Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

Não nos esqueçamos dos mineiros de carvão e fabricantes de cimento no caminho até zero emissões

Tradução J. Filardo

Por Bill Gates

Até agora, participei de 11 eventos virtuais para discutir meu novo livro, Como evitar um desastre climático, com mais alguns por vir.  Em cada um deles, falei sobre como o mundo precisa transformar toda a sua economia física para que possamos parar de emitir gases de efeito estufa até 2050 e, em quase todos os eventos, me fizeram alguma versão desta pergunta: “E quanto às pessoas que perderão empregos nesta transição?”

É uma ótima pergunta.  As pessoas estão certas em se preocupar com isso.  Infelizmente, a maneira como falamos sobre esse assunto pode ser polarizada, e as discussões acabam caindo em um dos dois campos extremos.

Para aqueles que estão preocupados com a mudança climática, é fácil rejeitar qualquer um que diga que empregos perdidos na indústria de combustíveis fósseis são uma negação da mudança climática. E para aqueles que estão preocupados com a perda de empregos, é fácil concluir que os ambientalistas não entendem o impacto que essa transição terá sobre os trabalhadores, suas famílias e suas comunidades.

A verdade é que todos têm preocupações legítimas aqui.  O mundo precisa fazer a transição para uma economia de zero carbono nos próximos 30 anos. No entanto, também é verdade que muitas comunidades dependem de um motor econômico – como refinarias de petróleo – movido a combustíveis fósseis. Se o único trabalho que você já teve depende de combustíveis fósseis, deve ser angustiante imaginá-lo indo embora.  Saber que a transição é necessária para evitar um desastre climático não facilita em nada.

Portanto, quero compartilhar algumas ideias sobre como encontrar o equilíbrio certo.

Quatro maneiras de ajudar aqueles que podem perder na economia verde

Para começar, é fundamental reconhecer que essa transição acontecerá em uma economia que já é incrivelmente dinâmica.  A demanda por trabalhadores pode mudar rapidamente de um setor para outro e de uma área geográfica para outra.  E essas mudanças não são impulsionadas apenas por energia limpa – outros fatores como automação e robótica também desempenham um papel essencial.

Em geral, esse dinamismo é bom para a economia.  Acho que isso também será verdade na transição para a energia limpa, porque criará muitas novas oportunidades para os trabalhadores.  Em alguns casos, suas habilidades serão transferidas diretamente.  Por exemplo, se combustíveis de hidrogênio verdes vierem a ser um grande negócio, ainda precisaremos de oleodutos e caminhões para movê-los – assim como movimentamos petróleo e gás hoje. Habilidades de mineração também podem ser úteis na obtenção de minerais como lítio e cobre que são usados na produção de tecnologias limpas, e que terão uma demanda cada vez maior.

Haverá também empregos envolvidos na construção e operação de toda a infraestrutura para a economia verde: parques eólicos e solares, redes de energia modernizadas, fábricas de baterias, refinarias de combustíveis sustentáveis, instalações para armazenamento de eletricidade de longa duração, instalações de captura direta de ar, e mais.

Mas você não precisa ser um cético em relação ao clima para ver os desafios de tudo isso.  Essas soluções novas e limpas podem não usar a mesma força de trabalho ou estar localizadas nas mesmas regiões que suas contrapartes convencionais.  (A maior parte da energia eólica dos EUA está no meio do continente, não na região do carvão.) Alguns novos empregos podem não ser tão bons quanto os que foram perdidos. E algumas novas tecnologias podem precisar de menos funcionários do que as que estão substituindo.

Por exemplo, os veículos elétricos precisam de menos manutenção porque têm menos peças móveis do que os carros com motores de combustão interna.  Em um futuro com muitos VEs na estrada, menos pessoas serão necessárias para consertá-los e trabalhar em postos de gasolina.  Se a mudança para VEs acabará sendo boa ou ruim para a indústria automotiva dos Estados Unidos, dependerá de os governos agirem agora para encorajar a fabricação – tanto nas fábricas existentes quanto nas novas – em toda a cadeia de suprimentos, das peças à montagem.

Com o tempo, dezenas de indústrias passarão por suas próprias evoluções, à medida que reduzam e eliminem suas emissões. Trabalhadores e comunidades em todo o país serão afetados: mineiros de carvão em West Virginia, trabalhadores de fábricas em Ohio e Carolina do Norte, montadoras em Detroit, fabricantes de cimento em Seattle.  E não é apenas nos Estados Unidos – as mesmas mudanças afetarão os trabalhadores em todo o mundo.

O que pode ser feito a respeito disso?

Infelizmente, não existe uma solução única que funcione em todos os setores ou comunidades.  O governo federal pode fornecer orientação e financiamento, ajudar a conectar regiões que enfrentam desafios comuns e criar incentivos para tornar bons empregos de energia limpa acessíveis a todos.  Mas no final, são realmente os líderes estaduais e locais – dos setores público e privado, grupos trabalhistas e grupos comunitários – que serão cruciais.

Existem quatro princípios que devem orientar a transição:

Pense grande e comece agora

As fatais quedas de energia no Texas são um lembrete doloroso de que o clima imprevisível será mais comum e haverá momentos em que afetará a capacidade de regiões inteiras do país funcionar com eficácia. Os governos devem investir agora em atualizações para tornar a rede elétrica e toda a infraestrutura dos EUA mais resilientes.  Esse processo é um exemplo de como essa transição pode tornar o país mais bem preparado para evitar um desastre climático, ao mesmo tempo em que aumenta significativamente as oportunidades de bons empregos.

Quanto mais cedo essa transição começar, melhor será para todos.  Novas tecnologias, como cimento limpo e combustível de aviação sustentável precisarão de instalações de manufatura, cadeias de suprimentos e redes de distribuição – todas as quais empregarão muitas pessoas na construção e nas operações. Quem quer que construa o primeiro deles terá uma vantagem na construção dos próximos, e quem descobrir o lado das operações primeiro será capaz de escalar mais rápido do que seus concorrentes.  Cada uma dessas peças de infraestrutura deve ser considerada como grandes projetos de construção que exigem uma quantidade significativa de mão de obra. Eles também serão investimentos de longo prazo – essas usinas e refinarias permanecerão nessas comunidades por décadas.  

Há também uma tremenda oportunidade econômica no financiamento de pesquisa e desenvolvimento.  O dinheiro de P&D cria empregos imediatos nas comunidades onde é gasto e também lhes dá uma vantagem inicial no crescimento ─ uma vez que os locais onde esse dinheiro é investido costumam ser os locais onde novas empresas se enraízam. Enquanto isso, o governo federal pode adotar políticas que incentivam os inovadores a demonstrar e implantar suas novas ideias nas comunidades onde as descobrem.

Ao escolher onde fazer esses investimentos, a equidade precisa ser um fator determinante. As indústrias poluentes estão desproporcionalmente localizadas em comunidades de minorias, em detrimento de sua saúde e bem-estar. E essas comunidades tendem a ser mais vulneráveis economicamente e têm menos salvaguardas, de modo que costumam ser mais atingidas do que outras.  Na transição para a energia limpa, as pessoas em comunidades desfavorecidas merecem oportunidades de bons empregos que não coloquem em risco sua saúde ou o meio ambiente.

Aprenda com exemplos promissores

Toledo, Ohio, é um centro da indústria de fabricação de vidro há tanto tempo que seu apelido é “a Cidade do Vidro”.  Depois que sua base de fabricação passou por tempos difíceis, os líderes locais identificaram uma nova área onde as raízes de vidro da cidade eram especialmente relevantes: a fabricação de painéis solares.  Este trabalho tornou-se uma parte fundamental da economia local.

Em Pueblo, Colorado, líderes empresariais e governamentais estão transformando uma fábrica de ferro histórica – que já foi a única empresa siderúrgica a oeste do Mississippi – no primeiro forno elétrico a arco voltaico do mundo alimentado principalmente por energia solar. Esse projeto vai garantir que pelo menos 1.000 metalúrgicos mantenham seus empregos e criará centenas de empregos na construção.

E no estado de Nova York, todos os projetos eólicos montados no mar agora são obrigados a pagar os salários vigentes aos trabalhadores que estão instalando turbinas eólicas.  Os sindicatos locais desempenharam um papel crucial na promoção do acordo.

Comprometa os recursos para que funcione

Garantir que a transição seja justa e perfeita não será barato. A Alemanha, por exemplo, planeja gastar mais nisso do que em pesquisa e desenvolvimento de inovação em energia limpa.

Mas não se trata apenas de gastar mais.  Se quiserem competir com a Europa e a China na economia verde, os EUA precisarão de uma geração de engenheiros e cientistas que se concentrem nessas novas áreas – portanto, a transição energética é outro argumento convincente para melhorar o sistema educacional dos Estados Unidos.  Mesmo melhorias relativamente pequenas nas escolas ajudariam os graduados a serem mais adaptáveis à medida que mudam de um emprego ou carreira para outro.

Os inovadores nas universidades também precisam estar conectados com empreendedores e investidores para que suas ideias possam ir do laboratório para o mercado – o que vai desencadear a criação de novas empresas que criam empregos e oportunidades.  A Universidade de Toledo, por exemplo, tem sido um parceiro importante na transição pela qual passou a cidade.

Permaneça nos trilhos

Quase todos os partidos políticos da Europa estão empenhados em evitar um desastre climático.  Portanto, quando eles assumem compromissos de 10 ou 20 anos para financiar inovação ou construir infraestrutura, o setor privado pode levá-los a sério.  Mas nos Estados Unidos, quando há uma mudança na liderança no Congresso ou na Casa Branca, isso pode significar que as prioridades e políticas mudam também – o que torna difícil para as empresas levantarem capital para, digamos, reequipar fábricas de aço e cimento.  Um sério compromisso de longo prazo com o combate às mudanças climáticas por todos os líderes faria uma grande diferença.

Mudar para uma economia verde é o maior desafio que o mundo já enfrentou.  Estou otimista que podemos fazer isso, por todas as razões que explico em meu livro. Mas isso precisa beneficiar a todos – incluindo os trabalhadores e comunidades que dependem dos combustíveis fósseis dos quais precisamos nos livrar.

Isso apareceu originalmente em gatesnotes.com.

Um comentário em “Não nos esqueçamos dos mineiros de carvão e fabricantes de cimento no caminho até zero emissões

  1. O Bill Gates tem razão, apesar de todas as suspeitas que surgiram sobre ele e sua fundação nos últimos tempos. Uma “ruptura tecnológica” está em andamento, como sempre esteve desde o começo dos tempos. A diferença é que agora sabemos mais e rápido sobre tudo que ocorre. Isso faz uma grande diferença e afeta todos os segmentos sociais, inclusive antigas e tradicionais instituições como a nossa. Veja o programa AMITY e perceberá o impacto em nossas práticas. TFA

Deixe uma resposta para seixas09 Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: