Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

Ser supremo… Grande Arquiteto… E Deus em tudo isso?

Tradução J. Filardo

Por Jean Moïse Braitberg

O Grande Arquiteto do Universo, figura essencial para uns, espectro irracional ou mesmo simples figura para outros, convida-se e preside a maioria dos ritos maçónicos em todo o mundo. É ele apenas mais uma figura alegórica que cada um é livre para interpretar como bem entender ou ele é o deus revelado das religiões monoteístas nas quais todo maçom “verdadeiro” deve acreditar? Ou ainda o Ser Supremo de Rousseau e Robespierre? A linha de demarcação entre esses modelos não é apenas doutrinária. Ela é também geográfica e tende a traçar um fosso quase intransponível entre a Maçonaria do mundo anglo-saxão e aquela que prevalece na esfera de influência da exceção maçônica francesa.

Depois que Yuri Gagarin “subiu ao céu” em 12 de abril de 1961, a União Soviética, então um país oficialmente ateu, apressou-se a lançar uma campanha de propaganda apoiada por cartazes nos quais um desenho mostrava o cosmonauta flutuando no espaço e declarando “Deus? Não, eu não o vi”.

O que nos parece bastante infantil, na verdade não era tanto assim. Os cristãos têm orado por séculos a um “pai no céu”, e qualquer um que dissesse que o céu era metafórico estava com sérios problemas. Alguns queimaram na fogueira por muito menos.

Um bom entendimento, portanto, teria desejado que, como Deus não estava no céu, era que ele não existia conforme o regime comunista afirmava, ou que Gagarin não havia subido o suficiente, ou que Deus morava em outro lugar, em algum lugar desconhecido no cosmos. No entanto, longe de questionar os méritos de sua crença em um céu habitado por Deus, Cristo e os anjos, os cristãos, ao invés de questionar sua crença, optaram, por um conhecido processo de distorção cognitiva, dar um significado metafórico à palavra céu. É claro que Deus existia. Mas do deus pessoal que realmente reside nos céus, faz-se uma interpretação simbólica. Deus não residia mais em um determinado lugar e acordou-se considerar, sem que isso fosse objeto de um dogma, que Deus agora residia no coração de cada humano habitado pela fé.

Quase dois séculos e meio antes de Gagarin, os maçons haviam realizado uma revolução metaforicamente quase idêntica. Acostumados a manejar as ferramentas de sua arte para moldar pedra e, acessoriamente a madeira, os operativos dos séculos antigos forjaram uma visão do mundo e de sua criação de acordo com seu modo de fazer as coisas. Sem colocar-se uma pergunta tão obscura como “Por que existe algo em vez de nada?” formulado pelo filósofo Martin Heidegger no século 20, ele caia e ainda cai na acepção de humanos com cérebro – e isso acontece muitas vezes – que tudo só pode existir se tiver sido de uma forma ou de outra criado ou pelo menos pensado e formulado como afirma o prólogo do Evangelho de João “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio em Deus. Tudo por ele foi feito, e sem ele nada seria feito do que existe. »

O famoso arquiteto renascentista francês Philibert Delorme, nascido em 1514 em uma família de mestres pedreiros, designa o Deus da Bíblia como o Grande Arquiteto do Universo no primeiro volume de seu tratado de arquitetura de 1567. Na época, a expressão era comum – é encontrada em Calvino – pois a arquitetura era então considerada a mãe das artes e das ciências. Tanto que a metáfora também era usada em relação ao soberano que era prontamente descrito como o arquiteto de seu reino, assim como o próprio poder do soberano era usado em expressões religiosas como “Senhor Todo-Poderoso” ou “Reino de Deus”.

A isso se somava, desde a Idade Média, o fato de os construtores de catedrais se interessavam pela arquitetura bíblica – em particular a construção da arca por Noé e a do Templo por Salomão – que figurou em boa parte nos tratados de arquitetura até o século XVIII.

A onipotência de um Grande Arquiteto, projetista e criador do universo acaba investindo a ideia de um deus dotado de atributos perfeitos que o homem é responsável por reproduzir na terra, dando continuidade à obra divina da criação que dá leitura concreta de seu poder, sua sabedoria e sua arte em construções que se inspiram em seu ordenamento.

Do Grande Arquiteto ao Grande Relojoeiro

A primeira menção conhecida do Grande Arquiteto em um contexto maçônico aparece por volta de 1710, nas Antigas Obrigações, as Old Charges, esses regulamentos das lojas britânicas que prenunciavam a Maçonaria moderna. Particularmente no Manuscrito No. 4 de Dumfries, que os maçons deveriam “honrar sinceramente o Grande Arquiteto do céu e da terra”.

Mais explicitamente, a expressão “Grande Arquiteto do Universo” aparece pela primeira vez em um contexto maçônico nas chamadas Constituições de Anderson de 1723 da novíssima Grande Loja de Londres. Na parte dedicada às origens “históricas” da Ordem, o Deus criador bíblico é assim designado: “Adão, nosso primeiro ancestral, criado à imagem de Deus, o Grande Arquiteto do Universo, deve ter as Ciências Liberais, especialmente a Geometria, inscritas em seu coração.

As Constituições de Anderson também se referiam a Cristo como o “Messias de Deus” como o “Grande Arquiteto da Igreja”.

A edição de 1738 das Constituições ampliou essas fórmulas. O Arquiteto não era mais apenas Grande, mas também “Todo-Poderoso” e foi elevado ao posto de “Grão-Mestre do Universo”. Quanto ao Messias, passou a ser qualificado como “Grande Arquiteto ou Grão-Mestre da Igreja Cristã”.

Nesta Maçonaria primitiva, o Grande Arquiteto do Universo era, portanto, aquele que, por sua Palavra-Sabedoria, isto é, o Cristo, constrói o mundo segundo os princípios de harmonia que presidem à arquitetura, e então exerce seu domínio providencial sobre este mundo.

Até o início do século XIX, ninguém pensava em diferenciar o Grande Arquiteto do Universo celebrado pelos maçons do Deus Criador da Bíblia celebrado por esses mesmos irmãos. Por que, então, dois nomes? Porque em uma Europa ainda marcada pela luta entre católicos e protestantes, e nas Ilhas Britânicas onde imperava a intolerância nas relações entre seitas descendentes do protestantismo, era desejável e louvável celebrar um deus “neutro” para melhor se defenderem das acusações de ateísmo ou libertinagem. Daí este esclarecimento, que vale a pena alertar na primeira edição das Constituições: “Um maçom é obrigado por seu título a obedecer a Lei Moral e se compreende bem a arte, ele nunca será um ateu estúpido nem um Libertino irreligioso. Mas, embora nos Tempos Antigos os maçons fossem obrigados em cada país a pertencer à Religião daquele País ou Nação, qualquer que fosse, agora se considera mais conveniente sujeitá-los apenas a essa religião que todos os homens aceitam, deixando a cada um a sua opinião particular, que consiste em serem Homens Bons e Honestos ou Homens de Honra e Sinceridade, quaisquer que sejam as Denominações ou Crenças que os distingam; assim, a Maçonaria torna-se o Centro de União e o Meio de reconciliar uma verdadeira Amizade entre Pessoas que teriam permanecido perpetuamente distantes. »

A identificação do Grande Arquiteto do Universo com o Deus Criador da Bíblia continuou na Maçonaria ao longo de todo o século XVIII. Em 1815, as Constituições da Grande Loja Unida da Inglaterra especificavam que o “Glorioso Arquiteto do Universo, Céu e Terra” era Deus. Sem no entanto especificar se aquele deus era o dos cristãos. Talvez porque desde então as lojas inglesas tivessem admitido judeus e fosse possível que as lojas do império pudessem iniciar muçulmanos. Isso sem falar nos deístas que, ao contrário dos teístas, acreditam em um princípio criativo sem que este estivesse ligado a um culto ou religião revelada.

A isto se somava uma tendência latitudinal que se manifestou ao longo do século XVIII tanto no Reino Unido quanto no Continente, consistindo em defender a ideia segundo a qual a salvação e a graça não dependem da estrita observância de um dogma, mas da interpretação que cada um faz da Bíblia, em conformidade, porém, com a crença em Deus e em Jesus-Cristo. Essa doutrina, que poderia ser descrita como “liberdade de consciência enquadrada” não aconteceu por acaso. Newton e suas leis haviam passado por lá. O espaço harmônico do cosmo arquitetônico qualificado pela proporção fora substituído pelo espaço abstrato da física e pelas leis de seu movimento mecânico, onde um Deus arquiteto não tinha mais seu lugar. “O universo me envergonha e não posso imaginar que este relógio exista e não tenha relojoeiro” escreveu Voltaire que, para não falar de um Deus em quem ele gostaria de acreditar, mas cuja encarnação clerical, preferiria usar a imagem do relojoeiro que opera à do arquiteto que ordena.

O Ser Supremo, Deus de Rousseau e de Robespierre

No entanto, a conotação bíblica da expressão Grande Arquiteto do Universo permaneceu ainda mais viva entre os maçons que no século XVIII, as lojas tinham vários padres, abades e clérigos de todas as categorias. Em outras palavras, era óbvio que a invocação de GADU não deixava espaço para qualquer interpretação além daquela que o identificava com o deus revelado do Antigo e do Novo Testamento. Isso sem falar nos muitos altos-graus que na época competiam em títulos mais cristãos e místicos entre si em uma competição que beirava o grotesco.

Se a Inglaterra, investida pelo protestantismo, admitia certa liberdade de interpretação da noção de Grande Arquiteto à condição de ligá-la à Bíblia, na Europa católica não havia outro Deus senão aquele ensinado pela Igreja. É por isso que, em reação contra a Igreja e seus dogmas, ela tomou sua “filha mais velha” para substituir o deus pessoal em três pessoas, um princípio mais abstrato, sem que os círculos maçônicos desempenhassem o menor papel na introdução desse deísmo muito político que se impôs à França se não pelo terror, pelo menos na época em que o terror era um modo de governo.

Ao contrário da crença popular, a República proclamada em 1792 foi tudo menos secular. Longe de defender a absoluta liberdade de consciência cara a Condorcet, ela buscou legitimidade na invenção de dogmas de natureza religiosa para justificar o novo poder integrando-o por meio de ritos, em uma espécie de misticismo civil. Em 18 Floréal Ano II (7 de maio de 1794) a convenção adotou um relatório de Robespierre que acrescentava ao novo calendário republicano uma série de festas marcando os valores que o novo regime reivindicava a fim de “lembrar o homem ao pensamento da divindade e à dignidade de seu ser.” O Ser Supremo e a Natureza figuravam ali com destaque, assim como a raça humana, o povo francês, os benfeitores da humanidade, o amor à pátria, o ódio aos tiranos, a agricultura, a indústria e a felicidade. Por esta lei, o povo francês doravante reconhecia a existência do Ser Supremo e acreditava na imortalidade da alma. Lei que por desuso caiu no esquecimento sem ser abolida…

Em grande medida, as ideias de Robespierre eram aquelas que Rousseau havia expressado uma geração antes. Em 1789, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foi adotada sob os auspícios do “Ser Supremo”, ou seja, o Deus dos filósofos fora da influência católica, mas duvidando demais do homem para fundar a virtude republicana somente em sua consciência.

No livro IV de seu tratado sobre educação, intitulado L’Émile, Rousseau havia exposto suas ideias sobre Deus e a natureza da alma em uma passagem intitulada “Profissão de fé do vigário da Sabóia”: “[…] respeitar em silêncio o que não se pode rejeitar, nem compreender, nem se humilhar diante do grande Ser que é o único que conhece a verdade.»

Quanto à alma, para Rousseau ela era necessariamente imortal: “Ai! Sinto-o muito pelos meus vícios, o homem vive apenas na metade durante sua vida, e a vida da alma começa apenas com a morte do corpo”. Em sua preocupação em regenerar a pátria, inclusive pela guilhotina, Robespierre obteve assim, pelo voto da representação nacional, a conversão da França a uma confusa doutrina religiosa que se tentava na época passar por uma espécie de cristianismo civil, mas que do ponto de vista teológico estava em oposição à doutrina cristã. O Ser Supremo, uma espécie de compromisso entre o “Grande Relojoeiro” de Voltaire e o “Grande Arquiteto do Universo” dos maçons, pouco tinha a ver com o deus cristão. A diferença é que o deus cujo nome coroa os altares das igrejas é antes de tudo o deus dos judeus que os católicos invocam em sua forma hebraica pelo tetragrama יהוה: yōḏ (י), hē (ה), wāw (ו) ), hē (ה), nome impronunciável sem sinais diacríticos — vogais — em sua forma YHWH, mas que os cristãos vocalizaram sob o nome Yahweh ou Jeová. Mas a principal diferença entre o Ser Supremo e o deus dos cristãos é sobretudo que este é um deus em três pessoas inseparáveis. Além disso, de acordo com o chamado credo cristão niceno – o mesmo, neste ponto, para católicos romanos, protestantes e ortodoxos – Cristo, uma vez ressuscitado, ascendeu ao céu, de onde retornará em glória para julgar os vivos e os mortos chamados a ressuscitar em sua carne. A ideia de uma imortalidade da alma, invocada tanto por Rousseau quanto por Robespierre, é, portanto, teologicamente incompatível com o cristianismo, que sustenta que para ressuscitar devemos primeiro morrer de corpo e alma.

Um princípio “canivete suíço”

Longe de considerações teológicas, em grande parte alheias a eles, mas permeáveis às ideias de Rousseau, os maçons franceses, cuja principal característica é querer fazer a sociedade progredir, reivindicando tradições imutáveis, permaneceram ainda mais presos à invocação do GADU e a crença na imortalidade da alma que no século XIX poderia ser usada para muitos propósitos como um canivete suíço. Os monarquistas viam nela uma manutenção da espiritualidade cristã, os bonapartistas um meio útil para se dar uma moral útil à ordem, os republicanos o fundamento de uma moral secular e os socialistas viam na imortalidade da alma uma forma de palingenesia conduzindo a humanidade “cientificamente” rumo a uma nova era de ouro. No entanto, se a espiritualidade e a transcendência continuaram a assombrar os templos maçônicos, o progresso da ciência e a disseminação cada vez mais ampla do conhecimento levantaram muitas dúvidas.

Dúvidas que haviam sido expressas pelo físico e matemático Pierre-Simon de Laplace — 1749-1827 — que se tornou Oficial do Grande Oriente da França sob o Império. Ao apresentar ao general Bonaparte a primeira edição de sua Exposition du Système du monde, o general lhe disse: “Newton falou sobre Deus em seu livro. Já percorri o seu e não encontrei esse nome nenhuma vez.” Ao que Laplace teria respondido: “Cidadão Primeiro Cônsul, eu não precisei dessa hipótese.” Naquela época, embora o Grande Arquiteto permanecesse geralmente assimilado a Deus e mais geralmente àquele para quem muitos preferiam o nome de Criador, muitos irmãos se inclinavam para o deísmo, cada um sendo livre do grau de “fé” com o qual investia o GADU.

No entanto, a assinatura da Concordata entre a França e o poder papal em 1801 teve o efeito inesperado de acentuar o agnosticismo, se não o ateísmo nas lojas. De fato, se as bulas papais excomungando os irmãos não foram até então postas em prática por falta de ratificação pelo parlamento, a coisa fluiu da fonte por causa das disposições da Concordata. De repente, os clérigos deixaram as lojas em grande número. Mas desconfessionalização não é sinônimo de ateísmo, nem mesmo de ceticismo. É por isso que, sem dúvida movido pelo desejo de escapar da acusação de ateísmo tanto quanto de se aproximar da Grande Loja Unida da Inglaterra, o Grande Oriente da França decidiu incluir no parágrafo 1º da constituição que ele mesmo promulgou em 1849 o seguinte parágrafo: “A Maçonaria […] tem por base a existência de Deus e a imortalidade da alma”.

Essa inclusão foi muito além da livre interpretação que os irmãos até então haviam dado ao GADU sob normas gerais que nada impunham às suas consciências. A partir da década de 1860 surgiram inúmeras petições pedindo a revisão do regulamento geral. Em 1865 consentiu-se em inserir um parágrafo no artigo 1º estipulando que o Grande Oriente “considera a liberdade de consciência como um direito próprio de cada homem e não exclui ninguém por suas crenças”… ao mesmo tempo em que mantinha que a crença em Deus e na imortalidade da alma constituía as bases do compromisso maçônico.

O Grande Oriente “excomungado”

Na mesma época, um dilema semelhante surgiu no Grande Oriente da Bélgica, onde a oposição entre maçons e clérigos era ainda mais viva do que na França. Tanto que em 1872 qualquer referência ao GADU foi retirada dos estatutos do Grande Oriente belga, sem que isso provocasse qualquer reação da Grande Loja Unida da Inglaterra. Mas na França, as coisas tomaram um rumo diferente.

Em 1877 o convento da GODF, por iniciativa do seu presidente, também pastor protestante, Frédéric Desmons, decidiu abolir a obrigação de crer em Deus e na imortalidade da alma. No entanto, ao contrário do que muitas vezes se repete, nada foi decidido sobre o Grande Arquiteto do Universo cuja invocação persistiu nos rituais e nos documentos oficiais da obediência. Em 1885, o Grão-Mestre Charles Cousin, que também era Grande Comandante do Supremo Conselho do REAA, escreveu em papel timbrado comemorando a glória do GADU ao Grande Secretário da Grande Loja Unida da Inglaterra, na tentativa de explicar as razões que levaram o GODF para remover a referência a Deus e à imortalidade da alma. Isso foi uma perda de tempo.

Foi-lhe respondido que se “A Grande Loja da Inglaterra nunca supôs que o Grande Oriente da França quisesse professar o ateísmo ou o materialismo [ela] sustenta e sempre sustentou que a crença em Deus é a primeira grande marca de toda verdadeira e autêntica Maçonaria e que na sua falta (…) nenhuma associação tem o direito de reivindicar a herança das tradições e práticas da Maçonaria antiga e pura.»

Foi assim que educadamente, mas com firmeza, o Grande Oriente da França foi “excomungado” pela Maçonaria Inglesa.

Dito isto, pode-se surpreender que a GLUI que, em 1929, havia incluido entre seus fundamentos — landmarks — a crença no Grande Arquiteto do Universo e em sua vontade revelada, mudou o rumo em 1985. Diante das críticas de que foi objecto por parte das Igrejas Metodista e Anglicana que a censuravam pela sua natureza religiosa, a GLUI contentou-se em exigir dos seus membros a “crença num Ser Supremo”, que sublinhava não ser de forma alguma um “Deus maçônico”, mas nas palavras das Constituições de Anderson de 1723, o “Ser sobre o qual todos os crentes concordam”. »

Ao fazer isso, ela caiu no deísmo. Assim, com um pouco de ironia, podemos considerar que quase duzentos anos de atraso, a Grande Loja Unida da Inglaterra se converteu à crença no Ser Supremo de Robespierre e Rousseau…

Hoje em todo o mundo, inclusive na França, a imensa maioria dos irmãos e irmãs trabalham AGDGADU — À Glória do Grande Arquiteto do Universo — nos principais ritos: Rito Escocês Antigo e Aceito, Rito Escocês Retificado, Rito Emulação, Rito de York, Rito Padrão da Escócia, bem como nos muitos ritos “egípcios” onde o Grande Arquiteto é investido com o título de Arquiteto Sublime dos Mundos.

A Maçonaria é uma religião? Diante do exposto, ficaríamos tentados a responder… sim e não. Apesar de todos os esforços feitos ao longo de três séculos para tornar a Arte Real uma prática organizada em torno da fraternidade configurada como princípio transcendente, uma análise objetiva da Maçonaria não pode desconsiderar seu substrato religioso especificamente cristão. E isso, quer se concretiza de forma secularizada, mística, esotérica ou apenas tradicional.

De fato, como Monsieur Jourdain escrevia em prosa sem perceber, os maçons praticam o pelagianismo sem saber. Pelágio foi um monge bretão que viveu no século IV e afirmou que a maior das graças era a liberdade que o Criador deu ao homem.

Pelágio foi declarado herege. E os maçons excomungados. Mas sem dúvida há várias moradas na casa em que o Grande Arquiteto desenhou seus planos.

Uma interpretação ampla e variada do GADU de acordo com os ritos, as lojas e as obediências.

O campo de interpretação do que o GADU representa é muito vasto: do teísmo cristão a um humanismo secular progressista que prescinde dessa referência ou se refere a ela, como alegoria de um princípio ideal, passando em particular pelo simples teísmo, deísmo, simbolismo e espiritualismo. Desta diversidade na interpretação do sentido da expressão surge uma outra na interpretação da sua função: oração, invocação, profissão de fé, fórmula unificadora ou, ao contrário, exclusiva, vestígio de um passado mais ou menos distante, aceito ou recusado…

Enquanto a Grande Loja Unida da Inglaterra, como vimos acima, abandonou a crença em Deus pela crença em um Ser Supremo, uma situação aparentemente paradoxal faz com que a Grande Loja Nacional Francesa – GLNF -, única obediência reconhecida como “regular” pela Grande Loja Unida da Inglaterra, coloca como primeiro requisito da regra de 12 pontos que condiciona a admissão de seus membros que “A Maçonaria é uma fraternidade iniciática que tem como fundamento tradicional a fé em Deus, Grande Arquiteto do universo.” Mas na GLNF, como em outras denominações, essa crença é vivenciada na maioria das vezes como um elemento tradicional do rito sem a menor conotação religiosa ou mesmo, para muitos, espiritual. “É verdade que o Grande Arquiteto não é uma questão que preocupa muito os irmãos e quase nunca falamos sobre isso” admite Mathieu Métayer, membro de uma loja GLNF que trabalha no REAA e autor, entre outros de “Maçom porque Cristão” (ed. Dervy, 2012).

No Rito Escocês Retificado – RER – praticado em várias potências, não giramos em torno da pia, por assim dizer, apresentando o Ser Supremo ou o Grande Arquiteto como o deus da Bíblia. Para Jean-Claude Sitbon, membro da Grand Loge Traditionnelle et Symbolique Opéra — GLTSO — e autor de um Hiram (ed. de la Tarente, 2017), o GADU é “Um Deus pessoal, pai de todos os seres humanos, interessado em suas criaturas e quem deve ouvi-las quando lhe dirigem uma oração. Um Deus pessoal, mas também um Deus cuja Vontade se revela aos homens. Trata-se também de um Deus criador de quem tudo provém e cuja inteligência ordena o universo. Este Deus, também chamado “Ser Supremo”, é o arquiteto e administrador do céu e da terra, ele zela pelo funcionamento harmonioso do universo graças às leis que instaurou.

Ele é, portanto, um Deus ativo, daí a possibilidade, mesmo a necessidade, de lhe render um culto: ele é um Deus que permanece providencial e, portanto, a quem se deve orar.” Esta definição, que tem pelo menos o mérito da clareza, contrasta com a grande liberdade de interpretação que prevalece nas lojas que trabalham no Rito Escocês Antigo e Aceito – REAA. A invocação do GADU com o significado que lhe é atribuído fica a critério das lojas. No início do século XX, falava-se menos do Grande Arquiteto na Grande Loge de França, onde os livres pensadores dominavam o pavimento mosaico, do que no Grande Orient da Françe, onde os espiritualistas eram numerosos. Somente depois da Segunda Guerra Mundial a maioria das lojas da GLDF integraram ou reintegraram o GADU.

A invocação do Grande Arquiteto varia de acordo com as diferentes versões do rito majoritário francês no Grande Oriente da França. As lojas, também ali, são livres sobre este ponto do ritual como em outras. Não é incomum que as versões antigas do rito francês como aquele conhecido como “au Régulateur” o utilizem. Por outro lado, o rito francês moderno, diz Groussier, na maioria das vezes funciona na ausência de qualquer referência ao Grande Arquiteto ou mesmo a um princípio criador no qual cada um é livre para acreditar ou, sobretudo… não acreditar. E como os ausentes estão sempre errados, a rejeição do GADU há muito se confina alí, em alguns casos, a uma sacralização quase religiosa da recusa de qualquer referência espiritual que seja em lugares que persistimos em qualificar como templos sem que isso represente a menor contradição para qualquer um…

Um apanhado teológico

Ao afirmar que cabe a cada um dar ao grande arquiteto a interpretação que lhe convém, corre-se o risco de transformar a Maçonaria em um supermercado de espiritualidade dedicado exclusivamente ao desenvolvimento pessoal, onde cada um escolhe o que lhe agrada e organiza sem se preocupar com a coerência. Mas já não é assim com as religiões? Não é incomum, de fato, que alguns que afirmam ser cristãos acreditem na reencarnação, que judeus se declarem budistas, se não ateus, e que muçulmanos acreditem que o uso do véu para as mulheres é uma obrigação corânica, enquanto é uma recomendação cristã.

Por que, então, o Grande Arquiteto não seria o Deus Trinitário dos cristãos para alguns, Alá para os muçulmanos, YHVH para os judeus, o Tao dos taoístas, a natureza de Spinoza para os panteístas, o logos dos gnósticos ou este que alguns chamam de “princípio criador” como se fosse entendido que nada pode existir sem ter sido criado? Em testemunho desta livre interpretação, a GLNF elaborou uma lista de livros que podem representar o “volume da lei sagrada” durante o trabalho das Lojas. Trata-se da Bíblia composta do Antigo e do Novo Testamento, dos Vedas do Hinduísmo, da Tripitaka do Budismo, do Alcorão dos Muçulmanos, do Tao Teh King dos Taoístas, dos Quatro Livros da Doutrina de Confúcio e do Zend Avesta do Zoroastrismo.

Que a Torá dos judeus não seja exatamente o Antigo Testamento ou que os ensinamentos do Alcorão e da Torá que afirmam a unicidade de Deus são incompatíveis com o deus feito carne dos evangelhos não incomoda ninguém. Quanto à imortalidade da alma, cujo princípio é lembrado pelo Rito Escocês Retificado, ela está, como vimos acima, em oposição ao cristianismo, bem como ao judaísmo, e ao islamismo para o qual a morte do corpo e da alma é a condições da ressurreição. Também em desacordo com o budismo e o hinduísmo que evocam a reencarnação ou a metempsicose. Mas o que importa ! Numa época em que muitas vezes confundimos crença e opinião. Não seria questão de se enfatizar essas contradições sem incorrer na acusação de fundamentalismo, ou mesmo de intolerância.


Publicado em 10/02/2022 na Revista FM ( Ser Supremo… Grande Arquiteto… E Deus em tudo isso? | Revista Maçonaria (fm-mag.fr) )

Um comentário em “Ser supremo… Grande Arquiteto… E Deus em tudo isso?

  1. Excelente análise, passando por um contexto histórico rico e aprofundado com uma conclusão coerente com nossa doutrina maçônica.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: