Tradução J. Filardo

por Ch. Albert REICHEN

 

“Muito embora em tempos antigos os Maçons fossem obrigados em cada país a adotar a religião daquele país ou nação, qualquer que ela fosse, hoje pensa-se mais acertado somente obrigá-los a adotar aquela religião com a qual todos os homens concordam, guardando suas opiniões particulares para si próprio, isto é, serem homens bons e leais, ou homens de honra e honestidade, qualquer que seja a denominação ou convicção que os possam distinguir. “

As palavras importantes são então “denominaçõese “convicção“. Então, primeiro: denominações parece absurdo para o autor traduzi-la por denominação porque no século XVIII e em Inglês trata-se pura e simplesmente de uma seita ou seitas que parecem florescer na época de Anderson! Havia os conformistas que respeitavam os 39 artigos da Igreja Anglicana e os não-conformistas. São citados no artigo: os Presbiterianos, os Anabatistas, os Antinomianos, aos quais o autor acrescentaria bem, de nossos dias (nota: em 1979) os Mórmons, Pentecostais e Testemunhas de Jeová, todos dignos, em um grande impulso de tolerância da parte de Anderson, de fazer parte da Maçonaria.

Leia mais em: A Religião Moral