Ivan Antônio Pinheiro

Introdução

A julgar pelo título, o leitor é capaz de imaginar que “vem heresia por aí”, afinal, como admitir um novo olhar por sobre uma instituição já centenária, para alguns, milenar, portanto lastreada em pura tradição? Sim, à primeira vista há uma contradição, mas esta não resiste, como demonstrarei, a um olhar histórico-crítico capaz de trazer luz à cegueira dos apaixonados, como há muitos no RER em particular e na Maçonaria em geral, onde a taxonomia bibliográfica já os reúne em um grupo: os românticos, cuja visão só se explica pelo conforto (vaidade, necessidade?) da identificação com os heróis da saga, alguns já entronizados, e destes, até o mal realizado é justificado em nome de um suposto bem.

Destarte, “um novo olhar” pretende questionar alguns pontos admitidos como já pacificados, mas sem qualquer pretensão de estabelecer uma nova ou mesmo verdade alternativa, mas antes a de despertar e provocar outra tradição, que de tão antiga hoje parece em desuso, quase esquecida: a reflexão crítica. E não faço a crítica pela crítica, tão somente exploro uma das mais caras faculdades humanas – o conhecimento pela cognição – que tem, na Maçonaria, um campo fecundo para o seu exercício, e tenho mesmo dúvidas se o seu desenvolvimento (pela via da reflexão crítica) não é um dos principais desideratos da Ordem.

Publicado em Revista Ciência & Maçonaria – Vol 9 – #1 – jul/dez 2022


Se queres ir mais longe, clica em REGIME ESCOCÊS RETIFICADO


Obras maçônicas à venda.
Clique aqui