: Frederik Dalcho e John Mitchel.

A Maçonaria norte-americana, ainda, era muito incipiente, pois a sua história tinha menos de 30 anos. Este rito foi chamado de Rito de Perfeição, ou de Heredom. Tanto é verdade, que o rito, cujo primeiro Supremo Conselho foi criado em 1801, em Charleston, Carolina do Sul, EUA, foi chamado, inicialmente, de Rito dos Maçons Antigos e Aceitos (apenas), com 22 graus, os do Rito de Perfeição, ou de Heredon. E são os seguintes os graus do Heredom:

Primeira Classe  

  1. Aprendiz
  2. Companheiro
  3. Mestre;

Segunda Classe

  1. Mestre Eleito
  2. Mestre Perfeito
  3. Secretário Íntimo
  4. Intendente dos Edifícios
  5. Preboste e Juiz;

Terceira Classe

  1. Mestre Eleito dos Nove
  2. Mestre Eleito dos Quinze
  3. Ilustre Eleito das Doze Tribos;

Quarta Classe

  1. Grande Mestre Arquitecto
  2. Cavaleiro do Real Arco
  3. Grande Eleito, Antigo Mestre Perfeito;

Quinta Classe

  1. Cavaleiro da Espada ou do Oriente
  2. Príncipe de Jerusalém
  3. Cavaleiro do Oriente e do Ocidente
  4. Cavaleiro Rosa- Cruz;

Sexta Classe

  1. Grande Pontífice, ou Mestre Ad Vitam
  2. Grande Patriarca Noaquita
  3. Grande Mestre da Chave da Maçonaria
  4. Príncipe do Líbano, Cavaleiro da Real Acha;

Sétima Classe

  1. Cavaleiro do Sol, ou Príncipe Adepto, Chefe do Grande Consistório
  2. 24. Ilustre Cavaleiro Grande Comendador da Águia Branca e Negra, Grande Eleito Kadosh
  3. Mui Ilustre Soberano Príncipe da Maçonaria, Grande Cavaleiro Sublime Comendador do Real Segredo.

Qualquer semelhança com o R∴ E∴ A∴ A∴  não é mera coincidência!

A decadência do Rito de Perfeição, com 25 graus, a partir do ano de 1771, perdendo caoticamente a sua forma original no hemisfério Ocidental, fez com que, em 1795, dois franceses, sogro e genro, que chegaram a Charleston, Carolina do Sul, USA, Alexander Francisco – Conde Crasse de Rouville, Marques de Tilly e João Batista Noel Maria De La Hogue tomando como base legal a Constituição Maçónica, promulgada em 1786, pelo (Publicado em freemason.pt) rei Frederico II da Prússia, e contando com auxílio de diversos deputados franceses e alemães, criassem os novos graus do Rito.

Existem autores que afirmam que Dalcho teve a ideia de criar mais oito Graus, enquanto outros sustentam que, o último Grau, Grasse Tilly criou.

Que este breve texto sirva de incentivo aos praticantes do R∴ E∴ A∴ A∴  a pesquisarem mais sobre a origem do Rito e, posteriormente, colocassem em pauta as diversas alterações que, quase que diariamente, são impostas, por “achismo”.

Boa pesquisa a todos!


Publicado no excelente blog FREEMASON

5 comentários em “O Rito de Heredom ou Perfeição, berço do R.E.A.A.

  1. Remeter a origem do Heredom ao Chevalier de Ramsay (1686–1743) não faz qualquer sentido, nem tem base historiográfica, já que na Escócia do século XIV existe expressa referência ao grau de Heredom of Kilwinning, incorporado por Robert I, the Bruce (1274–1329), na Royal Order of Scotland, após a batalha de Bannockburn, em 1314. Ou seja, Heredom, inclusive, já existiria antes dessa altura.
    Referências:
    Robert Wylie, 1878, History of the Mother Lodge, Kilwinning.
    William Alexander Laurie, 1859, The History of the Free Masonry and The Grand Lodge of Scotland.
    William Lee Ker, 1896, Mother Lodge, Kilwinning, The Ancient Lodge of Scotland.

    1. Certo Brother Carlos,
      O Rito de Heredom muito antigo será efetivamente a semente da Maçonaria especulativa nas mãos de William Schaw em 1598.
      Ramsay vai procurar desviar a lenda da origem da Maçonaria, de seu passado operativo para uma lenda em que a origem tem mais pedigree, visto que buscava atender uma clientela aristocrática na corte exilada de James Stuart em França.

      1. Em torno da história da maçonaria reina muito amadorismo e falta de rigor. Quando se fazem afirmações tem de se fundamentar devidamente em documentos ou investigações fundamentadas e credíveis (foi o que fiz) Eu não conheço qualquer documento ou interpretação que fundamente o que diz: que Heredom foi semente dos Estatutos de Schaw. A leitura dos Estatutos mostra que as suas referências e motivações são outras: sobretudo, uniformizar os processos operativos. Quanto a Ramsay, tudo não passa de especulações que passaram a ser adoptadas como crenças, com base, de facto, no que afirma no seu artigo: a aristocratização da tradição maçónica. Algo inadmissível aos olhos de muitos, ainda hoje.

      2. As pesquisas recentes principalmente de David Stevenson (historiador não maçom) cristalizam a noção (que eu esposo com base em outras pesquisas) de que a maçonaria especulativa surge no final do século XVI, sendo os Estatutos de Schaw apenas um marco em que se menciona a Arte da Memória como elemento da nascente maçonaria especulativa na qual a Alquimia espiritual, a cabala e o hermeticismo compõem um novo grau de mestre, o primeiro dos altos graus que se conecta com o Rito Heredom. Não disse que Heredom foi semente dos Estatutos de Schaw. Ele foi a semente do REAA. A aristocratização da tradição maçônica ocorre com Ramsay, em função do transplante da maçonaria jacobita para o território francês, já que diferentemente da Escócia onde havia uma mistura de operativos e especulativos, na França isso não acontece, ficando a maçonaria um privilégio da aristocracia, razão, aliás, para o seu grande sucesso entre os franceses.

      3. Em torno da história da maçonaria reina muito amadorismo e falta de rigor. Quando se fazem afirmações tem de se fundamentar devidamente em documentos ou investigações fundamentadas e credíveis (foi o que fiz). Eu não conheço qualquer documento ou interpretação que fundamente o que agora diz: que Heredom foi semente dos Estatutos de Schaw. A leitura dos Estatutos mostra que as suas referências e motivações são outras: sobretudo, uniformizar os processos operativos. Quanto a Ramsay, tudo não passa de especulações que passaram a ser adoptadas como crenças, com base, de facto, no que afirma no seu artigo: a aristocratização da tradição maçónica. Algo inadmissível aos olhos de muitos, ainda hoje. Cumprimentos fraternos Carlos Oliveira Santos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: