Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

Bibliotecário- J. Filardo

Joyce e o Polvo de Duas Cabeças da judeu-maçonaria

Tradução J. Filardo

Anne Marie D’Arcy **

Uma das perguntas que continua a exercitar os leitores de Ulisses é se ‘Bloom é ou era realmente um maçom’.[1] Ao tentar responder a essa pergunta, os críticos tendem a tratar o relacionamento de Joyce com a Maçonaria em termos gerais, de acordo com o pedido do próprio Joyce a Frank Budgen em uma carta de 6 de novembro de 1921 para que este lhe enviasse ‘qualquer pequeno manual’ sobre ‘Maçonaria Britânica’, o que pode sugerir um conhecimento insignificante do assunto anterior a este ponto.[2] No entanto, este artigo não apenas examina a implantação precisa da terminologia maçônica de Joyce à luz do contexto específico da Grande Loja da Irlanda e das ordens mais altas da Maçonaria Irlandesa afiliadas a ela, mas também o ressurgimento do interesse em judéo-maçonnerie na França durante suas primeiras visitas a Paris em 1902-3, que atinge seu apogeu no Affaire des Fiches de 1904-5. Essa preocupação com a judéo-maçonnerie informa uma das imagens mais enigmáticas em Ulisses, que o próprio Bloom não entende, o polvo bicéfalo mencionado de passagem por Æ em ‘Lestrygonians’, que reaparece em ‘Circe’ em trajes das Highlands, espelhando aquele o afetado por ‘sétimo de Edward’ (U 4370-1).

Certamente, a esposa de Bloom parece ter claro em sua mente que ‘ele era um maçom’ e, como católica de berço, embora de origem militar britânica, ela desconfia dos ‘maçons’ tanto quanto ‘daqueles Sinner Fein’ (U 18,382-3).[3] No entanto, se Bloom finalmente deixou os maçons devido a sua recepção na igreja católica, de acordo com a constituição apostólica, Quo Graviora (13 de março de 1826) – mais rigorosamente aplicada na Irlanda do que decretos papais anteriores da In Eminenti (28 de abril de 1738) em diante) – ou lhe foi pedido que saísse depois ‘daquela reunião sobre aqueles bilhetes de loteria’ (U 8.184-5), é muito mais difícil de determinar.[4] Não é improvável que um Dublinense judeu se tornasse um Maçom: desde o século XVIII, a Grande Loja da Irlanda ‘fornecia uma esfera importante para contatos entre judeus e a minoria protestante’.[5] Esses contatos eram aplaudidos pela tendência geral das famílias judias de enviar seus filhos a escolas protestantes, nos níveis primário e particularmente secundário, incluindo a alma mater de Bloom, ‘a High School financiada pelo Erasmus Smith Trust e sob administração da Igreja da Irlanda, que operava na Harcourt Street desde 1870’.[6] Não haveria nada na formação educacional de Bloom como membro nominal da ‘igreja irlandesa (protestante)’ (U 17.1636) que o impedisse de se tornar um maçom, e muitos membros proeminentes da Erasmus Smith Trust eram maçons, como ‘The honorable Hedges Eyre Chatterton’ (U 7.262). Joyce faz questão de mudar as cores esportivas da High School de preto e vermelho, refletida na ‘capa escolar vermelha com distintivo’ de Bloom (U 15.3318) e ‘o cachecol nas cores Zingari’ (U 18.295-6), até ‘camisetas e calções de futebol azuis e brancos (U 15,3325-6).[7] Isso serve para nos lembrar dos laços maçônicos compartilhados entre famílias como ‘Turnbull’, ‘Chatterton’, ‘Meredith’ e ‘Apjohn ‘, para citar alguns dos supostos amigos de Bloom na High School, embora nenhum Apjohn esteja registrado como tendo frequentado a escola e não existe nenhum ‘Goldberg’ (U 15.3326-8) listado como membro ativo em qualquer loja irlandesa entre aproximadamente 1870 e 1895.[8] O uso de Joyce do simbolismo disfarçado para indicar o passado maçônico de Bloom também é enfatizado pela ‘mesa azul e branca com azulejos embutidos’ (U 17.1283-4, 1289-90), que ainda permanece no salão da frente de Bloom, embora deslocada pelo encontro de Molly com Boylan naquela tarde.[9]

O eidolon de Bloom dos ‘Halcyon Days’ (U 15.3325) de escola em ‘Circe’ encapsula o ideal fraterno de liberdade e igualdade – o lema original do Grande Oriente da França, adotado por Maçons e Irlandeses Unidos como ‘Napper Tandy’ (U 3.259) e ‘Henry Joy M’Cracken’ (U 12.180) – senão a realidade da Maçonaria Irlandesa a partir do século XVIII em diante.[10] Se Bloom procurou transcender o preconceito abraçando a Maçonaria como os homens de ‘noventa e oito’ (U 12.481), particularmente a tolerância religiosa defendida pela Grande Loja da Irlanda, ‘Antiga, livre e aceita’ (U 8.962), há uma ironia amarga como ervas nessa aspiração. É o próprio status de Bloom como um maçom antigo, sob juramento de defender a ‘irmandade universal’ (U 15.1691-2), que alimenta a suspeita de que ele é um ‘cidadão qualquer estrangeiro que procura derrubar nossa santa fé’ (U 15.1712-13), originário de ‘um ancião em Sião’ (U 15.248-51). De fato, a visão espectral de Rudolf Virag em ‘Circe’, embainhada em um caftan e cuspindo o veneno amarelo da laicização, não apenas reflete a polêmica antissemita contemporânea que culmina nas invenções vitriólicas de Protocolos dos Sábios de Sião (1903-7), mas também nos lembra as acusações contra a Maçonaria em anátemas papais desde o século XVIII.[11] Decretos posteriores, especialmente a encíclica Humanum Genus (20 de abril de 1884), promulgada por Leão XIII, enfatizou particularmente o anticlericalismo decorrente da busca do Grande Oriente por laïcité (secularismo): a separação absoluta de igreja e estado.[12] Conforme Joyce sabia, o papel do Grande Oriente nos excessos anticlericais perpetrados durante o mandato de primeiro ministro do le petit père, Émile Combes (190205), surgiu como uma reação ao caso Dreyfus e culminou no Affaire des Fiches (Caso das Fichas). Esse anticlericalismo formava o pano de fundo do primeiro sermão antissemita do -padre John Creagh na cidade de Limerick, feito na noite de 11 de janeiro de 1904 à Confraria dos Homens da Igreja Redentorista, Monte Santo Afonso.  O sermão tornou-se a fonte de ‘um boicote’ (U 18.387) que, com o tempo, se estenderia até ‘a multidão reunida em Shanagolden’ (U 12.1313-14).[13] Creagh alertou sua congregação de que ‘Os judeus estão aliados aos maçons da França e conseguiram expulsar daquele país todas as freiras e ordens religiosas… é isso que os judeus fariam em nosso próprio país se lhes permitissem chegar ao poder.’[14]

O virulento antissemitismo de Creagh foi alimentado pelo suposto papel judaico na formulação da Lei anticlerical das Associações de 1 de julho de 1901, que restringia drasticamente a influência das ordens religiosas na França. A Lei das Associações foi uma ideia do centrista, o primeiro-ministro partidário de Dreyfus, Pierre Waldeck-Rousseau, e quando Combes o sucedeu como primeiro-ministro em 1902, essa legislação permitiu ao novo primeiro-ministro realizar uma extirpação implacável das ordens religiosas na França. Em dezoito meses, Combes aplicou a letra da lei para fechar mais de 12.000 escolas católicas e dispersar e exilar cerca de 50.000 membros de congregações religiosas.[15] Em 18 de março de 1903, 25 congregações de ensino foram suprimidas, envolvendo 11.841 congréganistes dividido em 1689 casas.[16]

Seguiu-se a supressão de 29 ordens monásticas em 24 de março, incluindo os Beneditinos, os Franciscanos, os Dominicanos, os Carmelitas, os Barnabitas, os Capuchinhos, os Passionistas, a Sociedade do Oratório de Jesus, os Oblatos Missionários de Maria Imaculada e, mais importante para Creagh, os Redentoristas, que perderam vinte casas em toda a França.  Além da dissolução dessas 54 ordens de homens, oitenta e cinco congregações femininas foram dispersas de uma só vez em 26 de junho de 1903, devido a um voto do bloco das esquerdas.[17] Levando à publicação do manifesto anticlerical de Combes, Une campagne laïque, em 5 de janeiro de 1905, com o prefácio de Anatole France atacando o antissemitismo jesuíta, o governo aprovou uma nova lei em 7 de julho de 1904.[18] Este projeto de lei não só proibia todas as congregações católicas de ensino de qualquer envolvimento na educação, mas também previa sua total dissolução em dez anos e o confisco de suas propriedades.[19] No entanto, a expulsão mais notória foi a dos monges do Grande Chartreuse em 29 de abril de 1903, que evocou lembranças de sua primeira expulsão ‘por homens desordeiros, encarregados de expulsar / Os internos inocentes’.[20] Essa ‘tarefa repulsiva’, como Maurice Larkin descreveu, fez com que o coronel de Coubertin, o oficial encarregado, renunciasse à sua comissão e foi noticiada em todo o mundo de língua inglesa.[21] Como Bloom reflete de passagem, ‘Eles tiveram um tempo antigo divertido enquanto durou. Saudável também, cantando, horas regulares e depois fazer licores  Benedictine e  Green Chartreuse’ (U 5.406-7).[22] Combes tentou desviar a atenção da dissolução do Grande Chartreuse, alegando que os cartuxos, ricos em licores, tentaram suborná-lo por meio de seu filho, Edgar, a fim de garantir a autorização e evitar a expulsão.  Os resultados de uma investigação parlamentar sobre a Affaire des Chartreux quase derrubou Combes e resultou em tinteiros voando na Câmara dos Deputados em 14 de junho de 1904.[23] De fato, a história principal de 16 de junho de 1904 em La Libre parole é ‘L’Affaire Combes; Les Millions des Chartreux.’

Para Creagh e católicos de mesma opinião, Combes era uma víbora apóstata nutrida no seio dos Assuncionistas; um padre mimado que virou maçom como seu confrère em impiedade, Ernest Renan, que lotou seu gabinete de maçons: um anticristo ligado aos judeus do Grande Oriente:

Combes! É um nome de mau agouro, que ecoa como o som de um sino fúnebre entre os claustros nos conventos vazios e junto às lareiras de lares cristãos. Os idosos murmuram o nome e empalidecem como se tivessem dito uma coisa profana. Os pequenos encolhem-se ao lado de suas mães quando o horror desse nome atinge seus ouvidos inocentes, pois ele traz de volta a memória das queridas irmãs que desapareceram, engolidas como se estivessem nas mandíbulas cavernosas do anticristo.[24]

A afiliação de Combes ao Grande Oriente finalmente levou à sua queda política em 1905, na sequência do Affaire des Fiches.  O ponto de inflamação dessa crise ocorreu em 28 de outubro de 1904, quando o deputado nacionalista por Sena, Jean Guyot de Villeneuve, revelou à Câmara dos Deputados que a ordem maçônica havia fornecido ao Ministério da Guerra, informações armazenadas em mais de 20.000 fichas de papel, a vida privada de oficiais do exército, a fim de impedir o avanço de católicos praticantes.[25] Que o Affaire des Fiches era uma trama judaico-maçônica foi atestado por Jean-Baptiste Bidegain, o ‘Judas do Grande Oriente’: um maçom ambivalente, mas antissemita comprometido, que passou cerca de 2000 fichas a De Villeneuve em troca de 40.000 francos. Seu testemunho da existência da judéo-maçonnerie, expresso  em diversos trabalhos publicados por ‘Monsieur Drumont, jornalista cavalheiro’ (U 3.230-1) e outros colaboradores da Librairie antisémite, surgiu diretamente de alegações inventadas pelo fundador da Librairie anticléricale: aquele garoto propaganda de uma boa educação jesuíta que deu errado, ‘M. Léo Taxil’ (U 3,167; 14,306).[26] Como observa Marvin Magalaner, embora as obras e pompas de Taxil ‘sejam mencionadas apenas duas vezes em Ulisses‘, elas estão ‘discretamente presentes o tempo todo’. De fato, ‘Para o leitor que conhece o fiasco Taxil-Maçonaria, a ‘exposição’ dos maçons por Joyce em seu romance adquire uma dimensão adicional.’ [27]

Em 19 de abril de 1897, em uma coletiva de imprensa no grande salão da Société de Géographie, Boulevard Saint-Germain, Taxil revelou que sua campanha contra a judéo-maçonnerie, que se estendia à edição do periódico semanal La France chrétienne entre 1887 e 1895, era uma farsa.[28]. O Affaire Taxil pretendia expor clérigos antissemitas tais como Léon Meurin, mas também conseguiu zombar das boas intenções de Teresa de Lisieux ou da ‘ Pequena Flor’ (U 6.161).[29] Meurin era o arcebispo jesuíta de Port-Louis, Mauritius; pai do Primeiro Concílio Vaticano e orientalista erudito, que ainda assim apoiara  a causa de Taxil, publicando as frequentemente citadas La franc-maçonnerie, synagogue de satan em 1893.[30]

Embora o conceito de judéo-maçonnerie seja encontrado já no livro do Abade Augustin Barruel,  Memórias para servir à história do Jacobinismo de 1797, e de Henri-Roger Gougenot des Mousseaux, O Judeu, o Judaísmo e a Judaização dos Povos Cristãos de 1869, a ideia de que ele havia espalhado seus tentáculos pelo mundo era pregada do púlpito através da divisão confessional quando o caso Dreyfus veio a público. Como Bloom nos lembra em uma impressionante reversão da defesa de Dreyfus por Zola, ‘They acuse’ (U 16.1116). Entretanto, essa ideia foi resistida com mais firmeza por Arthur Edward Waite, maçom e ex-membro da Ordem Hermética da Aurora Dourada (Golden Dawn). Waite não apenas refutou as reivindicações obscenas de Taxil e seu Alter ego, Dr. Bataille, em seu esforço seriado para desacreditar a Maçonaria, O Diabo no século XIX (1892-5), mas também o de Meurin.[31] Waite estava particularmente perturbado pela deturpação de Meurin dos aspectos judaicos dos ritos Escoceses da Maçonaria, formulados efetivamente na França e Alemanha durante o século XVIII. Esta maçonnerie écossaise se caracterizava por sistemas tão esotéricos, elitistas e rigidamente hierárquicos, tais como o Rito Alemão de Estrita Observância e o Rito Escocês Retificado Francês, cada um pretendendo ser a destilação das tradições Templárias medievais, que apesar de preservadas na Escócia e na Irlanda, eram, em última análise, de origem judaica.[32]. Joyce torna burlesca essa tradição atribuindo ao major Tweedy: ‘o sinal do guerreiro peregrino dos cavaleiros templários’ (U 15.4615-16), que também lembra o Grande Priorado dos Cavaleiros Templários, com sede no Freemasons ‘Hall, Molesworth Street. De maneira semelhante, Swift gentilmente avacalha a dimensão irlandesa dessa tradição em ‘Uma Carta da Grã-Mestra dos Maçons Femininos’, impressa pela primeira vez em 1724, cujo próprio título sugere uma referência satírica a Elizabeth St. Leger, a célebre Lady Maçom mencionada por Nosy Flynn em ‘Lestrygonians’.[33] Aqui, em uma exibição de bravura de hiberno centrismo digno do cidadão, Swift, que se acredita ter ingressado em uma loja enquanto estava em Trinity em 1688, fala da ‘Loja de São João de Jerusalém’, tradicionalmente identificada com o patriarca Alexandrino do século VII, John Eleemosinarius no folclore maçônico.[34] Este é ‘o mais antigo e mais puro agora na Terra’, que deu origem à ‘famosa e antiga Loja Escocesa de Kilwinning’:  à qual pertenceram todos os reis da Escócia, de Tempos em Tempos, Grãos Mestres sem interrupção desde os dias de Fergus, que reinou ali mais de 2000 anos atrás, muito antes dos Cavaleiros de São João de Jerusalém ou dos cavaleiros de Malta; aos quais duas lojas devem, no entanto, permitir a Honra de ter adornado a Antiga Maçonaria Judaica e Pagã com muitas regras Religiosas e Cristãs.

Fergus, sendo o Filho mais velho do Rei de toda a Irlanda, foi cuidadosamente instruído em todas as Artes e Ciências, especialmente na Magia natural e na Filosofia Cabalística (posteriormente chamada de Rosecrution), pelos Druidas pagãos de Mona, os únicos verdadeiros  Cabalistas então Existentes no Mundo Ocidental…

Fergus, antes de sua Descida sobre os Pictos na Escócia, levantou a famosa Estrutura, chamada até hoje de Carrick-Fergus, a Peça de Arquitetura mais misteriosa atualmente na Terra, (exceto as pirâmides dos Maçons Egípcios, e seus Hieróglifos ou sinais dos Maçons)… ele o construiu como uma Loja para um Colégio de Maçons Livres naqueles dias chamados Druidas.[35]

Sob essa perspectiva, não é por acaso que em Green Street, ‘o erudito e venerável presidente das sessões trimestrais, Sir Frederic Falkiner, gravador de Dublin’ (U 12.1874-5), distribui justiça sumária de acordo com a ‘lei dos brehons’ com ‘o alto sinhedrim das doze tribos de Iar’, incluindo ‘a tribo de Fergus’ (U 12.1122-7), como diz a brilhante paródia swiftiana de Joyce do antiquarianismo especulativo do século XVIII. O Tribunal da Green Street era associado à Maçonaria desde sua inauguração em 14 de junho de 1792, como observa Falkiner em seus abrangentes ‘anais da escola de casaco azul’ (U 8.1153).[36]. Da mesma forma, não parece ‘coincidência’ (U 8.525) que, quando Bloom, de todas as pessoas, é ultrapassado por Æ e seu acólito desajeitado do lado de fora da taverna Sexton, na parte baixa da Grafton Street, ele ouve Æ resistindo a uma variação bicefálica do principal símbolo da judéo-maçonnerie contemporânea:  

– Do polvo de duas cabeças, uma das quais é a cabeça sobre a qual os termina o mundo se teria esquecido de vir enquanto a outra fala com um sotaque escocês. Os tentáculos… (U 8.520-2)

Esta não é apenas uma ‘paródia joyceana do ocultismo’.[37]. Antes, ela se refere à tendência crescente nas últimas décadas do século XIX de se referir ao judaísmo e / ou à Maçonaria como um polvo monstruoso, mais recentemente lembrado com a ironia joyceana em O Cemitério de Praga de Umberto Eco: ‘aquele grande polvo cujos tentáculos se estendiam por todo o mundo civilizado’.[38]. Os irlandeses não eram estranhos a um polvo sendo destacado em um contexto pejorativo, conforme evidenciado pela visão de Tenniel de uma heroica luta de Gladstone com o ‘Irish Devil-Fish’, dotado do atributo emblemático de Paddy, a ‘boina sem cabeça’ (U 9.295). Ao informar os leitores de Punch (18 de junho de 1881) que esse gênero cefalopódico peculiar, com seus tentáculos de Terrorismo, Rebelião, Anarquia, Sedição, Ilegalidade, Indignação, Intimidação e Destruição, ‘só é vulnerável através da cabeça’, cita Tenniel em inglês, de Les travailleurs de la mer, de Victor Hugo publicado em 1866.  Este trabalho, particularmente o uso de Hugo da palavra Guernésiais como polvo, pieuvre, foi repetidamente citado por caricaturistas franceses em um contexto antissemita ou anti-maçônico.[39]. Hugo cristalizou a imagem do polvo como ‘Devil-fish, le Poisson-Diable, o Peixe Diabo’ e ‘Blood-Sucker, Suceur de sang’ ‘Sanguessuga’, que se reafirmou por seu assombroso desenho colorido-sépia deste monstro no manuscrito (Paris, BN MS NAF 24745, fol. 382). )[40]. Essa imagem foi implantada dentro de um ano em um contexto vagamente antissemita por um conhecido de Hugo, Ernest Chatelain, que associa o alcance malévolo do polvo ao do judeu errante e aquele outro clichê desgastado da malévola Jewry, a hidra: todas as metáforas da ferrovia tentacular envolvendo o mundo.[41]. Muito em breve a imagem do polvo judeu diabólico, sugador de sangue encontra-se não apenas nas publicações integralistas da Action française, La Libre parole e o semanário ilustrado, La Bastille, mas também em La Croix, o jornal diário associado à ordem Assuncionista.[42]. Ocorre repetidamente no diário jesuíta, La Civiltà Cattolica, que também se refere a ‘le strette della vorace piovra del giudaismo massonico’.[43] A proverbialidade banal dessa calúnia é confirmada por sua aparição na publicação quinzenal, O livro Amarelo e o conselheiro das famílias, que além de apresentar padrões de bordado e exemplos de crochê dos conventos mais ágeis, adverte seus leitores sobre o ‘la pieuvre juive aux mille tentacules’ que suga ‘le sang de la patrie française’.[44] O Polvo Judeu também foi implantado em um contexto anglófono. No infame desenho animado de 1894 de Coins Financial School, todos os continentes habitados são enredados nos tentáculos do ‘grande peixe diabo inglês’, também conhecido como ‘Rothschilds’.[45] Momos lembrados da crença ardilosa de Deasy de que a influência judaica se estende a ‘todos os lugares mais altos’ de uma nação: ‘suas finanças, sua imprensa’. Para um antissemita não regenerado como Deasy, os judeus são os sinais da decadência de uma nação. Onde quer que eles se reúnam, comem a força vital da nação ‘(U 2.347-9).

Enquanto isso, a imagem do polvo maçônico, simbolizada pelos praticantes luciferianos do ‘paladianismo’, uma pretensa ramificação do Rito Escocês Antigo e Aceito, tornou-se cada vez mais comum no contexto francês após a publicação da revista Le Diable au XIXe siècle, de Taxil, atingindo seu apogeu durante o Affaire des Fiches.  Quando Joyce chegou mais uma vez a Paris, em 9 de outubro de 1904, caricaturas do polvo maçônico eram onipresentes, exemplificadas por um cartaz de La Bastille avisando contra ‘La pieuvre, c’est la Franc-Maçonnerie.’ Este monstro, cuja cabeça assume a forma de uma ‘pele dourada’ (U 2.364) caricatura judaica usando uma joia maçônica na colar do Grande Oriente, invade ‘l’Armée, la Justice, l’instruction publique, le Clergé, la Jeunesse, l’Administration, toutes les forces vives de la Nation’, que a deixam ‘sans défense au Juif et à l’Étranger’.[46]. O jornal periódico católico Cittadino de Mântua foi melhor do que Æ já em 1900, quando comparou a Maçonaria, o Judaísmo e o Socialismo a um polvo de três cabeças com inúmeros tentáculos, mas o polvo de duas cabeças de AE é particularmente adequado nesse contexto.[47] Assim como o símbolo alquímico da águia de duas cabeças é emblemático do Rito Escocês Antigo e Aceito, particularmente associado ao trigésimo e trigésimo segundo graus, Æ evoca esse renascimento de cabeças gêmeas de maus presságios escatológicos cuja cabeça anticristã judaica pode anunciar o fim do mundo.[48]. Como Deasy coloca: ‘Tão certo quanto estamos aqui, os judeus mercadores já estão em seu trabalho de destruição’ (U 2,349-50). No entanto, como Æ salienta para seu companheiro frouxo, esse monstro judaico-maçônico não precipita o apocalipse, que nunca deixa de decepcionar, como confirmado por inúmeras segundas-vindas adiadas, antecipadas por gerações de fanáticos ignorantes que não estão em contato com seus ‘planos de consciência’(U 7.786-7).

Bloom, naturalmente, é confundido por esta quintessência de superioridade: ‘O que ele estava dizendo?  Os confins do mundo com um sotaque escocês. Tentáculos: polvo. Algo oculto: simbolismo ‘ (U 8,529-30). Ainda assim, sua alegre ignorância desse perigo bicéfalo decorre do fato de ele não frequentar All Hallows em Westland Row ou St Francis Xavier’s em Upper Gardiner Street, por um lado, ou a ‘Yogibogeyey in Dawson chamber’ teosófica (U 9.279) por outro. A demissão de Bloom dessas ‘pessoas etéreas literárias’, que só comem ‘weggebebbles and fruit’, mas nenhum bife por medo de que ‘os olhos daquela vaca o perseguirão por toda a eternidade’ (U 8.535-6) é revestido com uma ironia adicional quando consideramos sua escolaridade.

Muitas das principais luzes da Sociedade Teosófica de Dublin ou foram educadas na High School, notavelmente W.B. Yeats (1881-3), W.K. Magee (1882-4) ou ‘John sturdy Eglinton’ (U 9.660), Charles Johnston (1881-6) e seu irmão Lewis (1881-3), que acredita-se ter fundado o primeiro restaurante ‘vegetariano’ (U 8.534) em Dublin, ou mesmo lecionou na High School como ‘Cousins’ (U 2,257). Os filhos de Æ, Brian e Diarmuid Russell, também frequentaram a High School durante o período em que James Henry Cousins ensinou inglês e Geografia (1905-13), antes de finalmente se mudar para a Índia em 1915, inspirado no autor de ‘Isis Unveiled’ (U 9.279).[49]

Joyce destaca a distância de Bloom dessa ‘multidão hermética, os poetas do silêncio de opala’ (U 7.783-4), tornando-o imune à influência de Yeats. É revelador que Bloom saia da High School pouco antes da chegada de Yeats, e sua exclusão do hermetismo de Dublin é encapsulada por seu fracasso em reconhecer a sutil e competente referência de Æ à judéo-maçonnerie.[50]. Além disso, essa falha também aponta para a natureza precisa do envolvimento de Bloom com a Maçonaria, que não penetra a sucessão de véus que protegem os graus mais altos. Para o Cidadão – um nativo ‘da província de Desmond e Thomond’ (U 12.1309) como Creagh – identificar Bloom com a Maçonaria ‘é identificá-lo metonimicamente como judeu’, conforme coloca Marilyn Reizbaum.[51] No entanto, isso certamente não seria a opinião do estabelecimento contemporâneo anglo-irlandês, particularmente a participação desses ‘outros Graus e Ordens Maçônicos sobrepostos com base nos três Graus do Craft (maçonaria), que vêm sendo trabalhados por tanto tempo, de forma a serem mantidos na mais alta estima e procurados ansiosamente pelos membros mais eminentes e instruídos do Simbolismo’.[52] Em ‘Circe’, o polvo realiza um giro de estrela como parte dos sinais e maravilhas apocalípticos ‘nos filibegs kilts, busby e tartan de gillie‘(U 15.2177-8), que serve para nos lembrar do Rito Escocês Antigo e Aceito.[53]

No contexto contemporâneo, houve muita discussão em círculos herméticos sobre a alegada procedência jacobita da maçonnerie écossaise, promulgada pelo melhor Highlander de Hackney em um ‘kilt açafrão’ escocês (U 9.310-11): Samuel Liddell Mathers.[54] Muito mais do que Yeats e Maud Gonne, Æ desconfiava desse autodesignado ‘pimander of Hermes Trismegistos’ e estava determinado a não ter a ‘perna puxada’ (U 15.2269-71).[55] No entanto, o traje de tartan do polvo – reminiscente de vários regimentos de infantaria estacionados na Irlanda na sequência da Guerra Jacobita, se não como era usada pelos ‘nossos antigos antepassados Panaceltas’ (U 15.906-7) – é também um lembrete poderoso da natureza ersatz, ou substitutiva, da identidade escocesa do rei reinante como descendência de George, o eleitor’ (U 12.1391-2).[56]. A presunção arrogante do tartan Royal Stewart por ‘Edward Guelph-Wettin’ (U 12.1401) é tão questionável quanto as pretensões jacobitas de Mathers, independentemente do portrait d’apparat que enfeita a parede da lareira do Sr. Deasy, ‘a grande forma de um homem em kilt de tartan: Albert Edward, príncipe de Gales’ (U 2.266-7).[57]

Nesse contexto, também é revelador que, embora Joyce estivesse orgulhoso o suficiente do nome de sua mãe para usar uma gravata de tartan Murray, ele optou por se concentrar nas lealdades jacobitas de alguns dos Murrays, descrevendo-a como aquela ‘gravata real Stuart altamente desleal’.[58]. No entanto, tanto Mathers quanto ‘o rapaz alemão’ (U 12.1392) são maçons echt (legítimos), se não verdadeiros escoceses, como os Scottish Borderers, que ajudaram a extirpar a causa jacobita em Culloden, apenas para que ela florescesse novamente na tradição maçônica, adotada com o tempo por monarcas hanoverianos que eram de fato ‘os próprios do Rei’ (U 5,74).[59]. As especulações alusivas de Bloom sobre a origem do pseudônimo de George Russell não sugerem apenas Waite, que era um apologista extremamente prolífico da Maçonaria, mas também Edward VII ‘que, durante seu reinado maçônico de um quarto de século, demonstrou seu zelo pela maçonaria continuamente e em diversas direções’.[60] Como Bloom nos lembra: ‘Nunca o vê vestido de bombeiro ou policial. Como maçom, sim’ (U 5,74-5). Ainda assim, a imagem carnavalesca do polvo judaico-maçônico em ‘Circe’ é drenada da ameaça rastejante, insidiosa que caracteriza a força unida de ‘joupin’ e ‘casserole’ na imprensa francesa de 1904.[61] Aqui, o polvo que ainda persegue as capas de inúmeras edições dos Protocolos, como fazem as páginas de Mein Kampf, é ‘transmogrificado’ no triskelion de Manannán MacLir, apenas para tornar-se parte do puxão implacável de Joyce de todas as pernas eminentemente extensíveis de Æ.[62]

Para Arthur Griffith, se a águia austro-húngara tinha duas cabeças, o polvo corporacionista tinha três.[63]. Como ele alertava os leitores de The United Irishman em 23 de setembro de 1899: ‘as três influências do mal no século foram o pirata, o maçom e o judeu’.[64] Da mesma forma, o antigo colega de Griffith no Sinn Féin, W.J. BrennanWhitmore, alertava os leitores de An Gael (26 de fevereiro de 1916), que judeus e maçons se opuseram virulentamente a ‘construir uma nação mais uma vez’ (U 12.891), porque os irlandeses estavam destinados a levar o continente secularizado de volta ao rebanho de ‘nossa santa madre, a igreja’ (U 5.439-40), exatamente como haviam feito no início da idade média de ‘santos e sábios’ (U 12.1642-3). O destaque conferido a Magen David em uma janela de óculo na nova Escola Orfanato Maçônica em Ballsbridge (1880-2) fomentou a crença de que a maçonaria era apenas uma cortina para os judeus em mais de uma geração de Dublinenses do lado de fora olhando para dentro.[65]

No entanto, tal crença falhou em reconhecer o aspecto super-secessionista da iconografia maçônica, pela qual as ordens mais altas com ingresso mediante convite afiliadas à Grande Loja da Irlanda se apropriaram da tradição iconográfica judaica, mas excluía judeus. Nosy Flynn ouviu de uma das legiões de fontes não identificadas, mas inacessíveis, endêmicas da cidade que o próprio Bloom está ‘na maçonaria’ (U 8.960), mas as fofocas de Flynn são desprovidas da judéo-maçonnerie venenosa que alimenta a ira de Creagh no Monte Santo Afonso ou a do Cidadão no pub de Kiernan. Flynn sabe muito menos sobre ‘Luz, vida e amor’ (U 8.963): as manifestações divinas particularmente associadas à instalação de um grão-mestre maçom, do que ele deixa transparecer.[66]. Ele ressalta que ‘eles fizeram certo em manter as mulheres fora dela’, além de ‘uma das santas Legers de Doneraile’ (U 8,973-4).[67]

No entanto, Flynn desconhece os rumores que atormentavam a Maçonaria contemporânea, graças às invenções de Taxil da mulher maçom mais infame, Diana Vaughan, e à reportagem cada vez mais frenética de Drumont sobre seu passado luciferiano e o papel putativo das mulheres em rituais pornográficos e satânicos, conforme descrito em Le Diable au XIXe siècle de Taxil.[68] A referência de Flynn a ‘antigo‘ e ‘aceito’ pode ser interpretada como uma alusão ao Rito Escocês Antigo e Aceito, ou ainda, ao Rito Antigo e Aceito para a Irlanda estabelecido em 1826 ‘pelo Conselho Supremo da Jurisdição Sul’ dos Estados Unidos, ‘o Conselho Mãe do Mundo’.[69] No entanto, Flynn apenas alude ao título oficial da Grande Loja da Irlanda e, dado o contexto contemporâneo de Dublin, parece provável que Bloom tenha trabalhado apenas os graus azuis da Maçonaria anglo-saxã: ‘a fundação, mas não a conclusão e perfeição da Maçonaria.’[70]

Na era eduardiana, a Maçonaria irlandesa abrangia as seis ordens existentes hoje.  Distintivo Azul ou Maçonaria Simbólica consiste nos três graus de Aprendiz Maçom Entrado, Companheiro de Ofício e Mestre Maçom, conforme determinado pela Grande Loja da Irlanda. Os grais de Mestre Maçom de Marca, a cerimônia de Passagem dos Véus e o grau do Real Arco, que constituem a conclusão da Maçonaria Simbólica na Irlanda pelo Supremo Capítulo do Grande Arco Real. Os graus de Cavaleiro da Espada, Cavaleiro do Oriente e Cavaleiro do Oriente e Ocidente são governados pelo Grande Conselho de Cavaleiros Maçons desde 1923, embora anteriormente pelo Grande Priorado dos Cavaleiros Templários. Os graus de Cavaleiro Templário, Passagem do Mediterrâneo e Cavalheiro de Malta são governados pelo Grande Priorado dos Cavaleiros Templários. O Cavaleiro da Águia e o Pelicano, grau de Príncipe Grand Rose Croix, que é o décimo oitavo grau do Rito Antigo e Aceito da Irlanda é governado pelo Grande Capítulo de Príncipes Maçons. Finalmente, o trabalho irlandês do vigésimo oitavo, trigésimo, trigésimo primeiro, trigésimo segundo e trigésimo terceiro graus é governado pelo Conselho Supremo do Rito Antigo e Aceito da Irlanda.[71]

Das vinte lojas do distrito metropolitano que se mudaram para o Freemasons’ Hall em Molesworth Street, em sua conclusão em 1869, havia distinções sociais e profissionais estabelecidas há muito tempo que ditavam o caráter de cada uma dessas lojas que compartilhavam o mesmo edifício, muitas vezes datando do século XVIII. Esse foi o caso das quarenta lojas ativas em Dublin em 1904, que haviam aumentado para cinquenta e nove em 1920.[72] ‘Old Chatterton, vice-chanceler’ (U 7.262) era membro da Leinster Lodge, n. 141, enquanto o Analista da Cidade e o Diretor Médico de Dublin, ’Sir Charles Cameron’ (U 10.538) foi inicialmente membro da Loja Fidelity, no. 125, e depois da Loja Duke of York, no. 25, passando a Grão-Mestre Adjunto da Grande Loja da Irlanda (1911-20).  ‘Justice Fitzgibbon, atual Lord de justiça do apelação’ (U 7.794) era membro da Loja Trinity College, no 357. Portanto, não estamos lidando com uma única ‘Loja maçônica em Molesworth Street’, como sustentava Benstock, nem é o caso de ‘especulação de Bloom sobre se Tom Kernan é maçom’ é ‘uma questão que dificilmente poderia existir se ele próprio fosse um membro da ordem’.[73]

Além disso, a natureza seleta das ordens mais altas por convite, afiliadas à Grande Loja da Irlanda, impediria a admissão de pessoas como Bloom. Na Dublin eduardiana, o Grande Priorado dos Cavaleiros Templários (e, portanto, os graus trabalhados pelo Grande Conselho dos Cavaleiros Maçons desde 1923); o Grande Capítulo de Príncipes Maçons, onde Rose Croix ou Príncipes Maçons, como são conhecidos na Irlanda, poderiam ‘trocar em amizade a passagem dos cavaleiros da cruz vermelha (U 15.4681-2), e o Supremo Conselho do Rito Antigo e Aceito da Irlanda, eram exclusivamente cristãos.[74] Embora judeus convertidos, ou cristãos de ascendência judaica, possam, em teoria, ser convidados a se tornar membros, na realidade, há pouco que sugira que esse fosse o caso.

Como um ‘excelente irmão’ (U 8.863) Bloom poderia adotar, pelo menos em ‘Circe’, ‘a atitude do excelentíssimo mestre’ (U 15.2854-5), ou seja, o sexto ou grau do Arco Real, ou ‘a atitude de mestre secreto’ (U 15.4956), ou seja, o quarto grau do Rito Escocês Antigo e Aceito, não trabalhado na Irlanda. No entanto, isso é apenas uma forma de realização de desejos.  Somente em suas fantasias ele poderia aspirar a ser feito ‘um cavaleiro eleito dos nove’ (U 15.3461), que lembra o título, ‘Eleitos dos Nove’, concedido àqueles que obtiveram e trabalharam o nono grau do Rito Escocês Antigo e Aceito, não trabalhado na Irlanda. Da mesma forma, ele pode sonhar em ser feito um Rose Croix ou um Príncipe Mason do grau 18, ou mesmo atingir o grau 33: o mais alto grau de Maçonaria trabalhado na Irlanda.[75]

No entanto, à media que o somnium de ‘Circe’ invade, é muito da mesma maneira que ele se pode imaginar como Lorde Prefeito de Dublin, Magistrado Chefe de Dublin ou Freeman Honorário de sua cidade natal.  A elevação cívica de Bloom em ‘Circe’ parece parodiar a de Sir Charles Cameron, a quem foi concedida à comenta Freedom da Cidade em 1911 por sua contribuição à administração de saúde pública, que não apenas serviu como Grão-Mestre Adjunto do Grande Priorado de Cavaleiros Templários, mas também como Soberano e Comendador do Conselho Supremo do Rito Antigo e Aceito da Irlanda, bem como seus deveres na Grande Loja.[76] Além de sua presidência do Grande Capítulo dos Príncipe Maçons da Irlanda, Gerald Fitzgibbon também serviu como Soberano e Comendador do Supremo Conselho do Rito Antigo e Aceito da Irlanda. Em seu discurso presidencial à Convocação Trienal do Grande Capítulo dos Príncipe Maçons da Irlanda, em 19 de maio de 1909, Fitzgibbon opinou que ‘os maçons genuínos eram feitos na Alemanha, e também na Inglaterra, durante toda a Idade Média’. Essa é uma referência sardônica à produção em massa contemporânea no vale do Ruhr, resultando em ‘alemães fazendo do seu jeito em todos os lugares’ (U 8.555), que paradoxalmente enfatiza a natureza exclusiva da Maçonaria, traçando sua linhagem até a Bauhütte medieval. A Maçonaria especulativa pode traçar sua origem até os construtores de catedrais da Idade Média que preservaram os segredos daqueles primeiros pedreiros de Accad e Egito trazidos de volta à Europa pelos primeiros cruzados, os Templários: ‘possivelmente antes mesmo dos dias de Salomão, o Craft (ofício) existia como sociedade ou guilda organizada’.[77]

A frase irônica de Fitzgibbon, característica de sua ‘arrogância cortês’ (U 7.805-6), foi proverbial nas publicações maçônicas durante a década seguinte, apenas para ser repetida mais uma vez pelo jesuíta Edward J. Cahill: a luz guia do movimento ‘Antimaçons / antijudaico’ na Irlanda’, em um carta ao editor de Irish Independent sobre ‘Juramentos Maçônicos de Segredo’ (5 de novembro de 1929).[78] Joyce o emprega em ‘Circe’ para destacar a ironia inerente à adoção de maçonnerie ecossaise, por Eduardo VII que encontra eco na adoção do Tartan Royal Stewart. Tendo obtido e trabalhado o grand ecossais ou grau 14 do Rito Escocês, o monarca ‘está vestido como um grande eleito pedreiro perfeito e maçom sublime com a trolha e avental’, embora ‘feito na Alemanha’ (U 15.4454-5) como sua pele de cordeiro.

Além disso, é significativo que Joyce modifique a comparação de John F. Taylor da oratória deliberativa do Lord Justice com aquela de um ‘intelectual’ egípcio ou ‘professor instruído’ de literatura, conforme registrado no Freemans Journal, 25 de outubro de 1901, e como ‘um professor da moda com um apego à corte egípcia’, parafraseado no panfleto de Roger Casement, ‘A linguagem do fora da lei’, publicado por volta de 1905.[79] A comparação de Joyce do discurso de Fitzgibbon ao de um ‘sumo sacerdote egípcio criado em tom de arrogância e orgulho’ (U 7.838-9) é revestida de uma dimensão adicional quando consideramos sua preeminência nos círculos maçônicos, aliada à sua posição como ‘o leigo mais influente do mundo’ na Igreja da Irlanda’.[80] De fato, Fitzgibbon havia escrito sobre a fonte provável de alguns aspectos da Maçonaria nos santuários de Memphis e Tebas, lembrados na decoração egípcia da Sala do Capítulo do Arco Real em Molesworth Street.[81] Fitzgibbon morreu em 14 de Outubro de 1909, e foi aclamado como ‘O maior irlandês de seus dias e geração’ em uma homenagem entregue à Grande Loja da Irlanda por Sir James Creed Meredith em 27 de dezembro de 1909.

Segundo Meredith, que era então Grão-mestre Adjunto(1898-1911), ‘sua perda foi sentida por seu país, sua universidade, sua igreja e, acima de tudo, por seus irmãos da ordem maçônica. Ele era eminente como jurista, como educador, como clérigo e como maçom. Fitzgibbon foi sucedido por Chatterton como Soberano Grande Comendador do Grau 33. Como Meredith, Chatterton também era membro do Corpo Representativo da Igreja da Irlanda, assim como o era outro maçom de destaque, o ‘juiz Barton’ (U 9,519-20).

Mas Bloom não se move nessas exaltadas rodas dentro de rodas, que ligam a elite cívica e legal da cidade à Universidade de Dublin, à Igreja da Irlanda e às ordens por convite da Maçonaria Irlandesa. ‘Ikey Moses’ (U 9.607) não está muito bem em Molesworth Street com pessoas como Falkiner: os ‘barba de pedra’ (U 15.1163), Moisés com chifres entre os advogados, cuja terribilitas recorda ‘o Moisés de Michelangelo’ (U 7,756-7).[82] Isso é reconhecido pelo próprio Bloom: ‘Depois de seu bom almoço no terraço de Earlsfort. Velhos companheiros advogados quebrando um magnum… Suponho que ele torceria seu nariz para aquelas coisas que eu bebi. Vinho antigo para eles’ (U 8.1152-5). Dado o papel ativo que ele desempenhava na Universidade de Dublin e no sínodo geral da Igreja da Irlanda, podemos esperar que Falkiner fosse um maçom e um provável candidato a membro das ordens por convite afiliadas à Grande Loja. Geralmente os leitores de Ulisses presumem que Falkiner é um maçom. De acordo com Benstock, isso teria sido ‘conhecimento comum acessível a qualquer pessoa em Dublin’,[83] enquanto Conner afirma que Falkiner era ‘um membro inquestionavelmente influente’ da Grande Loja da Irlanda.[84] No entanto, não há evidências nos arquivos da Grande Loja da Irlanda sugerindo que Falkiner tenha sido membro, o que ajudaria muito a explicar por que Bloom não comenta a filiação de Falkiner quando o vê ‘entrando na sede dos maçons. Solene como Tróia ‘(U 8.1151).[85] Como observa Schneider, ‘os pensamentos de Bloom não se voltam para a Maçonaria, mas para a profissão legal e o consumo de álcool de Sir Frederick’.[86] Além disso, embora Falkiner reconheça o papel proeminente que a Maçonaria desempenhou na inauguração do ‘novo Tribunal de Registradores e da Cidade em Green Street’ – ao qual Joyce alude por meio do ‘broche de caveira e tíbias cruzadas’ (U 12.663-4) distribuído às damas durante o julgamento paródico em ‘Cyclops’ – Falkiner não mostra nenhum interesse particular no ‘ofício da ordem’.[87] As quatorze lojas de Dublin que trabalharam o Rito Antigo e Aceito para a Irlanda eram caracterizadas por uma exclusividade social e religiosa muito diferente da visão de Bloom de ‘União de todos, judeus, muçulmanos e gentios’ unidos em ‘uma igreja leiga livre em um estado leigo livre’ (U 15.1686-93), e talvez por isso Joyce associe Falkiner, que era um antissemita, se não um maçom, à Sede da Maçonaria. A opinião de Bloom de que ‘pobre velho sir Frederick’ (U 12.1096) era um ‘velho bem-intencionado’ (U 9.1156) era geralmente confirmada pelos Dublinenses e sua propensão para quase se dissolver ‘em lágrimas no tribunal’ (U 12.1098-9) é lembrado com carinho nas memórias contemporâneas.[88] No entanto, seu antissemitismo não era apenas questionado por Sir Joseph Sebag Montefiore, mas também foi objeto de um questionamento parlamentar. Nessa ocasião, a sentença severa aplicada a um tabaqueiro e agente de apostas ilegal de origem polonesa, Henry Kahn, especialmente o ataque de Falkiner ao queixoso como ‘um espécime de sua nação e sua raça que faz com que você seja caçado em todos os países’, foi defendida pelo eterno paradigma de traição de Joyce, ‘Mr. Healy, o advogado’ (U 14,494).[89]

Parece que Bloom obteve e trabalhou o terceiro grau da Maçonaria Simbólica, o do Mestre Maçom, no máximo. Isso não é apenas sugerido pelo seu voto de ‘sempre saudar, sempre ocultar, nunca revelar, nenhuma parte ou partes, da arte ou artes’ ao contrário que seu corpo seja encontrado ‘nas areias ásperas do mar… o comprimento de um cabo de reboque da costa… onde a maré sobre… e desce… ‘ (U 15.4953-4), mas também por seu distintivo maçônico azul‘ (U 15 450-1). Para uma boa proporção da sociedade contemporânea de Dublin, a saber, os impenetráveis ao anátema papal, tal distintivo não pareceria mais sinistro do que um católico usando o distintivo de Associação dos Pioneiros de Abstinência Total do Sagrado Coração, satirizada como o emblema da ‘fita azul de Ballyhooly’ (U 12.689) em ‘Ciclopes’. Ainda assim, não importa que ‘entretenimento flahoolagh’ (U 12.691-2) possa ser fornecido na Sede da Maçonaria – em oposição aos velhos pães secos, ao som de ‘a velha vaca morreu’ nos arredores consideravelmente menos ornamentados do Salão de Temperança do Padre Matthew – Bloom não precisa usar um distintivo maçônico para ser identificado como um ‘maldito maçom’ (U 12.300) no pub de Barney Kiernan. Bloom não é dado à abstinência total, apesar de sua convicção de que a bebida é ‘a maldição da Irlanda’ (U 12.684), mas sua temperança é uma questão de suspeita no que diz respeito aos habitantes de Kiernan, de uma maneira que não seria se ele estivesse usando um alfinete de pioneiro e ‘cuspindo fora em irlandês’ (U 12.689).[90] Aqui, ele é escalado como um sionista Illuminatus acabado de sair das páginas de La Libre parole, tentando corrigir o nec and non plus ultra da nacionalidade da Irlanda através de suas conexões austro-húngaras. No mesmo ano que testemunhou a publicação de A ressurreição da Hungria, Bloom, em comum com Arthur Griffith, está sob vigilância dos G-Men (Departamento Especial, Divisão G, Polícia Metropolitana de Dublin), onde Cunningham e Power também servem: ‘Ele é um judeu pervertido, diz Martin, de um lugar na Hungria e foi ele quem elaborou todos os planos de acordo com o sistema húngaro.  Nós sabemos disso no castelo’ (U 12.1635-7).[91] Isso o lança da mesma luz vagamente sinistra que Maurice Solomons, conforme observado ‘através de óculos ferozes’ por Tisdall Farrell, na janela do que é propositadamente descrito em ‘Wandering Rocks’ como ‘o Vice-consulado austro-húngaro’ (U 10.1261-3), mas mais geralmente conhecido pelos habitantes de Dublin contemporâneos como sala de consultoria de Salomão.[92] Somos imediatamente lembrados do boato de que ‘foi Bloom quem deu a Griffith as ideias para Sinn Fein colocar em seu discurso todo tipo de manobra eleitoral, júris lotados e burla de impostos do governo e nomeação de cônsules em todo o mundo para vender Indústrias irlandesas’ (U 12.1574-7): uma recapitulação irônica do discurso histórico de Griffith à primeira convenção anual do Conselho Nacional na Rotunda, em 28 de novembro de 1905, que inaugurou a política do Sinn Féin. Muito se falou da ironia inerente à vigilância de Bloom como um suspeito colaborador de Griffith, dado o virulento antissemitismo do líder do Sinn Féin neste ponto de sua carreira.[93] Além disso, conforme destaca Dominic Manganiello, ‘Assim como o Cidadão não podia tolerar a maçonaria de Bloom, Griffith também não poderia ter feito isso.[94] No entanto, a ironia principal reside no fato de que a suposta colaboração de Bloom com Griffith em questões austro-húngaras e a subsequente vigilância do Departamento Especial, que o grupo reunido no pub de Kiernan está muito disposta a aceitar, não melhora sua posição do ponto de vista do Cidadão, a despeito de seus gritos de ‘Sinn Fein!… Sinn fein amhain‘ (U 12,523).

No entanto, toda essa suspeita vigilante por parte tanto de nacionalistas quanto de unionistas igualmente, apesar  dos melhores esforços apotropaicos de Bloom para se distanciar do ‘que eles chamam de judeu sujo’ (U 9.1159). Aqui, Bloom se refere a Falkiner e seus advogados confrades; muitos dos quais eram irmãos daqueles eleitos, irmandades Cristãs musculares, presidindo o esplendor do Renascimento Gótico no último andar da Sede da Maçonaria. No entanto, que Bloom está igualmente preocupado com Reuben J. Dodd, reflete sobre sua posição nos círculos nacionalistas católicos, é confirmado por seu entusiasmo em repetir ‘o terrivelmente bom’ que ele ouviu sobre Dodd ‘e o filho’ (U 6.264-5) a caminho do funeral de Paddy Dignam. Nesta fase do dia, pelo menos, Bloom está ansioso para demonstrar aos seus companheiros de luto que ele é tudo menos um ‘Barrabás’ (U 6,274; 10.950), ou, mais especialmente, um ‘Iscariotes de barba negra, mau pastor’ (U 15.1918).[95] Aqui, Joyce lembra a tradição patrística de que Judas veio da ‘tribo agrária de Reuben’ (U  6.251), refletida no conceito medieval do Anticristo como o pastor mercenário de João 10: 1213, conforme prenunciado em Zacarias 11:15-17. Bloom está ansioso para garantir que ele não é realmente judeu, apenas judaico e não possui o ‘toque de Ikey’ que ele atribui a Griffith, que ironicamente ilumina os dias de sol de Sinn Féin ‘nascendo no noroeste’ (U 4,103).[96] Mas essa abordagem só tem o efeito desejado em ‘Circe’, onde Bloom é elogiado no estilo da Ladainha de Loreto como ‘Maçom caridoso’ (U 15.1945) por um coro improvável retirado da organização nacionalista Inghínidhe na hÉireann ou as ‘Filhas de Erin’ (U 8.10341), estreitamente afiliada ao Sinn Féin.[97] Aqui, Joyce esconde as credenciais eminentemente Boulangistas de sua fundadora, ‘Maude Gonne, mulher bonita’, amante de ‘la Patrie‘ e ‘M. Millevoye’ (U 3.233).[98] O próprio epíteto lembra curiosamente o poema de Walter Harte, ‘Eulogius or, the Charitable Mason’.[99] A lembrança de Joyce da introdução dedicatória de Wright ao poema, que fala de ‘Seis pés cúbicos de terra é tudo que eles têm; / Velados com hipocrisia, esquecidos com facilidade’, pode informar o ‘Elogio em um cemitério rural’ de Bloom e sua atribuição equivocada da elegia de Gray a ‘Thomas Campbell’ (U 6.940-1), que incluiu ‘Eulogius’ em seu Specimens of the British Poets.[100]

Seja como for, Bloom certamente está atento às tradições de beneficência da Maçonaria, que não apenas honra o santo padroeiro dos Templários, ou melhor, os Hospitalários, mas também está de acordo com a tradição judaica do tzedakah, e as vantagens sociais associadas a fazer parte da caridade sob a proteção do próprio monarca. Ainda assim, para o Cidadão, a ‘Caridade para com o vizinho’ de Bloom (U 12.1665) é uma evidência condenatória de sua aliança profana com tais ‘funileiros na prefeitura’ (U 12.1181): tais valores de Corporação como Sir Charles Cameron e ‘Mr. Spencer Harty, C.E.’ (U 17.173), ele próprio um antigo venerável da Loja Nassau, nº 75, e membro do Grande Priorado de Cavaleiros Templários, para quem é sempre um caso de ‘Aperte as mãos, irmão. Você é um trapaceiro e eu sou outro’ (U 12.785). Isso também alia Bloom a uma ‘Majestade Satânica’, cheia de varíola, que é responsável em última análise pelos ‘estranhos em nossa casa’ (U 12.1151) e o protetor de uma organização secreta tentacular, envolvida em uma conspiração internacional para degradar ‘aquela madre Igreja’ (U 14.258) e minar sua filha mais fiel, ‘a nação em casa’ (U 12.1370). No que diz respeito ao Cidadão, Bloom continua sendo a personificação viva do polvo de duas cabeças da judéo-maçonnerie, embora o próprio Bloom não reconheça a significância da imagem quando ele inicialmente ouve Æ. Que Bloom não é mais um Maçom de Loja é algo indiferente a seus críticos, porque ‘Uma vez maçom, sempre maçom’.

É totalmente provável que Bloom sinta o mesmo em relação à própria Maçonaria, porque parece que ‘a religião de Bloom é a Maçonaria’, como afirma Conner. [101] No entanto, um dos aspectos mais comoventes e até agora inexplorado de sua Maçonaria é o sentimento de exílio e isolamento de seu status como maçom não afiliado ou irmão excluído da nomenclatura maçônica irlandesa.[102] Bloom sente uma sensação semelhante de isolamento nos rápidos olhos injetados de Tom Kernan.  Olhos secretos, buscando segredos. Maçom, eu acho: não tenho certeza. Ao lado dele novamente.  Somos os últimos. No mesmo barco’ (U 6.661-3). Kernan é um companheiro convertido ao catolicismo, como descrito em ‘Grace’, de quem se espera também que rompesse com sua loja após a recepção na igreja católica, se ele fosse um maçom.  Para o Cidadão e seus companheiros no pub de Kiernan, o espectro da Judeo-Maçonnerie torna Bloom um tipo de Anticristo pregando ‘Amor universal’ (U 12.1489), em oposição ao polvo escatológico evocado por AE, ‘Assuero, eu o chamo. Amaldiçoado por Deus’ (U 12.1667). No entanto, esta cominação também tem sua origem na França do fin-de-siècle, onde Assuero ‘simbolizava cada vez mais a conspiração de judeus e maçons contra a nação’.[103] Em semelhança paradoxal, maçons não afiliados como Bloom e, possivelmente, Kernan eram frequentemente descritos como os Judeus Errante da Maçonaria Simbólica no folclore maçônico. Muitos dos ‘graves anciãos da cidade mais obediente, segunda do reino’ (U 12.1185-6) considerariam Bloom como a mais abjeta das criaturas: um Assuero maçom. Como um irmão excluído, ele está condenado a vagar pelas ruas de Dublin em exílio espiritual, lembrando-se das alegrias que sua loja uma vez proporcionou, de uma maneira que lembra o earm anhaga: a figura miserável e solitária do Andarilho amaldiçoado pela sociedade anglo-saxônica. [104] A Maçonaria de Bloom é ‘Criada no osso’ (U 13.918) e ele continua sendo um maçom no banco de testemunhas que encerra seu coração, como mostra seu julgamento simulado sob Falkiner em ‘Circe’. Ainda assim, ele é também a própria epítome de ‘Algum homem que viajando encontrasse a porta fechada com a chegada da noite. O povo de Israel era aquele homem que na terra vagando longe tinha ido’ (U 14,71-3).

 

 

** A Prof. Dra. Anne Marie D’Arcy é Professora Associada em Língua e Literatura Medieval e Renascentista da Universidade de Leicester.

 

Notas

[1] Fritz Senn, ‘Dogmad ou publicado?’, James Joyce Quarterly 17 (1980), 237-61: 245

[2] Letters of James Joyce I, ed. Stuart Gilbert (New York, 1957), 177.

[3] Todas as referências são a James Joyce, Ulisses: A Critical and Synoptic Edition, edd. Hans Walter Gabler et al, 3 vols (Nova York, 1984), a seguir citado entre parênteses como U com número de capítulo e linha.

[4] Cf. Ulrich Schneider, ‘Sinais e senhas maçônicas no episódio ‘Circe’’, James Joyce Quarterly 5 (1968), 303-11; Bernard Benstock, ‘Leopold Bloom e a conexão Maçônica’, James Joyce Quarterly 15 (1978), 259-62; Patrick W. Conner, ‘Bloom, os maçons e a conexão Benstock’, James Joyce Quarterly 17 (1980), 217-20.

[5] Louis Hyman e Isaac Cohen, «Irlanda», Encyclopaedia Judaica, 2nd edn, 22 vols (New York, 2007), X, 25-7: 25. A Grande Loja foi constituída em 26 de junho de 1725; cf. John Herron Lepper, Philip Crossle e Richard E. Parkinson, História da Grande Loja de Maçons Livres e Aceitos da Irlanda, 2 vols (Dublin, 1925-57).

[6] Cormac Ó Gráda, Irlanda Judaica na Era de Joyce: Uma história socioeconômica (Princeton, 2006), p.  .

[7] Ritmo Don Gifford e Robert J. Seidman, Ulisses anotado rev. edn (Berkeley, 1988), 613, ‘as cores Zingari’ não significam simplesmente ‘cores ciganas’, mas referem-se proverbialmente ao vermelho, preto e ouro ostentado pelo exclusivo clube de críquete amador Zingari. No entanto, Bloom provavelmente está usando um cachecol da High School, de acordo com o brasão de armas do Erasmus Smith Trust e o brasão da escola

[8] Embora Donald Munro Turnbull, John W. Meredith e Owen Goldberg não tenham frequentado a High School, Alfred Walter Turnbull (nascido em 21 de outubro de 1884), James William Turnbull (nascido em 12 de novembro de 1877), Fredrick Meredith (nascido em 6 de março de 1860), Jacob Goldberg (nascido em 2 de abril de 1883), Bernard Goldberg (nascido em 15 de setembro de 1891) e Louis Goldberg (nenhum dos listado) eram ex-alunos. Ritmo Gifford, Ulisses anotado 507, não há evidências de que Abraham Chatterton (1862-1949) tenha sido ‘educado em Erasmus Smith’; ao contrário, ele cursou na Charterhouse e Trinity College Dublin. Ele era secretário e tesoureiro da High School, 1900-08, e sobrinho de Hedges Eyre Chatterton; cf. U 7.260-7.

[9] Embora os pisos quadriculados maçônicos ou os pavimentos mosaicos sejam geralmente preto e branco, como na Sede da Maçonaria em Dublin, os comentaristas do século XIX traçam sua origem no chão da cripta de York Minster, que se pensava ter ‘um pavimento de ladrilhos de mosaico azul e branco colocados segundo a forma usada no 1o de Maçonaria ‘(John Yarker, As Escolas Arcanas (Londres, 1909), 268).

[10] Cf. Toby Barnard, Fazendo a Grande Figura: Vidas e posses na Irlanda, 1641-1770 (New Haven, 2004), 365: ‘a fácil igualdade aparentemente mantida pelas lojas continentais não é evidente nos primeiros relatos de reuniões maçônicas em Dublin.  Lá, os titulares estavam sentados longe dos meros plebeus.  Em teoria, os católicos podem se juntar aos protestantes nas reuniões, mas é improvável que isso tenha acontecido.’ No entanto, além de Lepper e Crossle, História da Grande Loja 247-8; cf. ATQ Stewart, Um silêncio mais profundo: As raízes cultas da United Irishmen (London, 1993), 164-78; Jim Smyth, ‘Maçonaria e a United Irish‘, em The United Irishmen: Republicanismo, Radicalismo e Rebelião, edd. David Dickson, Daire Keogh e Kevin Whelan (Dublin, 1993), 168-75; Petri Mirala, Maçonaria em Ulster, 1733-1813: Uma história social e política da Irmandade Maçônica no Norte da Irlanda (Dublin, 2007).

[11] Os Protocolos dos Sábios de Sião (Londres, 1920) foi impressa ‘em particular’ por Eyre e Spottiswoode.  Cf. a recente coleção de ensaios em Reconsiderando ‘Os Protocolos dos Sábios de Sião’: 100 anos após a falsificação, edd. Steven T. Katz e Richard A. Landes (Nova York, 2009).

[12] Cf. Jean Baubérot, ‘Laicidade’, trad. Arthur Goldhammer, em República Francesa: História, Valores, Debates, edd. Berenson, Vincent Duclert, Christophe Prochas (Ithaca, NY, 2011), 127-35.

[13] A referência oblíqua de Molly lembra a alusão velada de Joyce ao prolongamento do boicote de 1904 na zona rural de Limerick pelo Pe. James Gleeson, pároco de Kilcolman e Coolcappa, Shanagolden; cf. Dermot Keogh, Judeus na Irlanda do século XX: Refugiados, antissemitismo e holocausto (Cork, 1998), 43-4, e Dermot Keogh e Andrew McCarthy, Boicote de Limerick 1904: Antissemitismo na Irlanda (Cork, 2005), 71-6.  Ironicamente, o Cidadão é supostamente boicotado por esse vilarejo por ser um invasor de terras: a figura mais insultada da sociedade irlandesa e da memória popular; cf. U 12.1312-16. No entanto, em A Consciência de James Joyce (Oxford, 1977), 86-7, Richard Ellmann afirma que Molly se refere a um suposto boicote de mercadorias britânicas pelo Sinn Féin em 1906; cf. Carta a Stanislaus Joyce, 25 de setembro de 1906, Cartas de James Joyce II, ed. Richard Ellmann (Nova York, 1966), 167, n.  Aqui, Ellmann confunde o discurso inaugural de Arthur Griffith com a primeira convenção anual do Conselho Nacional na Rotunda, em 28 de novembro de 1905, com três resoluções aprovadas em 6 de setembro de 1906 na ‘segunda convenção anual’. O discurso inaugural de Griffith, que pedia a todos os irlandeses que ‘pagassem, se necessário, um preço mais alto pelos produtos irlandeses e usassem, sempre que possível, apenas produtos irlandeses’, foi publicado em ‘seu artigo’, como Joyce coloca; cf. The United Irishman de 9 de dezembro de 1905, reproduzida como A política do Sinn Féin em 1906. A declaração de Ellmann de que Griffith ‘moveu-se para o boicote a certos produtos britânicos’ depende muito de Robert Mitchell Henry, A evolução do Sinn Féin (Dublin, 1920), p. 78.  De fato, Griffith não apenas se absteve de usar a palavra ‘boicote’ nas resoluções de 1906, publicadas em Sinn Féin, 8 de setembro de 1906, mas ele deixa claro que não exigiu boicote e buscou simplesmente uma redução no consumo de bebidas alcoólicas, cerveja, tabaco, chá e vinhos.

[14] Comércio judaico: Seu crescimento em Limerick. Discurso à Confraria pelo Padre Creagh, C.SS.R ‘, Notícias de Munster 13 de janeiro de 1904; repr. em Keogh e McCarthy, Boicote de Limerick 1904 36. Além de Keogh, Judeus na Irlanda do século XX 27-30, cf. Louis Hyman, Os judeus da Irlanda: Desde os primeiros tempos até 1910 rev. edn (Dublin, 1997), 212.  Cf. também Marvin Magalaner, ‘Os Incidentes Antissemitas de Limerick e o Bloomsday de Joyce’, PMLA 68 (1953), 1219-23.

[15] Cf. O Anuário do estadista, 1906 (Londres, 1906), 836-40.

[16] Cf. Daniel Moulinet, ‘Les Publications Françaises relatives à l’ Histoire des Congrégations Religieuses’, no Institutos religiosos na Europa Ocidental nos séculos XIX e XX: Historiografia, Pesquisa e Posição Jurídica edd. Jan de Maeyer, Sofie Leplae e Joachim Schmiedl (Louvain, 2004), 203-42: 227, n.59.

[17] Cf. Moulinet, ‘Publications françaises’, 227, n.62. Cf. também Sarah A. Curtis, ‘Hábitos Seculares: Professores religiosos e a crise de secularização de 1901-1904 ‘, História Francesa 9 (1995), 478–98, e ‘Persécution et résistance: Les congrégations enseignantes face à la loi sur les associations de 1901’, Revue d’histoire de l’Église de France 88 (2002), 175-95.

[18] O prefácio de Anatole France foi publicado originalmente em L’Aurore no final de dezembro de 1903, enquanto uma versão revisada e expandida foi publicada como A Igreja e a República (Paris, 1904), esp. 34-5.

[19] Cf. Louis Capéran, A invasão secular do advento de Combes ao voto da separação (Paris, 1935); Charles Stanley Phillips, A Igreja na França, 1848-1907: Um estudo sobre avivamento, 2nd edn (Nova York, 1966), 259-75; Malcolm O. Partin, Waldeck-Rousseau, Combes e a Igreja: A política do anticlericalismo, 18991905 (Durham, NC, 1969); Maurice Larkin, Igreja e Estado após o Caso Dreyfus: A questão da separação em França (Londres, 1974); Nicholas Atkin, ‘A Política da Legalidade: As Ordens Religiosas na França, 1901-45 ‘, em Religião, Sociedade e Política na França desde 1789, edd. Frank Tallett and Nicholas Atkin (London, 1991), 149-65; As Congregações fora da lei? Sobre a lei de 1o. de Julho 1901 edd. Jacqueline Lalouette e Jean Pierre Machelon (Paris, 2002); André Lanfrey, Secularização, separação e guerra escolar: Os católicos franceses e a escola (1901-1914) (Paris, 2003); Christian Sorrel, A República contra as congregações: História de uma paixão francesa (1899-1914) (Paris, 2003); O Grand exílio das congregações religiosas francesas, 1901-1914: Colóquio Internaciona de Lyon Universidade Jean-Moulin-Lyon-III 12-13 de junho de 2003 edd. Patrick Cabanel e Jean-Dominique Durand (Paris, 2005).

[20] William Wordsworth, ‘Livro VI: Cambridge e os Alpes, ll. 425-6, O prelúdio, ou crescimento da mente de um poeta (Londres, 1850), 153-4.  A votação que levou à dissolução foi realizada em 26 de março de 1903.

[21] Religião, política e preferência na França desde 1890: A Belle Époque e seu legado (Cambridge, 2002), 51.

[22] Cf. ‘A França bane os monges cartuxos: Programa de Expulsão do Ministro Combes concluído’, New York Times, 27 de março de 1903. Cf. também Paul Dreyfus, O cotidiano em Dauphiné sob a Terceira República (Paris, 1974), 214-24; René Bourgeois, A Expulsão dos Chartreux: 29 de abril de 1903 (Paris, 2000); Christian Sorrell, ‘O monaquismo masculino na França no final do século XIX e início do século XX, Revue Mabillon 16 (2005), 23-54.

[23] Cf. ‘Premier francês conta sobre oferta de suborno de US $ 400.000: Seu filho foi abordado em nome dos monges cartuxos, New York Times, 11 de junho de 1904; ‘Escândalo de suborno Combes: O Comissário Lagrave testemunha’, New York Times, 17 de junho de 1904; ‘Gabinete francês abalado por testemunho: As alegações de Lagrave podem causar sua queda precoce’, New York Times 21 de junho de 1904; «M. Combes e os cartuxos, New York Times 24 de junho de 1904; ‘O Escândalo Cartuxo’, New York Times, 24 de julho de 1904. Cf. também Elizabeth Goulding, ‘Combes e os milhões dos Cartuxos’, Cahiers Jean Girauldoux 13 (1984), 150-4; Paul Dunex, L’Affaire des Chartreux: A première enquête parlementaire du XXe siècle (Paris, 2001).

[24] Cf. Francis A. Cunningham, A guerra contra a religião (Boston, 1911), 326.

[25] Além de Larkin, Religião, Política e Preferências 29-52 e ‘Fraternidade, Solidariedade, Sociabilidade: As Raízes do Grand Orient de France ‘, em O legado jacobino na França moderna ed. Sudhir Hazareesingh (Oxford, 2002), 89-114, cf. Mildred J. Headings, Maçonaria francesa sob a Terceira República (Baltimore, 1949); François Vindé, L’Affaire des fiches (1900-1904): Chronique d’un scandale (Paris, 1989); Douglas Porch, A marcha para o Marne: O exército francês 1871-1914 rev. edn (Cambridge, 2003), 92-104. Sobre a exposição de Joyce às consequências do caso Dreyfus, veja Neil R. Davison, James Joyce, Ulisses e a Construção da identidade judaica (Cambridge, 1998), 86-91.

[26] Cf. Jean-Baptiste Bidegain, Le Grand Orient de France (Paris, 1905), p. 114.

[27] Tempo de Aprendizagem: A ficção do jovem James Joyce (Londres, 1959), 50, 70.  Sobre Léo Taxil, nascido Marie Joseph Gabriel-Antoine Jogand-Pagès, mas também conhecido como Dr. Bataille e Diana Vaughan, ver Henry Charles Lea, Léo Taxil, Diana Vaughan e a igreja romana, história de uma mistificação (Paris, 1901); Eugen Weber, Satanás-maçom: A mistificação de Léo Taxil (Paris, 1964); WR Jones, ‘Palladismo e o Papado: Um Episódio do anticlericalismo francês no século XIX ‘, Revista de Igreja e Estado 12 (1970), 453-73; Gordon Wright, Notável ou notório ?: Uma galeria de parisienses (Cambridge, MA, 1989), 86-147; David Allen Harvey, ‘Lúcifer na Cidade da Luz: O Boato do Paládio e a ‘Causalidade Diabólica’ em Fin De Siècle França’, Magia, ritual e bruxaria 1 (2006), 177-206.

[28] Cf. ‘Discours du 19 avril 1897, tiré du journal ‘Le Frondeur’’, in Léo Taxil et la Franco-Maçonnerie ed. Leslie Fry (Chatou, 1934), pp. 158-9.

[29] Na coletiva de imprensa, Taxil humilhou a Pequena Flor projetando um slide dela representando Joana d’Arc na segunda de suas peças de convento sobre a vida de Joana; cf. Thomas R. Nevin, Thérèse of Lisieux: A Guerreira Gentil de Deus (Oxford, 2006), 216-20; Mary Frohlich, ‘Thérèse de Lisieux e Jeanne d’Arc: História, Memória e Interioridade na Experiência da Vocação ‘, Spiritus 6 (2006), 173-94.  Cf. O artigo de Taxil, ‘Maçonnerie et judaísmo’, em La França chrétienne, 18 de dezembro de 1889, onde o aparentemente reformado pornógrafo castiga Sarah Bernhardt por ter o desplante de interpretar Joana, apesar de seu judaísmo; citado por Drumont, O testamento de um antissemita (Paris, 1891), p. 407-8.

[30] Abbé Emmanuel Chabauty, Franco-maçons e judeus: Sixième âge de l’église d’après l’apocalypse (Paris, 1880) e Les juifs nos maitres (Paris, 1882), argumentava que Satanás estava trabalhando através da judéo-maçonnerie para preparar o caminho para o anticristo judaico. Cf. Abade Jean Anselme Tilloy, O perigo judeu-maçônico: O mal, o remédio (Paris, 1897), e Abade Isidore Bertrand, A maçonaria: Seita judaica (Paris, 1903).

[31] Cf. Arthur Edward Waite, Adoração do Diabo na França ou a Questão de Lúcifer (Londres, 1896).  As reflexões em série de Taxil foram finalmente publicadas em uma obra, Le Diable au XIXe siècle ou les mystères du Spiritisme.  A maçonaria luciferiana, as reformas completas sob o paladismo, a teurgia, a goétia e todo o satanismo moderno, 2 vols em 4 (Paris, 1894), repleto de ilustrações abundantes e lúgubres de rituais satânicos, incluindo ‘Os judeus na maçonaria’ (Fig. 5), juntamente com uma representação do anticristo judaico (Fig. 6).

[32] Waite contesta as alegações de Meurin; cf. Adoração do Diabo, 60-2 e A Doutrina e a Literatura da Cabala (Londres, 1902), esp. 425-8.  No desenvolvimento de maçonnerie écossaise ver Albert Lantoine, O ritual escocês antigo e aceito (Paris, 1930); Paul Naudon, História e rituais dos altos graus maçônicos: O rito escocês antigo e aceito (Paris, 1966); René Le Forestier, A maçonaria ocultista no século XVIII e a Ordem dos Eleitos Cohens (Paris, 1928, repr. 1987), e A maçonaria templária e ocultista nos séculos XVIII e XIX ed. Antoine Faivre (Paris, 1970, repr. 1987).

[33] Uma carta da Grã-Mestra das Mulheres Maçons Livres ao Sr. Harding o impressor foi impressa por John Harding em Molesworth Court em Fishamble-Street, 1724 ‘, embora em edições posteriores como as Miscelâneas de George Faulkner (Londres, 1745-8) e Trabalhos (Dublin, 1760-9), é dirigido a Faulkner. Harding foi preso por publicar as cinco primeiras Cartas de Drapier e foi popularmente entendido dado como morto na prisão em 19 de abril de 1725, daí a emenda posterior; cf. Irvin Ehrenpreis, Swift: O homem, suas obras e a época, 3 vols (Londres, 1962-83), III, 779-86; Mary Pollard, Um dicionário de membros do comércio de livros de Dublin, 1550-1800 (Oxford, 2000), 274-6.

[34] De acordo com George Kenning, John Eleemosinarius era ‘o verdadeiro santo padroeiro da Maçonaria’ porque ele era ‘o santo padroeiro dos Cavaleiros Templários’ (Enciclopédia Maçônica de Kenning e Manual de Arqueologia Maçônica (Londres, 1878), 363), mas, de fato, ele era o santo padroeiro dos Cavaleiros Hospitalários. Cf. o papel específico atribuído ao João Eleemosinarius em Maçonaria Templária Irlandesa, WJ Chetwode Crawley, ‘As Lendas dos Templários na Maçonaria ‘, Ars Quatuor Coronatorum 26 (1913), 45-70, 146-81, 221-36: 49.

[35] Obras em prosa, V, 324-33: 328-9. Além de Lepper e Crossle, História da Grande Loja, I, 35-7, 448, cf. WJ Chetwode Crawley, ‘Maçonaria Irlandesa Antiga e Conexão de Dean Swift com a maçonaria simbólica’, em Reimpressões Maçônicas e Revelações Históricas ed. Henry Sadler (Londres, 1898), vii-xxxvi.

[36] Cf. A Fundação do Hospital e Escola Livre do Rei Charles II, Oxmantown, Dublin, Comumente Chamada Escola Blue Coat (Dublin, 1906), 218-19.  Cf. também Charles Peake, James Joyce: O cidadão e o artista (Stanford, CA, 1977), 240; Len Platt, Joyce e os anglo-irlandeses: Um Estudo de Joyce e o  Avivamento Literário (Amsterdam, 1998), 145-6.

[37] Thornton, Alusões em Ulisses: Uma lista anotada (Chapel Hill, NC, 1968), p. 140.

[38] Umberto Eco, O Cemitério de Praga trans. Richard Dixon (London, 2011), 193. Para uma leitura alternativa, cf. Hugh Kenner, ‘Taxonomia de um polvo’, James Joyce Quarterly 18 (1981), 204-5: 205: ‘AE de Joyce discursava sobre o poder econômico britânico, seus tentáculos esticados em direção à Irlanda, suas duas cabeças Londres e Edimburgo, a última, é claro, caracterizado por um sotaque escocês’.

[39] Victor Hugo, Os Trabalhadores do mar ed. Yves Gohin (Paris, 1975), 933: ‘Nas Ilhas da Mancha, no nome do polvo.’ Cf. Roger Caillois, O polvo, ensaio sobre a lógica do imaginário (Paris, 1973); Alan S. Weiss, ‘O épico do Cefalópode’, Discurso 24 (2002), 150-9: 150-1, que localiza o nascimento do polvo ‘como uma criatura de pesadelos e terror, um ícone dos horrores da morte’ na substituição de Hugo pela palavra normanda pieuvre para o termo mais usual poulpe: ‘em francês, a palavra para o animal vivo geralmente é diferente da carcaça a ser transformada em alimento; A diferenciação de Hugo entre poulpe e pieuvre leva essa lógica transformadora um passo adiante, pois enquanto o homem normalmente come poulpe, em Os trabalhadores do mar o oposto é verdadeiro, a pieuvre ameaça comer o homem.’

[40] Les travailleurs933.  Cf. Pierre Georgel, Os desenhos de Victor Hugo para os trabalhadores do mar (Paris, 1985), n. 32.

[41] Jean Baptiste François Ernest Chatelain, ‘Tornai-vos quem eu sou ‘, Através de campos, planícies, pelo Cavaleiro de Chatelain (London, 1867), p. 53.

[42] ’A França: Um século depois de sua revolução ‘, La Civiltà Cattolica 8 (1887), 5-15: 20. 32.

[43] Cf. Taradel Ruggero e Barbara Raggi, A segregação amigável: ‘La Civiltà Cattolica’ e a questão judaica 1850-1945 (Roma, 2000)

[44] A jovem e o conselheiro das famílias 22 de novembro de 1899, 523.

[45] ’O polvo inglês’, em W.H. Harvey, Coins Financial School (Chicago, 1894), p. 124.

[46] Cf. La Bastille, 18 de agosto de 1906, 4; 13 de fevereiro de 1909, 4; 18 de setembro de 1909, 2; 18 de dezembro de 1909, 3; 15 janeiro de 1910, 2; 23 de março de 1912, 5-6.

[47] Cf. Ulrich Wyrwa, ‘Antissemitismo na Europa e a resposta ítalo-judaica: A Cobertura da Revista Il Vessillo Israelitico (1879-1914) », Studia Judaica 15 (2007), 205-18.

[48] Albert Pike, Os Estatutos e Regulamentos, Institutos, Leis e Grandes Constituições do Rito Escocês Antigo e  Aceito (Nova York, 1859), 141-5 e Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria: As Constituições e Regulamentos de 1762 (Nova York, 1872), 267; 295, 350; Charles T. McClenachan, Livro do Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria rev. edn (Nova Iorque, 1914), 441-5; 474, 486.

[49] Cf. W.J.R. Wallace, Fiel à nossa confiança: Uma história do Erasmus Smith Trust e da High School, Dublin (Dublin, 2004), 141-7.  Sobre a carreira indiana de Cousins, veja Gauri Viswanathan, ‘Visão Sintética’: Internacionalismo e a Poética da Descolonização ‘, em Nação, idioma e ética da tradução edd. Sandra Bermann e Michael Wood (Princeton, 2005), 326-45.

[50] Cf. U 15.3308, e U 17.1194-5: ‘seu último ano na High School (1880)’. Ritmo Gifford, Ulisses anotado, 162, Yeats estava matriculado na High School no outono de 1881; cf. Roy Foster, W.B. Yeats: Uma vida, 2 vols (Oxford, 1997-2003), I, 27, e Wallace, Fiéis à nossa confiança 143.

[51] O outro judaico de James Joyce (Stanford, CA, 1999), 152, n.

[52] Frederick J.W. Crowe, O Manual dos Mestres Maçons Irlandeses (Londres, 1895), p. 75.

[53] Cf. David Stevenson, Os primeiros maçons: As primeiras lojas da Escócia e seus membros (Aberdeen, 1988) e As Origens da Maçonaria: Século da Escócia, 1590-1710 (Cambridge, 1989), esp. 232-3.  No entanto, cf. também John Hamill, A História da Maçonaria Inglesa, rev. edn (Addlestone, 1994), 22-23, 31.

[54] Além de Le Forestier, A Maçonaria Templária, 11, 103-11, 135, cf. Philippe Morbach, ‘Os regimentos escoceses e irlandeses em Saint-Germain-en-Laye: Mito ou realidade maçônica? ‘, Em O outro exílio: Os Jacobitas na França no início do século XVIII ed. Edward T. Corp (Montpellier, 1993), 143-55; Paul Kléber Monod, Jacobitismo e o povo inglês, 1688-1788 (Cambridge, 1989), 300-5; André Kervella, A maçonaria escocesa na França do antigo regime (Paris, 1999).

[55] Cf. James Joyce, Finnegans Wake (London, 1984), 611.36, ‘his fellow saffron pettikilt look same hue of boiled spinasses’’ (daqui em diante citado entre parênteses como FW com o número da página e da linha). Sobre MacGregor Mathers, também conhecido como Chevalier MacGregor e Comte de Glenstrae, consulte Ithell Colquhoun, Espada de Sabedoria: MacGregor Mathers e a Aurora Dourada (Londres, 1975); Lawrence W. Fennelly, ‘WB Yeats e MacGregor Mathers ‘, em Yeats e o oculto ed. George Mills Harper (Londres, 1986), 285-306; Alex Owen, O Lugar de Encantamento: O Ocultismo Britânico e a Cultura do Moderno (Chicago, 2004), 51-84.

[56] Para os Seaforth Highlanders, cf. U10,352-3; 64-6; 1249-50, enquanto as fronteiras escocesas do próprio rei e os montanheses de Cameron são mencionadas em U 15.1402-3.

[57] Cf. Willy Maley, ‘‘Kilt by kelt shell kithagain with kinagain’: Joyce e a Escócia », em Joyce Semicolonial edd. Derek Attridge e Marjorie Elizabeth Howes (Cambridge, 2000), 201-18, esp. 210-11.

[58] Cf. Carta a Herbert Gorman, 30 de outubro de 1930, Cartas de James Joyce III ed. Richard Ellmann (Nova York,  1966), 206.  Os cadernos ‘Finnegans Wake’ em Buffalo edd. Vincent Deane, Daniel Ferrer e Geert Lernout (Turnhout, 2001-), contêm notas sobre o jacobita William Murray, segundo duque de Atholl (1689-1746): ‘Murray of Tullibardin’, ‘Cavaleiro do Cardo’; «comprometido com a torre» (VI.B.32.87; VI.C.8.28-9).  Cf. Melville de Massue de Ruvigny, O Pariato Jacobita, Baronetagem, Cavalaria e Concessões de Honra (Edinburgh, 1904), 44, 152-3.

[59] As próprias fronteiras escocesas do rei tornaram-se famosas na história de Dublin como ‘os Próprios Açougueiros Escoceses do Rei’, ou ‘os próprios assassinos escoceses do rei’, por abrir fogo contra civis após o disparo da arma Howth, matando três homens e uma mulher em Bachelor’s Walk, 26 Julho de 1914.

[60] Times, 25 de outubro de 1922. Como príncipe de Gales, Eduardo VII serviu como Grão-mestre da Grande Loja Unida da Inglaterra, 1874-97.

[61] Casserole (‘caçarola’) era uma gíria para ‘espião’ atribuída aos maçons durante o Affaire des Fiches. Durante um debate parlamentar em 13 de janeiro de 1905, o deputado antissemita da Vendéia, o Marquês de Baudry d’Asson, tentou coroar Combes com uma panela grande de cobre, conforme relatado por «Fred Ryan» (U 9,1082); cf. ‘Desestabilização da igreja na França e na Irlanda’, Dana 10 (1905), 289-94: 290-1. Cf. também Maurice Tournier, ‘A gordura voraz: Pequenos mitos populares a serviço das designações sociopolíticas no fim do século XIX », Linguagem e sociedade 113 (2005), 93-123.

[62] Cf. U 15.2179: ‘na forma das Três Pernas de Homem ‘.

[63] Imagens do polvo corporativo também são comuns ao longo das últimas décadas do século XIX, o locus classicus representando a Standard Oil engolindo tudo devido ao seu monopólio do mercado; cf. A litografia de Udo J. Keppler, ‘Next!’, Publicada em Puck, 7 de setembro de 1904, e L.D. Bradley, ‘Antes que o Cavalo de Tróia seja Admitido ‘, Chicago Daily News, 3 de fevereiro de 1909.

[64] Cf. Keogh, Judeus na Irlanda do século XX, 22

[65] Cf. Reizbaum, O outro judaico de Joyce, 152, n.9, onde este edifício, posteriormente sede da Escola de Estudos Irlandeses, é erroneamente identificado como ‘o antigo templo maçônico de Dublin’, que não deve ser confundido com a Sede dos Maçons na Rua Molesworth.

[66] Cf. U 15.760, ‘luz de amor’, que não é nem uma ‘paródia inconsciente dos princípios maçônicos’ (Schneider, ‘Freemasonic Signs’, 305), nem um ‘deslize freudiano que transgride o código de caráter e aponta para uma origem puramente textual’ ( RG Hampson, ” Whirligig complicado de Toft ‘: Alucinações, Teatralidade e Mnemotécnica em V.A.19 e o Texto da Primeira Edição de ‘Circe’ ‘, em Lendo ‘Circe’ de Joyce ed. Andrew Gibson (Amsterdam, 1994), 143-78: 170-1), como a frase era proverbial nas lojas de Dublin desde o século XVIII. Cf. os oito volumes do primeiro periódico Craft em inglês, A Revista Sentimental e Maçônica, editada por William Paulet Carey, publicada por John Jones da Grafton Street, de julho de 1792 a agosto de 1795, passim.

[67] De acordo com a placa que comemora sua morte (dada aqui como 1775) na reconstruída Catedral de St. Fin Barre em Cork, Elizabeth St Leger, filha de Arthur, primeiro visconde de Doneraile, depois Elizabeth Aldworth de Newmarket e Ballyhooley, Co. Cork, foi iniciada no primeiro e segundo graus da Maçonaria na Loja no. 44, Doneraile Court em 1712. Cf. Edward Conder, ‘A Exma. Srta St Leger e a Maçonaria ‘, Ars Quatuor Coronatorum 8 (1895), 16-23, e WJ Chetwode Crawley, ‘Nota complementar sobre a senhora maçom’, Ars Quatuor Coronatorum 8 (1895), 53-7; John Harty, ‘A mulher que se escondeu dentro de um relógio’, James Joyce Quarterly 31 (1994), 566-8.

[68] Cf. James Smith Allen, ‘Irmãs de Outro Tipo: Mulheres maçons na França moderna, 1725–1940 ‘, Revista de História Moderna 75 (2003), 783-835 e ‘Rebeldes Sem uma causa? Imagens de mulheres maçons na França ‘, Revista de História do Trabalho 71 (2006), 43-56.

[69] Crowe, Manual dos Mestres Maçons Irlandeses 85.

[70] McClenachan, Rito Escocês 134.

[71] Cf.Crowe, Manual dos Mestres Maçons Irlandeses 75-90

[72] Cf. Robert Freke Gould, Uma história concisa da Maçonaria (Londres, 1904), 448 e Uma história concisa da Maçonaria rev. edn Frederick JW Crowe (Londres, 1920), 267-8: ‘Existem cerca de 28.000 membros sob a Constituição irlandesa.’

[73] «Leopold Bloom», 259.

[74] Entretanto, Joyce poderia estar aludindo ao grau de Cavaleiro do Oriente, anteriormente conhecido como Passagem do Jordão: um dos três graus conhecidos como graus da Cruz Vermelha, governados pelos ‘chamados comumente, mas erroneamente, Cavaleiros da Cruz Vermelha da Irlanda » (Crowe, Manual dos maçons irlandeses, 83), agora governados pelo Grande Conselho dos Cavaleiros Maçons.

[75] Uma lista dos graus do Rito Escocês Antigo e Aceito é encontrada em Crowe, Manual dos maçons irlandeses 88.

[76] Cf. McClenachan, Rito Escocês 668.  Nesse contexto, a referência de Joyce a ‘um cavaleiro eleito dos nove’ (U 15.3461) pode ter a intenção de lembrar pelo menos alguns de seus leitores dos nove membros eleitos do Conselho Supremo do Rito Antigo e Aceito da Irlanda, que incluía Cameron.

[77] Citado em ‘Prince Masons of Ireland’, Uma Enciclopédia da Maçonaria e suas Ciências Afins edd. Albert G. Mackey e outros, rev. edn, 2 vols (Chicago, 1921), 803-5.

[78] Davison, James Joyce 55.  A carta de Cahill é reproduzida em Maçonaria e o Movimento Anti-Cristão, 2nd edn (Dublin, 1930), 189-90.

[79] Cf. Abby Bender, ‘A Linguagem do Fora da Lei: Um esclarecimento ‘, James Joyce Quarterly 44 (2007), 807-12: 811, n.10.

[80] Henry E. Patton, Cinquenta anos de desestabilização (Dublin, 1922), p. 242.

[81] Cf. ‘Os escritores clássicos dos mistérios’, Ars Quatuor Coronatorum 8 (1895), 190-2.

[82] Falkiner é comparado ao Moisés com chifres criado para o túmulo de Júlio II (1513-16, San Pietro in Vincoli, Roma).  O motivo deriva da tradução de São Jerônimo da palavra hebraica queren, que significa ‘chifres’, bem como ‘raios de luz’, como cornula em Êxodo 34:29; cf. Ruth Mellinkoff, Moisés com chifres na arte e no pensamento medievais (Berkeley, 1971).  A representação de Falkiner como Moisés, ‘um homem flexível em combate: com chifre e barba de pedra, coração de pedra’ (U 7.853-4), pode recordar a associação de sua família com as pedreiras doleritas ao sul de Arklow, estabelecida por Charles Stewart Parnell. John Howard Parnell dirigiu as pedreiras após a morte de seu irmão, antes de vendê-las a Travers Hartley Falkiner, o irmão mais velho do Registrador.

[83] ‘Leopold Bloom’, 259.

[84] ‘Bloom, os maçons’, 217.

[85] Seu filho, Frederick Richard Henry Falkiner, tenente da Artilharia Real a Cavalo, ingressou na Loja Grand Masters em 1886, apenas para se afogar em Kirkee (Khadki) em 20 de abril de 1888, com 26 anos.

[86] ‘Sinais maçônicos’, 303.  Além de Benstock, ‘Leopold Bloom’, 259, cf. Anton Kirchhoffer, ‘O Texto no Armário: Ocultação e Divulgação em James Joyce Ulisses‘, Zeitschrift für Anglistik und Amerikanistik 44 (1996), 27-43, esp. 37.

[87] Fundação do Hospital 218-19.

[88] Cf. Elizabeth P. O’Connor, Ela mesma: Irlanda (Nova York, 1918), 204-6.

[89] Cf. O Relatório Oficial, Câmara dos Comuns (4th ser.), 23 de janeiro de 1902, vol. 101, c 689: ‘Registrador de Dublin e prisioneiro’. Falkiner critica Kahn como judeu, embora ele se liste como ‘católico’ nas informações do censo de 1901, depois de ter se convertido em seu trigésimo quinto aniversário, em 28 de setembro de 1890. Cf. Bernard Shillman, Uma Breve História dos Judeus na Irlanda (Dublin, 1945), p. 104; Gerald Goldberg, ‘‘A Irlanda é o único país’: Joyce e a Dimensão Judaica’, The Crane Bag 6 (1982), 5-12. Nas cartas de Montefiore a Falkiner, veja Hyman, Judeus da Irlanda, 163; Ira Nadel, Joyce e os judeus: Cultura e Textos (Londres, 1989), 59; Davison, James Joyce, 251, n.82; Reizbaum, O outro judaico de Joyce 44-5. Embora ele fosse conhecido como o ‘juiz do pobre’, que tinha a Lei de Compensação dos Trabalhadores de Joseph Chamberlain de 1897 (60). & 61 Vict. e.37) estendida à Irlanda, que Joyce escolheu ilustrar isso por meio da indulgência mostrada ‘um antigo hebreu Zaretsky ou algo assim chorando no banco de testemunhas com seu chapéu na cabeça, jurando pelo santo Moisés que estava preso por duas libras’ (U 12.1091-3) é altamente irônico e parodiado pela aparição de Bloom no banco de testemunho em ‘Circe’. Falkiner realmente não tentou Wought v. Zaretsky, apresentado perante o magistrado chefe da Polícia Metropolitana, Ernest Godwin Swifte.

[90] O maduro Bloom ecoa a aversão de seu pai pela embriaguez; cf. U 8.49, onde os ratos em barris de  Guinness ‘Bebem até vomitar novamente como cristãos’, e U 15.253-4: ‘Segunda perda de meia coroa de dinheiro hoje. Eu disse para nunca sair com goys bêbados. Então você não consegue dinheiro.’ Cf. também a lembrança de Con Leventhal de uma rima popular de Little Jerusalem, citada por Keogh, Judeus na Irlanda do século XX 64: ‘Dois centavos, dois centavos ‘, o cristão gritou:’ Por uma garrafa de vinho do porto ou cerveja preta Guiness; / Minha esposa não tem xale e meus filhos não têm sapatos, / Mas devo ter meu dinheiro, devo ter minha bebida.”

[91] Bloom está ciente demais do conhecimento de Power sobre técnicas de vigilância e interrogatório: ‘Jack Power poderia contar uma história: pai policial. Se um sujeito lhes dava problemas se atrasando, ele deixavam que ele ficasse quente e pesado na casa de correção.’ U 8.419-21). A sede da Divisão G, no entanto, estava localizada em 1-8 Great Brunswick Street.

[92] Salomão era oculista e juiz da paz, ‘devidamente registrado no diretório do tribunal’ (U 16.1611-12) como um membro proeminente e respeitado da sociedade de Dublin. Cf. FW 524, 27-8, que se refere ao seu filho, o eminente obstetra e mestre da Rotunda, ‘no meu hotel de Solyman, eu acomodei suas rotundidades’.

[93] No entanto, os relacionamentos posteriores de Griffith com Michael Noyk e Bethel Solomons desmentem sua postura descaradamente antissemita na virada do século; cf. Brian Maye, Arthur Griffith (Dublin, 1997), 19-20, 362-72.  De acordo com Michael Laffan, A ressurreição da Irlanda: O Partido Sinn Féin, 1916-1923 (Cambridge, 1999), 233, seus comentários antissemitas são ‘expressões de um fanatismo juvenil que ele superou’.

[94] A política de Joyce (Londres, 1980), 173.

[95] No entanto, cf. Robert Boyle, ‘Uma nota sobre Reuben J. Dodd como um ‘judeu sujo’ ‘, James Joyce Quarterly 3 (1965), 64-6;  Patrick A. McCarthy, ‘O caso de Reuben J. Dodd’, James Joyce Quarterly 21 (1984), 169-75; Stanley Sultan, Eliot, Joyce e Companhia (Nova York, 1987), 80-2, que argumentam que o Dodd ficcional não é judeu, o que acho pouco convincente.

[96] Cf. Davison, James Joyce, 1: ‘Enquanto o discurso fin-de-siècle sobre ‘o judeu’ informa a personagem de Bloom ao longo do texto, dentro da estrutura da lei judaica, ele não pode, obviamente, ser considerado Halaquicamente Judaico.’

[97] Cf. U 15.1936-52, onde Inghínidhe na hÉireann adota as roupas negras de viúva afetadas pela ‘Joana D’Arc irlandesa’ (Carta a Stanislaus Joyce, 15 de março de 1905, Cartas II, 85) em memória dos mártires de 1916, quando Bloom é imolado por suas próprias ‘chamas da fênix’ (U15.1935-6), que imitam a relaxado en persona de um Auto da Fé.  Joyce também está parodiando o papel desempenhado por Inghínidhe na hÉireann na encenação de Cathleen ni Houlihan; cf. Antionette Quinn, ‘Cathleen ni Houlihan Responde: Maud Gonne e Irish National Theatre ‘, no Gênero e Sexualidade na Irlanda Moderna, edd. Anthony Bradley e Maryann Gialanella Valiulis (Amherst, 1997), 39-59.

[98] Cf. Victory Pomeranz, «Maud Gonne e M. Millevoye», James Joyce Quarterly 11 (1974), 169.

[99] O Amarinth, ou poemas religiosos (Londres, 1767), 159-211: 161.

[100] Espécimes Dos Poetas Britânicos Com Notas Biográficas E Críticas E Um Ensaio Sobre Poesia Inglesa, 7 vols (Londres, 1819), VI, 311-22.  Como Robert H. Bell destaca: ‘Embora ele erre o poeta, ele espirituosamente revisa o título: ‘Elogio em um cemitério rural.’  Isso não é simplesmente um erro, como muitos anotadores assumem e proclamam; é uma piada, engraçada e reveladora, como Bloom sabe’ (‘ Preparatório para Qualquer outra Coisa: Introdução ao ‘Hades’ de Joyce, Revista de Literatura Moderna 24 (2001), 363-499:  368)

[101] Bloom, os maçons’, 217.

[102] Sobre a exclusão na Constituição irlandesa, ver WJ Chetwode Crawley, ‘Daniel O’Connell e a  Maçonaria Irlandesa’, Ars Quatuor Coronatorum 24 (1911), 125-31.

[103] George L. Mosse, Rumo à solução final: Uma história do racismo europeu (Nova York, 1978), p. 115.

[104] Sobre o uso tradicional da fórmula earm anhaga veja o Inglês antigo Maxims II, l. 19a; Beowulf, I. 2368. Nesta perspectiva, Bloom é realmente o único ‘lobo em pele de cordeiro’ (U 12.1666), mesmo que ele se veja como ‘uma ovelha’ (U 16.1640).

 

%d blogueiros gostam disto: