Tradução José Filardo

por Pierre-Yves Beaurepaire

O que não se tem escrito sobre a Maçonaria e suas origens! A tarefa do historiador torna-se mais árdua devido a todo o tempo em que os próprios maçons procuraram adornar a instituição maçônica com lendas, atribuindo-lhe uma tradição secular. Referências bíblicas, pegada Templaria, imagem de construtores de catedrais moldaram a imaginação desta sociedade iniciática, dando-lhe peso e credibilidade no correr dos séculos. O desafio parece, no entanto, grande de distinguir o que é mito ou história.

 

Batalhas em torno da “primeira” obediência maçônica
Em 1988, o estudioso escocês David Stevenson publicou na prestigiada editora universitária de Cambridge, The Origins of Freemasonry: Scotland’s Century, 1590-1710. (As origens da Maçonaria: o século da Escócia, 1590-1710) Concebido segundo padrões acadêmicos, com um importante aparato crítico e sem relação com os empreendimentos editoriais de “maçonólogos” e historiadores oficiais de Obediências britânicos, este trabalho erudito era destinado a um público limitado no mundo acadêmico. No entanto, tornou-se rapidamente uma referência e um verdadeiro sucesso editorial. Relançado em inglês, ele foi ainda traduzido para o francês em 1992 porque causou, em sua época, um terremoto de que certos aduladores da Grande Loja Unida da Inglaterra e de sua “maternidade universal”, como a Grande Loja dos modernos escrevia em francês no texto no século XVIII, ainda não se recuperaram…

Leia mais em : https://bibliot3ca.wordpress.com/a-maconaria-entre-a-historia-e-as-lendas-de-fundacao/