Catarina Guerreiro |

O documento conta com o apoio das duas maiores obediências masculinas

AP Photo/Francois Mori

O massacre ocorrido na redacção do Jornal Charlie Hebdo, em Paris, levou a a maçonaria portuguesa a unir-se de forma inédita para condenar o ataque.

“A Maçonaria portuguesa manifesta a sua solidariedade para com o povo francês”

Num comunicado conjunto, as cinco diferentes obediências maçónicas condenam o “horrível atentado”, considerando que foram postas em causa “os valores fundamentais da democracia”.

Aproveitam para “reiterar o seu compromisso na defesa indefectível da total e absoluta liberdade de consciência, da liberdade de expressão, em particular a liberdade de imprensa”.

O documento conta com o apoio das duas maiores obediências masculinas, o Grande Oriente Lusitano e a Grande Loja Legal de Portugal, mas também da maçonaria feminina (a Grande Loja Feminina de Portugal) e as duas estruturas que aceitam reuniões mistas: a Federação Portuguesa da Ordem Maçónica Mista Internacional – Direito Humano e a Grande Loja Simbólica de Portugal.

“A Maçonaria portuguesa manifesta a sua solidariedade para com o povo francês”, referem no fim da nota.