REVISTA BIBLIOT3CA

Leituras Selecionadas do Editor-Chefe J.Filardo

A iniciação como superação do Ego

 

Tradução Idalina Lopes

Por Jean-Luc Maxence

 

Iniciação maçônica e psicanálise de inspiração junguiana pertencem a uma verdadeira teoria da libertação pessoal que visa a um complemento de realização da pessoa, uma espécie de superação da miséria interior.

Na realidade, não há qualquer necessidade de ter sido iniciado no Grande Oriente, na Grande Loja da França, na Grande Loja Nacional da França, na Maçonaria Mista ou em outro lugar, de acordo com esse ou aquele ritual tradicional, sob qualquer tipo de obediência, para saber como se desenrola o cenário in praxis. Com efeito, nosso século, mesmo guardando desesperadamente o gosto pelo segredo, de modo paradoxal, só gosta deste último quando ele é revelado ou vulgarizado diante de e para um grande número, inclusive e principalmente por jornalistas ávidos de sensacionalismo e de enigmas esotéricos.

O próprio glossário da Maçonaria tornou-se conhecido de todos, para não dizer vulgarizado. De fato, livros foram editados, na Europa e no resto do mundo, sobre as regras maçônicas que pontilham uma realização espiritual… Felizmente, e como René Guénon nos lembra com satisfação em sua obra, a iniciação não pode jamais, para além do conceito, ser expressa ou sintetizada por palavras precisas!

Em uma sociedade, com frequência, mais vinculada à superfície das aparências imediatas e imediatamente perceptíveis do que à profundeza do pensamento, muitas vezes, oculto por pudor ou por vontade deliberada, tornou-se evidente que todo segredo apenas pode dissimular o diabólico e que todo juramento discreto pronunciado por vários pode ser apenas a antecâmara dos complôs mais horríveis. Claro, não se está mais na época das imposturas organizada, como aquela do jornalista escroque Léo Taxil, que fez com que muitos eclesiásticos católicos, a partir de 1892, acreditassem que o Demônio aparecia nas Lojas e dirigia as reuniões. Mas nosso início de século ainda gosta de condenar a Maçonaria Especulativa, vendo ali apenas pretextos para falcatruas políticas ou financeiras, e muitas vezes estendendo a suspeita aos recantos às vezes obscuros de algumas Oficinas maçônicas.

Na realidade, quando um postulante profano faz, de boa vontade, um pedido de iniciação, de entrada, portanto, na via espiritual da Maçonaria, o “caminho a seguir” é bastante simples e não tem nada de hermético. Primeiro, o interessado expressa sua candidatura por escrito. Depois, uma “pesquisa” é conduzida junto a ele, em geral por três pessoas já Mestres. Então, ele se apresenta a um encontro preciso, com os olhos vendados, no Templo no qual será oficialmente ouvido e interrogado. E a célebre “passagem sob a venda” que ainda hoje provoca fantasias entre tantos profanos e provavelmente encontra suas origens ancestrais em uma rica simbólica que talvez remonte aos mistérios de Elêusis, ou até bem antes. Quando o recipiendário poderá retirar sua venda que o torna provisoriamente cego, durante a iniciação propriamente dita, ele receberá então a luz. Essa luz lhe parecerá tão mais intensa porque dela esteve privado por muito tempo. Trata-se de uma luz com significações simbólicas polimorfas, segundo os Catecismos dos primeiros rituais. Assim, no R...E...A...A... (Rito Escocês Antigo e Aceito), a instrução esclarece: “A luz só ilumina o espírito humano quando nada se opõe à sua irradiação. Enquanto a ilusão e os preconceitos nos cegam, a obscuridade reina em nós e nos torna insensíveis ao esplendor da verdade”. No R...E...R... (Rito Escocês Retificado), é explicado que a luz “elementar” da qual o recipiendário está privado é o “símbolo demasiado evidente dos falsos brilhos que dividem o homem abandonado à sua própria direção”. Diz-se até mesmo: “Vós estais nas Trevas, mas não temais, vosso guia caminha na luz e não pode vos desviar”.

Dito de uma outra forma, a luz entregue ao novo iniciado é o levantar da cortina, ou a aurora, de um longo e complexo processo de lenta transformação individual que às vezes conduz a uma espécie de deslumbramento interior. Portanto, expresso de uma forma mais abrangente, a iniciação parece um processo destinado a realizar “psicologicamente” (propõe Serge Hutin), até mesmo “psicanaliticamente” (acrescenta Bruno Etienne), a passagem de um estado profano a um estado sagrado, de uma quase cegueira a uma clarividência verdadeira. E Jean Mourges, então, chegaria até mesmo a sustentar que a iniciação se revelava como uma verdadeira “metafísica vivida”.

O processo de individuação, de acordo com Jung, não seria também uma “metafísica vivida”? Da mesma maneira, no decorrer da iniciação maçônica, quando é solicitado ao neófito que deposite seus “metais” na entrada do Templo, isto é, que deixe fora do espaço sagrado, antes da reunião solene, seus objetos pessoais de valor (“nem ouro, nem prata, nem relógio, nem brincos, nem qualquer outra joia, nem metais”, esclarece um texto de 1801), isso não corresponderia ao que o psicanalista de inspiração junguiana pede ao seu “paciente-impaciente” analisado, ou seja, que deixe de lado sua máscara social, ou melhor dizendo, sua famosa “persona”!

O conceito de persona, para Jung, é capital e só pode ser compreendido se colocado em relação àquele do Si mesmo já evocado. Ao longo de seus trabalhos sobre a identidade, o inventor da psicologia das profundezas recomenda ao Eu de “se descolar” de sua própria persona. Ou, dito de uma outra forma, de sua máscara sociocultural, ele nomeia e define então a persona. Ele evoca suas origens latinas, uma vez que a palavra em questão designava a máscara da tragédia, que era ao mesmo tempo “porta-voz” (“per-sonare”) e identificação do personagem representado no palco pelo ator.

Ora, no decorrer de sua vida, Jung nunca deixou de “levantar a máscara”. Por isso, Ysé Tardan Masquelier pode logicamente escrever: “A persona tem muito a ver com o que Ma vie chama de ‘a personalidade número um’, essa construção de superfície que tem o mérito de permitir ao ser profundo de se expressar de uma forma precisa, de se comunicar com o outro tendo como base os diferente papéis que lhe são atribuídos”.

Não se trata de, evidentemente, compreender o conceito de persona, sob o pretexto de uma semelhança sonora, como sinónimo usual da palavra francesa personne (pessoa). Isso induziria, evidentemente, a um inoportuno contrassenso. Aliás, o próprio Jung afirma: “é necessário se dar conta de que, caso se vá até o fundo das coisas, a persona não tem nada de real: ela não se beneficia de qualquer realidade própria; ela é somente a formação de compromisso entre o indivíduo e a sociedade”. Em outros termos, a persona é o papel social, o lobo que apresentamos ao olhar do outro, em nosso meio profissional, muitas vezes também em nosso meio familiar, essa “máscara”, essa fantasia nem sempre consciente de ser uma imagem superficial de nossa “personagem mundana”. A persona é contingente das influências exteriores, dos cenários, das conveniências, e, portanto, transitória, ou, pelo menos, flutuante. Ela é aquilo que constitui nossa aparente identidade, mas não é de forma alguma nossa personalidade verdadeira. Ela é aquilo que parece nossa globalidade. Ela é, em realidade, quando se vê sob o véu de Ísis, somente nosso falso reflexo. A persona é nosso escudo social que deve ser quebrado, nossa casca superficial, nossa carapaça que deve ser rompida custe o que custar caso se queira apreender nosso núcleo autêntico de integração psíquica. É exatamente isso que leva C. G. Jung a escrever: “Por estar sujeito a um nome, adquire um título, assume uma carga que ele representa e encarna; um é isto, o outro é aquilo. Claro, naturalmente, em um certo sentido, isso corresponde a alguma coisa; todavia, comparada à individualidade do sujeito, sua persona não é senão uma realidade secundária, um simples artifício, um compromisso em cuja constituição outros participam muitas vezes bem mais do que o próprio interessado. Sua persona é apenas uma aparência, e poderíamos dizer por meio de uma tirada espirituosa, uma realidade com duas dimensões”.

Sob esse ponto de vista, o paciente que vem ver C. G. Jung ou seus sucessores contemporâneos em seu consultório não tem de, necessariamente, destruir sua persona, deslocá-la ou negá-la, mas ter bastante consciência de sua presença, ter bastante consciência de suas influências, de sua importância por vezes perversa, para então “jogar a máscara e só iniciar uma psicoterapia ou uma análise estando de alguma forma “desmascarado”, disposto a renascer mais verdadeiro, mais nu, aceitando de antemão uma espécie de segundo nascimento de si mesmo. E disso que se trata estar em uma “viagem” em psicologia das profundezas. Nada menos, em todo caso.

Da mesma maneira, o iniciado que vem à porta do Templo pedir a Luz, que aceita sofrer a cegueira da venda e a iluminação repentina, muitas vezes ofuscante, de seu desarraigamento, assemelha-se inegavelmente ao sujeito que engaja, de modo voluntário, um processo psicanalítico. As duas posturas parecem, então, paralelas. O iniciado, como já foi visto, deposita seus “metais” no limiar do Templo antes de ali entrar em busca, principalmente, do Templo ideal que cada um abriga em si, em busca tenaz de toda força, sabedoria e beleza. O analisado que se deita no divã ou se acomoda em sua poltrona, diante de seu analista, também de alguma forma esvazia seus bolsos psíquicos. Ele abandona suas reações de respeito humano, seus pudores, suas falsas vergonhas e suas manobras de fuga. Ele deixa fluir a palavra libertadora, aquela do inconsciente que fala. Isso lhe permite “mergulhar” no oceano das lembranças e das imagens passadas. Ele reencontra sensações vindas de longe. Ele se aproxima de seu próprio centro (com ou sem maiúscula real!).

O analisado, como o iniciado, aceita morrer para renascer melhor. Ele empreende um trabalho de clarificação de si mesmo, de sustentação, com muita frequência, de humildade no início. Ele aceita a regra principal de um falso jogo, uma vez que engaja o conjunto de sua personalidade, ou seja, a regra de ouro que consiste em se entregar mesmo com a emergência muitas vezes misteriosa e assustadora do vasto e indefinido continente do inconsciente, sendo este individual ou coletivo.

De acordo com esses pontos de vista, iniciado e analisado adotam uma mesma postura, um mesmo combate. Eles desejam ganhar o lugar de sua própria verdade, de sua profundeza, de sua própria pedra filosofal. Eles correm o risco insensato da ressurreição, do renascimento. Estamos, então, em pleno mito universal e fundador. Claro, trata-se de morrer a si mesmo para melhor renascer a si mesmo, de passar de um estado ontológico aparentemente inferior (cegueira espiritual) a um conhecimento (gnose?). Trata-se de meditar na famosa “Câmara de Reflexão”, a fim de se preparar, a seguir, para a passagem da obscuridade para a luz, do profano ao Aprendiz, do Aprendiz ao Mestre, tomando a “ponte” do Companheiro… É a eterna travessia da morte, dos infernos, do obscuro, da Sombra capital para a aurora magnífica e pura da lucidez e da harmonia. No consultório do clínico (ele é o ouvido benévolo, o analisado “vasculha” a pré-história de sua psique. De certo modo, ele analisa seu próprio passado, quando deixar fluir sua palavra presente para se armar melhor com as ferramentas eficazes que lhe permitirão, no melhor dos casos de uma cura possível, apreender melhor o futuro e seus obstáculos. O “conhece-te a ti mesmo” não envelheceu em nada e talvez por isso os deuses continuem desaparecendo da memória dos homens. Tanto na iniciação quanto na cura analítica do tipo junguiano, o que está em jogo é realmente da ordem da integração psíquica como objetivo das duas posturas propostas àqueles que buscam sua própria verdade. Nos dois casos, trata-se realmente de uma “libertação”. A última etapa do “processo de individuação”, tantas vezes já evocado, é a saúde psíquica e social e também física. E isso só é possível quando se arranca, muitas vezes com dor, a máscara de sua persona. Como escrevia há muito tempo (em 1960) Alan W. Watts, seria uma loucura jogá-la na lixeira: “Quando examinamos de perto as regras de vida do Budismo e do Taoísmo, do Vedanta e do Yoga somos realmente obrigados a constatar que não se trata de forma alguma de filosofias ou de religiões, pelo menos não no sentido como as entendemos no Ocidente. Elas seriam muito mais comparáveis à nossa psicoterapia”. Da iniciação maçônica, aos nossos olhos, poderíamos fazer a mesma observação. Na realidade, a semelhança essencial entre o ensinamento das organizações tradicionais iniciáticas (métodos específicos de realização espiritual) e a psicologia das profundezas e suas psicoterapias reside em um objetivo comum: chegar gradualmente, à custa de um melhor conhecimento de si mesmo, a significativas mudanças de consciência que nos permitem sentir diferentemente nossa própria aventura existencial, apreender sob um novo ponto de vista nossos laços relacionais com a sociedade e com o meio natural.

Iniciação maçônica e psicanálise de inspiração junguiana pertencem a uma verdadeira teoria da libertação pessoal que visa a um complemento de realização da pessoa, uma espécie de superação da miséria interior. O iniciado aceita passar por uma série de provas, superar obstáculos, viver “viagens”, para que tudo “isso” revele mais do que as simples palavras da tribo que precisam ser ditas. O próprio teatro onde acontece misteriosamente a lenta empreitada dual (e que sonha com uma reconciliação dos contrários) é, sem dúvida, a Loja. E o Aprendiz, obrigatoriamente durante os primeiros tempos de sua presença “em reunião”, mantém o silêncio e o respeito. Ele rapidamente aprende, ao experimentá-lo, que o silêncio “fala” e que a atenção e a vigilância são mais fáceis. Em análise, seja na linha de Freud, Jung ou Lacan, o silêncio também tem sua importância capital. Por experiência, sabemos que é muitas vezes entre uma palavra e outra, na respiração entre duas frases, na pausa que incita à reflexão e à explosão da emoção e do ressentido, que essa indispensável “abertura” do paciente em relação aos seus conflitos, desejos, medos e bloqueios encontra seu lugar. Sim, a cura analítica tem realmente como objetivo “no fim da corrida” (ou da individuação?) superar o Ego por meio de uma transformação da consciência, não indo, porém, ao encontro das grandes tradições do Oriente, como a do Senhor Buda, que ensina que o Ego é detestável, o que seria o mesmo que dizer, como Krishnamurti: “a personalidade me desgosta!”. C. G. Jung, como psiquiatra, diz realmente que a persona deve ser superada, e não destruída, para alcançar o Si (isto é, o sucesso holístico do conjunto de um destino humano). Nem sempre ele está distante de uma certa tradição tibetana que diz que toda estrada de realização sempre terá de enfrentar o Ego, dominá-lo, castigá-lo, superá-lo, e até mesmo aniquilá-lo. Que ele o nomeie “Grande Arquiteto do Universo” ou não, o artesão maçom se abre inteiramente à intuição de uma realidade maior do que ele próprio, a uma vastidão, diria, no entanto, o agnóstico Luc Ferry,45 que ultrapassa o indivíduo.

O paciente de Jung e de seus herdeiros (admitindo que eles existam!) também deve se tornar o ator de sua própria metanoia.

 

Maxence, Jean-luc, in JUNG é a Aurora da Maçonaria O Pensamento Junguiano na Ordem Maçônica, Madras 2004.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Loja Virtual de Estudos "Amigos do GOdF"

Discussão de temas diversos.

Literary Yard

The best words are those unread

O PARAÍSO DA LEITURA

“Eu realmente acredito que quando iniciamos um livro nasce uma fada.”

O Ponto Dentro do Círculo

Post Tenebras Lux - Os iniciados “viram a Luz”, e cabe agora a eles iluminar o caminho da humanidade.

Meditations on the Tarot

Plunging in the currents of the Hermetic Tradition

%d blogueiros gostam disto: