Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

Segredos do Mestre Dürer

Albrecht Dürer, Melencolia I, 1514, Staatsgalerie Stuttgart, Stuttgart, Germany.

Albrecht Dürer, Melencolia I, 1514, Staatsgalerie Stuttgart, Stuttgart, Germany.

Por

Zuzanna Stanska

Uma gravura famosa, conhecida como Melencolia I criada por Albrecht Dürer é uma das obras mais intrigantes da história da arte. Nesta modesta obra-prima monocromática, muitos símbolos e significados estão codificados. Pronto para descobrir todos os seus segredos?

Título misterioso

O título da gravura vem do título escrito de forma arcaica, Melencolia I, aparecendo dentro da própria gravura. É a única gravura de Dürer a ter um título na placa. A data de 1514 aparece em dois lugares – na linha inferior do quadrado mágico e acima do monograma de Dürer no canto inferior direito. É provável que o “I” se refira ao primeiro dos três tipos de melancolia definidos pelo escritor humanista alemão Cornelius Agrippa. Neste primeiro tipo, denominado Melancolia Imaginativa, ‘imaginação’ predomina sobre ‘mente’ ou ‘razão’. A criatividade nas artes era o reino da imaginação, considerada a primeira e a mais baixa na hierarquia das três categorias de gênio. O próximo era o reino da razão, e o mais elevado o reino do espírito.

Significados da composição alegórica

Melencolia I é uma composição alegórica que tem sido objeto de muitas interpretações. Existem dois principais:

1. Pode ser uma alegoria geral de depressão ou melancolia

Alguns historiadores da arte sugerem que a imagem faz referência ao estado depressivo ou melancólico. Existem alguns símbolos que podem sugerir isso:

  • As ferramentas da geometria e da arquitetura circundam a figura, sem uso.
  • O quadrado mágico 4 × 4, com as duas células do meio da linha inferior fornecendo a data da gravura: 1514. O quadrado apresenta as regras tradicionais de quadrados mágicos com base no número 34 e, além disso, os quatro quadrantes, cantos e centro do quadrado também são iguais a esse número.
  • O romboedro truncado com um débil crânio humano. Essa forma é agora conhecida como sólido de Dürer. Ao longo dos anos, vários artigos contestaram a forma precisa desse poliedro. É muito complicado para mim ousar explicá-lo aqui.
  • A ampulheta mostrando o tempo se esgotando
  • A balança vazia
  • A figura alada desanimada do gênio, que no mundo antigo simbolizava uma alma.
  • A bolsa e as chaves
  • O farol (ou cometa) e o arco-íris no céu
  • O conhecimento matemático é referenciado pelo uso dos símbolos: compasso, sólido geométrico, quadrado mágico, balança, ampulheta.

Albrecht Dürer, Melencolia I, 1514, Staatsgalerie Stuttgart, Stuttgart, Germany. Detalhe.  

2. Pode ser uma alegoria de depressão ou melancolia de Dürer

Uma interpretação autobiográfica de Melencolia I foi sugerida por vários historiadores, como o superastro da história da arte, Erwin Panofsky. De acordo com essa interpretação, a gravura pode ser uma representação do artista atormentado por uma perda de confiança. Pouco antes de Dürer desenhar Melencolia I, ele escreveu: ‘o que é bonito eu não conheço’.

Na filosofia medieval, cada indivíduo era considerado dominado por um dos quatro humores. A melancolia, associada ao fel negro, era o menos desejável dos quatro, e os melancólicos eram considerados os mais propensos a sucumbir à insanidade.

Albrecht Dürer, Melencolia I, 1514, Staatsgalerie Stuttgart, Stuttgart, Germany. Detail.

Melancolia de um gênio criativo

O pensamento renascentista, entretanto, também associava a melancolia ao gênio criativo; assim, ao mesmo tempo em que essa ideia mudava o status desse humor, tornava o artista autoconsciente de que seu dom trazia riscos terríveis. A personificação alada da Melancolia, sentada desanimada com a cabeça apoiada na mão, segura um compasso de calibre e é cercada por outras ferramentas associadas à geometria, uma das sete artes liberais que fundamentam a criação artística – e aquela por meio da qual Dürer, provavelmente mais do que a maioria dos artistas esperava atingir a perfeição em seu próprio trabalho.

Bem, seria irônico se esta imagem do artista paralisado e impotente exemplificasse o próprio poder artístico de Dürer em seu auge superlativo.

Original publicado em – DAILY ART MAGAZINE

%d blogueiros gostam disto: