Tradução J. Filardo

por Denis LEFEBVRE

shutterstock images

 

Durante várias décadas, a transmissão de Antenne 2 “Os arquivos da tela” gozou de grande prestígio, de acordo com um ritual inalterado desde o seu lançamento em 1967: um filme seguido de um debate entre vários participantes é organizado, enquanto os espectadores fazem perguntas através de um padrão, o famoso “SVP 11-11”. Os debates são muitas vezes tensos, mas é a regra do jogo, e quase 900 transmissões foram apresentadas até a supressão em 1991. Em dezembro de 1975, os animadores não puderam realizar seu projeto de realizar uma noite dedicada à Maçonaria. Em vez disso, em desordem, o canal transmite um filme mais de grande público, Tintin e as laranjas azuis …

 

O caso começa no início de 1975. Mediante proposta de um repórter da Antenne 2, Jacques Brigot, o produtor do programa Armand Jammot mantém o princípio de uma noite sobre a Maçonaria. Em vez de usar um filme já realizado, decide-se fazer um documentário (que será chamado de Maçons de rosto descoberto), cuja realização é confiada a Brigot e ao diretor Ado Kyrou. Eles estabelecem um cenário, que inclui a filmagem de cenas nas próprias instalações de diferentes obediências. A princípio, o Grande Oriente e a Grande Loja da França concordam, mesmo que tudo não esteja claramente estabelecido, dados os diferentes relatos que possuímos.

Pontos de discórdia
Parece que o Conselho Federal da Grande Loja autorizou a filmagem da recepção de dois irmãos estrangeiros no saguão da Rue Puteaux, da festa de São João de Verão na commanderie de Presles, de uma sessão branca aberta no grande templo da Rue Puteaux. Essas cenas foram efetivamente filmadas e aparecem no filme. O Grande Oriente também concorda com a realização de certas cenas em seus locais: elas também serão realizadas. Mas nunca se pretendeu que sessões rituais pudessem ser filmadas. Não mais para a Grande Loja Nacional Francesa (Bineau), mesmo que essa obediência, com sede de reconhecimento, pretenda aproveitar a oportunidade para aparecer na boca de cena e rapidamente abra uma parte de suas instalações para a equipe do filme.
Mas tudo degringola muito rapidamente, em dois pontos: o filme, é claro, e o debate no final da noite. Isso é medido pela leitura de dois documentos inéditos até hoje: os relatórios de duas reuniões da “comissão inter-obediencial Grande Loja de França – Grande Oriente de França”, em 20 de junho e 24 de outubro. Essa comissão tem de costume o objetivo principal de resolver problemas materiais entre as duas obediências, por exemplo, a questão da ocupação de templos nas províncias. Mas aqui, “As pastas da tela” ocupam grande parte da discussão.
O filme? Para Maurice Pannetier, Secretário Geral do Grande Oriente, “uma comissão do Grande Oriente propôs ao Conselho da Ordem não participar desse programa, proibir a transmissão de cenas já filmadas e dar a conhecer através da imprensa as razões para esta proibição. Até agora, o GO recusou a filmagem uma cerimônia de reconhecimento conjugal, de uma sessão branca aberta e várias outras cerimônias. Pannetier acrescenta que “as lojas, em sua grande maioria, recusam essa forma de exteriorização”.
O irmão Sebastiannelli, grão-mestre adjunto da Grande Loja, disse por sua parte “a mais recente posição do Conselho Federal da Grande Loja em relação a este programa: participação, mas com controle muito rigoroso tanto durante as filmagens das sequências quanto após a edição do filme. “Pannetier intervém então: “os representantes do Grande Oriente querendo fazer contato com a equipe de filmagem, esta recusou este contato. “
A partir de junho, a causa parece ser conhecida: o Grande Oriente está mais do que relutante, a Grande Loja parece pronta a participar, desde que possa exercer um rígido controle sobre o filme. A reunião de 24 de outubro confirma essas duas posições, e as atas até acrescentam: “Com relação ao filme, as duas delegações acreditam que a exibição deve ser feita na presença do Conselho Federal e do Conselho da Ordem e não por uma delegação dos dois executivos.”
Ainda sobre o tema do filme, o irmão Jonas, finalmente, é da opinião que “o filme que será exibido, depois de recortado e editado, vai misturar sequências filmadas nas diferentes obediências, fazendo um amálgama; o que vem de cada obediência não somente não será explicado, mas dificilmente será discernível, exceto para os iniciados.” É claro, depois da exibição, que o espectador perde um pouco aí, e não consegue discernir nas imagens o que é uma obediência em particular, ainda mais que a paisagem maçônica em meados da década de 1970 é muito dividida. Nesse nível intervêm as relações entre as diferentes obediências, e a questão da participação no debate que deve seguir o filme.

Divisões
Sim, a Maçonaria é então um vasto mosaico e a situação é complicada. Para se limitar às principais obediências, o Grande Oriente é o maior, com cerca de 25.000 irmãos repartidos em 450 lojas, seguido pela Grande Loja da França (13.000 irmãos, 300 lojas), do Direito Humano (5.000 irmãs e irmãos, 60 lojas), sem mencionar a Grande Loja Feminina da França (2.200 irmãs, 60 lojas). Um tipo particular deve ser reservado para a Grande Loja Nacional Francesa (GLNF) ou melhor, para as duas GLNFs, a chamada “Bineau” e a chamada “Ópera”. Bineau (4.700 irmãos, 170 lojas) foi criado em 1913 sob o signo de um retorno ao simbolismo impecável é a única obediência francesa reconhecida pela maçonaria britânica. Bineau sofreu uma cisão em 1958, com a criação da GLNF-Opera, acusando essa obediência de ser subserviente ao Serviço de Inteligência. O Grande Oriente e a Grande Loja têm acordos com a Ópera, embora muito minoritários (800 irmãos, 40 lojas), e têm um olhar muito duro sobre Bineau. Para a Rue Cadet, por exemplo, a GLNF não é nem grande, nem nacional, nem francesa! Uma posição ainda mais acentuada pela presença nesta obediência de antigos membros do Grande Oriente, incluindo o ex-Grão-Mestre Adjunto Jean Baylot, uma personalidade considerada demoníaca por seu passado político e suas orientações, um “traidor”, portanto. O mesmo Baylot, nas semanas que antecederam a transmissão, anunciou que participaria dela com Marcel Cerbu, um desertor da Grande Loja de França, da qual ele havia sido Grande Secretário. Ambos pretendem aproveitar para estabelecer o que torna sua obediência a única regular. A partir de 20 de junho, na comissão Inter obediencial, o Grande Oriente se mostra “desejoso de evitar qualquer enfrentamento entre obediências durante o debate que se seguirá ao filme”. Ele vai mais longe na reunião de 24 de outubro, podemos até notar que as duas obediências estão divididas, dado o relatório: “Com relação à participação no debate, as opiniões expressas pelas duas delegações são bem diferentes, os representantes da Grande Loja parecendo apoiar a presença de sua Obediência no debate, enquanto os representantes do Grande Oriente reafirmaram as posições de seu Conselho da Ordem por uma abstenção ao debate e a retirada das sequências filmadas nos locais do Grande Oriente. “
Tudo se mistura: o filme, a emissão.

O fim do projeto?
Surge a questão para o Grande Oriente e a Grande Loja de substituir o documentário por um filme “clássico” … mas qual escolher? Na comissão de 20 de junho, um participante propõe alguns títulos: A montanha é verde, dedicada a Victor Schoelcher; De homem para homem, sobre Henri Dunan ou Camisa Vermelha sobre Leon Gambetta. Forças ocultas está agora avançado na discussão, este filme antimaçônico feito durante a Ocupação, sob controle alemão! Parece mesmo que uma exibição deste filme foi organizada algumas semanas depois na Cinémathèque du Trocadéro … O representante da Grande Loja teria se oposto a essa hipótese, observando que setenta por cento dos espectadores assistiam ao filme das Pastas da tela, e em seguida, mudavam de canal quando o debate começava. “Então, ele teria dito, vocês vão projetar um filme nazista para pessoas que não vão ouvir os comentários necessários! “
Em 14 de novembro, Richard Dupuy – grão-mestre da Grande Loja desde setembro – escreveu ao presidente de Antenne 2, Marcel Jullian, para que ele soubesse que nenhum representante de sua obediência iria debater uma reportagem que ele mesmo não teria tido a oportunidade de ver antes. Jullian não se apressa a responder a esta carta … ele acha que tem as obediências para usar e acredita que ninguém poderá se recusar a participar desse programa especial? Mas ele deve liberar um pouco de lastro e, diante da multiplicidade dos protestos das duas obediências, das ameaças de ação judicial, do boicote ao debate, uma projeção privada do filme é organizada no dia 5 de dezembro, diante de uma delegação enviada pela Grande Loja e o Grande Oriente, liderada por seus respectivos grãos mestres. A impressão dos maçons é catastrófica: este filme é ridículo e dá uma imagem pueril da Maçonaria.
Os dignitários do Grande Oriente, reunidos à saída do estúdio, decidem no local se opor à projeção do filme e até ameaçar fazer uma ação judicial contra Armand Jammot. Os dignitários da Grande Loja, reunidos na Rue Puteaux até as três horas da manhã, decretam que nenhum de seus membros participaria de um debate organizado em torno deste filme.

Relações de força
Em 8 de dezembro, Richard Dupuy escreveu a Armand Jammot para sugerir que ele substituísse essa reportagem “ridícula” pela exibição do filme de Bergman, A Flauta Encantada. O grão-mestre do Grande Oriente, Serge Béhar faz a mesma proposta a Marcel Jullian, depois o Grande Oriente envia à Antena 2 um oficial de justiça para obter a proibição da transmissão do documentário. Desta vez a batalha está em andamento.
Depois as obediências recorrem às autoridades. Os grão-mestres se dirigem sucessivamente ao porta-voz do governo, André Rossi, ao primeiro-ministro Jacques Chirac e até mesmo ao presidente da República, Valéry Giscard d’Estaing. Por sua parte, o senador maçom Henri Caillavet, relator do orçamento da televisão no Senado, intervém junto a Marcel Jullian.
Para responder a esta ofensiva, Armand Jammot precipita as coisas: ele anuncia que a emissão será agendada para 16 de dezembro.
Segunda-feira, 15 de dezembro, no fim da noite, ele faz pela primeira vez, contato por telefone com Richard Dupuy, e lhe informa que a Grande Loja Nacional Francesa estará também ela presente ao debate, com dois de seus dignitários, Jean Baylot. e Marcel Cerbu. Isso é inaceitável para Dupuy, mas Jammot lhe responde: “A emissão acontecerá, não importa o que aconteça! “
Durante todo o dia de terça-feira, os telefonemas se sucederam entre Richard Dupuy, Serge Behar, Armand Jammot, Marcel Jullian e Guy Darbois, o homem de orquestra do programa. Mas cada um mantém sua posição. Às 19h, Marcel Jullian liga para Richard Dupuy, que lhe declara: “Se você mostrar o filme, nós iremos para fazer um esclarecimento vigoroso! Ainda uma nova chamada às 20h. Dessa vez, Richard Dupuy explode: “Estou cansado dessa comédia! Agora eu entendo! Você precisa que eu diga não para assumir a responsabilidade de suprimir o programa. Tudo bem, faça o que quiser, mas você o fará sem mim! “
Às 20h27, Guy Darbois tenta uma última medida. Ele avisa Dupuy que o filme será transmitido nos minutos que se seguem. O último lhe responde em substância que sua televisão está ligada: se o filme começar, chego com alguns amigos.
Momentos depois, uma apresentadora aparece na telinha, anunciando o adiamento da emissão sobre a Maçonaria. Em vez disso, o canal programa um filme … Tintin e as laranjas azuis!
Depois de um interlúdio de alguns momentos, os irmãos Baylot e Cerbu aparecem na tela e explicam que foi uma boa guerra, que a Grande Loja Nacional é vítima de uma medida de intolerância, somente pelo seu comportamento, a Grande Loja de França e o Grande Oriente impediram a expressão da única potência maçônica reconhecida e regular, representando seis milhões de maçons no mundo.
Tirando lições desta declaração, Serge Béhar declara no dia seguinte a alguns irmãos: “Tivemos uma amostra de como seria o debate se tivéssemos concordado em participar! “
Ao obter a supressão da emissão de Armand Jammot, as duas obediências de fato evitaram a revelação pública das discussões internas da Maçonaria. Este ponto é decisivo, mesmo que a GLNF dê a impressão de ter puxado as castanhas do fogo. Mas, para voltar à questão do filme, imperfeito ninguém duvida, essa história oferece a ilustração da dificuldade que então tiveram as obediências em aceitar um olhar de fora para a Maçonaria, enquanto eles não imaginam que se pudesse revelar aos não-maçons o que constitui a própria essência dos trabalhos maçônicos, dos ritos, da iniciação. Em um comunicado divulgado no dia seguinte, Richard Dupuy retornou a este ponto, escrevendo: “É difícil filmar o incomunicável. “ No convento de setembro de 1976, Serge Béhar declarou por sua vez, retornando a esta emissão: “Neste ano maçônico nos pareceu, mais claramente do que nunca, que a experiência vivida em loja não poderia ser material de exteriorização. “ Dupuy e Behar estão certos. A divulgação iniciada na década de 1960, era um fato fundamental, mas as obediências estavam muito mais confortáveis ​​em conferências públicas ou em reuniões que elas mesmas organizavam.

Para informação
É surpreendente que o site “Gadlu.info” e a página da Wikipedia dedicada aos “Arquivos da Tela” escrevam que o documentário Os Maçons de Rosto Descoberto foi de fato, transmitido na Antenne em 16 de dezembro de 1975. … duas informações a corrigir!

O filme
O filme Os Maçons de Rosto Descoberto foi realizado especialmente para “Os Arquivos da Tela”, por Ado Kyrou e Jacques Brigot.
Ele mistura pedaços de cerimônias maçônicas, entrevistas com maçons e entrevistas com não maçons. Muitos comentários são incorporados em voz de fundo, geralmente sobre imagens filmadas na Rue Cadet.
Não há nele nenhuma cerimônia maçônica. O filme pode sugerir um tempo a abertura dos trabalhos de uma sessão da GLNF (Bineau), na presença do grão mestre daquela obediência, Auguste-Louis Derosière, com um certo decoro, mas os cineastas se retiraram rapidamente a seu pedido, “a cerimônia de abertura só pode ser realizada na presença de maçons”. Não menos cerimônia na rue Cadet: só ​​vemos alguns momentos de uma reunião entre o Grão-Mestre Prouteau e irmãos africanos. A mais longa é uma cena dedicada a uma sessão branca aberta na rua Puteaux, na Grande Loja da França, na presença do grão mestre Pierre Simon, que discursa longamente diante de profanos. Mas esta não é uma sessão ritual. A GLFF também é apresentada, com irmãs se preparando para entrar na sessão, mas as portas são rapidamente fechadas.
O filme se desenrola: algumas irmãs e irmãos são entrevistados com rostos descobertos, visitamos o templo Arthur Groussier, descobrimos um gabinete de reflexão. Os comentários dos cineastas dizem respeito à história da Maçonaria, sobre a composição sociológica das Obediências, sobre o segredo, os ritos. Assistimos a uma celebração de São João organizada pela Grande Loja da França em Presles, e o filme termina com uma cerimônia no túmulo de um irmão recentemente desaparecido. Tudo isso, de qualquer maneira, dá uma impressão de bricolagem, de elementos colocados aqui e acolá sem muita coerência. Está isso relacionado com o fato de que as obediências fizeram corpo mole, não participando realmente da produção deste filme? Possível.

Mais interessantes talvez sejam os trechos de entrevistas feitos na rua. Mas poucos são favoráveis ​​à Maçonaria: “Eles são burgueses”, “A maçonaria é um pilar do sistema”, uma mulher repreende os maçons “seus salamaleques, seus ritos, seus aventais. Tudo como na Igreja, certo?” um homem acha “um pouco desatualizada, mas qualquer associação é útil, mesmo que apenas pelo agrupamento de homens e, portanto, de opiniões “, uma freira finalmente lança que “é diabólico” … Não é de se admirar!
Uma passagem surpreende (pelo menos) o espectador. Entrevistado, o senador Henri Caillavet, presidente da fraternidade parlamentar (que reúne os deputados, senadores e membros dos conselhos econômicos e sociais de todas as opiniões políticas) apresenta essa estrutura que examina os textos submetidos ao parlamento, antes de acrescentar: “Nós nos esforçamos para apresentar alterações que nos são comuns” Falta de jeito? Possível. Em todo caso, é difícil imaginar que tais propostas possam ser feitas hoje, elas não o eram já em 1975, mas aqueles que conheceram Henri Caillavet não ficarão surpresos: o homem se deixava muitas vezes levar pela paixão. Acima de tudo, nesta Quinta República altamente politizada, é difícil imaginar que tal ação conjunta seja possível entre parlamentares de esquerda e direita para mudar os textos governamentais!
Hoje podemos ver facilmente este filme na Net. A cada um de formar sua própria opinião…

Eles aparecem no filme, ao lado de irmãs e irmãos anônimos

Auguste-Louis Derosière (1905-1982)
Fotógrafo de formação que se tornou empresário, iniciado em 1934, foi grão-mestre do GLNF (Bineau) de 1971 a 1980. Durante esse período, ele foi confrontado com uma crise interna de sua obediência em torno dos graus simbólicos.
Henri Caillavet (1914-2013)
Iniciado em 1935 no Grande Oriente, ele nunca escondeu sua participação na Maçonaria. Ministro efêmero sob a Quarta República, foi acima de tudo um parlamentar ativo, como deputado (1946-1958) e senador (1967-1983), especializado em questões sociais: IVG, divórcio, transplantes de órgãos, eutanásia. Ele também foi relator do orçamento de imprensa e TV.
Jean-Pierre Prouteau (1930-1998)
Iniciado em 1961, ele foi Grão-Mestre do Grande Oriente em 1973-1975.
Este antigo oficial da marinha, radical, artesão do não engajamento público do GO em batalhas políticas e eleitorais, foi entre 1978 e 1981, sob Valéry Giscard d’Estaing, Secretário de Estado das Pequenas e Médias Empresas.
Pierre Simon (1925-2008)
Iniciado em 1953, ele foi Grão-Mestre da Grande Loja em 1969-1971 e 1973-1975.
Este ginecologista-obstetra foi um dos fundadores em 1956 do Movimento Francês para o Planejamento Familiar, depois ajudou Lucien Neuwirth a legalizar a contracepção na França.

Eles desempenharam um papel nas últimas semanas deste caso:

Richard Dupuy (1914-1985)
Iniciado em 1947, este advogado de origem magrebina tornou-se grão-mestre da Grande Loja em 1956 e foi reeleito 11 vezes para o cargo até 1977. Nesse cargo, ele tentou por muito tempo normalizar as relações entre as obediências masculinas francesas.
Serge Béhar (1922-2002)
Anteriormente das Forças Francesas Livres, iniciado em 1953, este pneumologista foi grão-mestre de 1975 a 1977. Ele tinha várias cordas em seu arco … ao lado de suas atividades médicas e maçônicas, ele escreveu cerca de vinte peças de teatro, e muitas delas foram encenadas.

 

 

Publicado na Revista FM-Franc Maçonnerie