Tradução José Filardo

Por: Julia Zorthian

7 Agosto 2017

Revista TIME 

Para mais, visite TIME Health.

 

Quando se trata de voar, nada relacionado com a proximidade com estranhos e banheiros durante horas a fio parece particularmente limpo. E, embora você não possa tornar o voo mais curto ou os assentos maiores, você pode tornar sua experiência mais sanitária, evitando alguns dos lugares mais sujos dos aviões.

Vale a pena notar que algumas pessoas podem ser mais suscetíveis a ficar doente em aviões, porque a umidade do ar da cabine é inferior a 20%, enquanto a umidade em casa geralmente é superior a 30%, de acordo com a Organização Mundial da Saúde. A exposição ao ar seco afeta o muco, a linha de defesa do sistema imunológico, deixando as pessoas marginalmente mais vulneráveis ​​a ficar doente. Um estudo de 2004 no Journal of Environmental Health Research descobriu ser muito mais provável  ​​- 113 vezes mais, por uma das medidas do estudo – que as pessoas  pegar um resfriado comum durante um voo, do que a transmissão terrestre normal.

Tirando a umidade, há um punhado de locais especialmente sujos, de acordo com pesquisas e avisos de médicos de viagem. Veja como evitá-los.

Mesinhas de bandeja do avião 

O lugar potencialmente mais sujo em um avião se desdobra diretamente no seu colo.

De maneira alarmante, um estudo de 2015 pela TravelMath que testou amostras  de superfícies duras em aviões descobriu que as superfícies da mesinhas da bandeja tinham mais de oito vezes a quantidade de bactérias por polegada quadrada do que os botões de descarga do lavatório. As bandejas tinham 2.155 unidades formadoras de colônias de bactérias por polegada quadrada, em comparação com as 127 ufc / sq. in., que é o que a National Science Foundation diz ser padrão para um assento de banheiro em casa.

O Dr. Charles Gerba, microbiologista da Universidade do Arizona, diz a TIME que as bandejas que ele testou através da pesquisa tinham vírus de resfriado, vírus de gripe humana, norovírus (que pode causar diarreia e vômitos) e a superbactéria MRSA, que causa infecções  na pele.

A grande quantidade de bactérias provavelmente está ligada às equipes de limpeza de avião que não têm tempo suficiente entre os voos para limpar as mesinhas da bandeja, informa o Wall Street Journal. E quando elas ficam limpos, estas companhias aéreas podem estar usando produtos de limpeza em geral em vez de desinfetantes.

Enquanto isso, para evitar comer o jantar diretamente de uma bandeja onde alguém empilhou lenços de papel usado e fraldas de bebê sujas poucas horas antes, limpe-o com um daqueles lenços desinfetantes, disse o Dr. Michael Zimring, diretor de medicina de viagem no Centro Médico Mercy de Baltimore, à TIME. Mas se você não sentir vontade nem de tocar a mesinha (Gerba faz isso, mas Zimring diz que não se incomoda), evite comer comida diretamente da superfície dela.

“Minha comida ficará em um prato de papel ou embalagem”, acrescenta Zimring.

Ventiladores de ar e fivelas do cinto de segurança 

Dois recursos de avião com uso frequente (que podem não receber uma limpeza regular) também estão na lista.

As aberturas de ventilação acima de cada assento são ótimas para circulação de ar ventilado para cada passageiro, mas o teste da TravelMath encontrou 285 CFUs / sq. in. em seus botões – mais bactérias do que nos botões de descarga do banheiro do avião.

As fivelas do cinto de segurança também tinham 230 FCU / sq. in., o que não é surpreendente porque cada passageiro toca sua fivela pelo menos duas vezes durante o voo.

Gerba recomenda trazer consigo um vidro pequeno ou bisnaga de gel desinfetante para as mãos no avião e usá-lo periodicamente.

Banheiros

Os banheiros de avião são higienizados regularmente – a United Airlines, Delta e American Airlines, informaram ao Journal que eles são desinfetados durante a noite e entre voos longos.

Mas Gerba ressalta que com cerca de 50 pessoas para cada banheiro, eles ainda são uma maneira fácil de pegar uma infecção.  Ele encontrou  coliformes fecais E. coli em algumas das pias, alças de descarga e assentos de banheiro que testou. TravelMath descobriu que os botões de descarga tinham 265 CFU / sq. in. (mas nenhuma bactéria coliforme fecal).

“É difícil vencer o banheiro”, diz Gerba, em termos de contaminação, “porque a água desliga, e as pessoas não conseguem completar a lavagem das mãos”. As pias são tão pequenas, ele acrescenta, que as pessoas com mãos grandes não podem nem encaixa-las completamente debaixo das torneiras.

Zimring recomenda o uso de uma toalha de papel no trinco da porta, ao sair e diz que é a única precaução que ele nunca deixa de tomar.

Bolso do assento

Os passageiros costumam tratar o bolso no banco em frente a eles como uma lixeira, enfiando lixo, lenços sujos, fraldas usadas e outras coisas no bolso.

Em aviões com ciclos rápidos em terra, as equipes de limpeza podem não ter nem mesmo a chance de esvaziar os bolsos dos assentos, e muito menos desinfetar o tecido. E um estudo da Auburn University no Alabama descobriu que os germes de MRSA sobrevivem por até 7 dias no tecido do bolso do assento – o mais longo que ele sobrevive em qualquer uma das superfícies duras e macias que os pesquisadores testaram.

A Escola de Medicina da Universidade Drexel apenas recomenda uma forma para evitar germes no bolso do encosto: “Simplesmente, não usar. Não vale a pena o risco “.

Assentos no corredor

Escolher o assento do corredor permite que você se levante sempre que sentir vontade, mas essa liberdade vem com um risco um pouco maior.

O topo dos assentos do corredor provavelmente abriga germes de todas as pessoas que caminham por eles e se apoiam, de acordo com Zimring – e muitas dessas pessoas acabaram de sair do banheiro. Portanto, tenha cuidado ao tocar a área ao lado do encosto de cabeça do corredor, e provavelmente é melhor não descansar seu rosto lá enquanto você adormece.

Sentar perto do corredor coloca os passageiros na linha de fogo de qualquer vírus transmissível que possa contaminar o avião.

Um estudo publicado em Doenças Infecciosas Clínicas analisou um voo de Boston para LA que fez um pouso de emergência devido a um surto de vômitos e diarreia. Os pesquisadores descobriram que as pessoas sentadas no corredor eram muito mais propensas a contrair norovírus, mas não houve ligação entre contrair o vírus e usar o banheiro.

“Se você se sentar junto ao assento da janela, terá menos probabilidade de ficar doente”, confirma Gerba.

 

Publicado em http://www.time.com