Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

A Introdução do Rito Moderno no Brasil

Paulo César Gaglianone

Supremo Conselho do Rito Moderno

Oriente do Rio de Janeiro, 1994

 

 

A Maçonaria se introduziu no Brasil quando este era Província da Monarquia Portuguesa. Por isso é importante voltar à Maçonaria em Portugal.

Remonta até cerca de 1730 a fundação em Portugal das primeiras Lojas sob a influência da França e Inglaterra (Clavel, 1843).

Em 1738 o Papa Clemente XII proíbe aos católicos exercerem atividades nas Lojas Maçônicas e o rei de Portugal D. João V ameaçava com penalidades os maçons. (Thory – “Histoire de La Fondation du Grand Orient de France”). Na verdade, nem a Bula do Papa, nem o Decreto do Rei, impediram as atividades maçônicas em Portugal.

Posteriormente, durante governo do del-rei D. José I (1750-1777) as Lojas Portuguesas funcionavam sigilosamente.

Daí em diante, até a Revolução Francesa,  Portugal recebia grande influência das Lojas de Paris, de nada valendo as proibições de D. João VI e de D. Maria I.

Ao redor de 1793, existiam em Coimbra e em Porto e delas fizeram parte vários estudantes das províncias ultramarinas inclusive do Estado do Brasil (Lívio e Ferreira, 1968).

O Grande Oriente Lusitano foi construído em 1800, tendo como Grão-Mestres o desembargador Sebastião de São Paio e em seguida, em 1803, o general Gomes Freire de Andrade (O Regresso da Maçonaria, Angel Maria de Lera; prefácio de Armando Adão e Silva, 1986).

Em 1807, Junot conquista Portugal obrigando a Corte portuguesa procurar abrigo no Brasil. “Assim a Maçonaria do Brasil desde o século XVIII esteve ligada a Portugal. Enquanto a sede da Monarquia Portuguesa foi em Lisboa, a Maçonaria sentia ser mais fácil os movimentos revolucionários no Brasil, daí as Inconfidências Mineira (1789) e Baiana (1799). Com a transferência da sede da Monarquia Portuguesa para o Rio de Janeiro, já surgiu em 1817 uma revolução simultaneamente no Brasil (em Pernambuco) e em Portugal (chefiada por Gomes Freire de Andrade)”, (Lívio e Ferreira, 1968).

A revolução liberal triunfante nas colônias inglesas da América do Norte, na França, na América Espanhola, estão também prestes a explodir na Nação Portuguesa.

Nos primeiros anos do século XIX, as Lojas Maçônicas espalharam-se consideravelmente nas províncias de Pernambuco, Bahia e Rio de Janeiro. Umas sob os auspícios do Grande Oriente Lusitano, outras sob o de França. A Loja “Virtude e Razão”, por exemplo, foi instalada em Salvador, em 1802, atuando no Rito Moderno.

“De lembrar que a Independência do Brasil, longe de consistir apenas no Grito do Ipiranga em 7 de setembro de 1822, antes teve o seu início com a Revolução Constitucional em 1820, no Porto, Portugal, por via de protesto contra as medidas recolonizadoras”. (Armando Adão e Silva, prefácio; O Regresso da Maçonaria, 1984).

O Grande Oriente do Brasil foi fundado em 17 de junho de 1822. Joaquim Gonçalves Ledo e José Clemente Pereira foram líderes destacados nesse movimento, ambos da Loja Comércio e Artes, fundada em 15 de novembro de 1815.

Assim, as Lojas “Comércio e Artes”, que se subdividiu em “União e Tranqüilidade” e “Esperança de Nictheroy”, formaram a base do Grande Oriente do Brasil, que recebeu a Carta Constitutiva do Grande Oriente Lusitano de Portugal. Seu primeiro Grão-Mestre Geral foi José Bonifácio de Andrada e Silva.

“A Loja Comércio e Artes e as que dela se derivaram trabalharam inicialmente no Rito Adonhiramita” e o “Grande Oriente do Brasil foi logo reconhecido pelos Grande Oriente de França, da Inglaterra e dos Estados Unidos” (Melo, Livro Maçônico do Centenário).

De acordo com Lima (Nos Bastidores do Mistério): “A Maçonaria Brasileira é filha espiritual da Maçonaria Francesa. Da França, veio o Rito Moderno com que o Grande Oriente atingiu a maioridade e, dez anos mais tarde, o Rito Escocês Antigo e Aceito.”

O Grande Oriente do Brasil foi fechado por D. Pedro I, Príncipe Regente, sendo restaurado em 1832 por José Bonifácio de Andrada e Silva.

O Grande Oriente do Brasil, restaurado em 1832, adotou o Rito Moderno e a Constituição do Grande Oriente de França de 1826, adaptada por Gonçalves Ledo e promulgada em 24 de outubro de 1836 (Viegas, 1986). O Rito Moderno, portanto, passou a ser o Rito Oficial do Grande Oriente do Brasil, nos trabalhos de seus Corpos Legislativo e Administrativo, ou seja, para o funcionamento de seus Altos Corpos.

A Loja Comércio e Artes nº 1, a partir daí, adota o Rito Moderno (posteriormente, através do Decreto 2405, de 13 de agosto de 1974, esta Loja mudou do Rito Moderno para o Rito Escocês Antigo e Aceito).

A Loja “Seis de Março de 1817”, de Pernambuco, se regularizou em 7 de outubro  de 1832 junto ao GOB, também trabalhando no Rito Francês (Albuquerque, A Maçonaria e a Grandeza do Brasil).

Datam de 1834 os manuais do Rito Francês publicados pelo GOB e de 1835 o estabelecimento de Capítulo neste Rito.

Em 1º de setembro de 1839 foi redigida outra Constituição, sendo logo substituída por outra de 1842. Em 1841, o Grande Oriente do Brasil foi de novo reconhecido pelo da França (Viegas, 1986).

Já na República, entre 1891-1901, o Grão-Mestre Antonio Joaquim de Macedo Soares, tendo como Secretário-Geral Henrique Valadares, deram à Maçonaria grande influência francesa e, “julgando-se dentro do espírito da lei da separação entre a Igreja e o Estado, conseguindo dar ênfase ao Rito Francês, o qual eliminava a Bíblia do Altar dos Juramentos e suprimia as referências ao Grande Arquiteto do Universo” (Viegas, 1986). A reforma constitucional de 1877 só alcançava a jurisprudência do Grande Oriente de França, mas o Grande Oriente do Brasil, onde se praticava o Rito Francês, acompanhou àquela Potência.

Em 1927 houve uma grande cisão no GOB com a formação das Grandes Lojas, sendo que estas últimas mantiveram o Rito Escocês.

“A Grande Loja da Inglaterra que considera condições indispensáveis para a vida maçônica a crença em Deus e em uma vida futura, e que rompeu com os Grandes Orientes da França e da Bélgica em defesa desses princípios, fez com o Grande Oriente do Brasil, em 1935, um tratado de aliança indissolúvel, firmando-se as relações cordiais entre os dois corpos”. (Viegas, 1986).

Hoje (1994), o Grande Oriente do Brasil possui 33 Lojas e 11 Capítulos, atualmente no Rito Moderno. Até o momento, não existem na América do Sul, dominada pelas Grandes Lojas, exceto no Brasil, Lojas que atuem no Rito Moderno.

O Rito Moderno desempenhou um importantíssimo papel no Brasil, de caráter positivo nas transformações nacionais, na fase da Independência, durante o Reinado Brasileiro e na Proclamação da República, em busca de uma sociedade mais perfeita e pelo triunfo do ideal fraternal.

 


 

 

3 comentários em “A Introdução do Rito Moderno no Brasil

  1. A “ESPIRITUALIDADE SEM DEUS” não precisa passar por alguma explicação ou doutrina religiosa. São contrários ao materialismo e, ao mesmo tempo, não estão filiados a qualquer segmento religioso. Espiritualidade sem religião é algo mais amplo. Religião é um trato que você faz com um Deus para ser admitido lá no céu. Espiritualidade (não confundir com espiritualidade cristã, espiritismo ou espiritualismo) é uma longa busca jornada nesse mundo-escola . Espiritualidade é “a arte de escutar”. Mas “escutar” com o que “se sente”, ou seja, escutar a realidade com o coração.
    Um ateu exerce a sua espiritualidade através do caminho do conhecimento científico e humanista. E o que é mais interessante dessa visão é a noção de que espiritualidade está intimamente relacionada com a verdade. E tal visão nos leva inequivocamente à ciência. Não é à toa que muitos cientistas sentiram a espiritualidade ao terem um conhecimento mais profundo do que somos, de onde viemos e para onde vamos. Tambem é certo que nós não sabemos muitas coisas sobre como o universo e como cérebro funcionam. Nós temos mais ignorância do que conhecimento. Os buscadores da verdade espiritual não se satisfazem tão facilmente, pois são levados a confrontar e desafiar crenças e convenções religiosas dominantes.
    Carl Sagan também defendeu a espiritualidade como a busca pela verdade, pois saber nos faz perceber que o Deus de muitas religiões não é grandioso o suficiente. Quando entendemos a dinâmica do universo, a criação e destruição de mundos, ficamos diante de algo mais imponente do que qualquer Deus imaginado. Um ateu ou agnóstico (para quem a existência de divindades é irrevelante) pode não apenas ter espiritualidade, mas pode ter um tipo de espiritualidade mais informada, em que você consegue a resposta para questões que outros acham misteriosas, e formula perguntas que poucos ousaram perguntar como o universo realmente funciona.

    1. A Maçonaria Liberal e Adogmática é assim chamada justamente por não estabelecer regras tão rígidas quanto as que a Maçonaria Regular estabelece, pois, diferentemente desta, a Maçonaria Liberal admite pessoas de ambos os sexos, bem como, ateus e agnósticos. Ela também não só permite, como incentiva, o debate político e defende a postura da maçonaria como organização civil, livre de dogmas. Aparentemente, não existe dentro da Maçonaria Liberal uma estrutura tão severa. Como todas as grandes doutrinas espirituais, assim tambem a Teosofia exalta o bem, a paz, o amor, o altruísmo, e promove a cessação da pobreza, da ignorância, da opressão, das discórdias e desigualdades.
      Ninguém é mais digno por crer em algum Deus ou praticar alguma religião, porém se alguém age no cumprimento da lei e dos deveres, logo, também no cumprimento dos valores maçônicos certamente tal pessoa torna-se mais digna a cada vez que age de tal forma. Daí o porquê de podermos inferir, com segurança, que embora Deus e Espiritualidade sejam importantes não são essenciais à promessa maçônica, razão pela qual se faz necessária a criação e adequação urgente de uma promessa alternativa e um comportamento sem menção à palavra Deus.
      O fato de alguém acreditar em Deus ou duvidar de sua existência, não o torna inapto a seguir os preceitos e leis, ao contrário do que muitos crêem (mas não sabem).
      O fato de a pessoa CRER ou NÃO CRER em um Deus não ajuda em nada o mundo. Não muda nada para um Maçom, nem o desabona. Em contrapartida cumprir ou não cumprir qualquer uma das leis sim pode fazer toda a diferença para a sociedade, compreendem?
      É exatamente por isso que aventamos que a crença em seres superiores não é essencial, pois, por si, não deixa o mundo melhor ou pior, é indiferente. E se alguém achar que sou insensato no meu ponto de vista, lanço um desafio: Nomeie uma ação moral, ou prática realizada por um crente que um não-crente não possa realizar. Nomeie uma ação que não poderá ser executada sem intervenção divina!
      Solução: deixar a promessa atual como está e criar uma promessa alternativa àqueles que não se sentem confortáveis com a atual, para que ateus, agnósticos e outras “religiões” se sintam incluídas ou incentivados a participarem mais do Rito Moderno. Ou melhor, buscar a verdade e realidade e sepultar em definitivo as tais “ciências herméticas”, o “ocultismo”, os “misticismos” com o mesmo vigor que devemos sepultar na religião tudo aquilo que é dogmático e que ofende a lógica, o bom senso, a razão e as descobertas científicas.
      Para os Maçons, cada iniciado tem em si parte do Grande Arquiteto e cada membro da fraternidade será um arquiteto, não independente, mas “submisso” ao G.A.D.U., dessa forma explica Rizzardo da Camino, autor de mais de trinta livros:

      “O dever de todo maçom é o de ser uma espécie de renovador projetista”.

      “A Maçonaria ensina, defende e propaga que a sociedade, e de modo particularíssimo o Estado, não só não deve ter oficialmente nenhuma religião, mas deve excluir e eliminar do ambiente público tudo quanto se relacione diretamente com qualquer religião”.

Deixe uma resposta para Oiced Mocam Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: