REVISTA BIBLIOT3CA

Leituras Selecionadas do Editor-Chefe J.Filardo

O Desenvolvimento do Craft na Inglaterra no Último Século

Tradução J. Filardo

 

Por Ven∴ Ir∴ YASHA BERESINER

 

INTRODUÇÃO

Uma revisão da Maçonaria na Inglaterra no último século é assunto para um livro inteiro. O único método lógico para apresentar esta breve revisão é selecionar algumas datas de importância nos últimos 110 anos, enfatizando o significado e a consequência dos eventos históricos à medida que ocorreram em uma sequência cronológica.

REALEZA (1901)

O ano de 1901 é um começo adequado nessa cronologia. Foi o fim do reinado, por mais de um quarto de século, de um Grão-Mestre, cuja popularidade havia colocado o Craft na moda e em evidência. Albert Edward, Príncipe de Gales (1841-1910), a ser coroado rei Eduardo VII, foi iniciado em Estocolmo em 1868 por Príncipe Oscar, futuro Rei da Suécia. Em 1874, Eduardo tornou-se Grão-Mestre da Grande Loja Unida da Inglaterra (daqui em diante chamada UGLE) e sua dedicação ao Craft e à abordagem pessoal e divertida da vida fez da Maçonaria uma atividade elegante. A Grã-Bretanha como um todo, nesta primeira década do século XX, desfrutava de uma sensação de prosperidade, até de invencibilidade e a Maçonaria se expandia na mesma linha. Não obstante a queda no número de Membros de Lojas seguindo a independência maçônica da Austrália e do Canadá, a Maçonaria prosperou com muitos membros da realeza e aristocratas ingressando no Craft. Não foi nada novo. Em 1737, Frederick Lewis, Príncipe de Gales (1707-1751) foi o primeiro membro da família real a ser iniciado pelo Dr. John Desaguliers (16831744) no Palácio de Kew. Seu irmão mais novo, William Augustus, Duque de Cumberland (1721-1765), foi iniciado em uma loja militar na Bélgica apenas 6 anos depois, em 1743 e uma série de membros da família real têm prestigiado nossos mistérios desde então. O recém-coroado Rei tornou-se o Grande Protetor da Ordem – assim como a Rainha Elizabeth II é hoje – e SAR Arthur, Duque de Connaught (1850-1942), seu irmão, iniciado em 1874 na Loja Príncipe de Gales No. 259, foi instalado como Grão-Mestre em Albert Hall, servindo até 1939.

CHURCHILL (1901)

Foi nesse ambiente de popularidade que Winston Leonard Spencer-Churchill (1874-1965) foi iniciado na Loja Studholme No. 1591 em 24 de maio de 1901. Ele vinha de uma família de maçons: Lorde Henry John Spencer-Churchill (1797-1840) o 4º filho do 5º Duque de Marlborough tornou-se o Grão-Mestre Adjunto em 1835. O pai de Winston, Lorde Randolph Churchill (1849-1895) e seu tio, o irmão mais velho de Randolph, George Charles Spencer-Churchill (1844-1892), o Marquês Blandford, foram ambos iniciados na Loja Churchill em 1871. Finalmente Charles Richard John Spencer-Churchill (1871-1934) 9º Duque de Marlborough, e primo de Winston foi iniciado em 7 de maio de 1894 aos 21 anos de idade. Não é, portanto, surpreendente que Churchill seguisse a tradição familiar, mesmo que seu interesse pelo Craft estivesse longe de ser entusiasta. Ele nunca foi além do status como Mestre Maçom e renunciou em outubro de 1911, ao ser nomeado Primeiro Lorde do Almirantado. A filiação de Churchill reflete um grande número de homens proeminentes que ingressara no Craft devido à expectativa ou por nenhuma outra razão do que estar na moda fazer isso.

MULHERES (1902)

Nessa primeira década do século 20 a Grã-Bretanha testemunhou o surgimento da Maçonaria entre as mulheres. Na sequência da iniciação em 4 de janeiro de 1882 de Mlle Maria Deraismes (1828-1894), ilustre autora feminista, na França e a subsequente fundação do Droit Humaine, a Ordem Internacional de Co-Maçonaria, em abril de 1893, Londres consagrou a Loja Direito Humano nº 6 em 26 de setembro de 1902. O novo e primeiro corpo co-maçônico na Grã-Bretanha teve a famosa Sra. Annie Besant (1847-1933) como sua primeira Grande Comendadora. Ela sempre permaneceu estreitamente associada à Sociedade Teosófica, fundada em 1875. Continuamente ativa, a Ordem consagrou uma nova Loja no centro de Londres em março de 2010.

 

Em 1908, a Honorável Fraternidade da Maçonaria Antiga sob a orientação do Rev. Dr William Cobb (1857-1941) se separou, logo mudando seu nome para a Ordem das Mulheres Maçons que, como o nome sugere, estava restrita apenas às mulheres. O atual Grão-Mestra Imediata atual, Ven∴ Ir∴ Brenda Fleming-Taylor, presidiu as comemorações do centenário da Ordem em Londres em Junho de 2008 no Royal Albert Hall. Não havia menos que 4000 Irmãos da Ordem presentes. A atual Grão-Mestra, eleita em 16 de outubro de 2010, é a Ven∴ Ir∴ Zuzanka Penn. Outro grupo dissidente, também restrito apenas às mulheres, se chamava Honorável Fraternidade dos Antigos Maçons e consagrada em 1913. A primeira Grão-Mestra foi Sra. Elizabeth Boswell-Reid, que ocupou o cargo até 1933 e foi sucedida por sua filha Sra. Lily Seton Challen. A atual Grão-Mestra é a Ven∴ Ir∴ Sheila Norden. As contribuições beneficentes contínuas dessas ordens femininas são admiráveis e impressionantes.

A UGLE primeiro via esses corpos como irregulares. Vários pedidos feitos à Grande Loja pela Ordem das Mulheres Maçons foram recusados. Somente em 1998 a UGLE, ainda se recusando a lhes conceder qualquer reconhecimento, admitiu formalmente que a Ordem das Mulheres Maçons e a Honorável Fraternidade dos Antigos Maçons eram regulares na prática (com a única exceção de seu gênero).

SISTEMA DE GRAUS MAÇÔNICOS (1908)

Um desenvolvimento interessante e importante na área de Londres na primeira década do século 20 foi a instituição da nova Classificação de Londres. Desde tempos imemoriais, por assim dizer, e até outubro de 2003, os maçons de Londres mantiveram um status exclusivo por responder diretamente ao Grão Mestre. Isto estava em contraste gritante com os seus colegas Provinciais, onde o poder era exercido pelo Grão-Mestre Provincial e fidelidade a ele levou a recompensas de honras Provinciais com base em um sistema progressivo para o qual não havia equivalente em Londres. Possivelmente a grande privilégio de acesso imediato ao Grão-Mestre fosse considerado suficiente. No entanto, em 1908, o estabelecimento da Classificação Londres foi uma compensação bem recebida para colocar os maçons de Londres, até certo ponto, em linha com seus colegas Provinciais. A compensação integral e a igualdade efetiva vieram com o estabelecimento da Grande Loja Metropolitana de Londres em outubro de 2003.

O sistema de Grand Rank, que é o prêmio ‘nacional’ concedido aos maçons na Inglaterra, permanece exclusivo. Na União em 1813, o direito de nomeação de todos os Grandes Oficiais estava investidos no Grão-Mestre. Os Grandes Oficiais ainda são nomeados anualmente e investidos pelo Grão-Mestre ou seu representante em um Festival Anual em abril. O prêmio de ‘Past Oficial’ foi uma inovação inglesa, inicialmente muito parcamente premiando grandes honrarias e ainda não exigindo que o titular tivesse ocupado um cargo ativo anteriormente. Ele permitiu o reconhecimento de longos e fiéis serviços ao Craft por muitos que poderiam não ser acomodado dentro do número limitado de Grandes Oficiais ativos disponíveis. Hoje, embora as tensões surjam por vezes, os processos de recomendação e seleção continuam anualmente, tendo sido experimentados e testados e operados relativamente imparcialmente, ao longo dos anos.

RETORNO AO REDIL (1913)

A Inglaterra viu várias divisões e separações desde o início da Primeira Grande Loja em 1717. Em um estágio, tivemos quatro Grandes Lojas funcionando simultaneamente. O Século XX trouxe um feliz final a última dessas divisões quando, em 1913, a última loja da Grande Loja de Wigan voltou ao seio da UGLE. Logo após a fundação da Primeira Grande Loja em 1717, já em 1725 – uma data que permanece controversa até hoje – uma Grande Loja de Toda a Inglaterra em York foi fundada. Geralmente se concorda que o corpo e suas lojas afiliadas, fundadas no norte da Inglaterra, tinham todas desaparecido em 1792. Em 1751, a formação do que ficou conhecido como A Grande Loja da Inglaterra de Acordo com as Antigas instituições manteve a Maçonaria dividida por mais de seis décadas, culminando com a União de 1813. Outra grande cisão ocorreu em 1777. Vários irmãos da Lodge of Antiquity (atualmente No. 2) sob a liderança de seu Past Master imediato, nascido em Edimburgo e bem conhecido erudito maçônico William Preston (1742-1818), separou-se da Grande Loja dos Modernos. Eles formaram a Grande Loja da Inglaterra ao Sul do Rio Trent, retornando ao rebanho em 1789. Finalmente, após a união em 1813, os problemas começaram a fermentar em Lancashire, no norte da Inglaterra. Em 1821, a Loja No. 31 de Liverpool foi suspensa por sua recusa em aceitar e obedecer a autoridade da UGLE. Um ano depois, a Loja foi eliminada por ter continuado a se reunir enquanto estava sob suspensão. Como resultado, a Loja No. 31, juntamente com a Loja Sincerity No. 486 de Wigan e alguns membros da Loja Friendship No. 44 de Manchester, criaram a Grande Loja de Maçons Livres e Aceitos da Inglaterra De acordo com as Antigas Constituições, popularmente conhecida como A Grande Loja de Wigan. Eles tiveram tempo de constituir seis Lojas filiadas, antes que John Mort fosse eleito seu último Grão-Mestre em 1886. Ele era um membro ativo da Loja Sincerity, atualmente No. 1, a única Loja restante no registro da Grande Loja Wigan. Mort insistiu na continuidade do status de uma Grande Loja, que assim persistiu por mais um quarto de século antes de finalmente retornar ao redil da UGLE em 1913. Nós não olhamos para trás desde então.

HOSPITAL EM TEMPO DE GUERRA (1916)

Quando a guerra eclodiu em agosto de 1914 e os maçons foram chamados às armas, eles seguiram em uma longa e estabelecida tradição militar maçônica. As primeiras Lojas registradas fora da Inglaterra são atribuídas às Lojas Militares que se encontravam em terras estrangeiras. e até mesmo a bordo de navios sob a autoridade de suas “Cartas Constitutivas de Viagem”. Reuniões realizadas por Irmãos sob as condições adversas de campos do Prisioneiros de Guerra foram bem registradas. Elas cobrem as Guerras Napoleônicas e continuam até o século XX. O registro militar de serviço e Irmãos caídos é uma questão de orgulho e bem comemorados pela instituição.

Em 1911 membros da Loja Malmesbury No. 3156 começaram pela primeira vez a considerar uma casa de repouso Maçônica e em 1916 eles compraram uma propriedade em Fulham, a oeste de Londres e, apropriadamente, a batizaram Hospital de Guerra e Lar de Idosos dos Maçons. O estabelecimento se dedicou ao tratamento e bem-estar dos militares feridos nos diferentes teatros de guerra. O ímpeto assim dado ao que se pretendia ser uma instalação temporária inicial levou à abertura formal do Royal Masonic Hospital pelo Rei George V e Rainha Mary em 12 de Julho de 1933. Ele foi entusiasticamente apoiado pela fraternidade e foi de sucesso em sucesso. Logo foi reconhecido por sua excelência em todos os aspectos da assistência médica e reabilitação, incluindo uma sofisticada escola de formação para enfermeiras.

O hospital estava funcionando a todo vapor quando eclodiu a Segunda Guerra Mundial. Mais uma vez o hospital atendeu com sucesso mais de 8.000 soldados que foram tratados e reabilitados nas suas instalações. Depois da guerra, no entanto, com o estabelecimento do Serviço Nacional de Saúde em 1948, a sorte de todos os hospitais no país começou a declinar. O Hospital Real Maçônico não foi exceção. Um apelo bem-sucedido aos irmãos em 1960 foi bem apoiado, mas infelizmente não foi suficiente para permitir que o hospital mantivesse os altíssimos padrões que foram estabelecidos nos últimos anos. Além disso, um problema perene, a saber, a localização do Hospital em Londres, voltou a aparecer. Ele tinha apoio mais crítico e vociferante de famílias que tinham que viajar longas distâncias e realizar despesas elevadas da noite para o dia em apoio dos membros doentes de suas famílias.

O restante dessa história é trágico. Em seu relatório de 1973 o Ven∴ Ir∴ Sr. Desembargador Bagnall já havia indicado que o Hospital poderia não continuar a funcionar como um Hospital Geral e até a década de 1980 o Hospital tinha pesadas perdas. Em setembro de 1984, o relatório da Comissão de Inquérito que havia sido criada sob a presidência do Hon. Sir Maurice Drake – coincidentemente e apropriadamente, um Membro da Loja Malmesbury – identificou um comprador para o Hospital e recomendou a venda. Para consternação de muitos irmãos, isso foi rejeitado pela Grande Loja em outubro de 1984. O Hospital finalmente entrou em liquidação em 1996 depois de um longo período de controvérsia e animosidade. As funções do hospital estão hoje preenchidas pelo Fundo Novo Samaritano e os pacientes são agora tratados perto de suas casas.

FREEMASONS’ HALL (1933)

Nos três anos seguintes ao fim da Primeira Guerra Mundial, em novembro de 1918, cerca de 350 novas Lojas foram consagradas na Inglaterra. Os fundadores consistiam em militares que buscavam continuidade para a camaradagem que eles tinham experimentado durante o difícil serviço de guerra.

Em 1919, foi tomada a decisão de erigir um Memorial Maçônico da Paz, homenageando os 3.225 Irmãos que tombaram na guerra. Isso viria a se tornar o nosso atual Freemasons’ Hall, a sede da Grande Loja Unida. A pedra fundamental foi lançada pelo Duque de Connaught, Grão-Mestre, em 14 de junho de 1927 e o Hall foi concluído e dedicado em 1933. Foi a terceira sede construída no mesmo lugar. A primeira consistia em duas casas adjacentes compradas em 1774 pela Primeira Grande Loja. O arquiteto nomeado para amalgamar as casas com um Grande Salão entre eles foi o irmão. Thomas Sandby (1721-1798). O prédio resultante tinha a Taverna dos Maçons como fachada. Mudanças estruturais consideráveis ocorreram após a União em 1813, quando o Duque de Sussex convidou seu amigo, o famoso arquiteto do Banco da Inglaterra, Sir John Soane (1753-1837) para adicionar extensões ao edifício. Tendo submetido suas propostas como leigo, John Soane foi logo iniciado, elevado e exaltado no mesmo dia e lhe foi concedido o posto de Past-Grande Superintendente de Obras, para adicionar uma dimensão maçônica ao respeito que ele gozava como arquiteto. Quando o irmão Frederick Cockerell (1833-1878) construiu o segundo Masons’ Hall na década de 1860, ele incorporou o Grand Hall original de Sandby de 1775 em seu edifício e, infelizmente, muito do trabalho de John Soane foi substituído. Em 1908, o edifício foi demolido para permitir a construção do atual e impressionante Freemasons’ Hall.

A arquitetura art-deco do edifício, seu Grande Templo e salas de loja estilizadas, o Museu e Biblioteca da Maçonaria, que ele abriga, são todos uma fonte de grande orgulho para todos os maçons ingleses. O prédio, no entanto, é também uma fonte de preocupação e ansiedade. Sua manutenção anual absorve grande parte da renda originária dos 239.209 maçons na Inglaterra e Distritos registrados em 1 de maio de 2010 e, como somos frequentemente lembrados, a participação está em declínio.

250º ANIVERSÁRIO (1967)

Na Inglaterra, a beneficência é o pivô em que a Maçonaria gira e isto é rico em sua história e tradições. O conceito, no entanto, permanece particular da Maçonaria Britânica, conforme praticado pelas Grandes Lojas da Inglaterra. Ele não é emulado por grandes lojas europeias e outras, certamente não na mesma medida. A Maçonaria europeia não tem um órgão centralizado que coordene ou administre assuntos de beneficência. Cada Loja toma sua própria decisão quanto à a distribuição de doações de caridade, que geralmente são direcionadas a instituições ou eventos não-maçônicos. Na América, por exemplo, organizações além do Craft, os Shriners sendo um exemplo principal, colocam ênfase em atendimento à comunidade com atividades práticas mais no o estilo dos rotarianos que dos maçons ingleses.

A tradição inglesa de longa data de doações de caridade foi manifestada no 250º aniversário da Grande Loja, celebrado em 14 de junho de 1967 no Royal Albert Hall in Londres. A peça central das celebrações foi a instalação do nosso atual Grão-Mestre, SAR Príncipe Edward, o Duque de Kent, neto de George V e portanto primo em primeiro grau da Rainha Elizabeth II. Um Fundo do 250o. Aniversário foi criado em 1967 pela contribuição de £1 por cabeça de todos os membros do Craft para comemorar a fundação da Grande Loja da Inglaterra em 1717. A finalidade do Fundo era ajudar a Real Escola de Cirurgiões da Inglaterra, a estabelecer uma subvenção anual para pesquisa na ciência da cirurgia. O fundo, apoiado por receitas adicionais, inicialmente levantou mais de 500.000 libras. O rendimento do fundo é administrado por um corpo de administradores na Grande Loja que faz doações diretas à Real Escola de Cirurgiões. O total pago até hoje pela GLUI ao Real Escola de Cirurgiões é de 3,9 milhões de libras (4,5 milhões de Euros). Este é um extraordinário e excelente exemplo da aplicação da beneficência maçônica na Inglaterra. 25 anos depois, em 10 de junho de 1992, 12.500 maçons e seus convidados se reuniram no Earls Court, em West London, para celebrar o 275o. aniversário da Grande Loja. Pela primeira vez, a imprensa e a televisão estiveram presentes em uma reunião da Grande Loja. O evento foi apresentado em noticiários de televisão em todo o mundo. Naquele ano também se comemorou, além do 25º aniversário de SAR O Duque de Kent como Grão-Mestre, o 40º aniversário da ascensão de S M a Rainha ao trono. A mídia britânico televisiva não pôde resistir à tentação, apesar da natureza totalmente aberta das celebrações, de transmitir um filme que descreve a cerimônia de iniciação.

UMA REVISÃO MAIOR (1971)

Os muitos aspectos da face beneficente da maçonaria, que se desenvolveu e surgiu nos últimos dois séculos, atingiu um clímax em 1971. Um comitê foi criado pelo Grão-Mestre, a ser presidido pelo Honorável Sr. Desembargador Bagnell, para considerar a racionalização das instituições de beneficência maçônicas existentes, à luz do recente desenvolvimento do Estado de Bem-estar Social e a disposição agora ativa e acessível à Seguridade Social. Após exaustivos levantamentos, a comissão publicou o seu «Relatório Bagnell» em 29 de Abril de 1974. Ele foi bem recebido e aceito pelo o Grão-Mestre que então montou um comitê diretor para implementar as recomendações. O contexto histórico das mudanças dramáticas ocorridas reverteu à União dos Antigos e Modernos em 1813. Os fundos gerais das duas Grandes Lojas foram combinados em um Conselho de Benevolência e Caridade, que continuou como a prioridade predominante da recém formada Grande Loja Unida da Inglaterra. Em Janeiro de 1981, o Fundo de Benevolência original, que poderia traçar suas raízes até 1720, tornou-se a Grande Beneficência independente e recebeu seu próprio Presidente, Conselho e Comitês e continua hoje a mais antiga das instituições de caridade. Suas doações anuais (acima de £ 6,8 milhão em 2008) são distribuídos igualmente dentro e fora da Maçonaria. A Royal Masonic Institution for Girls (RMIG), fundada pelo Cavalheiro Bartholomew Ruspini em 1788, e a Royal Masonic Institution for Boys (RMIB), amalgamada em 1986 para formar o Royal Masonic Trust para meninas e meninos. Hoje, apenas a Escola Maçônica para Meninas independente sobrevive com grande sucesso. Ele proporciona educação de todos os filhos e netos de maçons até o nível universitário. Ele é responsável por mais de 1.600 jovens envolvendo também crianças sem conexões maçônicas.

ABERTURA (1983)

Em 1983, a publicação de The Brotherhood, de Stephen Knight (1951-1985), teve grandes repercussões na maçonaria inglesa. Ele trouxe uma mudança fundamental na maneira pela qual a Maçonaria do pós-guerra se apresentava ao público. O livro foi outra exposição, semelhante às centenas de ataques semelhantes à Maçonaria publicadas desde que a dissertação “Maçonaria Dissecada” de Samuel Prichard viu a luz do dia em Outubro de 1730. A diferença foi a percepção pública de tais exposições. Na década de 80, as teorias da conspiração eram abundantes e populares, e a sugestão de que a Polícia e o Judiciário estavam sob o controle total dos maçons na Inglaterra, foi recebida com credulidade. Isso foi o resultado, liderado por uma cruzada da imprensa contra a maçonaria, que levou o Grão-Mestre a lançar sua própria campanha de abertura, que continua até hoje. Até 1984 e desde sua fundação em 1717, a política da Grande Loja tinha sido de “sem comentários”. Hoje, a função de nosso Diretor de Comunicações é garantir que o que a imprensa diz seja preciso e factual. As mudanças radicais, portanto, levando à nomeação de um Diretor de Comunicações, a nomeação de porta-vozes provinciais, uso dos serviços de uma empresa de Relações Públicas e outras medidas para “abrir’ a Maçonaria ao escrutínio público foi, de fato, uma mudança dramática. Dentro do Craft, a remoção das sanções físicas do ritual, foi formalmente aprovada pela Grande Loja e foi uma consequência direta dessas mudanças sem precedentes.

SUSPENSÃO ITALIANA (1993)

O Grande Oriente da Itália ganhou reconhecimento da Inglaterra em 1972 – tendo sido estabelecido há mais de 100 anos. Foi a primeira vez que a Inglaterra reconheceu qualquer Grande Loja Maçônica na Itália. Em abril de 1993, uma semana depois de sua eleição como Grão-Mestre do Grande Oriente da Itália, Giuliano di Bernardo renunciou dramaticamente ao Grande Oriente. Ele simultaneamente montou sua própria Grande Loja Regular da Itália e requereu o reconhecimento formal. A resposta da Grande Loja Unida da Inglaterra é única na história maçônica inglesa. O reconhecimento do Grande Oriente estava “suspenso”, um termo nunca antes utilizado, na Comunicação Trimestral em 9 de junho de 1993 e retirado em 8 de setembro. Em 8 de dezembro de 1993, a Grande Loja Regular da Itália foi formalmente reconhecida pela Inglaterra e o reconhecimento foi seguido automaticamente pela Irlanda e Escócia. Em dezembro de 2001, o Ven? Ir? Fabio Venzi (b1961) foi instalado como Grão-Mestre da Grande Loja Regular da Itália e continua a governar até essa data.

PRINCE HALL (1994)

Uma questão de longa duração e muito discutida em nível mundial atingiu o seu clímax na Inglaterra em 1994, quando a Grande Loja Prince Hall de Massachusetts foi reconhecida pelo GLUI. As origens da tensão datam de 1775, quando um afro-americano chamado Prince Hall, juntamente com outros quatorze afro-americanos foram iniciados em Boston, Massachusetts. Em 29 de setembro de 1784, esses indivíduos requereram e obtiveram uma Carta Constitutiva de Loja da Grande Loja da Inglaterra e formaram a Loja Africana No. 459. O que se seguiu parece ser uma comédia de erros, com requerimentos e comunicações da Loja Africana sendo ignoradas pela Grande Loja em Londres. Em 1797 a Loja Africana, claramente sem autoridade, permitiu que duas novas lojas se reunissem em Providence, Rhode Island e Filadélfia, Pensilvânia. Em 1813, embora ainda listada no registro da Grande Loja da Inglaterra, todo o contato com a Loja Africana tinha sido perdido. Em 1827, a Loja Africana declarou-se uma Grande Loja independente mais tarde denominada ‘Prince Hall Grand Lodge’. Em 1998, a Board of General Purposes da GLUI acordou que a filosofia e prática da Maçonaria Prince Hall era regular. Ao fazer isso, ela seguiu uma prática que começara alguns anos antes, em Connecticut em 1989. Ao considerar o requerimento do Grão-mestre da Grande Loja Prince Hall de Massachusetts – do qual, foi acordado, todas as Lojas Prince Hall derivam sua autoridade – o Conselho recomendou que essa Grande Loja Prince Hall deveria ser aceita como regular e reconhecida. A filosofia atual da GLUI é considerar favoravelmente os requerimento das Grandes Lojas Prince Hall que foram reconhecidas pela Grande Loja em seus próprios ‘territórios’. Dados compilados em 2008 mostram que 41 das 51 principais Grandes Lojas Americanas reconhecem as Grandes Lojas Prince Hall.

COMITÊ SELECIONADO HOUSE OF COMMONS (1997)

A interferência do governo em assuntos maçônicos na Inglaterra tem sido misericordiosamente moderada, a Lei das Sociedades Ilegais de 1799, que viu o primeiro estatuto para a supressão mais eficaz de sociedades estabelecidas para fins sediciosos e traidores, vem prontamente à mente como um exemplo raro. A decisão, portanto, em dezembro de 1996, do Comitê Seleto de Assuntos Internos de examinar a Maçonaria e sua influência no sistema de justiça criminal foi recebida com considerável descrédito pela fraternidade. A conclusão de que a percepção de a Maçonaria interferir no sistema de justiça criminal era “paranoia injustificada” foi recebida com alívio e satisfação. Esse não foi, no entanto, o fim da questão. Apesar das conclusões da comissão de que ‘quando os juramentos (maçônicos) são lidos no contexto, nada neles existe que mostraria um conflito entre o juramento feito por um juiz ou policial e aquele feito por um maçom; o texto foi emendado no último minuto sob a proposição de Chris Mullin MP, para uma recomendação exigindo que policiais, juízes, magistrados e promotores da coroa registrassem publicamente a sua participação na sociedade. Até muito recentemente, o formulário do Lord Chancellor exigindo declarações de filiação exigia que todos os magistrados, policiais, membros legalmente qualificados da CPS, pessoal penitenciário, pessoal do serviço de liberdade condicional e membros do judiciário declarasse voluntariamente se eram ou não maçons. Este requisito só foi levantado pelo ministro do Interior, Jack Straw, em novembro de 2009, seguindo a legislação europeia em matéria de direitos humanos, resultante do êxito do caso do Grande Oriente de Itália, cujos detalhes precisos são: Julgamento da Câmara, Grande Oriente d’Italia di Palazzo Guistiniani vs Itália (No.2) (Requerimento No. 267400/02).

LORD NORTHAMPTON: NOVO PRO GRÃO MESTRE (2001)

Se um único irmão teve um impacto nas mudanças na Maçonaria nos últimos 100 anos, este seria, sem dúvida, o Par Britânico, Spencer “Spenny” Douglas David Compton, 7º Marquês de Northampton (b 1946). Em 14 de março de 2001, SAR, o Duque de Kent (b 1935), Grão-Mestre da GLUI, investiu o Marquês de Northampton como Pro Grão-Mestre em sucessão a Lord Farnham. Lord Northampton vinha de vinte e oito gerações da família: os Comptons – em ascendência masculina direta, que eles podem rastrear até pelo menos 1204. Ele foi iniciado na Loja Ceres, No. 6977, em Northampton, em 1976 Em 1995 ele foi nomeado Grão-Mestre Assistente responsável por Londres e manteve o posto por cinco anos. De muitas maneiras ele revolucionou o pensamento maçônico, especialmente em Londres. Ele incentivou a política “aberta” da Maçonaria e, mais importante, o estabelecimento da Grande Loja Metropolitana. Ele era um líder maçônico popular e inovador e totalmente dedicado ao Craft. Ele também trouxe ao Craft Inglês um elemento refrescante e muito necessário de apreciação de auto pesquisa e filosófica, se não esotérica da Maçonaria. Nas Comunicações Trimestrais da GLUI em Setembro de 2008, Lord Northampton anunciou sua intenção de se aposentar como Pro Grão-Mestre tendo ajudado a fraternidade a passar por um dos períodos mais difíceis em sua história. Ele deixou uma lacuna atrás dele e é sua falta é sinceramente sentida por irmãos da fraternidade em todos os níveis. O Ven? Ir? Peter Geoffrey Lowndes (b 1948) foi nomeado Pro Grão Mestre em 11 de março de 2009.

GRANDE LOJA METROPOLITANA (2003)

Conforme afirmado anteriormente neste artigo, os maçons de Londres tinham, desde tempos imemoriais, gozado de um status especial por responderem diretamente ao Grão Mestre, na ausência do equivalente a um Grão-Mestre Provincial para Londres. Isso cessou em 1o. de outubro de 2003, quando a Grande Loja Metropolitana de Londres (e o Grande Capítulo Metropolitano de Londres) foram inaugurados na presença do Ven Grão-Mestre SAR o Duque de Kent no Royal Albert Hall. A brilhante cerimônia recebeu casa cheia que lotava a plateia, balcões e galerias do Royal Albert Hall quando Lord Millett foi instalado Grão Mestre Metropolitano. Esta iniciativa controversa e inovadora, a filha cerebral de Lord Northampton quando assistente do Grão-Mestre, teve o seu quinhão de problemas. A complexidade do conjunto , o novo sistema de classificação e nomeação de Grandes Oficiais Metropolitanos (dez Presidentes de Grupo e dez Vices) tiveram que ser revistos e reformas consideráveis continuam até hoje.

 

DIVISÃO DE RESPONSABILIDADE (2006)

Gerações de Grandes Secretários da Grande Loja, antes e depois da União, monopolizaram a administração efetiva do Craft. O nome de Laurence Dermott (1720-1791), aquele extraordinário homem e maçom, Grande Secretário dos Antigos, vem à mente, assim como o de Samuel Spencer, seu colega contemporâneo na Grande Loja dos Modernos. Outros incluem Thomas Harper, William White e James Heseltine e, mais recentemente, Sir Edward Letchworth e Sir James Stubbs, o último dessa categoria de Grandes Secretários, após sua morte no ano 2000, o poder do Grande Secretário começou a diminuir culminando no anúncio de 2006 pelo Conselho de Fins Gerais de que, doravante, o cargo de Grande Secretário seria dividido. O novo sistema viu três áreas de responsabilidade em vez do único papel de Grande Secretário: um Diretor de Operações (atualmente o Ven? Ir? Nigel Brown) cuja responsabilidade seria a gestão do Freemasons’ Hall em Londres; o Grande Secretário deve permanecer responsável por todos os assuntos maçônicos na Inglaterra e para os Distritos e Lojas no exterior e a nova nomeação de um Grande-Chanceler (atualmente o Ven? Ir? Alan Englefield) responsável por relações exteriores com outras Grandes Lojas no continente e no exterior. Grandes mudanças, permitindo que a Inglaterra acompanhe as práticas europeias de longa data.

GRANDES MESTRES EUROPEUS EM LONDRES (2007)

À a luz da antiga animosidade e críticas sofridas pela GLUI sobre o tema do reconhecimento e regularidade, a Conferência de Grão-mestres de Londres, em novembro de 2007, deve ter sido considerada um evento revolucionário e corajoso. Ela surgiu por conta do convite da GLUI aos Grão-mestres Europeus, vários de constituições não reconhecidas, para se reunir e discutir aspectos de soberania, comunicações, bem como regularidade e reconhecimento. Os 44 Grão-mestres que aceitaram o convite foram formalmente recebidos pelo Grão-Mestre, SAR o Duque de Kent, em um jantar altamente cordial. A conferência de dois dias de duração que se seguiu foi presidida pelo então Grão-Mestre Adjunto, Peter Lowndes. Os oradores incluíram o Pró Grão-Mestre, Lord Northampton, o Grão-Mestre da Áustria, Michael Kraus e Gustavo Raffi, Grão-Mestre do Grande Oriente da Itália. Foi sem dúvida um sucesso que abriu as portas para futuras conferências semelhantes.

A ERA DA INTERNET (2010)

Nossos antepassados não poderiam ter visualizado o sucesso e a expansão universal da Maçonaria, muito menos da tecnologia do século 21, que está além da compreensão do Maçom médio hoje. Não obstante, olhando as tendências atuais e desenvolvimentos recentes, a Maçonaria aparece bem colocada nesta era virtual do espaço cibernético. O primeiro quadro de avisos maçônico foi criado em 1978 e até então alguns maçons já vinham se comunicando por e-mail, e o registro mais antigo disso é , surpreendentemente, em 1966. O que revolucionou os então novos meios de comunicação foi a introdução do Modem em 1977. Até 1995 nós tínhamos a então ativa e popular lista de Maçons do Reino Unido e a fundação da Loja Internet No. 9659, ostentando hoje uma adesão de mais de 1100 irmãos, nos levou ao caminho sem retorno. Secretários de loja não mais precisam de dispensas especiais para enviar atas e convocações por e-mail, as Grandes Lojas em todo o mundo têm seus próprios sites, assim como muitas Lojas particulares. Tanto está agora prontamente disponível na World Wide Web que, sujeito a filtragem da informações quanto à precisão, a vida tornou-se mais simples e mais fácil … até mesmo escrever este artigo!

Bibliografia

Bernheim, Alan Letters to the Editor The Square Vol 37 No 2 June 2011 p63 Brown, Aubrey & others Prince Hall, Myths, Legends and Facts

Harashim Issue 15 July 2000

Hamill, John M And the Greatest of these is Charity. The Development of Masonic Charity. (Prestonian Lecture 1993) AQC 108 1995.

McKeown, Trevor W An Historical Outline of Freemasons on the Internet AQC 121 12008)

Pilcher-Dayton, Ann The Open Door – The Order of Women

Freemasons London 2008

Smyth, Frederick A Reference Book for Freemasons QCCC Ltd 1998

 

Publicado em Pietre-Stones-Revista de Maçonaria

%d blogueiros gostam disto: