Bibliot3ca FERNANDO PESSOA

E-Mail: revista.bibliot3ca@gmail.com – Bibliotecário- J. Filardo

Sobre a Ucrania

Texto de Fabio Metzger

A grande imprensa não se preocupa em informar. Mas antes de existir a Rússia de Moscou, ou a Moscóvia, havia a Rússia de Kiev. Era ali que nasceu a Rússia. E a partir dali que a Rússia se expandiu. Não era Ucrânia. Era Rússia. Como era Rússia, a Rússia de Minsk, ou a Rússia Branca, ou a Bielorrússia. A primeira Rússia formou-se nos séculos X ao XII. Dos séculos XIII ao XVI, teve a expansão da de Moscou.

Foi nesse período que as outras duas Rússias foram, pelas vias das relações de suserania e vassalagem, integrando-se a um outro reino. O chamado Reino das Duas Terras, ou Confederação Lituano-Polaca. Uma monarquia essencialmente católica. Enquanto a Rússia de Moscou era Ortodoxa, com patriarcado próprio.

Em determinado momento, essa monarquia se dissolveu. Restou o Grão Ducado de Varsóvia, na verdade a Polônia, o Império Austríaco, e todo o restante que foi apropriado pelo Império czarista Russo. Onde a Rússia de Minsk e a maior parte da Rússia de Kiev foram incorporadas. Uma parte menor da Rússia de Kiev foi adicionada ao Império Austríaco, uma monarquia plurinacional comandada pelos Habsburgos. A nacionalidade russa de Kiev ganhou uma denominação nova: passaram a ser os rutenos. Uma identidade russa, segundo a perspectiva Habsburgo.

Com a Revolução Russa em 1917, e todas as demais etapas, incluindo aqui o Tratado Brest-Litovski, a população da maior parte do território da Rússia de Kiev ganhou independência, pelo menos até a derrota alemã em 1919, e a vitória dos bolcheviques na Guerra Civil russa de 1917-1922. Esse território definiu uma identidade moderna, com a denominação “Ukraina”, que significa “fronteira”. Para sair da I Guerra Mundial, os bolcheviques toparam abdicar do território. Com a derrota alemã, puderam reincorpora-lo como uma república na União das Repúblicas Soviéticas.

Com o fim da União Soviética, por óbvio, a Ucrânia também ganhou o direito de ser república independente, já que era um tratado de união de repúblicas. E dissolvida essa união, cada uma era uma república por si só. A Ucrânia, a Bielorússia, assim como todas as demais repúblicas.

O que isso quer dizer? Que a Ucrânia é uma mera e barata invenção, e logo ela não tem razão de ser? Não, obviamente. Há especificidades que são dela. Por exemplo: a Rússia tem uma Igreja Ortodoxa de Patriarcado em Moscou. Parte importante dos ucranianos seguem esta Igreja. No entanto, os ucranianos também têm a sua Igreja, igualmente de rito oriental, só que subordinada a Roma, e não a Moscou – é a Igreja Uniata.

Vamos então definir uma coisa: a Ucrânia é sim um modo de ser Rússia. Assim como a Bielorrússia e a própria Rússia. A Ucrânia, enquanto Rússia de Fronteira (Ukraina Rus); a Bielorrússia, enquanto Rússia Branca (BelaRus); e a Rússia, enquanto Rússia Eurasiática (Eurasia Rus). Tanto quanto a Alemanha é uma forma de ser germânica, e a Áustria é outra forma. Ou então, os diversos países árabes. A Arábia Saudita, que está na Península Arábica, no coração das Arábias, a Síria como uma Arábia mediterrânea, o Iraque como uma Arábia do Entre Rios (Tigre e Eufrates), a Argélia como uma Arábia africana, o Marrocos, uma Arábia Atlântica, e assim por diante…

Nesse sentido, a Ucrânia tem sim direito à auto determinação. O problema não é esse. É essencialmente geopolítico. Ela está governada por fantoches do Ocidente. E foi vítima de uma guerra híbrida semelhante à nossa, com um agravante. Lá, houve um golpe de Estado promovido por milícias nazistas… com apoio explícito de Washington e aliados. A Ucrânia negociava dois acordos de livre comércio. Um com a União Europeia, mais vantajoso, outro com a Rússia, que estava começando a sua União Aduaneira Eurasiática. No passado, era possível negociar mais de um acordo. Só que, de repente, teve um governo que decidiu que isso não poderia mais acontecer. Era o governo Obama, onde Biden era o vice presidente. Governo Democrata, posando para o grande público de defensores da democracia, mas nos bastidores, apoiando milícias nazifascistas. Até então vários países, o Brasil incluído, acreditaram de boa fé, que a democracia e a globalização poderiam ser um jogo ganha-ganha. Os EUA ali, de maneira dissimulada, começaram a impor regras não escritas: a globalização e a democracia é só para os ricos. Puritanos na polidez, hipócritas nas atitudes.

Os ucranianos, coitados, ficaram sem o acordo com a União Europeia que, aliás não teria condições de ser honrado. Ainda mais depois da crise de 2008-9, quando Grécia, Itália, Espanha e outros países começaram a ser arrochados pela troika Bruxelas-Frankfurt-Washington (União Europeia, Banco Central Europeu, FMI). Por outro lado, além de não fechar o acordo com a Rússia, viram a Crimeia ser anexada pelo país vizinho.

Ali, Putin rompeu o direito à autodeterminação ucraniana? Verdade. No entanto, Putin fez uso da velha cartada do Direito Internacional. Se a OTAN passou por cima da ONU para atacar a Iugoslávia em 1999. Se a mesma OTAN, dando suporte às suas tropas, permitiu que a província do Kosovo se declarasse independente, passando, mais uma vez, por cima da ONU. Se EUA e seus aliados passam por cima da ONU, e decidem, por conta própria, atacar Iraque e Afeganistão, para promover “mudanças de regime”. Então o Direito Internacional passou a ser interpretado de forma a oferecer a possibilidade de a Rússia fazer o mesmo.

Então, por mais que se fale, é preciso se lembrar de quem está provocando a situação. É o governo Biden, por meio da OTAN. Sabendo o tipo de governante que é Putin. E do tipo de governo que é a Rússia. Não se trata da pessoa do governante. Mas sim da estrutura de poder. Um sistema despótico. Herança do czarismo, do socialismo real e do que se construiu ao longo de séculos. Não para se justificar. Mas para se entender o contexto. Porque sai Putin. Mais adiante, surge outro déspota. E a Ucrânia, assim como a Bielorrússia, operam em uma lógica semelhante. Bom seria se fossem democracias. Será uma grande conquista se, em algum momento, esses países chegarem à maturidade de um regime democrático. Mas esta não é a realidade deles. Nem a Rússia, nem a Ucrânia.

A pior notícia? Trump está gostando de tudo isso. Ele quer ver o circo pegar fogo. Ele é o retrato da degradação da sociedade estadunidense. Sem filtros. Mas Biden e Obama alimentam nazistas e golpistas pelo mundo afora. Enganaram a todo mundo com a história de que todos ganham com a democracia e a globalização. Todos, não. Só quem faz parte do “Primeiro Mundo”. Os países da América Latina não fazem parte. Nem a Ucrânia.

Assistindo a tudo isso, a China leva adiante o seu projeto “One Road, One Belt”, a nova rota da seda. com tanta infraestrutura destruída na Ucrânia, o país isolado, e a Rússia sob sanções, adivinha quem aparece para a “reconstrução” do país? Acertou! E sem as velhas exigências ocidentais de arrochar a economia local, e de privatizar a infraestrutura, com o antigo e surrado discurso do “Estado Mínimo”. A Ucrânia terá perdido a União Europeia, ficará isolada diante da Rússia, mas muito provavelmente, humilhada e desesperada, verá o gigante oriental lhe estender a mão…

Não é o mundo que sonhávamos.


Fabio Metzger é pós doutorando em Geografia Humana FFLCH-USP.

7 comentários em “Sobre a Ucrania

  1. Muitas das imagens que estão a ser visualizadas pela caixinha mágica, são de video jogos, alguns de 2014….e o jogo continua… guerra dos deuses…..Putin é um avatar que recebe ordens diretas de seu criador. Não tem nada a temer, só cumprir a missão. Oh indignados e África, a morrer de fome… Pois não conta . Mais uma vez o jogo continua. Não!!! O Mago Supremo não é salvador, só a CHAMA MATTER conta. Isto é só mais um disco riscado, de um jogo a cair de podre.

    Curtir

  2. Fiquei com uma profunda sensação de estranheza quanto ao texto . Aparentemente, querem legitimar a ação russa sobre um pacato país . Independente do que tenha acontecido no passado , o que hoje vimos (e ainda estamos a ver) é um país sendo atacado por outro em virtude de interesses econômicos. Nada justifica essa guerra … Nada!!!

    Curtir

  3. A invasão do Iraque outrora apoiado pelos EUA na guerra com o Irão , teve outros contornos . É em território iraquuano que existia a Ancestral cidade de Ur, onde existe um portal interdimensional.
    E sobre a matrix dentro das matrixes, que é a tv…como é possivel a imagem de um suposto tanque blindado russo amolgar severamente um carro com uma pessoa lá dentro…das duas uma, ou era zarolho o condutor e mesmo assim conseguiu a proeza de em vez de esmigalhar, passar de raspão e calcular que os danos nunca atingiriam a pessoa, ou pensem pessoas nas estranhezas que se passam. Ou então já sei, foi um Milagre!!!!! O que vale é que a ilusão é do iludido e a verdade não depende de nada a não ser dela própria ,acreditemos ou não. Paradoxalmente tudo bem agendado, afinal assim acabou o covid………

    Curtir

  4. Muito esclarecedor o texto, o norte americano, como meu finado pai dizia quando eu ainda era um rapaz adolescente e curioso para tentar entender a causa de guerras, fome, miséria, etc…O meu velho dizia: o norte americano não dá ponto sem nó.Sempre fará o que for para garantir seus objetivos.Em sua maioria, de forma excusa.Ele tinha razão.

    Curtir

  5. Sempre foi assim, a verdade é que isto tudo foi sempre reflexo de guerras galácticas por posse. Somos híbridos e nunca deveríamos ter sido manipulados, por geneticistas sem escrúpulos. Não somos como civilização, equilibrados.
    Tudo está na Chama MATTER que se dividiu e provocou por desdobramentos o caos. Ela está a Unificar-se. Da Vinci sabia que o código do Uni versos é o 01 e tudo sendo à sua escala, continuamos violentos , agressores e perpetuadores, nem conseguimos entender que o suposto autoretrato de Da Vinci é o do CRIADOR, UNO E VERDADEIRO. O FIO PARA A MULHER DA ESPIGA ESTÁ LÁ, OS FIOS FORAM CORTADOS COMO ESTÁ NA REVISTA ECONOMIST DE PREVISÕES DE 2019 . O ANJO QUE CAIU, FOI UMA MULHER, A MULHER, o 0. OS QUE PROVOCARAM ESSA QUEDA FICARAM MUITO BEM. AGORA O FEITIÇO VOLTOU-SE CONTRA O FEITICEIRO E ESSA MALDITA ” ÚLTIMA CEIA” TERÁ AS CADEIRAS VAZIAS. ANU VOLTOU

    Curtir

Deixe uma resposta para Carla Mota Ferreira Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: