REVISTA BIBLIOT3CA

Leituras Selecionadas do Editor-Chefe J.Filardo

O SILÊNCIO DO APRENDIZ,  MAIS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

Tradução J. Filardo

Acredito que em nenhum ritual maçônico eu tenha lido que um silêncio é imposto na loja além das pausas entre as cerimônias ou depois da leitura de pranchas, e a menos que um certo tipo de silêncio seja imposto ao Aprendiz Maçônico, exceto, é claro, a entrada e a permanência no Gabinete de Reflexão que é o momento do paradigma do silêncio como escola.

A verdade é que não sei onde está essa teoria do silêncio em loja, e menos ainda a questão do silêncio que diz respeito aos Aprendizes maçons, deixando-os mudos, embora fiquei muito surpreso que essa modalidade venha das modas esotéricas que povoaram transversalmente a Maçonaria, que frequentemente devem trabalhar a acese transcendente através da mística do silêncio, e um de seus bons propagadores foi o Irmão do GOdF: Oswald Wirth.

É claro que quando se chega a um lugar deve, pois, mostrar-se retraído e observar mais do que falar, embora às vezes aconteça o contrário, como acontece na loja e em outras ordens de vida, e portanto se pede observância. mas de lá até colocar a mordaça de silêncio em loja é outra questão para à qual eu já dediquei considerações em outro post.

Tanto é que, proveniente tanto do âmbito religioso quanto do esotérico, do tipo Guenon ou da Nova Era, O. Wirth etc., foi instalada na Maçonaria uma certa mística do silêncio, e há toda uma campanha para promover seus benefícios e ensinamentos, e milhares de aporemas filosóficos místicos que estão longe de serem considerados como parte do corpus maçônico, por mais que os maçons e a estrutura insistam em sua disseminação.

Embora eu não desista ou argumente sobre a veracidade da busca ou sua realidade transcendente baseada no silêncio, embora eu deva indicar que a maçonaria não é mística monástica que se construía com base no silêncio, nem interno nem externo, as lojas não estão localizadas nos desertos carmelitas, nem os maçons são os habitantes dos eremitérios, nem os Aprendizes são irmãos menores, aprendizes da mística do silêncio como veículo de meditação transcendental.

As lojas nasceram nos ambientes urbanos e tabernários, e beberam dos ambientes das pedreiras, e se alguém conhece medianamente do mundo da cantaria, ou as irmandades de artesanato de um tipo ou outro: canteiros, carpinteiros, serradores, pedreiros, etc, sabe muito bem que esses ambientes não são muito propensos à mística do silêncio, porque a comunhão nasce da palavra que transmite conhecimento, e naquelas antigas corporações que tanto admiramos, viviam os alegres e cantadores confrades da corporação e os monges que tinham outra língua, outras sinergias e outras místicas, cada um tinha seu tempo seu espaço e ocupação.

Embora haja uma certa tendência para misturar tudo e fazer dos pedreiros uma espécie de monges seculares, esquecendo-nos de que nós, maçons, somos um produto tangencial daquelas guildas corporativas, que através do cadinho das Luzes somos qualificados como filhos da luz, da razão, do debate e da reflexão aberta e exposta.

Por isso entendo muito pouco o silêncio em Loja e menos transformado em uma mordaça no estilo de uma mística beatífica do tipo Paulo Coelho, digamos que sou mais a favor da simbiose relacional e da aprendizagem do tipo William de Baskervile e Adso de Melk (O Nome da Rosa).

De qualquer forma, parece que esquecemos que as lojas modernas, se os irmãos fundadores tivessem desejado, teriam sido fundadas nos espaços religiosos protegidos e cobertos, e no modo e maneira daqueles “outros” que tão apegados estavam  à arte da cantaria … até mesmo alguma ou outra igreja teria de bom grado acolhido este trabalho de reflexão e a escola do silêncio.

Mas as lojas nasceram em ambientes festivos, celebrados ao mínimo com banquetes e brindes e cantos fraternos, concelebrados por maçons que falavam pelos cotovelos, e isso tem sido assim há muitas décadas …

Em todo caso, se se quisesse que os Aprendizes guardassem silêncio na Loja além de exigir-lhes prudência e observância, teria sido exposto sem mais, como foi feito com outros tópicos ou questões de organização da loja, que o mudez fosse seu estado natural.

Deve-se notar que o silêncio na loja é algo tardio, e não parece que leiamos muito frequentemente os rituais antigos porque nos esquecemos de que eles são compostos em sua maior parte de uma questão que é óbvia, e devem ser lembrado uma vez por ano; eu me refiro aos catecismos maçônicos.

Não há um único ritual maçônico que se aprecie, que não incorpore em seu corpus argumental e teratológico o mui conveniente catecismo maçônico, ou seja, um diálogo ativo entre o Mestre, ou Venerável Mestre e o Aprendiz, onde um pergunta e o outro responde ativamente, em uma troca de reflexões que demonstra uma grande interação lógica entre os membros de uma oficina, não importando o grau que tenham. .

Por trás desses catecismos e de toda a nossa fundação há um trabalho de reflexão, uma arte da memória e o layout da intervenção e da palavra no estilo de “palavra do maçom” que não deveríamos esquecer, uma coisa é citar a palavra e outra é silenciar os “outros” para transformá-los em uma espécie de observadores místicos adoradores do silêncio como uma introspecção em loja, que, como eu digo, tem seus momentos, mas não pode ser uma escola como se vê, se expões e se proclama e menos ainda em uma maçonaria livre.

É o que tinha a dizer.

Victor Guerra M.’.M.’.

 

Meditations on the Tarot

Plunging in the currents of the Hermetic Tradition

Blog da Dad

Xô, dúvida! Dicas de português pra dar vender e emprestar.

Ritos e Rituais

Tudo sobre a Maçonaria

Rassembler ce qui est épars

Le bloc-notes de Pierre Mollier

%d blogueiros gostam disto: