“A Associação Nacional Maçônica no Brasil (Anmb) divulgou nota com o título “Salve, salve, 31 de março!”, em alusão ao golpe militar de 1964, e manifesta “apoio incondicional” a Bolsonaro”

Reação da verdadeira Maçonaria:

“Aos Maçons da COMAB e aos cidadãos brasileiros pedimos que desconsiderem e não compartilhem a referida nota por configurar apologia à ditadura, caracterizando crime no Brasil, por afrontar a Lei de Segurança Nacional (Lei
7.170/83), a Lei dos Crimes de Responsabilidade (Lei 1.079/50) e o Código Penal (artigo 287).


Tal atitude é contrária aos princípios preconizados por todos os Maçons.”

(COMAB – Confederação Maçônica do Brasil)


“A referida “associação” não representa a maçonaria regular brasileira, que por postulado universal tem por princípio não se manifestar sobre qualquer vertente e ou ideologia político partidária. O pronunciamento em nome da Maçonaria Regular Brasileira cabe aos seus respectivos Grão Mestres, que sempre se nortearão pelos princípios da legalidade e da ponderação, sempre em prol do bem comum e em respeito ao apartidarismo político que rege
nossas atividades.”

(Assinada pelos GGMM do GOB-MG – GLMMG – GOMG)


“Consideramos desnecessário lembrar o compromisso de cada Maçom com os termos de nossa tradiciOnal tríade Liberdade – Igualdade – Fraternidade” – o equilíbrio entre as três pressupõe que ao Maçom nenhum regime político ditatorial, que casse liberdades individuais e atente contra o Estado Democrático de Direito conforme nossa Carta Magna, possa ser defendido, abrigado, apoiado.”

(Grande Oriente de São Paulo)


“Ainda, essa referida associação, ao fazer apologia à ditadura, afronta a lei de segurança nacional, sendo isso considerado crime no Brasil, conforme a Lei de Segurança Nacional (Lei 7.170/83), a Lei dos Crimes de Responsabilidade (Lei 1.079/50) e o Código Penal (artigo 287). E isso vai contra os princípios assumidos por todos os maçons regulares brasileiros, de sempre respeitar as leis de sua cidade, estado e país.


Assim, fica nítido que a referida associação não tem legitimidade para pronunciar-se em nome da Maçonaria Brasileira, ou mesmo como uma entidade maçônica regular, ficando externado e registrado aqui nosso repúdio pelo uso indevido do bom nome da sublime instituição maçônica com fins ideológicos, o que contraria nossos princípios mais básicos.”

(CMSB – Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil )


Lembremo-nos das palavras do Prof. Leandro Minozzo:

“Mesmo com a restrição dos debates partidários dentro das lojas, é natural que existam maçons de direita, de esquerda, de centro e até aqueles que não se posicionam. O que causa desconforto é o alinhamento de número significativo de maçons ao que podemos chamar de bolsonarismo, ou à tendência política caracterizada pela idolatria, pelo conflito permanente, apologia à violência, pelo conservadorismo radical e sectário e pelo apoio incondicional às medidas neoliberais (de patriotismo questionável). Há, entretanto, uma gritante incompatibilidade entre os princípios da Maçonaria com esse viés político e moral descrito, com o bolsonarismo. Na última semana, com a afronta ao republicanismo feita na ameaça contra o STF e o Congresso Nacional, essa incompatibilidade entre os valores e as manifestações do bolsonarismo em relação aos da maçonaria tornou-se ainda mais forte.”

Bolsonarismo e Maçonaria